sexta-feira, 25 de janeiro de 2019

O Fim Patético



“País Canalha é o que não paga precatórios”

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

Há um régulo de opereta prestes a cair de maduro.

Depois de quase destruir seu país, agora começa a insultar o Mito e seu ilustre vice, numa tentativa desesperada de provocar uma guerra e salvar (se é que possível) sua fracassada biografia.

A fome leva ao desespero. Um belo dia será linchado por seu próprio povo, seus generais ou seus guarda-costas.

Com a decisão do presidente Trump de não comparecer à reunião de Davos, todos os holofotes estavam sobre o presidente Bolsonaro. Não foi envenenado pelos “bonzinhos” globalistas; estreiou no tapete vermelho reservado às superpotências.

É claro que sem a proteção dos Estados Unidos da América, o Brasil está muito vulnerável aos ataques da rapina internacional.

Pagará o preço por depender de seu “irmão” mais velho. Absorção da Embraer pela Boeing, a destruição, no passado, da Engesa, a explosão da base de Alcântara, etc.

Com o fim dos roubos, dos desperdícios e das ONGs sem controle, poderemos, em breve, começar a reconstrução nacional.

A primeira escola com café da manhã para crianças que talvez não tenham outra refeição no dia. Sejam ensinadas apenas noções de higiene, de uso rudimentar do dinheiro e de localização pessoal no tempo e no espaço.

À merda com as teses montessorianas das pedagogas gagás ou mal intencionadas.

Com equipamentos de som à pilha e baratos, que se toque em todo país, o Hino Nacional e música de qualidade. Basta que a criança ouça pela primeira vez Mozart ou Beethoven, que estará vacinada contra o mau gosto e vulgaridade hoje reinantes.

Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

3 comentários:

jomabastos disse...

A maior ave de rapina mundial são os Estados Unidos da América, pois é lá que existem os donos dos Grande Bancos Mundiais e os donos das Maiores Empresa Mundiais.
Brasileiro ama agarrar nas bolas dos americanos.
Brasileiro não quer ser uma grande potência socioeconômica independente, mas ficar eternamente sob a alçada dos EUA?

Brasil não necessita da proteção dos EUA, mas sim acabar com os seus corruptos e com a atual Constituição pró Foro Privilegiado, pró-comunista e anti boa gestão nacional.
Com a atual corrupção e paupérrima gestão pública, o país demorará muito a desenvolver-se.
Até no governo atual existem políticos com envolvidos em investigações.

Há que recuperar a Educação e Cultura do país, mas infelizmente o país está entregue a um ministro colombiano e a seus assessores filosofados.

Anônimo disse...

Parece que, na Venezuela, se trata de briga entre dois esquerdistas.

Anônimo disse...

Bolsonaro não foi envenenado pelos globalistas porque preferiu comer hamburguer com fritas e Coca-Cola em restaurante popular, mas O Antagonista disse que um assessor de imprensa da comitiva de Jair Bolsonaro em Davos já trabalhou para o petista Vicente Cândido e fêz campanha aberta contra Bolsonaro nas eleições. Um comentarista no Aluízio Amorim disse: " E se fosse um esfaqueador?"