segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

O Renascimento da Esperança – Brasil 2019


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Sérgio Tasso Vasquez de Aquino

O dia primeiro de janeiro de 2019 marca o fim do período mais sombrio da História do Brasil, iniciado em 1985 e agravado a partir de 1990, com deterioração exponencial e crescente entre 1994 e 2016, quando o esquerdismo deletério dominou o governo federal e implantou sua maneira viciosa e viciada de ser na vida nacional, em todas as suas manifestações.

Estivemos, de fato, sob o império do mal, que propositadamente nos conduziu à mais grave crise espiritual, ética, moral, econômica, política de nossa vida de país independente, com reflexos gravosos e destruidores na educação, na saúde e no saneamento, na segurança pública, na renda e no emprego, na infraestrutura de transportes, de energia e de comunicações, nas relações entre pessoas e grupos sociais, em tudo o que se mire, e, também, nas expressões científica e tecnológica e militar do poder nacional.

Sofremos um deliberado processo de lesa-Pátria e de subversão da ordem democrática vigente sob os auspícios dos sucessivos governos federais, ora entreguistas e vendidos aos interesses das nações e grupos dominantes na arena internacional, ora caudatários da cruel revolução vermelha extremista e, em alguns períodos, subordinados a ambas as traiçoeiras manifestações contrárias aos legítimos Objetivos Nacionais. O Estado passou por um proposital desmonte, tendente a solapar a razão mesmo de sua existência, de prover o Bem Comum e de promover a paz, a justiça, o direito, a liberdade, a democracia, a ordem e o progresso, e a Nação, desprotegida e abandonada por quem deveria conduzi-la aos caminhos da felicidade e da abundância, promover os bons costumes e a convivência respeitosa e fraterna entre todas as pessoas e grupos sociais e  defendê-la adequadamente contra todos os perigos e ameaças internos e externos, sentia-se crescentemente desesperançada e entregue à própria sorte.

Todos os Presidentes da República no tormentoso período de 1985 a 2018, com a única exceção de Itamar Franco, têm contas a prestar com a Justiça, em menor ou maior grau. Um deles, emblematicamente, está condenado e preso por seus crimes e passível de julgamento em vários outros processos. O Legislativo Federal, pelo comportamento corrupto, tortuoso, de expressiva porcentagem de seus integrantes nas Duas Casas, e pela auto concessão continuada e repetida de regalias e vantagens financeiras absurdas, totalmente acima e além da empobrecida realidade nacional, fenômeno também ocorrente no Judiciário e estendido às carreiras privilegiadas do Executivo, condenou-se ao descrédito, à desconfiança, à desvalorização vertiginosa perante a opinião pública.

O grande câncer na vida nacional e o grande tributo cobrado dos brasileiros, que impossibilitaram Desenvolvimento e Segurança nos níveis adequados e desejados, nos anos recentes, com aceleração vertiginosa e de propósito, para matar a democracia, no período  de predomínio lulopetista, tem sido a  gigantesca corrupção, ainda hoje presente, em níveis inéditos e possivelmente sem igual no mundo. Num quadro de agudo comprometimento do Executivo e do Legislativo Federais, que se repetiu dolorosamente nos níveis estadual e municipal, por todos os rincões do Brasil, assumiu o STF papel de protagonista, na apreciação e no encaminhamento de soluções para os grandes problemas nacionais, fugindo ao seu desiderato de corte constitucional.

Ali, também e infelizmente, manifestaram-se distorções, com a atuação de Ministros influenciados em seus julgamentos por servidões políticas e ideológicas às suas origens e obedientes aos interesses dos Presidentes que os indicaram e/ou pelo apelo de aparecer polemicamente com destaque e frequência na mídia. O resultado de 6x5, com o predomínio do que ficou conhecido como “bancada do Bem”, tem sido uma constante nas votações em Plenário, configurando equilíbrio instável e passível de alteração para o outro lado, com reflexos gravosos e reais na segurança institucional.

Diante de tudo isso, finalmente despertou a consciência cívica do povo, até então mergulhado em apatia e inércia, contra os roubos, as explorações e as espoliações de que vinha sendo vítima. A partir de 2013, mobilizou-se, saiu às ruas para manifestar o inconformismo, redundando na grande força pelo impeachment de Dilma Rousseff. Continuou mobilizado, e provocou o grande movimento nacional que, espetacularmente, elegeu Bolsonaro, novos governadores com seus patrióticos e moralizadores ideais alinhados, e renovou grande, expressiva parte do Congresso Nacional.

Por toda a parte e em todos os corações, almas e mentes bem formados ressurgiram a fé, a esperança e a confiança de que o Brasil voltará aos radiosos rumos a que está predestinado, por sua grandeza e natureza. As primeiras manifestações públicas do Presidente e dos seus Ministros mostram que novos tempos se abrem, e que a Pátria, depois de tantos anos de tristeza, retrocesso, perigos e trevas contra a Liberdade e a Democracia e o Bem Comum, tem mãos firmes ao timão, apenas orientadas pela realização dos Objetivos Nacionais, sem subordinação a quaisquer influências e interesses estrangeiros, organismos internacionais e ONGs, nem à mais cruel e torpe ideologia engendrada pelo inferno, para desgraçar e perverter a pessoa humana e a sociedade dos filhos de Deus, criados à Sua Imagem e Semelhança.

QUE DEUS PROTEJA, ORIENTE E GUIE NOSSOS NOVOS GOVERNANTES, PARA QUE NUNCA MAIS PROSPEREM, NA TERRA DE SANTA CRUZ, A INIQUIDADE, A TRAIÇÃO, A PERFÍDIA, O MAL, AS AGRESSÕES À LIBERDADE E O ASSALTO AO PATRIMÔNIO NACIONAL!  BRASIL ACIMA DE TUDO! DEUS ACIMA DE TODOS! TUDO PELA PÁTRIA! (Rio de janeiro, RJ, 03 de janeiro de 2019).

Sergio Tasso Vásquez de Aquino é VAlte(Ref).

2 comentários:

jomabastos disse...

O extremismo político e social, nunca transportou boas soluções para o desenvolvimento socioeconômico dos países.

Anônimo disse...

Por sua natureza excludente, as posturas diante da realidade nacional de patriotas e liberais são paralelas que não se encontram nem no infinito.