sábado, 23 de fevereiro de 2019

A Globo declarou guerra ao ditador Maduro?!



Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net
Membro do Comitê Executivo do
Movimento Avança Brasil

Na infantil obsessão de veicular algum suposto vacilo para falar mal do Governo Bolsonaro, o Jornal Nacional de 22 de fevereiro, na Rede Globo, inventou a intenção de uma guerra do Brasil contra a Venezuela, com o objetivo de derrubar o regime de Nicolas Maduro. Um ingênuo e incompetente apurador focou em um perfil falso no Twitter do General Augusto Heleno, ministro do Gabinete de Segurança Institucional, que defendia uma solução bélica para a questão.

O JN veiculou a fakenews do faketóide. Em tom solene, com interpretação grave, o apresentador e editor-chefe William Bonner leu a nota baseada na “informação” absolutamente falta atribuída a Augusto Heleno. Na versão global, mal copiada da Internet, “Heleno” teria escrito que Governo vai aguardar o desenrolar dos acontecimentos na Venezuela. Bonner até abriu aspas para o “General”: O Brasil não vai fazer nenhuma operação agressiva, mas caso haja qualquer agressão à soberania do País, iremos reagir baseados em preceitos constitucionais”.

Houve chiadeira oficial do Palácio do Planalto. Logicamente, William Bonner foi obrigado a encerrar o JN de maneira patética, desmentindo a infantilidade editorial cometida no meio da edição de sexta. Antes de encerrar, Bonner teve de restabelecer a verdade: “Nós dissemos ainda há pouco que o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, teria publicado numa rede social que o Brasil pode reagir a agressões à soberania do País. Mas o ministro esclareceu que a declaração não é de autoria dele e foi publicada em um perfil falso. Por este motivo, pedimos desculpas ao ministro e a você telespectador”.



O impressionante foi a incoerência do jornalismo da Rede Globo para embarcar em uma informação furada, mentirosa, da Internet. Antes da notinha-pé com a falsa declaração do Heleno, a própria edição do JN já tinha veiculado uma declaração real dele, de viva voz e imagem, descartando o uso da força para garantir a ajuda humanitária aos venezuelanos: “O que já está estabelecido é que o Brasil não vai fazer nenhuma ação agressiva contra a Venezuela. É contra a Constituição e não é o nosso pensamento. Nós queremos que a situação se resolva da melhor maneira possível”.

São mancadas editoriais como essa que estão alimentando o desgaste da opinião pública contra a Rede Globo e seu condenável comportamento de fazer oposição sistemática ao governo Bolsonaro, ao mesmo tempo em que o Grupo Globo veicula notas oficiais de que não tem nem nunca teve inimigos. Nem a crédula Velhinha de Taubaté acredita nesta versão de pretensa inocência jornalística.

A jagunçagem editorial é patética. A falsa isenção global é uma babaquice. Cada veículo de informação tem liberdade para escolher a linha editorial que quiser, a favor ou contra alguém. Só não pode se furtar a agüentar as conseqüências do que veicula, em eventuais processos judiciais ou na perda direta de credibilidade e audiência – que podem causar prejuízos de imagem e de faturamento em publicidade.    

Foi triste ver, novamente, o Jornalixo ou Jornazismo tupiniquim dando ontem mais uma grande e imperdoável mancada. Não será a última... Brevemente, assistiremos a novos pedidos esfarrapados de desculpas... Na próxima, quem sabe, não se convoca o Cid Moreira para uma aparição vocal especial, repetindo um bordão famoso: “Desculpem a nossa falha”!

Nada de anormal... Uma excelente definição sobre a Rede Globo foi postada de verdade, no twitter, neste sábado, às 6:43 AM, pelo deputado Federal Luiz Philippe de Orleans e Bragança: “A Globo é quase um monopólio privado mas sempre dependeu do Estado em três quesitos: 1. concessão legal para operar, 2. financiamento de bancos estatais e 3. propaganda de estatais. Entendendo isso entendem-se os porquês de como a empresa se posiciona a cada governo”.

Depois desse comentário, será que o parlamentar-príncipe perderá espaço editorial nos veículos do Grupo Globo? Quem sabe o Maduro cai antes disto acontecer...


  

Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 
A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 23 de Fevereiro de 2019.

3 comentários:

aparecido furlaneto disse...

Se eu entendi a declaração do Ministro ele disse que o Brasil não vai reagir a um ataque em sua soberania ?? será isso ??? A primeira declaração falsa dizia que o Brasil reagiria se fosse atacado..mas a segunda descarta qualquer reação... estranho.. porque então que precisamos de forças armadas ????? estranho...

ALMANAKUT BRASIL disse...

Os Marinho e os FRIAS precisam levar seus legados para o Inferno, antes que o Brasil do século XXI os mande para lá

https://almanakut10.wordpress.com/2019/02/24/os-marinho-e-os-frias-precisam-levar-seus-legados-para-o-inferno-antes-que-o-brasil-do-seculo-xxi-os-mande-para-la

Anônimo disse...

O governo sabe quando há instigação para que ataque, e seja considerado o iniciador de uma disputa que interessa a Maduro. Os militares só reagiriam como alguns inexperientes comentaristas querem, se não conhecessem estratégia. Mesmo porque não seria uma operação de salvamento do povo venezuelano, porque o país está dividido entre apoiadores e contrários a Maduro.