quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

Legislação de Exceção



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Marco Antônio Felício da Silva

“Contribuir para a defesa da Democracia e da Liberdade, traduzindo um País com projeção de Poder e Soberano. Deve ser o nosso Norte!”
                                                                   
O Presidente Bolsonaro declarou que governará tendo como guia a Constituição Cidadã. Se tal acontecer, integralmente, demorar-se-à o PAÍS a livrar-se da  herança maldita do PT. Defrontar-se-à com oposição radical no Congresso (provavelmente maioria) e da qual participam PSB, PDT, PC do B, PSOL, Rede, Pros e PV totalizando 148 parlamentares. A esta oposição se juntará outra, a do PSDB em seu total (29 dep), ou parcialmente, e a  do PT (a maior bancada da Câmara, 56 dep). Esta última, capaz de realizar ações violentas, por meio de organizações sociais, como o MST, MTST e sindicatos, entre outras.

Aliás, ações já prometidas por lideranças criminosas como  José Dirceu. Há que enfatizar que a oposição está infiltrada nos poderes da República, principalmente no Judiciário, e, não menos, nas redações dos Meios de Comunicação, nas universidades, escolas e no Meio Religioso. Tal situação ficou comprovada durante os governos petistas, em  alguns dos julgamentos  oriundos da “Lava Jato”, no decorrer da última campanha eleitoral e, ainda, agora.

A declaração de Bolsonaro de que irá rever demarcações de terras indígenas, como a da “Reserva Raposa Serra do Sol”, verdadeiro crime de “lesa pátria”, já encontra cerrada oposição de políticos, de juristas e de diversas entidades indigenistas, incluso estrangeiras.

Será que decisões que ferem a Soberania e os interesses  nacionais não podem ser revistas e anuladas porque o Legislativo ou o STF, aparelhados ideologicamente, assim o decidiram anteriormente? Em passado recente, a passividade de autoridades irresponsáveis, permitiu a criação do Ministério da Defesa por pressão do governo dos USA, a interrupção do Programa Nuclear e a adesão aos tratados que proíbem o desenvolvimento e posse de armamento nuclear e a construção de mísseis de alcance superior a 300 Km.

Assim, impediram o fortalecimento de nossa Defesa Externa, a exploração do espaço e a geração de importantes tecnologias de ponta, essenciais para agregar valor aos nossos produtos de exportação. 

Tornamo-nos País de segunda categoria em matéria de Poder Militar, com Política Externa “softpower”, enfraquecendo qualquer tentativa de projeção de Poder além- mar, graças à covardia de presidentes como FHC, Fernando Collor, Lula, Dilma e outros mais.

Apoiar-se-á, Bolsonaro, numa Constituição que se mostrou, durante todos esses anos de Nova República, privilegiando mais direitos do que deveres e incapaz de propiciar soluções para conflitos políticos em se tratando de um presidencialismo de coalizão? A enfatizar que é uma Carta Magna construída ao final dos governos militares, em clima emocional explorado pela demagogia de raposas políticas de então como Ulisses Guimarães, Tancredo Neves e outros de igual comportamento.

Hoje, mais importante do que a reforma da Previdência, prioritário e urgente, sendo o maior problema inerente à Segurança Nacional, é o combate ao “crime organizado”, ao contrabando de armas, ao descaminho, ao tráfico de drogas e à lavagem de dinheiro, cada vez mais alarmantes e crescentes. Temos uma legião de jovens destruída pelas drogas, 70.000 assassinatos por ano.

A complicar, o advento de ações terroristas, real Guerra de Guerrilhas, como agora, no Ceará, e possível de alastrar-se por todo o Brasil. Quase 1milhão de presidiários e intenso sentimento de insegurança que permeia a Sociedade Nacional. 

Vivemos o absurdo da existência de mini estados ilegais dentro do próprio Estado Nacional. Sociedade fraturada, a imagem do País maculada internacionalmente, afastando turistas e investimentos estrangeiros. A agravar, a diminuta capacidade de combate de nossas forças policiais, causada pela falta de efetivos, de equipamentos, de modernos armamentos, de mobilidade e de novas tecnologias para os enfrentamentos necessários. 

A ressaltar, a Legislação inadequada e  organizações civis e imprensa com bandeiras surreais de respeito aos DH de bandidos. 

A leniência das autoridades responsáveis, nestes últimos 34 anos de desgoverno e de alta corrupção, nos levaram a um impasse atual: ou combatemos, com urgente prioridade, tais organizações criminosas, “inimigas” da Nação, propiciando às Forças Armadas e forças policiais o que for necessário em matéria de recursos e, também, uma “TEMPORÁRIA Legislação de Exceção”, incluso com a adoção da pena de morte para humanos criminosos ou estaremos condenando, a cada dia, os Humanos Direitos, sem direitos humanos, à insegurança e a uma inaceitável PENA DE MORTE!

TOLERÂNCIA, NUNCA! IMPUNIDADE,JAMAIS!

Marco Antonio Felício da Silva é General de Divisão, na reserva.

6 comentários:

Anônimo disse...

Se, mesmo declarando respeitar a atual Constituição, o presidente recebe da oposição esquerdista a pecha de autoritário e "despreparado" para a sociedade "plural" (honestos e bandidos?), pense como conseguiriam convencer a muitos sobre isso se ele governasse com medidas de excecão. Os patriotas desejosos de reerguer o Brasil precisam apresentar alternativas que iniciem a preparação de uma Constituinte para sacramentar as aspirações do eleitorado que votou pela reconstrução do país destruído pela esquerda, além de haver limpeza no viés revolucionário da educação das crianças e jovens.

Sérgio Alves de Oliveira disse...

O Ilustre General tem toda a razão. Nem Jesus Cristo conseguiria governar bem o Brasil com essa constituição "cidadã". Para começo de conversa ,ela é fruto de uma fraude. A fraude do Plano Cruzado que elegeu os parlamentares que escreveram a Constituição de 88. Como toda a esquerda gosta e sempre faz,essa Constituição não é nada "balanceada",entre direitos e deveres/obrigações. Ela só tem direitos. Nenhum pais consegue prosperar nessa situação.Mas sempre é o paraíso da esquerda.Sequer cogitar de substituir essa "porcaria" por uma carta realmente condizente com as necessidades e interesses nacionais ,só pode ser compreendido como postura de esquerda,cuja "obra-prima" é justamente essa constituição. De que lado,afinal,está o Presidente Bolsonaro? Mas pelos caminhos "democráticos" e "jurídicos" convencionais ninguém vai conseguir soterrar essa "droga". Só seria possível com o uso do artigo 142 da Constituição,que poderia "cassar"a própria Constituição,escrevendo uma nova, e de uma vez só todos os
malfeitores da política,como já fizeram lá em 64. Fora dai,DESISTA,Presidente.

Anônimo disse...

Cleonice I Ferreira disse:

Excelentíssimo General Marco A F da Silva, há tempos atras li neste Blog dois artigos,um de autoria do Sr. Jornalista Jorge Serrão e outro de autoria do Sr.Capitão Gotaç. O Sr.Jorge afirmava que o povo parecia estar em profundo estado de coma e logo abaixo o artigo do Sr. Gotaç argumentava que se estivesse em coma estava bom, pois poderia voltar a vida, acreditava que estavam mortos. Não fiz comentários, o silêncio as vezes é melhor. Eu sou uma pessoa simples e vivo no meio do povo, sei como pensa e sente, sei que o silêncio muitas vezes é mais eficiente. Sabia que o Sr.Jair Bolsonaro venceria nas urnas com dificuldades, mas venceria, o povo estava com muito desespero e ainda está, preferia dizer que está esperançoso. Sr.General Marco Antonio, o POVO não teme medidas duríssimas, deste que sejam JUSTAS. Porém o que estamos vendo é um governo considerado pelo POVO muito fraco, mal começou, cercado de denuncias graves não esclarecidas, refém de redes sociais e contraditório. Eu sei da gravidade do Estado Brasileiro, se continuar neste caminho que Deus nos ajude. Gostei muito do seu artigo General Marco Antonio.
Gostaria de afirmar que acredito que o Brasil está melhorando, porém é com tristeza que vejo o atual estado brasileiro.
Que o nosso Bom Deus Abençoe a todos.

Anônimo disse...

Cleonice I Ferreira disse:

Excelentíssimo General Marco A F da Silva, há tempos atras li neste Blog dois artigos,um de autoria do Sr. Jornalista Jorge Serrão e outro de autoria do Sr.Capitão Gotaç. O Sr.Jorge afirmava que o povo parecia estar em profundo estado de coma e logo abaixo o artigo do Sr. Gotaç argumentava que se estivesse em coma estava bom, pois poderia voltar a vida, acreditava que estavam mortos. Não fiz comentários, o silêncio as vezes é melhor. Eu sou uma pessoa simples e vivo no meio do povo, sei como pensa e sente, sei que o silêncio muitas vezes é mais eficiente. Sabia que o Sr.Jair Bolsonaro venceria nas urnas com dificuldades, mas venceria, o povo estava com muito desespero e ainda está, preferia dizer que está esperançoso. Sr.General Marco Antonio, o POVO não teme medidas duríssimas, deste que sejam JUSTAS. Porém o que estamos vendo é um governo considerado pelo POVO muito fraco, mal começou, cercado de denuncias graves não esclarecidas, refém de redes sociais e contraditório. Eu sei da gravidade do Estado Brasileiro, se continuar neste caminho que Deus nos ajude. Gostei muito do seu artigo General Marco Antonio.
Gostaria de afirmar que acredito que o Brasil está melhorando, porém é com tristeza que vejo o atual estado brasileiro.
Que o nosso Bom Deus Abençoe a todos.

PAIVA INF/AMAN/1969 disse...

PREZADO E ESTIMADO CHEFE
SEMPRE OPORTUNO E SEGURO EM SUAS MENSAGENS. SUA ASSESSORIA AO MD ESTÁ FAZENDO FALTA.

O MEU ABRAÇO FORTE,

PAIVA. INF/AMAN/1969

Anônimo disse...

Os obstáculos que a "Constituição cidadã" impõem à governabilidade devem ter sido levados em conta na estratégia que um general montou para o candidato Bolsonaro chegar ao poder.