sexta-feira, 6 de janeiro de 2006

Dívidas de aposentados e pensionistas encalacrados com empréstimos consignados devem virar alvo de CPI no Congresso

Edição de Sexta-feira do http://alertatotal.blogspot.com/

Ouça também o podcast Alerta Total: http://podcast.br.inter.net/podcast/alertatotal

Por Jorge Serrão

Os aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) estão enrolados com dívidas de R$ 10 bilhões e 900 mil junto a bancos e financeiras. De maio de 2004 até dezembro do ano passado, os 4 milhões e 600 mil segurados que pegaram dinheiro fácil emprestado só conseguiram quitar, totalmente, 575 mil operações de empréstimo.

A metade dos financiamentos (50,36%) foi feita por beneficiários que recebem até um salário mínimo. O volume de crédito consignado tomado por aposentados e pensionistas do INSS chegou a R$ 11 bilhões e 500 milhões. Os dados são da Dataprev, a Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social. A Previdência gasta, anualmente, R$ 340 bilhões com os 23 milhões e 400 mil beneficiários do INSS.

Pesquisa da Previdência indica que 57,19% dos aposentados e pensionistas pretendiam quitar a dívida no prazo de 31 e 36 meses. Mas a maioria encontra dificuldades. O dinheiro do empréstimo consignado tem sido utilizado pelos aposentados e pensionistas principalmente para pagamento de remédios e para construção ou reforma de moradia.

Como a maioria ganha um salário mínimo, após o desconto do empréstimo, o minguado benefício mal dá para a sobrevivência deles.

Merecia uma CPI

Tais empréstimos consignados, descontados mensalmente no contra-cheque dos beneficiários do INSS, agora se transformam em alvo de suspeitas do Tribunal de Contas da União.

Além de acusar a Caixa Econômica Federal de ter favorecido o BMG ao comprar a sua carteira de R$ 1 bilhão e 94 milhões em empréstimos consignados, o TCU suspeita ter encontrado, na mesma auditoria, irregularidades no convênio entre o banco mineiro e o INSS.

O caso tem tudo para virar uma CPI, que é o maior temor dos bancos no Brasil, pois promoveria uma devassa no sistema financeiro.

Crime contra a administração pública

O Tribunal constata que o convênio autorizando empréstimos que seriam pagos com descontos diretamente na folha de pagamentos dos aposentados foi feito violando instrução normativa interna (IN 97/2003) que limitava os créditos consignados às instituições pagadoras de benefícios previdenciários.

O acordo permitiu ainda que o BMG pegasse autorização para os empréstimos pelo telefone e tivesse acesso à base de dados do INSS, o que foi apontado como irregular pelo tribunal.

Para os técnicos do TCU, não foram respeitados os princípios da administração pública, especialmente o da impessoalidade.

Punição para quem merece

O senador Alvaro Dias (PSDB-PR) vai apresentar requerimento à CPI dos Correios pedindo a convocação do presidente da Caixa, Jorge Mattoso.

Também vai pedir ao Ministério Público Federal o afastamento provisório e o indiciamento dos 12 membros do conselho diretor da Caixa por improbidade administrativa.

Em novembro, o senador tucano denunciou que a Caixa teria beneficiado o banco BMG na compra de carteira de crédito consignado.

A informação do senador acabou confirmada, na quarta-feira, por uma auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU).

Operadoras sem saúde

Cento e quarenta a quatro operadoras de plano de saúde tiveram o registro de funcionamento suspenso pela Agência Nacional de Vigilância Suplementar (ANS).

A decisão foi tomada por que as operadoras não enviaram à ANS os documentos necessários para continuarem funcionando. O prazo para a regularização terminou em 23 de dezembro de 2005.De acordo com a ANS, os usuários não devem ser prejudicados com a medida.

As operadoras continuam responsáveis por atendê-los até vender a carteira ou transferi-la, passando os clientes a outro plano de saúde. O prazo para que essas alterações sejam feitas é de 30 dias. A ANS ainda não tem dados de quantas pessoas são atendidas atualmente pelas 144 prestadoras.

A maioria dos usuários é composta por moradores de São Paulo, estado onde foram suspensos os registros de 40 operadoras. Em seguida vem o Paraná com 16 prestadoras e o Rio de Janeiro, com 13.

Os usuários que não forem atendidos normalmente pelos planos de saúde podem reclamar pelo Dique ANS - 0800 701 9656.

Trem bala do Lula?

O governo federal pretende construir no Vale do Paraíba o primeiro trem de alta velocidade da América do Sul. Três consórcios de empresas (dois alemães e um italiano) estariam interessados no trem bala do Lula.

O ousado projeto é avaliado em US$ 8 bilhões e tem potencial de geração de mais de 140 mil empregos durante o período de obras. A concorrência para a obra seria aberta no primeiro semestre deste ano eleitoral.

Um projeto do Ministério dos Transportes prevê que o 'trem-bala' sairá da estação da Luz,em São Paulo, e seguirá até a estação Central do Brasil, no Rio de Janeiro.

O trajeto, de 400 quilômetros de extensão, deverá ser percorrido em menos de uma hora e meia, a uma velocidade média de 280 km/h. A passagem dele custaria R$ 115 (cerca de 50 dólares).

Atualmente, o preço médio da passagem na ponte aérea São Paulo-Rio é de R$150. A viagem área dura 50 minutos. De ônibus, o passageiro gasta menos (algo emtorno de R$ 70) para percorrer o mesmo trajeto, em cinco horas e meia.

O anúncio do trem bala lembra o fura fila do Celso Pitta, que não saiu do papel até hoje em SP. Ou o metrô japonês que foi anunciado na campanha para prefeito do Rio de Luiz Paulo Conde. Na verdade, parece promessa eleitoral... Será?

Onde está a ética?

Dos 55 deputados que comunicaram à Câmara que vão abrir mão dos salários extras pagos pela convocação extraordinária, apenas sete deles são integrantes do Conselho de Ética, órgão composto por 30 parlamentares, entre titulares e suplentes.

Dos sete integrantes do conselho que abriram mão, três se negaram a receber o dinheiro em suas contas: Orlando Fatazzini (PSOL-SP), Carlos Sampaio (PSDB-SP) e Mendes Thame (PSDB-SP).

Outros dois deputados indicaram à Câmara entidades que vão receber o dinheiro. É o caso de Chico Alencar (PSOL-RJ) e Gustavo Fruet (PSDB-PR).

O presidente do Conselho de Ética, Ricardo Izar e o deputado Paulo Pimenta (PT-RS), somente nesta semana, após ter o dinheiro depositado em suas contas, anunciaram que vão destinar o salário extra para entidades.

Outros 23 integrantes do conselho de ética bem que poderiam dar prova de ter alguma e abrir mão dos dois salários de R$ 25.694,40...

Arakiri político

O presidente da CPI dos Correios, senador Delcídio Amaral (PT-MS), avalia que “um acordão” para salvar os parlamentares mensaleiros seria um tiro no pé dos políticos.

Pessoalmente, o senador duvida que haja o tal acordão.

Mas adverte que, se houver, daqui a pouco, os congressistas não vão poder andar na rua porque o povo está cobrando posição.

Chapa esquentando

Está mantida a quebra dos sigilos bancário, fiscal e telefônico da empresa Laeta S/A Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários, determinada pela CPMI dos Correios.

A ministra Ellen Gracie, no exercício da presidência do Supremo Tribunal Federal, negou à corretora pedido de liminar em Mandado de Segurança para suspender a quebra. Ellen Gracie considerou o decreto da CPI fundamentado.

Em dezembro, uma decisão do ministro Sepúlveda Pertence impediu a CPI de quebrar os sigilos da Laeta.

A corretora seria a ponta de um iceberg que revelaria o caminho e o destino da grana do mensalão...

Financiadores de campanha, tremei!

Todas as empresas serão obrigadas a declarar, já a partir de 2007, todas as contribuições feitas a candidatos na eleição deste ano. As pessoas físicas também terão de informar ao Imposto de Renda as contribuições feitas a candidatos.

É possível que essas doações também possam ser dedutíveis do Imposto de Renda, mas isso ainda depende da aprovação de projetos pelo Congresso.

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Carlos Velloso, recebe na segunda-feira as propostas preparadas por uma comissão de notáveis com as normas para regular as eleições de 2006.

Uma resolução e dois atos normativos do TSE pretendem Combater o caixa 2 das campanhas.

O fantasma de Jefferson

O senador Delcídio Amaral (PT-MS), presidente da CPMI dos Correios, revela a amigos que está assustado com o que ouviu, na semana passada, do deputado cassado Roberto Jefferson, em um encontro casual.

Vestindo um camisão alaranjado, e bem descontraído, andando com toda desenvoltura pelos bastidores do poder, em Brasília, Jéferson detonou meio mundo ao senador.

Bem que o senador e Roberto Jéferson poderiam vir à público contar o que foi falado de tão grave na fofoca privada... Certamente, seria mais lenha para as CPIs...

Na cola do Palocci

O presidente do PFL, senador Jorge Bornhausen (SC) avisa que seu partido vai insistir na convocação do ministro da Fazenda, Antonio Palocci, caso ele não aceite o convite de comparecer espontaneamente na CPI dos Bingos.

O depoimento de Palocci para a CPI era esperado em dezembro, mas o ministro conseguiu adiar a ida ao Congresso e ao mesmo tempo evitar uma convocação.

Palocci argumentou na época que já havia respondido a perguntas sobre os escândalos que envolvem seu nome em duas audiências públicas, uma na Comissão de Assuntos Econômico e outra para discutir o Fundo Nacional da Educação Básica (Fundeb).

O ex-assessor do ministro, o advogado Rogério Buratti, denunciou que a prefeitura de Ribeirão Preto recebia uma propina mensal de R$ 50 mil da empreiteira Leão Leão, quando Palocci exerceu o seu segundo mandato (2001-2002). Buratti garante que a grana iria para o chefe...

É preciso mudar

O deputado Onyx Lorenzoni (PFL-RS) anunciou ontem que o relatório de conclusão dos trabalhos da CPI dos Correios vai incluir sugestões para o aperfeiçoamento do sistema brasileiro de combate à sonegação e à lavagem de dinheiro no País.

Na opinião de Lorenzoni, as investigações mostraram que o sistema é falho e que as brechas deram ao empresário Marcos Valério, acusado de operar o Mensalão, condições de movimentar altas somas sem ser identificado pelos órgãos públicos, como o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), a Receita Federal, o Ministério Público e o Tribunal de Contas da União (TCU).

O problema, deputado, é os bancos concordarem com tal sistema – que afetaria a farra dos “investimentos” com dinheiro sujo...

Xô, mensalão!

O Planalto e a base governista no Congresso se articulam para tirar o Mensalão da pauta do Congresso até o fim de março.

Aliados acreditam que, quanto mais tempo o assunto se mantiver na Câmara, maior será o desgaste do governo para as eleições deste ano.

O presidente da Câmara, Aldo Rebelo (PC do B-SP), quer que os 11 processos de quebra de decoro parlamentar que tramitam no Conselho de Ética estejam concluídos até o fim de março. Tomara que sejam concluídos e não acabem em pizza...

Sangue, suor e lágrimas

O ministro das Relações Institucionais, Jaques Wagner, avisa que o presidente Lula tomará uma decisão sobre a reeleição no fim de fevereiro ou no início de março.

Na quarta-feira, o deputado petista Walter Pinheiro (BA) reclamou que a esquerda petista está descontente com a demora do presidente em definir se disputará ou não o pleito de 2006.

Pinheiro protestou que a postergação de uma decisão só faz o PT “sangrar” mais.

É sob este clima político que o presidente Lula está de férias na Bahia, onde ficará descansando até domingo, acompanhado da primeira-dama Marisa Letícia e do filho mais novo.

Voto garantido

O presidente Lula tem pelo menos um voto garantido – além do seu – para ser reeleito.
O faxineiro Francisco Basílio Cavalcanti, cearense, 55 anos, cinco filhos, cheio de conta pra pagar, e que ganha perto de R$ 400 reais por mês, avisa a quem o encontra, no Aeroporto de Brasília, que vai votar em Luiz Inácio da Silva.

Francisco ficou famoso por encontrar no banheiro do aeroporto e devolver a mala com US$ 10 mil esquecida por um turista suíço.

Francisco sempre se lembra das palavras de Lula, que sempre que pode o homenageia:

Se nós tivéssemos 180 milhões de Francisco, certamente o dinheiro do Brasil daria para a gente fazer muito mais coisa para o povo pobre desse País do que as pessoas levarem o dinheiro público”.

Só faltava uma coroa...

O próximo presidente do Brasil vai receber daqui a um ano uma faixa presidencial novinha em folha, que será comprada nos próximos dois meses pelo Palácio do Planalto. Deverá custar em torno de R$ 38 mil. A licitação foi aberta ontem.

A nova faixa terá 1 metro e 67 centímetros de comprimento e 12 centímetros de largura. Será confeccionada em cetim nas cores verde-bandeira/amarelo-ouro/verde-bandeira (nessa ordem). Não poderá ter emendas ou costuras, e será ornamentada com 26 estrelas representando os estados da federação. Tudo em ouro 18 quilates.

A faixa terá ainda franjas compostas de 90 cordões artesanais de ouro e terá que ser entregue acondicionada em uma caixa de policarbonato cristal transparente, 250 vezes mais resistentes que o vidro.

A faixa atual está muito velha... Foi usada por Fernando Collor, em 1990...

Passando do ponto?

Ao comentar ontem o relacionamento entre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a imprensa, ontem, o ministro da Secretaria Geral da Presidência, Luiz Dulci, ressaltou que o papel da imprensa é fustigar.

Mas o assessor de Lula acrescentou que às vezes a imprensa 'passa do ponto'.

Felizmente, Luiz Dulci concordou que isso faz parte do processo.

Nepotismo no Judiciário

Com informações do Sindicato dos Servidores do Ministério Público do Rio Grande do Sul, a seccional gaúcha da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) denunciou ontem 68 casos documentados de nepotismo cruzado entre o Tribunal de Justiça, o Ministério Público e o Tribunal de Contas do Estado.

Na maior parte dos casos, esposas, irmãos, filhos e sobrinhos dos dirigentes de uma instituição foram contratados por uma das outras duas entidades para cargos em comissão, com salário médio de R$ 5.807, fora outras vantagens.

O nepotismo gera um custo da ordem de R$ 20 milhões anuais aos cofres públicos.

Por esse esquema, desembargadores, procuradores e conselheiros trocavam cargos, procurando driblar a Constituição estadual, que desde 1995 proíbe a contratação de parentes de até segundo grau.

Quem vai para o STF?

O deputado Luiz Eduardo Greenhalgh (PT-SP) se disse honrado com a inclusão de seu nome na lista de potenciais nomeações para o Supremo Tribunal Federal (STF).

O ministro Carlos Velloso já pediu aposentadoria e pode ser que os ministros Nelson Jobim e Sepúlveda Pertence também deixem o STF neste ano, abrindo duas novas vagas.

Além de Greenhalgh, os deputados petistas Sigmaringa Seixas (DF) e Tarso Genro (RS) também fazem parte da relação em poder do presidente Lula, a quem cabe a escolha.

