terça-feira, 5 de março de 2019

A folia dos foliões da Veja



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Félix Maier

A última revista Veja, em vez de fazer só um prato feito para assar os ministros Damares Alves,  Ricardo Velez Rodriguez e Ernesto Araújo, fez três pratos diferentes, para fritar cada um deles em óleo e temperatura distintos, dentro da estratégia da mídia militante em tentar detonar o governo Bolsonaro.

Veja gastou doze páginas para apresentar os ministros como boçais e incompetentes, repetindo fofocas a respeito já mais que requentadas. Na capa, apresenta o trio como "A FOLIA DOS RADICAIS - Com medidas ou declarações disparatadas, os três ministros mais ideológicos de Bolsonaro estão fazendo um carnaval no governo."

Não contente com falta de assunto mais sério, Veja ainda deixou como sobremesa o artigo "Show de calouros", de Dora Kramer.
Uma coisa a mídia militante finge desconhecer: Bolsonaro escolheu os ministros em função do que prometeu em campanha, que desempenharia um governo conservador e lutaria contra a ideologia criminosa ensinada nas escolas e universidades, a ideologia comunista. Não fosse assim, teria escolhido Emir Sader como ministro da Cultura e Marilena Chaui para ministra da Educação.

Certo, o ministro Velez não deveria ter colocado o slogan de Bolsonaro no fim da circular que remeteu às escolas. Mas qual o problema em pedir imagens de crianças cantando o Hino Nacional? Ele já havia sido execrado por toda a mídia militante quando disse algumas verdades na entrevista de Veja. A verdade ofende num país acostumado com mentiras. Faltou ele dizer que o brasileiro é antes de tudo um porco. Basta ver como ficam os parques, praças e praias neste carnaval.

Já Damares foi crucificada por dizer o óbvio,  comprovado pela biologia: meninos têm pinto (vestem azul) e meninas tem perereca (vestem rosa). Tudo o mais que a mídia gay militante e assemelhados pregam, como "homoafetividade", "casal gay" é fake news, pois isso não passa de arranjo, ajuntamento, esbórnia, o que quer que seja, jamais união de um casal, porque só existem machos e fêmeas capazes de formar um casal.

Quanto a Ernesto Araújo, há críticas corretas contra ele, como no caso do "desconvite" dos tiranos de Cuba e Venezuela, que nem viriam se fossem convidados. Se fosse coerente, Araújo deveria também desconvidar os líderes da China, Rússia, Turquia, Arábia Saudita e outros países que passam léguas longe da democracia. Ser contra a globalização é outra estultice do ministro, não há muita coisa a fazer contra isso, especialmente se o ministro porta um i-Phone no bolso e tem eletrônicos da Sansung em casa, ou um carro importado na garagem, o que não duvido.

Quanto ao texto da Dora Kramer, causou estranheza ela dizer que "O desempenho dos militares nomeados para postos-chave no governo tem surpreendido positivamente e remete à máxima de que de onde menos se espera é que saem as boas surpresas".

Só faltou ela dizer que os generais e oficiais superiores no governo Bolsonaro não passam de gorilas ignorantes. Se há alguém que tem experiência e vivência nacional, que conhece os problemas brasileiros do Oiapoque ao Chuí como ninguém, que tem experiência admistrativa comprovada, são os chefes militares, pois foram colocados à prova como comandantes de Unidades ou Grandes Comandos. E olha que os militares nem foram postos à prova ainda, neste governo.

Na última página da Veja há um importante artigo de JR Guzzo, magistral como sempre,  que destoa do jornalismo militante de Veja, especialmente depois que André Petry, diretor de redação, petralhou a revista. Diz Guzzo que felizmente Haddad não é o presidente do Brasil, pois seria um governo que estaria apoiando as atrocidades de Nicolas Maduro na Venezuela. Diz também: "Para quem torce contra o governo, as crises, infelizmente, acabam rápido demais."

Resumindo, Guzzo deu a entebder que as crises existentes até agora no governo Bolsonaro são invencionices da imprensa militante para enfraquecer o Presidente, pois crises sérias demoram para acabar.
O que mais virá da Veja e do resto da mídia militante, para desconstruir e destruir um governo que a rigor ainda nem começou?

Félix Maier é Militar reformado do Exército.

4 comentários:

pork borg disse...

mais um desinformado, ele não é contra a globalização, e sim contra o globalismo, mais conhecido como nova ordem mundial, governo único, etc...

Anônimo disse...

O ministro Araújo, é contra o globalismo, não contra a globalização.
Mises Brasil - A diferença básica entre globalismo e globalização econômica: um é o oposto do outro https://www.mises.org.br/Article.aspx?id=2639

Anônimo disse...

O ministro Araújo, é contra o globalismo, não contra a globalização.
Mises Brasil - A diferença básica entre globalismo e globalização econômica: um é o oposto do outro https://www.mises.org.br/Article.aspx?id=2639

ALMANAKUT BRASIL disse...

Veja, Faliu de S.Paulo e Globolixo irão junto privada abaixo!