quarta-feira, 15 de maio de 2019

Três pontos fundamentais para as próximas semanas



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por José Maria Alencastro

Em 1991, o presidente dos Estados Unidos, George Bush, venceu a Guerra do Golfo e resgatou a autoestima dos americanos após a dolorosa derrota no Vietnã. Assim, era o favorito absoluto nas eleições de 1992 ao enfrentar o desconhecido governador de Arkansas, Bill Clinton. O marqueteiro de Clinton, James Carville, apostou que Bush não era invencível com o país em recessão e cunhou a frase que virou jargão eleitoral: “É a economia, estúpido!”. Clinton foi eleito e se reelegeu

Nas próximas semanas, mais especificamente entre junho e julho poderemos presenciar uma enorme tsunami no Brasil, a metáfora utilizada por Bolsonaro para dizer, eufemisticamente, que o país está prestes a afundar. E a pec 870 (reforma administrativa) é o menor dos problemas no horizonte (ainda que não deixe de ser um gasto extra aumentar os ministérios além do ônus de mais uma derrota política). O problema é bem maior e tentarei resumir bem resumidamente

Os três pontos fundamentais para o governo, entre junho e julho estão na aprovação de três pontos cruciais para o sucesso da economia do Brasil já a partir do segundo semestre e nos próximos anos para que possamos sair do imenso buraco que o petismo colocou o país. 

O primeiro ponto é a aprovação do crédito suplementar de 250 bilhões para as despesas do governo. Sem essa aprovação por parte do Congresso o governo tem duas saídas: corta o pagamento do funcionalismo público, aposentadorias, bolsa família entre outras despesas ou pega essa grana diretamente no banco central e pedala para honrar os compromissos. Ou seja, sem crédito suplementar o presidente deixa de honrar boa parte dos compromissos da máquina estatal ou incorre em crime de responsabilidade fiscal (aquele mesmo que leva a impeachment). Esse primeiro ponto é o desafogo emergencial para o país começar a sair da crise econômica

O segundo ponto é a aprovação da reforma da previdência que vai gerar uma economia de 800 bilhões a 1 trilhão de reais em 10 anos, desarmando a principal bomba relógio do desequilíbrio fiscal brasileiro. Sem reforma da previdência é recessão, pois o governo não poderá por mais 2, 3 anos aprovar sucessivamente créditos suplementares como solução (o dead line dessa bomba sem reforma da previdência é 2022)

O terceiro ponto fundamental é a aprovação da mp 881 conhecida como a pec da liberdade econômica. Ela é fundamental pois diminui brutalmente a burocracia e a insegurança jurídica para a realização de negócios comerciais no Brasil, sobretudo nas relações trabalhistas e legalidade de acordos, criando uma base na jurisprudência e não em leituras/interpretações aleatórias ao gosto do juiz. É fundamental porque permite um ambiente mais seguro para investidores de empresas nacionais e estrangeiras que desejam investir no Brasil com menos burocracia e com segurança jurídica

Todas essas medidas precisam ser aprovadas entre junho e julho, todo o resto (estatuto do desarmamento, impechment de ministro do stf, briga por pautas conservadoras) é secundário nesse momento, pois sem a aprovação desses três dispositivos será impossível fazer as demais reformas, inclusive algumas importantes como a reforma tributária que mesmo tendo grande importância ainda depende da aprovação dessas três medidas aqui citadas.

O momento agora é de focarmos na divulgação da necessidade urgente dessas medidas, a população precisa estar consciente que a aprovação dessas três medidas é vital para que a economia do país possa voltar a crescer. Precisamos não apenas divulgar essas medidas como também conclamarmos o governo a fazer uma maior divulgação desses três temas, tanto pela internet como em pronunciamento em rede nacional. É importante entrar em contato com o deputado federal e senador do seu Estado, seja por telefone ou email e mostrar a importância desses temas serem aprovados. O governo precisa do apoio da população e ao mesmo tempo mostrar para a população a importância desses três passos fundamentais para reerguer a economia.

O momento é dos bloggers, youtubers e qualquer pessoa com alguma relevância maior ou menor na mídia e na internet ajudar na massificação desses três temas que já vem sendo tratados por alguns formadores de opinião importantes da direita na internet. É fundamental, prioridade máxima que tenhamos o foco na aprovação dessas três bases para o governo começar a reativar a nossa economia

É dessa forma que podemos colaborar com o governo Bolsonaro e com a política do país. Divulguem, compartilhem, enviem email para os parlamentares dos seus estados conclamando na aprovação dessas medidas 

#creditosuplementar

#reformaprevidência

#pec881  

De toda forma é sempre bom lembrar que se o tsunami vier, normalmente quem cuida dos sobreviventes e gerencia o caos para recuperar o local atingido é o Exército. Que o Congresso pensa bem antes de agir no afundamento do país....  

E que o presidente Bolsonaro pense muito bem no que está fazendo. Se fechar com os militares e focar na articulação política econômica com essas três vitórias sairemos do buraco e buscaremos algo próximo daquele PIB que previ para o final do ano de 5%

Mas se novamente ouvir Olavo e o filho, o presidente vai abrir uma nova crise demitindo Santos Cruz em um momento tão delicado, então infelizmente ele mandará mais uma vez uma mensagem ruim para os políticos: que seu governo está dividido e que ele está disposto até mesmo a ir contra os militares por conta das idéias do Olavo e do apoio do filho. Nesse caso se fará a vinda dos militares novamente, só que de uma outra maneira. E nesse caso Moro não será ministro do STF e sim o candidato dos militares em 2022 

O ultimato dos generais, como disse no texto linkado a seguir, já foi dado, escolha com sabedoria presidente pois o problema fundamental do país hoje não é o presidente fazer as vontades do filho, não é o presidente ficar”de boas” com o ideólogo da Virginia. O problema é a economia. E a achar que vai resolver isso sem o apoio dos militares seria estupidez.

José Maria Alencastro é militante em rede social.

6 comentários:

Anônimo disse...

Bolsonaro precisa seguir o exemplo do seu "guru da Virgínia", e afastar-se do filho que só lhe tem criado problemas.

Anônimo disse...

Metade da arrecadação vai para os agiotas que se tornaram os maiores credores do mundo, cerca de 5,5 trilhões de reais. Corte o pagamento deles e ficaremos ricos do dia para noite.

Anônimo disse...

Bolsonaro precisa ocupar os espaços e contar com sua família para isso, limpando e erradicando o poder. Assim, eliminar os cubanos é tarefa árdua, podendo ser com portarias ou coronhadas.

Anônimo disse...

Os Estados Unidos venceram a guerra do Vietnã. Perderam a guerra midiática.

sergio soares disse...

Discordo desta coluna,e inverto todas as prioridades.Estou com o que escrevem nesta página Carlos Mantiqueira e Antônio José Ribas Paiva: reforma tributária e pol[itica na frente.

Anônimo disse...

Um indício da diminuição da percepção do poder do presidente, após as declarações discordantes de seus ministros militares, é o retorno às ruas de imigrantes, visivelmente suspeitos, como marreteiros. Isto é, até a fiscalização municipal está boicotando o governo Bolsonaro.