Rei da clonagem na cadeia

A polícia paulista prendeu ontem um homem que clonava celulares dos passageiros que desembarcavam no Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo. Os aparelhos clonados, através de um notebook, eram passados para traficantes e presidiários.

A Polícia informa que Abraão Correia da Silva Filho, de 33 anos, é um dos maiores especialistas de clonagem de telefone celular do país. Ele mantinha um apartamento alugado em um prédio em frente ao aeroporto para capturar sinais de telefones de passageiros.

Em um outro prédio onde ele morava na zona norte funcionava a central de clonagem, com capacidade para grampear 300 celulares por dia. No local, foram apreendidos mais de 300 aparelhos e três computadores, com programas específicos para habilitar telefones clonados.

Quase todos os números identificados pela polícia são de fora de São Paulo. Os aparelhos eram revendidos a quadrilhas de facções criminosas que atuam dentro dos presídios.

Dinheiro sobrando no ar

O empresário Nelson Tanure, controlador da Docas S.A. retirou formalmente sua oferta de pagar US$ 112 milhões por 25% das ações ordinárias e usufruto de outros 42%, para ter o controle da Fundação Ruben Berta (FRB), controladora da Varig.

Agora, o dono do JB e da Gazeta Mercantil, que foi figura de proa no governo Collor, quer concentrar esforços na aquisição das subsidiarias VarigLog e VEM.

A Docas apresentou no fim de 2005 uma oferta de US$ 139 milhões pelas empresas, proposta que não foi reconhecida pela companhia aérea portuguesa TAP, atual detentora das ações das subsidiárias.

O motivo do não reconhecimento das propostas teria sido o fato de Nelson Tanure não ter informado qual seria a fonte de recursos para o pagamento pelas subsidiarias.

Prejuízos Petrobrás

Relatório do Tribunal de Contas da União indicou que a Petrobras teve prejuízo de cerca de US$ 1 bilhão e 900 milhões, de 2001 a 2003, com três contratos firmados, sem licitação, com usinas termelétricas.

Por meio desses contratos, feitos no governo passado, durante o racionamento de energia, em 2001, a estatal se comprometeu a ressarcir as usinas, caso não conseguissem receita suficiente para arcar com seus compromissos.

Como após o racionamento, houve sobre de energia no mercado e as termelétricas, que têm custo de produção maior do que as hidrelétricas, não conseguiram comercializar a eletricidade, a Petrobras teve de desembolsar os recursos previstos nos contratos.

Demagogia com o álcool

O governo pretende se reunir na próxima semana com produtores de álcool para tratar de alternativas para conter a alta dos preços dos combustíveis.

A reunião pode ocorrer na terça ou na quarta-feira.

Desde o início do ano, os preços do álcool subiram cerca de 6% nos postos de combustíveis — e já haviam avançado outros 20% ao longo de 2005.

O governo pensa em reduzir a proporção do álcool na gasolina, como forma de ampliar a oferta, mas sabe que isso encarecerá também esse combustível, que já subiu 2% nos cinco primeiros dias deste mês.

Mais aumentos

A redução do percentual de álcool anidro na gasolina, como está sendo cogitado pelo governo, pode aumentar em mais 1% o preço do combustível na bomba para o consumidor.

Isso porque o álcool anidro, por ter um valor menor do que o da gasolina A (sem mistura) na refinaria, contribui para reduzir o preço final da gasolina C (que chega ao consumidor).

O cálculo é da União da Agroindústria Canavieira (Unica).

A conta exata

O cálculo é simples: o custo da gasolina A na refinaria é de R$ 2,40 para um custo do álcool anidro de R$ 1,10 na média atual.

Com o atual percentual de 25% de anidro, a gasolina C custa (sem impostos) R$ 2,075.

Se o porcentual passar para 20%, a gasolina C passa a custar R$ 2,14.

