quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

O “PPP” do Novo Regime Militar Brasileiro



Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net
Membro do Comitê Executivo do
Movimento Avança Brasil

Regime Militar? 1964 a 1985? Isto é coisa do passado. O Brasil agora tem de cuidar do presente para ter algum futuro. A “surpreendente” eleição do Capitão Jair Messias Bolsonaro e seu vice General Antônio Hamilton Mourão produziu um fenômeno institucional. Os militares “tomaram” o poder no Brasil pelo voto direto e democrático. O País se descobriu de maioria conservadora, depois de tanta incompetência e ladroagem dos falsos progressistas de esquerda.

Dá até para brincar que criamos, ns urnas, uma espécie de jabuticaba. Um regime com proeminência militar que foi escalado pela maioria da população para enfrentar, neutralizar e, de possível, derrotar e exterminar a Ditadura do Crime Institucionalizado que se apossou da impropriamente denominada “Nova República” (1985 até 2018?). Tudo indica que estejamos em uma transição para algo diferente. Inclusive para reformas e, (quem sabe?), mudanças estruturais.

Agora, temos um Governo Federal com quase 70 cargos de alto escalão ocupados por qualificados oficiais das Forças Armadas. A tão falada e temida “Intervenção Militar” aconteceu sem golpe – ou, no máximo, por um golpe de sorte, sem necessidade de uma quartelada. Os arautos do Estado-Ladrão estão apavorados. A “Esquerda” parece uma virgem no bordel. A tal “Direita” ainda provar que tem competência, racionalidade e equilíbrio emocional para liderar o Brasil.

Enquanto os extremos ainda se bicam e se xingam, sobretudo nas redes sociais, Bolsonaro vai cuidando da saúde e tomando pé da real situação de um País dominado pelo Crime (ainda sem castigo). Mourão vai mostrando habilidade para evoluir sua relação pessoal com Bolsonaro, enquanto ocupa espaços de gestão, exercitando o diálogo e emitindo opiniões que fogem ao senso comum, inclusive com toques de bom humor que entristecem os inimigos.

A dupla eleita joga o jogo direitinho, para desespero dos extremistas. O flamenguista Mourão dá um show de diplomacia como método para atingir objetivos. Até os vascaínos gostam dele... Seu chefe Bolsonaro, um palmeirense com tique botafoguense, tem atuado com a máxima discrição e humildade. Agrada até aos corinthianos... O Presidente mais ouve do que fala. Começa a evoluir da fase de uma espécie de “sindicalista” do segmento militar para a postura sábia e hábil de um aprendiz de Estadista. O comportamento equilibrado de Bolsonaro é uma facada mortal, simbólica, na oposição burra e canalha.

Os militares inauguram um novo capítulo na História do Brasil. Atuam como gestores, cumprindo missões, fazendo planos, tocando projetos e entregando resultados objetivos, visíveis ou ainda invisíveis. O foco é a institucionalidade. O objetivo inicial é integrar ministérios que, antes, estavam entregues a diferentes quadrilhas. Cada feudo de um grupo de bandidos agia sem qualquer compromisso de integração – inclusive para roubar...

Assim, forçados a gerir um orçamento apertado, os milicos agora começam a mostrar que é possível uma gestão estratégica do Brasil. Ainda é cedo para falar de resultados maravilhosos. Alguns militares ainda enfrentam a falta de vivência e paciência para lidar com a canalhice do mundo da politicagem. Mas muitos já mostram elevada capacidade de articulação e, sobretudo, muito jogo de cintura para dialogar com opositores, adversários e inimigos.

A qualificação dos militares no poder surpreende. Se obtiverem sucesso na gestão básica de ministério e de empresas estatais (de economia mista), mostrando que é possível fazer Política de Alto Nível no Brasil, sem babaquices e infrutíferas polêmicas ideológicas, será possível vislumbrar uma etapa histórica ideal. Os militares, junto com os segmentos esclarecidos da sociedade, terão a chance, inédita, de formular um Projeto Patrótico de Poder, cuja base será a Democracia – e não a demagogia dos bandidos organizados.  

Circula, nas redes sociais, uma lista de militares no governo. A tendência é que o número aumente. Depois de perderem a guerra ideológica de comunicação para a “esquerda”, que teve competência na demonização dos governos dos Presidentes-Generais, os militares na ativa, na reserva ou reformados dão sinais de que estão prontos para mudar o Brasil para melhor, agindo como servidores profissionais de um Estado que precisa ser reinventado.

Quem duvida que confira a lista abaixo, com nomes de militares de reconhecida qualidade e formação intelectual. “Ditadores” são os bandidos... Os milicos estão prontos para atacá-los abertamente, dentro das regras do jogo democrático, em meio a uma guerra de todos contra todos os poderes.

Que não demore a acontecer o PPP - "Projeto Patriótico de Poder"...

ELEITOS

01 – Presidente da República – Capitão Jair Bolsonaro,

02 – Vice-presidente da República – General Hamilton Mourão.

ABAIXO OS NOMEADOS

03 – Ministro da Secretaria Geral da Presidência – General Floriano Peixoto

04 – Secretário Executivo da Secretaria-geral – ?

05 – Secretário Especial de Assuntos Estratégicos da Secretaria-geral – General Maynard Marques de Santa Rosa,

06 – Secretário-Executivo Adjunto da Secretaria-geral – General de Divisão Lauro Luis Pires da Silva,

07 – Assessor Especial da Secretaria-geral – Coronel Walter Félix Cardoso Junior,

08 – Secretário de Administração – Coronel Gilberto Barbosa Moreira

09 – Ministro do GSI (antiga Casa Militar) – General Augusto Heleno,

10 – Secretário-Executivo do GSI – General de Divisão Valério Stumpf Trindade,

11 – Secretário de Coordenação de Sistemas do GSI – Contra-Almirante Antonio Capistrano de Freitas Filho,

12 – Secretário de Assuntos de Defesa e Segurança Nacional do GSI – Major Brigadeiro do Ar Dilton José Schuck,

13 – Secretário de Segurança e Coordenação Presidencial do GSI – General de Brigada Luiz Fernando Estorilho Baganha,

14 – Secretário-Executivo Adjunto do GSI – Brigadeiro do Ar Osmar Lootens Machado,

15 – Asssessor do GSI – General Eduardo Villas-Bôas

16 – Ministro da Defesa – General Fernando Azevedo e Silva,

17 – Secretário-Geral da Defesa – Almirante de Esquadra Almir Garnier Santos,

18 – Chefe de Gabinete da Defesa – General Edson Diehl Ripoli

19 – Secretaria de Produtos de Defesa – General de Divisão Decílio de Medeiros Sales,

20 – Secretário de Pessoal, Ensino, Saúde e Desporto – Tenente Brigadeiro do Ar Ricardo Machado Vieira,

21 – Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) – Tenente-coronel da Força Aérea Brasileira Marcos Pontes,

22 – Chefe de Gabinete do MCTIC – Brigadeiro do Ar Celestino Todesco,

23 – Assessor Especial do Ministro – Tenente Brigadeiro do Ar Gerson Nogueira Machado de Oliveira

24 – Secretário de Políticas Digitais – Tenente-Brigadeiro do Ar Antonio Franciscangelis Neto,

25 – Secretário de Radiodifusão – Coronel Elifas Chaves Gurgel do Amaral,

26 – Diretor do Departamento de Serviços de Telecomunicações – Coronel Aviador Rogério Troidl Bonato

27 – Secretário-Executivo Adjunto – Coronel-Intendente Carlos Alberto Flora Baptistucci,

28 – Ministro de Minas e Energia – Almirante Bento Costa,

29 – Chefe de Gabinete de Minas e Energia – Contra-almirante José Roberto Bueno Junior,

30 – Ministro da Infraestrutura – Capitão Tarcísio Gomes,

31 – Secretário de Transportes Terrestre e Aquaviário – General Jamil Megid Júnior,

32 – Ministro da Secretaria de Governo – General Carlos Alberto dos Santos Cruz,

33 – Secretário Nacional de Segurança Pública – General Guilherme Theophilo,

34 – Coordenador-Geral de Estratégia da Senasp – Coronel Freibergue do Nascimento,

35 – Coordenador-Geral de Políticas da Senasp – Coronel José Arnon dos Santos Guerra,

36 – Assessor técnico do Gabinete do Ministro da Justiça – Sub-Oficial da Aeronáutica Alexandre Oliveira Fernandes,

37 – Secretário de Esportes – General Marco Aurélio Vieira,

38 – Ministro da Controladoria-Geral da União (CGU) – Capitão Wagner Rosário,

39 – Presidente da Funai – General Franklimberg de Freitas,

40 – Presidente do Incra – General Jesus Corrêa,

41 – Presidente dos Correios – General Juarez Aparecido de Paula Cunha,

42 – Assessor Especial do Presidente dos Correios – Coronel André Luis Vieira

43 – Diretor da Anvisa – General Paulo Sérgio Sadauskas,

44 – Diretor de operações do Serpro – General Antonino Santos Guerra,

45 – Superintendente da Suframa – Coronel Alfredo Menezes,

46 – Chefe de Gabinete Adjunto do Ministério da Educação – Coronel Ayrton Pereira Rippel,

47 – Presidente da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) – General Oswaldo de Jesus Ferreira,

48 – Diretor de Programas da Secretaria-Executiva do MEC – Coronel Aviador Ricardo Roquetti

49 – Chefe de Gabinete do Inep – General Francisco Mamede Brito Filho,

50 – Presidente do Conselho de Administração da Petrobras – Almirante-de-esquadra Eduardo Bacellar Ferreira,

51 – Gerente Executivo de Inteligência e Segurança Corporativa da Petrobrás – Capitão-Tenente da Marinha Carlos Victor Guerra Naguem

52 – Diretor Administrativo-Financeiro da Telebras – General José Orlando Ribeiro Cardoso

53 – Presidente da Itaipu – General Joaquim Silva e Luna,

54 – Diretor Geral do Dinit – General Antônio Leite dos Santos Filho

55 – Diretor Executivo do Dinit – Coronel André Kuhn

56 – Porta-voz do governo – General Otávio Santana do Rêgo Barros,

57 – Assessor da Caixa Econômica Federal – Capitão de Mar e Guerra Marcos Perdigão Bernardes,

58 – Assessor da Caixa Econômica Federal – Capitão de Mar e Guerra Almir Alves Junior,

59 – Assessor da Caixa Econômica Federal – Brigadeiro Mozart de Oliveira Farias

60 – Secretário de Orçamento, Finanças e Gestão do Ministério do Meio Ambiente – General Nader Motta,

61 e ss – Novos superintendentes do Ibama – ?

62+ - Diretor financeiro executivo de Itaipu - vice-almirante Anatalício Risden Júnior

Releia a 2ª Edição de ontem: Fora, Bolsonaro: Brasil tem novo Presidente!



Jus esperniandi

O PT fará uma reclamação oficial ao Papa Francisco para reclamar por que Sérgio Moro não nomeou Luiz Inácio Lula da Silva para o Conselho Penitenciário...

Só pode ser porque o Presodentro ainda não foi transferido para uma Penitenciária – conforme acontece com qualquer preso comum, que de nível superior só tem uns questionáveis títulos de Doutor honoris causa...

Já sobre a nomeação da Ilona Szabó, nada a reclamar... Porque a esquerda se une sempre, até na penitenciária...



Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 
A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 28 de Fevereiro de 2019.

Tiro ao Álvaro - Ou Toma Noku



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

O paulistano perdeu, entre outros, o seu direito à previsibilidade.

Vejamos um exemplo singelo: o Carnaval,segundo as melhores folhinhas e calendários, tem sua Terça-feira Gorda (Mardi Gras) no próximo dia 5 de março.Por óbvio, a Segunda-feira dia 4 e o fim de semana anterior (dias 3 e 2) também são dedicados à folia.

Não obstante qualquer merdinha funcionário da alcaidia, “autoriza” o fechamento de importantes ruas e avenidas para que um bando de idiotas mal educados, “comemorem” os folguedos momísticos “fake”.

Um cidadão que tem a “infelicidade” de morar numa das ruas vandalizadas, perde o seu direito de ir e vir ; fica obrigado a sentir o cheiro de urina e transitar pelo lixo deixado pelos “botucudos” pseudo-civilizados.

No último domingo, 24 de fevereiro, foram arbitrariamente fechadas a Rua da Consolação, a Rua dos Pinheiros e a Av. Helio Pellegrino.

Atravessar a Av. Paulista, já mutilada por uma ciclovia demagógica, foi dificilíssimo.

Se esquecem as “otoridades” que o direito de um vai até onde começa o direito de outro.

Não há redução do IPTU para os imóveis desgraçados por essa criminosa conivência do poder público.

Enquanto não tivermos um poder judiciário cumpridor da Lei, tomaremos “flechadas” em nossos direitos fundamentais de cidadãos.

