segunda-feira, 6 de maio de 2019

Governo Bolsonaro será mais um blefe?



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Sérgio Alves de Oliveira

Felizmente tive a ventura de conseguir algum veículo de comunicação  livre, me oportunizando tornar pública uma  espécie de “denúncia”, não dirigida exclusivamente aos atores da bandalheira política que se instalou no Brasil de 1985 até 2018, mais fortemente desde  2003, nem só direcionada à sua “oposição”, que tomou as rédeas do poder a partir das eleições de outubro de 2018, com a vitória de Jair Bolsonaro, e  alguma renovação no Poder Legislativo.

Apesar de não haver ainda “matéria prima” disponível, suficiente para avaliar a gestão Bolsonaro, se boa ou má, os seus primeiros meses de  governo já sinalizam  o rumo político que será adotado durante todo o mandato, com muito “toma-lá-dá-cá”, contrariando as suas promessas eleitorais, para que se acomodem interesses políticos mesquinhos da sua base de apoio, e também da oposição, tudo numa espécie de “chantagem” à governabilidade, com um alto preço a ser pago, não pelo Presidente da República, porém pela sociedade brasileira.

Mas antes de qualquer avaliação, é preciso fazer uma importante correção na voz-corrente e muito “burra” que anda por aí, segundo a qual o sujeito  ou  é “petralha”, por criticar Bolsonaro, ou é “bolsonariano”, por ” baixar a ripa” no  PT. Assim é difícil, quase impossível, encontrar um espaço  neutro, imparcial, ”sem lado”, na mídia, nesse meio de polarizações radicais, que é exatamente a proposta que temos em mente. Por essa razão normalmente só encontra  abertura na mídia para falar ou escrever sobre política aquele que se agarra no “saco” de qualquer um desses dois lados  e  passa a “torpedear” o outro.

Posso dar um exemplo dessa situação, ”matando a cobra e mostrando o pau”. Durante os governos do PT/MDB eu tinha uma coluna disponível  num prestigiado jornal virtual, sempre denunciando os malfeitos desse governos petistas degenerados. Mudou o governo a partir de Bolsonaro, e da mesma maneira, por uma questão de justiça e senso de imparcialidade, também não o poupei pelas coisas erradas que eventualmente  estavam fazendo, sem que aderisse, é evidente, ao grupo político que recém tinha saído do governo.

Mas foi o quanto bastou para que me “queimassem” inapelavelmente ,tirando-me  o espaço que antes  tinha. A postura adotada pelo editor passou a ser essa: “só é permitido puxar-o-saco de Bolsonaro”. Mas acredito que o fato de ter votado e trabalhado para ele, não poderia impedir que eu criticasse o seu governo, quando cabível, buscando com  essa atitude  até ajudar o seu governo a corrigir rumos.

Apesar de concentrar todas as condições necessárias para iniciar uma recuperação para valer no descalabro político,econômico, social, e moral, deixado pelos antigos donos do poder, e mesmo contando com a “moral” adicionada ao Governo pela participação de um grande grupo  de  prestigiados integrantes das Forças Armadas, todos com honradez à toda prova, mesmo assim esse novo governo vem se comportado como um “frouxo” para atender as demandas requeridas pelo povo brasileiro, ficando muito a “dever”, por exemplo, aos militares que governaram o país a partir de 1964 e que tiveram a coragem e o suporte necessários para  efetivamente fazerem as mudanças que eram necessárias à época, pelos métodos requeridos para cada situação, mesmo que eventualmente  “excepcionais”, servindo de exemplo até a destituição sumária de dois Ministros do Supremo. 

Os militares dessa época fizerem no “peito” e na “raça” uma “intervenção”, derrubando o Governo de João Goulart, em março de 1964, sem que essa intervenção estivesse prevista nem autorizada na Constituição da época, a  de 1946, sem maiores consequências. 

Mas ao contrário de “ontem”, hoje os comandos militares se “borram” de medo quando  é ventilada  uma “intervenção” como o único instrumento político e jurídico capaz de recuperar o caos em que meteram o país desde 1985, apesar dessa intervenção estar textualmente prevista no artigo 142 da Constituição, portanto sendo uma alternativa plenamente “constitucional”. “Eles” acham que a saída teria  que ser pela “democracia”.

Mas de que “democracia” eles estariam falando? Será que eles “pensam” que o Brasil vive numa “democracia”? É a essa “coisa” hoje vivenciada  que eles chamam de “democracia”? Como poderiam chamar de “democracia” um sistema político e eleitoral que normalmente  mais conduz a cargos eletivos a pior escória da sociedade? Essa “coisa” seria “democracia”, ou OCLOCRACIA misturada com CLEPTOCRACIA?

E foi exatamente durante o “Regime Militar” que  o Brasil deu um enorme salto no seu desenvolvimento, com a construção de uma considerável infraestrutura de obras públicas, que praticamente “congelaram” de lá (de 1985) para cá, mesmo após passados “34 anos”. E a partir daí o que mais “desenvolveu” no Brasil foi a desgovernança, a canalhice política  e a CORRUPÇÃO. Por isso os militares da época foram muito melhores que os políticos que os sucederam.

Mas apesar de estar bem intencionado, o Governo  Bolsonaro se mantém  totalmente “travado”, “desorientado”, “perdido”, preso por uma falsa “legalidade” para efetuar  as mudanças requeridas. Já deu para perceber essa situação nos primeiros meses de governo.                                                                    

E essas “travas” não estão somente na sua oposição política. Elas mais têm assento na própria CONSTITUIÇÃO de 1988, e na legislação infraconstitucional decorrente, escritas exatamente por essa “oposição ,que na época se valeu da fraude do “Plano Cruzado” para se eleger “constituinte”. Portanto são os seus “inimigos” de esquerda agindo, que  agora se agarram com “unhas e dentes” nesses  instrumentos legais que eles mesmos escreveram, para boicotá-lo ao máximo, apostando num caos generalizado que  se lhes oportunize rapidamente o retorno ao poder, mesmo porque o único projeto que essa gente tem é  o seu  PROJETO DE PODER. E a qualquer custo...                                                                                   

Para esse tipo de delinquentes políticos, o Brasil não lhes “interessa”. A única coisa que lhes interessa é o retorno ao poder. E querem voltar ao poder para poderem continuar a obra “demoníaca” que iniciaram lá em 1985, que teve o seu  pior período entre 2003 e 2018,onde o principal protagonista foi o Partido dos Trabalhadores-PT, com o seu “deus” Lula da Silva, com certeza o maior canalha que já passou pela política brasileira.

Um dos pontos em que esse novo Governo mais demonstra a sua “frouxidão” para fazer as reformas necessárias, por exemplo, está na sua permissibilidade e passividade com os abusos no uso indiscriminado de  jatos “executivos” da FAB, por inúmeras autoridades dos Três Poderes.  

Combater a “outra” corrupção é virtuoso, sem dúvida. Mas não o suficiente . Esse uso indiscriminado de jatos da FAB por políticos e outras autoridades também não deixa de ser corrupção. Enquanto tudo isso acontece, a frota de aviões de combate  da FAB virou pura sucata. Hoje a FAB se tornou meramente  um” departamento de transporte aéreo gratuito”para  políticos e autoridades.                                                                                                   

Até agora, só para dar um exemplo, não se ouviu nenhum desmentido oficial  sobre  uma recente notícia que andou circulando pela  internet, não se sabe se verdadeira, ou “Fake News”, sobre a eventual utilização de um jatinho da FAB, por um determinado Ministro de Tribunal Superior, que num só dia teria feito 2 vôos, com fins particulares, de  Brasilia a São Paulo, ida e volta.

Mas mesmo que assa notícia não correspondesse  à verdade, não seria nenhuma surpresa se o fosse. Esse tipo de coisa já se tornou bastante comum. Nem causaria mais indignação, num povo que já está  anestesiado de ver diariamente tantas “barbaridades” no serviço público. E se esse tipo de acontecimento se desse num pais em que a administração pública primasse pela decência, na mesma hora rolariam cabeças de “comandantes”,”ministros”, ”presidentes”, e todos os demais  responsáveis até a “5ª Geração”.           

Porém, lamentavelmente, estamos falando de acontecimentos no Brasil, um país onde o “vale tudo” na política continua a ser a regra. E a reinar livremente, apesar da recente “mudança”. E saliente-se que esse tipo de autorização é de responsabilidade última da própria Presidência da República, no uso dos seus poderes discricionários, em vista da FAB ser órgão público subordinado ao Comando da Aeronáutica, ao Ministério da Defesa e ,portanto, à Presidência da República,em última análise.

Sérgio Alves de Oliveira é Advogado e Sociólogo.

7 comentários:

Anônimo disse...