A idéia do governo ao reduzir o percentual é poupar álcool anidro e transformá-lo em hidratado para atender o mercado de carros flex-fuel (bicombustíveis), que não estão tendo mais vantagens de abastecer seus veículos com álcool no lugar de gasolina, desde que o derivado da cana-de-açúcar sofreu consecutivos aumentos.

Ônibus extorsivos

A desembargadora Ana Maria Pereira de Oliveira, da 8ª Câmara Civil do Tribunal de Justiça do Rio concedeu ontem uma liminar suspendendo o reajuste das tarifas de ônibus municipais da cidade, a pedido do promotor Rodrigo Terra, da 2ª Promotoria de Defesa do Consumidor do Ministério Público.

Autorizado pela prefeitura no fim do ano passado, o aumento entraria em vigor no sábado, quando a tarifa dos coletivos sem ar condicionado passaria de R$ 1,80 para R$ 1,90.

O promotor questiona o fato de a prefeitura ter concedido o reajuste antes de completar um ano do último aumento - em abril de 2005 - e não terem sido apresentadas as planilhas de custos que justificassem a concessão do reajuste. Será que o promotor não se lembra que é ano eleitoral, e os empresários de ônibus gostam de ajudar nas campanhas...

Vistoria para quê?

A Comissão de Saúde da Assembléia Legislativa fez hoje uma vistoria em hospitais do estado.
Segundo parlamentares, funcionários e acompanhantes de doentes internados no Rocha Faria ficaram sem alimentação durante o dia. A refeição foi servida apenas para os pacientes.

De acordo com a comissão, as empresas contratadas para fornecer comida aos hospitais do estado estão sem receber há nove meses.

A comissão também encontrou problemas parecidos nos hospitais Pedro II, Getúlio Vargas, Carlos Chagas e Saracuruna.

A Secretaria estadual de Saúde informou que, em dezembro, pagou R$ 4 milhões e 500 mil às empresas e que vai quitar o restante da dívida ainda este mês. A Secretaria informou ainda que, se a situação não voltar ao normal, vai tomar medidas jurídicas contra os fornecedores.

Igreja condenada

A Igreja Apostólica Renascer em Cristo foi condenada a pagar indenização de R$ 50 mil e 400 por dano moral a uma ex-empregada.

A igreja pegou um cheque emprestado da trabalhadora, com a promessa de pagá-lo assim que fosse compensado.

Como não cobriu o valor, a empregada teve seu nome incluído nos cadastros de restrição ao crédito, além de ser cobrada pelos credores no local de trabalho.

A indenização foi concedida pela 36ª Vara do Trabalho de São Paulo e confirmada pela 8ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região.

Para os juízes, o empregador que não cumpre promessa assumida com empregado pratica lesão de dupla natureza: moral e material.

Guerra ao maldito Cigarro

Os contratos de exclusividade de publicidade e exposição que as fabricantes de cigarro Souza Cruz e Philip Morris firmaram com os comerciantes serão alvo de investigação pela Secretaria de Direito Econômico.

A investigação foi solicitada pelo Cade — Conselho Administrativo de Defesa Econômica. O órgão pretende esclarecer se a exclusividade põe em risco as práticas de livre concorrência.

A Souza Cruz detém mais de 50% de participação no mercado nacional de cigarros e a Philip Morris domina mais de 20% desse comércio nos estados do Sul e Sudeste.

Edílson contra-ataca

Um dos pivôs do escândalo de manipulação de resultados nos jogos do Campeonato Paulista e Brasileiro de 2005, o ex-árbitro Edilson Pereira de Carvalho confirma que vai processar a Federação Paulista de Futebol (FPF) e veículos de imprensa por danos morais.

Na ação de R$ 400 mil contra a federação, que deve ser proposta na próxima semana, Edílson tentará provar, por meios legais, seu vínculo empregatício com a FPF.

O ex-árbitro alega que foram 14 anos dedicados aos jogos, cumprindo obrigações, punições e sem qualquer direito.

A imprensa é o segundo alvo do ex-árbitro suspeito de envolvimento no Escândalo do Apito. Uma ação contra os veículos de comunicação já foi protocolada.

Segundo Edilson, alguns deles publicaram uma foto sua com a filha de dez anos, o que causou constrangimento à menina na escola e em outros lugares que freqüenta. É flórida...

Bordel executivo

O banco de investimentos Morgan Stanley demitiu quatro funcionários, entre eles um analista de valores, por terem acompanhado pelo menos um cliente a um clube noturno de entretenimento para adultos.

Os trabalhadores, todos especialistas em tecnologia, visitaram um clube de strip-tease com um ou mais clientes, durante uma conferência da instituição em Phoenix, no Arizona, em novembro.

Como é ruim viver em um País em que os executivos e os políticos adoram tomar suas importantes decisões enquanto relaxam em bordéis...

Quem pode fica impune

O jornalista Geraldo Lopes, um dos mais experientes repórteres policiais brasileiros, chama a atenção para um grave caso de impunidade ocorrido, neste fim de ano, no Rio de Janeiro:

No município de Itaguaí, na quinta-feira 29/12/05, a polícia prendeu Jefferson Reis, filho do falecido deputado Albano Reis, acusado de tentativa de homicídio. Ele não passou muito tempo na cadeia.

A prisão do filho do deputado foi revestida de fatos no mínimo estranhos. No sítio da família, no quarto onde Jefferson dormia, os policiais apreenderam sete armas, sendo uma escopeta calibre 12, uma pistola e cinco revólveres, três deles com os números raspados, farta munição, duas toucas ninjas e um par de algemas. Equipamento aproprirado para grupos de matadores.

Foram presos também dois funcionários do sítio, Eduardo da Silva Elisio e Octávio Assis de Gouvêa. No mesmo dia, os advogados de Jefferson entraram com pedido de hábeas corpus que foi negado pelo juiz Rafael Fontes na Vara de Itaguaí.

No sábado seguinte, o desembargador Ciro Darlan, que estava de plantão, ignorou a decisão do juiz e concedeu a liberdade ao filho do deputado. Detalhe: o benefício não alcançou os dois empregados do sítio que continuam presos, não que eles sejam uns anjos de bondade, mas o vento que venta lá venta cá.

O próprio delegado Antenor Martins, titular da delegacia de Itaguaí e autor do flagrante lavrado contra Jefferson, ficou surpreso com a (in) justa decisão do desembargador. Afinal, todos os detalhes da prisão e apreensão de armas tinham sido feitos dentro da lei.

Jefferson, acreditando-se senhor do bem e do mal, teve a prisão preventiva decretada porque dias antes, havia feito vários disparos contra o mecânico industrial Mariano de Lima Schaider e a namorada dele Adriana.

Crime do casal: Mariano e Adriana tiveram a ousadia de namorar dentro do carro, em frente ao sítio temático conhecido como Alba Noel, uma referência do deputado que era conhecido como o Papai Noel de Quintino, bairro onde mantinha sua principal base eleitoral. Os dois não foram alvejados por pura sorte.

O jornalista Geraldo Lopes ressalta que a única forma de justificar essas aberrações judiciais é lembrar uma famosa e justa frase do compositor paraibano Geraldo Vandré: “os critérios de justiça do mundo em que vivemos, estão muito distantes de determinar o que seja realmente justo ou injusto”.

Vida que segue...

Novas informações a qualquer momento.

Recramações, ilogios ou revelações bomba para:
jorgeserrao@gbl.com.br

Façam comentários clicando no link abaixo.

Fiquem com Deus!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Inteligente, inovador, fortemente analítico e propositivo, utilizando as mais modernas tecnologias para transmissão instantânea e eletrônica de informação privilegiada e análise estratégica, junto com a difusão de novos conhecimentos voltados para a construção e consolidação de novos valores humanos.