Desgraçadamente não temos nem mais a possibilidade de chorar pros bispos. Em quase sua totalidade são esquerdistas e/ou pedófilos.

Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

Dissuasão extra regional... Brincadeira...



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Paulo Ricardo da Rocha Paiva

Cidadão brasileiro! Há quanto tempo você está ouvindo essa "conversa para boi dormir "sobre dissuasão extra regional? Vamos conversar sobre o que interessa. Vamos tratar do que realmente pode machucar o inimigo antes que ele possa chegar perto do nosso território. Vamos discutir sobre como estamos nos enganando. Primeiramente devemos atentar para o alcance dos mísseis fabricados pelo País. Para que se tenha uma ideia, na relação abaixo, até o "SS-150", inclusive, esses foguetes estão muito bons para fazer frente a ameaças de países sul americanos que, por um acaso (uma hipótese muito improvável haja vista os fatos atuais do MERCOSUL/UNASUL/CONSELHO DE DEFESA SUL AMERICANO), se aproximem de forma ameaçadora de nossas fronteiras.

Alcance dos foguetes/Misseis: SS-30: 9 a 30 km; SS-40: 15 a 35 km; SS-AV-40: 40 Km (Guiamento por GP); SS-60: 20 a 60 km; SS-80: 20 a 90 km; SS-150: 29 a 150 Km  e AVMT-300: 30 a 300 Km.

Eis que surge o tão "cantado e decantado em versos AVMT-300", que alguns "experts" estão considerando de longo alcance. Ah! O míssil é capaz de bater o pré-sal, que está na faixa de 150/300km do litoral! E os nossos grupos de mísseis e foguetes (a previsão é de dois) estão sediados aonde?

Um deles, o de Formosa/GO, está distante do Rio de Janeiro há nada mais nada menos do que 1447 Km! O outro grupo, por um acaso, está situado em Belém, para fazer frente a uma armada superpoderosa que cerre meios em direção á foz do Amazonas? Seria esse o nosso trunfo de dissuasão extra regional? Meu Deus! Que alguém me prove que não estamos "viajando na maionese".

Ah! Mas os "7" projetos estratégicos do Exército! Nada contra! Mas seriam mesmo, todos, estratégicos na acepção da palavra? Que não se duvide, ou o País toma vergonha na cara e denuncia este ajuste internacional que nos limita a 300km/500 kg ou vamos começar a apanhar bem cedo, com os "grandes predadores militares" mandando seus "presentes" desde 1500/2500 km.

Vejam que, já do mar, esses poderosos inimigos podem atingir nossas baterias de "ASTROS II" ainda em Brasília. E nós? Parece que ninguém se dá conta! Nós vamos estar em deslocamento acelerado pelas nossas estradas esburacadas, correndo atrás do atraso desde a saída da capital federal.

Brasileiros, 300 km de alcance é muito pouco! "Grandes predadores militares" que cheguem à esta distância da nossa fronteira norte ou da bacia do pré sal, para eles, pela sua pletora de meios, é como se já tivessem alcançado a "distância de assalto", ou seja, aquela em que se manda "calar baionetas".

Deixar esta gente chegar assim, sem nenhum castigo de longa distância, é não dar a mínima para nossos filhos e netos que vão estar na linha de frente. Ah! Mas o Projeto SISFRON! O Projeto "SISFRONILDO" está p´rá lá de Marrakesch! É preciso priorizar hoje, agora, para ontem, o Projeto VETOR DE RESPEITO 1500, quiçá 2500 km!

Um remendo urgente, emergencial, seria dotar nossas "14" belonaves de escolta da Marinha, cada uma, com uma seção de ASTROS II, a fim de que os ínfimos 300 km fossem contados já a partir de alto mar. A propósito, esses navios de guerra já foram, todos, dotados com os mísseis EXOCET (que a Força Naval já fabrica) para ataque/defesa aproximada ou se vai priorizar os recursos para compra de "27" navios patrulha, aqueles para exercício de tiro ao alvo pelo inimigo?

Outra linha-de-ação (de remendo, até se dispor do VDR-1500) é dotar, todos, os grupos de artilharia do Rio de Janeiro de "uma" bateria de ASTROS II.

Paulo Ricardo da Rocha Paiva é Coronel de Infantaria e Estado-Maior.