A promessa eleitoral do candidato Bolsonaro pressupunha o apoio maciço dos que o apoiaram e votaram nele, o que não está ocorrendo. Nenhum governante faz uma mudança de paradigma sem força política, e esta vem de seus apoiadores. Logo, para poder governar, ele está sendo empurrado para o "toma lá, dá cá" pela covardia e inércia de seus apoiadores.

Anônimo disse...

Caro "anônimo" das 9:21 AM: Senti que estou sendo incluído entre um dos apoiadores "covardes" do Bolsonaro ". Mas deve ficar bem claro que os apoiadores do Presidente só podem "apoiá-lo". "Nós" não temos a caneta na mão.Só "ele" tem.(O autor do texto)

Anônimo disse...

Caro "anônimo" das 9:21 AM: Senti que estou sendo incluído entre um dos apoiadores "covardes" do Bolsonaro ". Mas deve ficar bem claro que os apoiadores do Presidente só podem "apoiá-lo". "Nós" não temos a caneta na mão.Só "ele" tem.(O autor do texto)

Anônimo disse...

Caro "anônimo" das 9:21 AM: Senti que estou sendo incluído entre um dos apoiadores "covardes" do Bolsonaro ". Mas deve ficar bem claro que os apoiadores do Presidente só podem "apoiá-lo". "Nós" não temos a caneta na mão.Só "ele" tem.(O autor do texto)

Anônimo disse...

Infelizmente, o apoio de conservadores é tímido e os que atacam o presidente são audaciosos. A esquerda globalista sabe do valor da opinião pública, por isso usa a mídia para doutrinar a população e atacar os valores defendidos pelo presidente. Quando Olavo de Carvalho levanta essas questões, os conservadores fazem coro aos inimigos do presidente, melindrados com sua atuação, buscando uma pacificação que só aproveita aos que se beneficiam com a situação de inversão revolucionária que se instalou no país. Gostaria de saber quantos continuarão a frequentar o Burger King após o anúncio do poliamor e a afronta velada ao presidente quando da suspensão do comercial lacrador do Banco do Brasil. Quantos demonstram seu repúdio, por exemplo, às ações dos globalistas para impor sua Agenda 2030. Dória já a assinou na cidade de São Paulo e mesmo assim foi eleito governador.
http://estudosnacionais.com/reportagem/tcu-quer-impor-agenda-2030-ao-governo-federal-via-relatorio-de-auditoria/

Anônimo disse...

Para que mais gente, além do autor do texto, tenha voz é preciso estudar para entender o que está acontecendo, como orienta Olavo de Carvalho. Os empreendedores da direita verdadeira precisam se mobilizar para neutralizar os falsos direitistas (socialistas fabianos e demais desinformantes) e criar mais editoras de livros conservadores, além de emissoras de rádio e televisão, domínios de internet alternativos ao Facebook, Youtube, como está fazendo Sandro Rocha; aderir ao homeschooling para livrar seus filhos da doutrinação lacradora das escolas públicas enquanto não se limpa essas áreas dos professores lacradores; boicote aos boicotadores do presidente e de sua agenda; pressão sobre seu parlamentar eleito para votar de acordo com seus eleitores. Os políticos e o STF estão solapando a Lava Jato e os eleitores estão permitindo essa atitude de seus eleitos. E uma infinidade de iniciativas inspiradas no estudo da situação. Não tem razão quem reclama ações do presidente Bolsonaro e não cria as condições políticas (massa crítica) para ele vencer seus adversários, porque o presidente se ofereceu para uma guerra gigantesca (que agora sabemos inclui até a oposição feita pelo positivismo dos militares) e continua fiel mesmo após a facada. Quem reclama do presidente, não entendeu ainda que ele é o articulador de forças para vencer o comunismo. Não pode ele sozinho criar essa condição. Os que reclamam é que estão atrasados na sua tarefa.
Estou perdendo a fé no Jair (Bruno Dornelles)
https://www.youtube.com/watch?v=kpqnT5XbC1c

Anônimo disse...

A imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima está no Brasil. É o momento de renovar as súplicas para que ela interceda pelo Brasil e pela tarefa do presidente Bolsonaro, que aceitou ser soldado na batalha denunciada pela Virgem de Fátima em 1917. É uma tarefa gigantesca, pois Ela usará as jogadas maçônicas e globalistas da Nova Nova Ordem Mundial para derrotar o comunismo.