sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

Intrigas inúteis ameaçam a governabilidade



Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net
Membro do Comitê Executivo do
Movimento Avança Brasil

Os deuses do mercado ficaram encantados com a promessa do superministro da Economia, Paulo Guedes, de que a Reforma da Previdência vai gerar uma economia de R$ 1 trilhão em 10 anos. A tendência é que ela seja aprovada, apesar das longas polêmicas que enfrentará no Congresso Nacional. O negócio da Capitalização interessa aos banqueiros e eles sempre decidem o jogo no final. O “destravamento” da economia brasileira é condição que tende a seduzir parlamentares e investidores a apostarem no governo. Pura psicologia política-econômica...

Pergunta básica: Um governo com tamanho potencial de sucesso pode ficar refém de intrigas entre os diversos grupos que o compõem? Claro que não... É impagável o preço do dia perdido com o desgaste inútil causado pelo conflito público entre o Secretário-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, e Carlos Bolsonaro – o filho que cuida da comunicação virtual do Presidente da República. Jair Bolsonaro tem a responsabilidade de impedir que esta guerra e outros conflitos imbecis tenham prosseguimento. Tamanho desgaste é incompreensível. Nem a oposição consegue gerar tamanho estrago. O governo se autosabota...

Alvo permanente de intrigas extra e intra palacianas, o vice Presidente Antônio Hamilton Mourão, mais uma vez, demonstrou que pode atuar como uma voz de conciliação e equilíbrio para forçar os grupos em torno de Bolsonaro a entenderem que não têm o direito de sabotar o governo Bolsonaro. Mourão deu uma entrevista ontem acreditando que Jair Bolsonaro “vai dar uma ordem unida aí nessa rapaziada” – referindo-se aos filhos Carlos, Eduardo e Flávio, mas também aos demais geradores de intrigas.

Jair Bolsonaro deverá investir em uma conversa séria e sincera para manter Gustavo Bebianno em um ministério que exige a mais alta confiança, pois faz o meio campo político-administrativo do governo. É praticamente um consenso entre ministros e assessores próximos que uma saída de Bebianno, agora, fragilizaria a gestão Bolsonaro em menos de dois meses. Tamanho desastre não estava na mais pessimista das previsões. Ainda mais que será preciso que a Polícia Federal investige e confirme se a presidência do PSL (leia-se Bebianno) teve responsabilidade na “laranjada” de R$ 500 mil do Fundo Partidário bancar candidaturas inviáveis em Pernambuco.
O vice Mourão antecipou o que acontecerá: “O Presidente vai tomar uma decisão. Foi uma coisa que ele me disse. Acho que ele está aguardando o momento para conversar com o ministro (Bebianno) e acertarem os ponteiros”. Não tem outro jeito... A detonada prematura de Bebianno custaria cara demais ao governo... Agora, também ficou claro que cabe apenas a Bolsonaro pôr fim às intrigas inúteis e perigosas para a governabilidade e para as ambições do Presidente e seu grupo, principalmente os militares e os tecnocratas da equipe econômica (que em algum momento ainda vão quebrar um pau previsível).

A confusão de agora não compromete o futuro, sobretudo a aprovação da Reforma da Previdência, do jeito que for possível. No entanto, Bolsonaro terá de estabelecer limites para a natural influência dos filhos no governo. O Presidente também terá de criar um staff com visão e Vicência estratégica para prevenir crises no próprio time, matando as intrigas no nascedouro. Se não tomar essas duas atitudes, o fogo amigo poderá oferecer altíssimos riscos ao governo.

Uma coisa é certa: Bolsonaro fará substituições no seu time nos 100 dias de governo. Quem não conseguir cumprir metas estabelecidas será “convidado” a sair... Tem ministro que mal conseguiu desenhar metas factíveis... Há grupos demais agindo de forma mediocremente simplória... Em gestão pública, ser classificado de simplório é pior do que ser chamado publicamente de incompetente (ou de outros xingamentos mais pesados e impublicáveis)...

Crime de Jurisfobia

O ministro Celso de Mello falou demais ontem, porém rejeitou a possibilidade de tipificar o tal crime de homofobia, por via meramente judicial.

O decano do Supremo Tribunal Federal pregou que, em matéria penal, prevalece o postulado da reserva constitucional absoluta de Lei.

Traduzindo o juridiquês: Só o parlamento pode aprovar leis tipificando crimes e impondo normas.

Ou seja, o Judiciário não tem legitimidade para legislar, com suas interpretações...

Vale tudo?


Deputado federal André Janones (Avante-MG) mete o dedo na ferida aberta pela Vale e o governo de Minas Gerais, na Comissão Externa sobre o Desastre de Brumadinho...
   
Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 
A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 15 de Fevereiro de 2019.

4 comentários:

Anônimo disse...

Muito mais importante do que a CPI de Brumadinho é a CPI da caixa preta chamada Poder Judiciário, um poder totalmente anti-nacional. Não existe surpresa alguma na rejeição desta pelo Presidente do Senado, um cidadão do tipo Israel acima de tudo...

Outro sustentáculo da máfia financeira globalista é a dívida pública, resultado direto da política monetária "moderna". Basta consultar a especialista Maria Lúcia Fatorelli, antes que ela morra em um acidente de helicóptero, para ficar a par dessa bárbara sangria.

A reforma monetária sim é a mãe das reformas!

Francisco

jomabastos disse...

"..uma conversa séria e sincera para manter Gustavo Bebianno em um ministério que exige a mais alta confiança,..."

Não podemos admitir que um indivíduo que assinou ou foi cúmplice de algo muito duvidoso, siga sendo um ministro da república, como se não existissem mais brasileiros capazes de ocupar esse cargo governamental.
É um vício que o povo brasileiro tem, de perdoar a um político suas incapacidades e "ligeirezas". A continuarmos assim, com políticos acusados de crimes na governação, este país continuará socioeconomicamente subdesenvolvido.

jomabastos disse...

Frágil está a gestão a gestão de Bolsonaro com ministros acusados de crimes, mas protegidos pelo foro privilegiado. Que vergonha e que falta de transparência!

Anônimo disse...

Nesse episódio, Carlos Bolsonaro defendeu o pai, acompanhando um idoso na internação hospitalar, sendo sagaz de gravar tudo o que acontecia no quarto. Assim, evitou qualquer tentativa de imputar ao presidente alguma decisão sabotadora de seus interlocutores com a desculpa de que ele poderia ter proferido decisões inadequadas por estar sob efeito de forte medicação. Carlos é um representante da geração jovem, que votou no presidente Bolsonaro, e que quer tudo feito com transparência na política.