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

Fora, Bolsonaro: Brasil tem novo Presidente!

Presidente José de Abreu: auto-eleito

Edição Extra-Ordinária do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net
Membro do Comitê Executivo do
Movimento Avança Brasil

A oposição petista é tão patética que já virou motivo de auto-piada. O ator José de Abreu, da Rede Globo, usou o Twitter (@zehdeabreu) para decretar o fim do governo do inimigo Jair Bolsonaro: “A partir de hoje sou o auto-declarado Presidente do Brasil. Igual fizeram na Venezuela. Lula está nomeado chefe da casa civil, militar e religiosa do Brasil”. O Estadista-piadista repetiu a dose, em outra dedada: “Sou o novo presidente do Brasil! Estou na Grécia e assumo dia 8/3 no Galeão”. Ele confirmou noutro post: “Dia Internacional da Mulher, 18 horas”...

O novo Presimente José de Abreu (não confundam com o memista oficial deste Alerta Total) deu outras twittadas importantíssimas: “Estou indo para a Colômbia exigir o mesmo tratamento que deram para o autoproclamado anti-Venezuela”. O Zé se referiu ao Juan Guaidó e acrescentou: “Eu, Presidente auto-declarado, atualmente no exílio, começo amanhã (sei lá quando?) a conseguir apoio dos governos europeus (capaz de dar certo)”. O petista não avisou se deixa o empregão na Globo – emissora que deveria transferi-lo para a área de redação de seus humorísticos.

Zé de Abreu antecipou um de seus primeiros atos: “(Sérgio) Moro será declarado TRAIDOR DA PÁTRIA e terá a mesma sentença que deu a Lula multiplicada por 10 (por que não por 13, José?...). Passará o resto da vida na cadeia fazendo PowerPoint com Dalagnol (Deltan, o coordenador da Força Tarefa da Operação lava Jato)”. José de Abreu também prometeu um emprego para o Presodentro Lula, sem dizer se vai deixá-lo ou não livre: “Ministro da Cultura será o Lula. O Brasileiro com mais títulos de Doutor na História”.

Com esta notícia, com toda certeza, Zé de Abreu matará Jair Bolsonaro... De tanto rir, é claro... A extrema canhota brasileira retorna, com toda força, à revolução de botequim. José de Abreu Presidente! Proposta sensacional. A piada do século 21. A Globo deveria apoiar. Afinal, um governo virtual não fará mal a ninguém, decretando faketóides... A turma do Fantástico bem que poderia usar o material do Zé naquele quadrinho humorístico que sacaneia até a mãe dos redatores, o “Isso a Globo não mostra”...

Te cuida Marcius Melhem (@omarciusmelhem) – poderoso chefão do humor na Globo... Se o Zé de Abreu continuar assim, vai tomar o seu emprego... Outro flamenguista que corre perigo é o General Mourão... Com Zé na Presidência, só lhe restará pedir asilo na embaixada do Vasco da Gama, na Coréia do Norte...

O Presidente Zé de Abreu não divulgou, mas o vice dele só pode ser o Fábio Assunção... E já tem petista na oposição contra ele: a Gleisi Hoffmann ficou pt da vida porque não foi nomeada Primeira-Dama... Zé de Abreu deve escalar a Pablo Vitar...

Releia a primeira edição: Saídas contra o Vício de “Roubar”





Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 
A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 27 de Fevereiro de 2019.

Saídas contra o Vício de “Roubar”



Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net
Membro do Comitê Executivo do
Movimento Avança Brasil

“O apego ao dinheiro e ao poder são um vício”. O Vício de “Roubar”. A Compulsão pela Corrupção. O descontrole da Vaidade. A vocação para participar, politicamente, da organização do Crime. O cinismo de mentir o tempo todo, porém, quando convém, falar alguma verdade em busca de salvação. A tentativa canalha de posar de “doente” para conseguir alguma redução de pena. O despudor de teatralizar um questionável sentimento de “vergonha” por tudo de errado que fez. A cara de pau de sequer admitir alguma vontade em devolver o que “roubou” – uma fortuna incalculável que deve estar muito bem malocada em vários paraísos fiscais do Planeta Terra.

