segunda-feira, 18 de março de 2019

Vitória de Pirro



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por H. James Kutscka

A expressão que nomeia este artigo vem de 279 AC.

O rei Pirro de Epiro, após vencer a Batalha de Heracléia em 280 AC e a batalha de Ásculo no ano seguinte, ao ser informado por Plutarco o que a vitória sobre os romanos havia lhe custado em perdas de vidas, de amigos e comandantes de suas forças, teria exclamado: - Outra vitória como essa e estarei arruinado.

Sábias, mas tardias palavras. 

Enfraquecido com o desgaste provocado pelo esforço para conseguir suas duas vitórias, foi facilmente vencido pelos Romanos, que seguiram mandando homens para reforçar suas hostes. 

Expressão essa, que não se restringe ao meio militar e hoje também é utilizada no meio político, quando uma vitória acaba acarretando um prejuízo maior ao vencedor que ao perdedor.

Nosso STF, que aparentemente esbanja cultura mais do que ninguém, deveria estar a par da história.

Contra uma força superior, é muito melhor negociar do que lutar
Soubesse disso, não teriam feito a molecagem que fizeram na última quinta-feira, tentando enfraquecer a operação Lava Jato, tirando-a das mãos da polícia Federal e passando para o STE.

A insensibilidade aos desejos da nação e uma estúpida prepotência olímpica, os levou a desdenhar do povo, e atapetar o caminho para uma cada vez mais descarada tentativa de libertar o “muar de São Bernardo”, feitor da maioria deles, no próximo dia 10 de abril.

A internet, fonte mais confiável de notícias nos dias que correm, vinha, na sexta-feira Infestada de “posts” com palavras como: “perdemos” ou “fomos vencidos”.

Eu diria que no momento sim, mas as Forças Armadas em conjunto, ainda não se pronunciaram a respeito da falta de caráter e sensibilidade dos ministros quanto aos anseios dos cidadãos de bem desse país, pelo fim da corrupção, politicagem e compadrismo.

Eles estão se lixando para o povo.

Somente alguns Generais até o momento se pronunciaram, usando duras palavras para descrever o ato “insano” dos “deuses de barro”.

Enquanto isso, o presidente da “ Liga da Injustiça” (parecem todos vilões de revistas em quadrinho)  tem  a pachorra de pedir  que  Deltan Dellagnol seja investigado pelas verdades que disse sobre ele e seus pares, verdades essas, muito mais amenas que as ditas por alguns generais.

Esperamos que os militares tomem as medidas para as quais existem, mas se isso não acontecer, nem o povo de forma física fizer justiça com as próprias mãos, ainda nos resta a possibilidade quântica.

Explico: Segundo teorias atuais da física quântica, nosso consciente não acaba em nossa “persona’, mas ultrapassa as barreiras de nosso corpo físico e interage com o universo.

Sendo assim, somos parte de um enorme exército, “O Consciente Coletivo”, e se pensarmos todos juntos em acabar com a ditadura dos “jabutis”, talvez   esse nosso desejo ao atingir  uma determinada massa crítica, ou melhor dito, seu potencial pleno, já que pensamento não possui massa, venhamos a transformar a realidade, nos livrando de uma maneira mais definitiva  desses moleques.

Essa última opção, claro, é pura navegação na maionese, mas não custa tentar, se não ajudar, mal não fará.

Seja como for amigos, saibam que eles não ganharam nada, a batalha ainda não acabou.

Saibam vossas “excrescências”,  seus dias estão contados.

Como diria Quincas Borba, personagem de Machado de Assis justificando a guerra: “Para os perdedores, o ódio ou a compaixão, aos vencedores as batatas”.
Eu complementaria: “Aos perdedores, o ostracismo e duras penas, aos vencedores, além das batatas, a liberdade e a segurança do direito”.

H. James Kutscka é Escritor e Publicitário.

Nenhum comentário: