segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

Não somos galinhas



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por H. James Kutscka

Nos tempos que transcorrem, é preciso mais que nunca, pensar duas ou mais vezes antes de emitir uma opinião.

O inimigo não dorme, espalha boatos, publica notícias falsas. Armadilhas escritas e faladas minam os campos aparentemente bucólicos e inofensivos de nossos cérebros.

Adestrando incautos. 

Lembro então, do fazendeiro que um dia encontrou um filhote de águia no bosque e o levou para casa criando-o como uma galinha.

Passou o tempo e um dia um biólogo que passava pelo local, percebeu que havia naquele galinheiro uma águia ciscando o chão junto com as galinhas.

Espantado pelo fato, procurou o fazendeiro, ele então contou ao biólogo toda a história, alegando que por ter sido criada com as galinhas, ela hoje era nada mais que uma delas.

O homem da ciência, não podia aceitar tal alegação e pediu para fazer um teste.

Tirando-a do galinheiro a pôs sobre o braço e ordenou:- voe!

A águia seguiu pousada em seu braço, depois de um tempo e várias ordens inúteis para que voasse, ela saltou para o chão, onde outras galinhas ciscavam em busca de comida, passando a imitá-las.

O fazendeiro, orgulhoso de sua sabedoria inata, não pode deixar de comentar: Viu, eu não lhe disse, ela é uma galinha!

O biólogo não se deu por vencido, pediu para subir ao galpão e lá de cima segurando nas mãos a águia que tremia de medo, ordenou inutilmente que voasse.

Tão pronto a soltou, ela correu pelo telhado vindo a cair desajeitadamente no chão abaixo, onde assim que passado o susto, voltou a ciscar com suas companheiras para a alegria do fazendeiro, que via sua teoria confirmada além da ciência.

Criada em cativeiro, os horizontes da águia eram restritos, o biólogo não se dando por vencido pediu ao fazendeiro para levar a águia até um monte próximo. Certo de suas convicções, o fazendeiro não viu porque negar ao pedido.

Quando chegaram no topo o sol já se dirigia ao poente, mais uma vez o cientista pôs a águia sobre seu braço, diante dos olhos do magnifico pássaro, se descortinava uma paisagem de liberdade e beleza somente interrompida pelos limites da vista no horizonte.

Não havia galinhas ciscando ao alcance da vista da águia.

- Voe, disse o Biólogo, e para sua alegria a águia abriu suas magnificas asas e ganhou os céus para nunca mais voltar.

A mídia aparelhada apesar da derrota acachapante sofrida nas eleições, continua a tentar fazer o povo acreditar em falácias.

Tratam de criar factoides para indispor o presidente da república com seus filhos (família é uma coisa ultrapassada para a esquerda, os filhos devem pertencer ao estado e entregar seus pais à justiça do mesmo, se eles não se comportarem de acordo com os ditames).

O STF está nu, não existe justiça quando os réus são julgados por incompetentes (para dizer o mínimo sem ofender as mães dos ministros).

Não pode haver reforma da Previdência sem cortar antes os benefícios de políticos e servidores públicos. 

Não pode haver governo se não houver união.

Não somos galinhas.

H. James Kutscka é Escritor e Publicitário.

Nenhum comentário: