quarta-feira, 1 de maio de 2019

Facebook trapaceia páginas


Alcance do Facebook: como era e como foi ficando...

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Daniela Schwery

Quem nunca montou uma página qualquer no Facebook e ficou decepcionado? Não precisa muito, ter o perfil já é decepcionante.

Pode ser uma suspeita audaciosa, mas parece que o sucesso do Facebook se deve a falta de opção. É algo como a Globo, porém das redes sociais. Todos criticam, mas sabem tudo o que a emissora exibe.

A Globo insistiu em impor opiniões, posturas, comportamentos e condutas ao grande público, sua ditadura da opinião (e ditadura contratual para com seus funcionários ou terceirizados) persistiu por muito tempo, até que apareceu a internet. Há youtubers com mais audiência que programas da Globo, outras emissoras ganharam espaço (caso da Band), também surgiu NetFlix, Prime, opções mais baratas a TV a cabo.

Globo enfraqueceu e então já não se valia mais da argumentação "não gosta, troca de canal"; "não precisa assistir se não gosta"; pois agora realmente tem opção, antes não se tinha e essa argumentação falaciosa e autoritária caiu por terra. Hoje, Globo é só mais uma.

Assim é o Facebook, é a Globo das redes sociais, e talvez o cenário acima seja o futuro da grande mídia social se não mudar sua postura. Basta sair uma concorrência que emplaque, e, nisso o Google já se mostrou ineficiente, mas a lacuna existe para ser preenchida.

Aí você pode pensar ao ler aqui: mas o conteúdo do Facebook não é do próprio. Certo!

Mas é fato notório que o facebook cerceia a participação das pessoas de tudo que é maneira, até mesmo em seus perfis pessoais através de seus questionáveis castigos, ou limitando o alcance orgânico. E a irritação geral dos usuários é ter o feed (novas postagens) viciado de uma meia dúzia de pessoas adicionadas, mesmo que você tenha 5000 amigos (o limite).

Então, voltando as páginas agora...

Você constrói um público, seu público, seu. Ou seja, você torna o Facebook mais interessante pois trabalha de graça criando conteúdo para uma empresa que por ter criado a plataforma te suga a alma de canudinho.

"No cargo de Conteudista se inicia ganhando R$ 1.048,00 de salário e pode vir a ganhar até R$ 3.037,00. A média salarial para Conteudista no Brasil é de R$ 2.012,00." Fonte: vagas.com

O Facebook te paga salário? Não! Mas você enquanto usuário convida amigos ou aceita o convite de outro amigo, o público do Facebook aumenta e aumenta. Facebook compra WhatsApp, aumenta, compra Instagram, aumenta, CADE quietinho, você faz filhos, o Facebook aumenta, faz até perfil e/ou página do seu cachorro, o Facebook aumenta... nisso já são mais de 2bilhões de usuários ativos no mundo!!!

Mas, com tudo isso, o Facebook não se limita a vender espaços publicitários como qualquer atividade do segmento se sujeita para ganhar a vida, ele quer mais, ele quer sugar com os impulsionamentos realizados pela sua página, na sua página, para o seu próprio público arduamente construído, público este do proprietário da página, não do Facebook.

É algo como ter que pagar duas vezes pra você comer na sua própria festinha organizada por você com os seus.

É errado ganhar dinheiro? Não! Nem um pouco. Mas o Facebook extrapola e ainda bota aquela trupe de ilusionistas para venderem metas mirabolantes que só eles mesmos conseguem bater, já que trabalham dentro do restrito meio.... e olha só, toda tática milagrosa termina em impulsionamento. A Camila Porto chega a ser ofensiva se você, "frustrado", "só reclama", o Erico Rocha se esforça tanto pra mostrar um entusiasmo com a irrealidade que parece uma pulga sob efeito de antiparasitário alucinógeno.

Sendo assim, o Facebook trapaceia os administradores das páginas, pois limita o alcance orgânico. No perfil, essa prática se torna ainda mais absurda já que o Facebook não admite perfil empresarial, limita a quantidade de amigos e os seguidores, caso esteja aberta essa opção no perfil, não recebem nada em seus timelines (linha do tempo).

Alcance orgânico é aquele que ocorre sem impulsionamento. Atualmente, é 1% da totalidade das curtidas. Se a sua página tem 10 000 curtidas, 100 pessoas receberão notícias sobre você ou seu negócio.

Como o dito acima, nada contra ganhar dinheiro, mas limitar o alcance orgânico é uma grande trapaça do Facebook. O alcance deveria ser liberado livremente para as pessoas que estabeleceram uma ponte com sua página, são seus contatos, não do Facebook.

Nada contra impulsionar para atingir outras bolhas que não são a sua, mas limitar o alcance para cobrar de você para você ter acesso ao seu próprio público é trapaça e isso sim deveria ser regulamentado. Já que o Estado intervêm em uma série de coisas, inclusive cobra atitude das redes sociais com viés político e ideológico, normatizar a venda através de impulsionamentos devia ser uma dela.

Daniela Schwery é Bacharel em Direito, analista política, analista de gerenciamento de redes sociais, articulista do Meu Brasil Verde e Amarelo, Divergente, Canal do Torto, conteudista do Juca Chaves, Jurandy Leite, Dra Jéssica Polese, tendo trabalhado para a campanha política do Prof. Aridelmo Texeira (FUCAPE) e Dr Gustavo Peixoto (premiado médico em cirurgia bariátrica).

2 comentários:

jomabastos disse...

É lendo artigos como este, que por vezes consigo descortinar onde está a causa deste país estar subdesenvolvido.

Anônimo disse...

Openbook em breve