Eis o conjunto da hedionda obra criminosa de Sérgio Cabral Filho. Depois do Presodentro Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-governador do Rio de Janeiro figura como um dos mais ilustres condenados por corrupção na Lava Jato que tanto apavora a Oligarquia Bandida do Brasil. O depoimento de Cabralzinho ao juiz Marcelo Bretas é uma legitima peça de escrotidão política. Sem o menor pudor, fingindo arrependimento, o bandido dedura alguns antigos “amigos” e aliados. O objetivo claro é produzir um faketóide judasciário. A tática é da vingança, gerando novos alvos para compartilhar o inevitável degredo.

Cabral não descobriu a corrupção. O longo tempo em que se locupletou em negociatas promovidas pelo uso e abuso do poder político apenas comprova a falência do modelo estatal Capimunista Rentista do Brasil. Por muitos anos, Cabral foi um Senador abençoado e,muito certamente, remunerado nos bastidores, para defender os interesses do sistema financeiro no Congresso Nacional. Desde os tempos de deputado e presidente da Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, Cabral foi uma das lideranças do Crime Institucionalizado que assaltou a administração pública.

Tem culpa Cabral? Claro... E tem dolo também... No entanto, é fundamental ressaltar que Cabral e outros políticos afins só agiram porque a modelagem estatal brasileira existe para permitir o regime da roubalheira. No caso, o Crime Institucionalizado cumpre a “missão” de tornar o País inviável, subdesenvolvido. A bandidagem não é a causa do Estado-Ladrão. Ela é mera conseqüência do famoso “Mecanismo”. Ele domina todos os poderes republicanos.

Temos três novidades. Primeiro, o povo resolveu gritar contra a corrupção, depois que descobriu que ela é um dos grandes males do Brasil. Segundo, os bandidos resolveram abrir o bico, revelando verdades ou fabricando deduragens que podem até ser mentirosas, porém atingirão inimigos que se desarticularam. Terceiro, perigosamente impopular, o Judiciário terá de passar por uma reformulação profunda, pois também se tornou alvo de suspeitas e perigosas evidências de ligações diretas com o sistema de corrupção.

O Brasil vive tempos urgentes de revisão. O setor público, que explora o privado e escraviza o indivíduo brasileiro, terá de ser reinventado. Se isto não ocorrer por bem, corre risco concreto de acontecer na base da porrada. Corrupção, violência e impunidade, somadas, inviabilizam o crescimento econômico e o desenvolvimento de uma Nação rica, porém mantida artificialmente na miséria, para cumprir a maldição de ser uma eterna colônia de exploração. Os bandidos de todas as classes sociais são agentes que cumprem a missão de inviabilizar o Brasil.  

Acontece que tal situação saiu de controle dos operadores criminosos. Justamente por isso as mudanças são inevitáveis e inadiáveis. È preciso colocar ordem sobre o caos brasileiro. Um Brasil fora de controle desequilibra o mundo. Assim, só resta uma profunda faxina institucional e a implantação de um modelo estatal realmente Capitalista, preferencialmente democrático e que respeite os livres empreendedores daqui e do exterior.

O eleitorado brasileiro e os prejudicados pelo Mecanismo (aqui e lá fora) elegeram Jair Bolsonaro e Antônio Hamilton Mourão para iniciarem o processo de mudança do Brasil – que não acontecerá por milagre e exigirá muito trabalho e seriedade dos segmentos esclarecidos da sociedade brasileira. O vício de roubar precisa ser substituído pela virtude de estudar, trabalhar e produzir para gerar e distribuir riquezas com Democracia, Liberdade e Justiça.

Assim, devem ser neutralizados e punidos com todos os rigores da Lei, sem perdão, todos aqueles que estiverem contra esse objetivo maior. Eis a missão básica de um Governo que tem quase 70 oficiais das Forças Armadas em postos-chaves da administração pública federal, direta e indireta. Praticar boa governança – sem roubar e nem deixar roubar –, integrando as ações ministeriais, é o mínimo que se espera deles.

Se falharem, o Brasil vai mergulhar em uma guerra civil que levará à desintegração do território e do patrimônio nacional, arrasando com um povo que, histórica e culturalmente, foi conduzido ao fracasso social, à exploração econômica e ao subdesenvolvimento político.

Por tudo isso, a prioridade não deve ser um mero plano de reformas. O atalho para mudanças estruturais começa com a transformação do modelo político e de representação. O Voto Distrital é imprescindível. Também são inadiáveis a redução do número de parlamentares e a drástica diminuição dos gastos com as casas legislativas. Outro avanço será o “recall” (direito de tirar o político que traiu seus compromissos de campanha).

Comecemos por aí, o resto é conseqüência. Se os políticos e os ladrões não quiserem, pressão legítima neles... O resto será consequência... O debate não pode ser postergado.

Responsabilidade dos Controladores

O INRE – Instituto Nacional de Recuperação Judicial promove no próximo dia 14 de março, o seminário “Aspectos da Responsabilidade do Controlador nos Casos Petro e Vale”.

Será a partir das 8h 30min até 11h da manhã, no auditório da Bolsa de Valores de São Paulo (B3) - Praça Antonio Prado, 48, 3º andar, Centro - São Paulo – SP

Painel 1 – As dificuldades para responsabilização dos adminstradores – Palestrante: Mauro Rodrigues da Cunha, Presidente da Amec (Associação de Investidores no Mercado de Capitais).

Painel 2 – A lei 6.404/76 e a ação coletiva – Palestrante: Fernando Kuyven, Advogado, Professor de Direito da Universidade Mackenzie e sócio do Escritório Modesto Carvalhosa.

Inscrições online: www.inre.com.br - Preço promocional R$ 100,00 (até 28/02) - Sócios INRE: R$ 50,00 - Vagas limitadas.

Bola da vez

O consagrado apresentador e locutor esportivo José Carlos Araújo, o Garotinho, será o entrevistado de sábado, às 23 horas, no programa Bola da Vez, no canal ESPN.


Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 
A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 27 de Fevereiro de 2019.

Que vantagem Maria leva?



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

Antigamente só Gerson levava vantagem ! Hoje, com o “empoderamento” feminino, Maria também quer levar ! (bela onomatopéia: vá,vá, vá...!)

Há Marias de todos os tipos. A Candelária, a do Socorro (Mary Help), a do Rosário ( ou do Espinhário ?), a Bonita (decapitada), a Vai com as outras, etc.

Se antes a coisa ia “mar” , agora “mar”ia.

Ocês “gosta” de “nomi” estranho pra cidade, busquem por Mar de Espanha (MG).

Omar de Lama também conhecido por Bruma de inho foi um repeteco de Mar i Ana.

Os “marvados” dos políticos roubaram até a sombra das “estáutuas” .

O ditado popular diz (com ou sem razão) que o mineiro só é solidário no câncer.

Vejam, amáveis leitores, que na última eleição os eleitores (não tão amáveis) elegeram uma verdadeira zebra (Zé mais Né).

Logo de cara, nomeou auxiliares com perfil picante (ou malaguético) incompatíveis a princípios escalafobéticos.

Maria Pia pra quê? Melhor seria Maria bidê?

Pior só o Mar Anhão, Cáspio ou Morto!

Vivemos no país do urubúsico judas ciário aborto.

Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

Responsabilidade dos Órgãos de Imprensa


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Henrique Abrão e Laércio Laurelli

Uma imprensa livre e transparente é o maior ideal a ser buscado num País desenvolvido e subordinado à vontade democrático que aspira uma sociedade civilizada. Nos acontecimentos que pairam no ar em termos de Brasil boa parte da irrazoabilidade e isenção com neutralidade devemos à propalada imprensa dita livre.

Evidente que em tempos de crise a imprensa será sempre dependente do poder econômico ou de forças do estado para retroalimentar sua vida e intencionar redução das dívidas. E não tem sido diferente aqui no Brasil, já que boa parte dos meios de comunicação floresceu há mais de meio século e por uma concessão sem maiores aprofundamentos se prorroga quase eternamente.

Esse exemplo ruim se percebe na televisão na qual assistimos controladores já sem o preparo exigido e muitas programações sendo adquiridas por igrejas neopentecostais e pseudoentidades de caridade. Contudo, sem uma imprensa livre, soberana acima de tudo neutra que saiba avaliar o terreno e elogiar e também criticar quando for necessário cairemos na mesmice das imbecilidades em ritmo com as anomalias do poder.

Num País cravado pelo número exacerbado de quase 60 milhões de brasileiros portadores de maus antecedentes econômicos, com registro no banco de dados e uma das mais vergonhosas modelagem de distribuição de renda, o centro do poder está enfeixado nas mãos do governo e de poucos grupos econômicos que diligenciam seus próprios interesses.

As maiores delações premiadas são um cristalino exemplo do que acontece empresas de renomada envergadura que se protegiam na blindagem dos cofres do estado e dos favoreces para o propinar constante e manutenção do status quo. A primeira e inadiável condição é mudar a constituição, reformar as outorgas e notadamente o órgão de controle,não se permitira concessão por mais de 25 anos nas redes de rádio e tv, com expressa proibição até quarto grau para parentes e ou colaterais de políticos.

Aqueles sem poder econômico e que não podem contratar uma rede a cabo sofrem as imprecauções de programações repetidas, velhas e antigos cacoetes de legendários figurinos os quais nos visitam quase que diariamente. A nova roupagem exigiria a revisão da constituição  a outorga onerosa e um controle da seletividade dos programas e uma vocação bem concentrado em cultura,pesquisa e ciências.

O que temos hoje são jogos de futebol diária e semanalmente, com
os comentários e reprises e mesmo assim não se abre espaço para novas modalidades, somos mais de 200 milhões de brasileiros vivendo o sonho do passado de conquistas, mas devemos ter em mente patrocínios públicos, de bancos ou agentes do governo o que é um erro palmar.

A melhor solução e forte demonstração sinalizam o investimento de capital privado,de empresas que apostariam na forma de equalizar seus lucros em parceria com entidades e agremiações. O setor mais afetado durante é crise é da cultura, ciência e tecnologia, excelentes cabeças voltando para o exterior,teatros sem pagar aos artistas e públicos minguando,já que o orçamento fica sem poder aquisitivo mais ainda quando o combustível se eleva somente para manter a classe dominante no poder.

Não temos infelizmente uma imprensa livre, de construção de uma sociedade pacificada e que traga soluções para as crise. Cotidianamente vemos os mesmos personagens desfilando pelo circulo de amizade de redes de radio e televisão,sem ampliar o volume e a sonoridade das reivindicações,a apatia de uma sociedade refém de um governo terminal e de uma classe política com fome de roubalheira e dogmatismo pela corrupção a todo custo.

E quando a imprensa poderia criar filtros de combate ao sensacionalismo e manchetes de exposição o que vemos é exatamente contrário. Notícias de violência, pornográficas, a envolver abalo psicológico emocional e delitos contra as pessoas e costumes não poderiam ser publicas em qualquer hipótese,além de fatos demasiadamente amargos de guerra e conflitos sociais pelo mundo afora.

Preferem trazer um noticia doutro mundo do que falar sobre um cenário bucólico ou de entretenimento em qualquer cidade do País. Além de tudo isso nunca presenciamos uma imprensa formadora de opinião livre e que saiba medir suas palavra. O contorno desse quadro se debruça por descortinar milhares de ações na justiça tomadas contra pessoas as quais refutam o sensacionalismo e exigem danos morais ou republicação da matéria.

Precisamos estar mais do que convencidos que uma imprensa sob o jugo do governo ou submissa à vontade do poder econômico jamais será liberta das amarras de veiculações tendenciosas e que tem dias contados. A reformulação geral do cenário pede um quadro atento do governo para dissipar as concessões de  mais de 25 anos, pondo a obrigatoriedade da revenda ou subconcessão com normas dogmáticas e pragmaticas, além de um leque mínimo de sessenta por cento da programação a envolver cultura, ciência e tecnologia.

Do mesmo modo os jornais que vivem a pior das crises, já em tempo de noticia virtual e carcomidos pelo estado de pré insolvência, tratando de anúncios e mais anuncios desinteressantes e pouco inteligentes ao leitor. Preferível um jornal com noticias de dez paginas sem anúncios do que um periódico de mil paginas com mais de metade de anúncios. E de igual as revistas que de conteúdo bom e  relevante pouco ou nada nos mostram, tudo isso revela uma coresponsabilidade dos órgãos de imprensa nessa monstruosa crise pela qual atravessa o Brasil.

E sem uma revisão do modelo,de todo crucial, a nossa esperança vai por água abaixo,a prevalecer os famigerados furos de poucos e a total desconfiança de muitos. A imprensa brasileira terá um encontro marcado com sua história para explicar, justificar e mais do que nunca dizer os motivos pelos quais continua a ser parte de uma mediocridade atroz que é perversa à sociedade civilizada e desenvolvida.

Carlos Henrique Abrão (ativa) e Laércio Laurelli (aposentado) são Desembargadores do Tribunal de Justiça de São Paulo. Autores de vários livros jurídicos.