quarta-feira, 20 de dezembro de 2006

Verdades sobre o Controle Aéreo

Edição de Artigos de Quarta-feira do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com

Por Marcio N. A. Moreira

As falhas que ocorreram no dia fatídico do acidente do vôo 1607 da gol, são decorrentes de falha humana, como costuma acontecer na maioria dos acidentes, quer sejam aéreos, quer sejam terrestres, quer sejam em meios fluidos. os acidentes podem, originalmente, ocorrer devido à causas metereológicas, de fadiga de material, de falha nas telecomunicações, de falha na decteção radar, da falta de recursos financeiros para a aquisição de equipamentos ou na falta de recursos para a manutenção dos equipamentos. Poderíamos desfilar centenas ou até milhares exemplos de causas materiais, todavia ao percorrer o longo caminho de uma investigação de acidente aeronáutico (IAA), é possível que o acidente tenha por trás uma intervenção humana.

Ouvindo ou lendo as declarações ou opiniões dos indivíduos, a maioria vinda de palpiteiros pertencentes à órgão oficial ou de pessoas emocionalmente envolvidas em função da tragédia da perda de 154 vidas preciosas, fica a sensação de que esses indivíduos poderiam ter guardado suas opiniões para momento mais oportuno, como quando do encerramento do IAA. De qualquer modo, as pessoas ingenuas opinam e têm suas declarações divulgadas na imprensa; nada de mal, pois quê, nas democracias, a imprensa deve dar ao público as informações que ela julga ser adequado ser divuldado para o público. mas quando pessoas de má fé, ou mesmo desinformadas, colocam suas idéias na imprensa, passamos a duvidar da boa fé dessas ditas informações.

Podemos rotular essas declarações como vindas de indivíduos que, por serem políticos e estarem desempenhando cargos “ad nuntum”, imaginam poderem emitir opiniões de assuntos dos quais nada sabem, porém, quando perguntados por reporter sobre aquela determinada matéria, falam sem nexo, por imaginar que sua resposta deva satisfazer o público.

Exemplificar poderia ser exaustivo, entretanto podemos apresentar algumas declarações:

1- Existe um buraco negro na região sobre onde ocorreu o acidente: Em primeiro lugar, buraco negro é uma expressão utilizada pelos astro-físicos dizendo que, aquele fenômeno acontece quando o corpo celeste é tão denso, que nada pode escapar de sua força gravitacional, nem a luz. Esses indivíduos, entre eles alguns controladores de tráfego aéreo no cindacta 1, disseram, repetidas vezes aos comentaristas na imprensa, de que aconteciam falhas de decteção radar ou de telecomunicações. Possível, sim, é possível, porque a propagação das ondas eletromagnéticas é, às vezes, errática. Pode sim acontecer, contudo, antes do acidente qualquer controlador reportou tal anomalia; é, provavelmente, falsa, tal afirmação. Quando as ondas eletromagnéticas são emitidas de um transmissor, seja ele rádio, seja radar, o cone formado é suficiente para cobrir uma vasta área em altas altitudes; mas em altitudes mais baixas, evidentemente que o cone formado não é sufiente para detectar o alvo:

Aeronave permanentemente avistada pelo radar
Estação radar
Aeronave não está sendo avistada pelo radar

2 - A aeronave quando é dectetada pelo radar do cindacta 1, sua imagem virtual (constitui numa simulação de uma aeronave criada por meios eletrônicos) é apresentada, na tela do controlador, sob forma de uma “pista” (conjunto de sinais que indicam a passagem de um avião). A pista tem informações de rumo, de altitude, de denominação da empresa, etc. quando dois aviões estão próximos, porém em diferentes níveis, a pista de uma aeronave pode interpor-se por outra, causando dúvidas de qual é o avião representado realmente. Isso ocorre porquê o computador gerenciador das pistas, apresenta duas pistas sobrepostas; nada de errado que o controlador não possa corrigir, porquanto o controlador tem obrigação de estar acompanhando a trajetória das aeronaves, portanto, essa informação de que haja falha do computador e que tal imagem poderia trazer perigo à segurança de vôo é falsa.

3 - A informação de que os cindacta estão deficientes por causa da falta de técnicos ou porquê os técnicos não têm conhecimento suficiente do trabalho que devem realizar é, também, incorreta. Não é possível aceitar críticas de pessoas não suficientemente instruidas, de que os cindacta não conseguem operar adequadamente os equipamentos por falta de conhecimento técnico. O sistema dacta foi concebido em 1968 por técnicos e nunca a política sequer influenciou qualquer decisão no planejamento. Entrou em operação em nov 1976, e nesses trinta anos os elogíos, pela operação eficaz do sistema, foram dados por pessoas competentes da ICAO (OACI), e de outros órgãos oficiais da FAA. Nesses 30 anos, os Cindacta poderiam ter recebido mais recursos financeiros, conforme tem sido divulgado pela imprensa: É verdade, também, que a falta desses recursos poderia ter diminuido a segurança no espaço aéreo brasileiro.

4 - Os acidentes aéreos ocorrem; contudo a investigação desses acidentes é procedida por órgão da aeronáutica, criado por lei, para a verificação das falhas eventuais. em todos os países os acidentes aéreos têm suas causas verificadas por órgãos especializados que não dependem de qualquer ato político para a execução de suas tarefas. No Brasil atual, autoridade de órgão do governo federal, que não devería atuar em campos de conhecimento exclusivos às autoridades aeronaúticas, se intrometram, criando desavenças entre militares e entre civís e militares. O ministro da defesa saiu de seu alto posto para interrogar sargentos controladores no âmbito do cindacta 1, assunto que devería ser tratado exclusivamente pela esfera competente.

5 - Os sargentos, para defesa de sua pretensa causa justa, cometeram ato de indisciplina, e até talvez mesmo de insubordinação, quando passaram a operar pela chamada “operação padrão”, causando os tumultos que todos conhecem e sofrem. O que é a chamada operação padrão: os controladores passam a operar dentro de estritos padrões numéricos, ou seja, cada controlador controla um número ideal de aeronaves em seu escopo, abandonando os procedimentos que estavam, há muitos anos, acostumados a realizar; retaliação, certamente! quando foram obrigados a permanecer em serviço no cindacta 1, imediatamente veio a contra-ordem para libertá-los, como se estivessem presos em cadeia. Uma mulher de controlador disse que estavam passando por pressões psicológicas por estarem, supostamente, cumprindo seu dever. todavia a verdade do comportamento dos sargentos e controladores civís não tardará a aparecer; serão julgados pelos atos falhos no controle do espaço aéreo brasileiro. No brasil os controladores sempre trabalharam com orgulho de suas funções e da eficiência de trabalho. O crescimento rápido dos tráfegos nacional e internacional trouxe sobrecarga nos postos de trabalho dos controladores. É verdade, por quê essa sobrecarga não foi relatada a tempo? Será que a verdadeira causa está na falha do controle do tráfego aéreo durante a realização do vôo da Gol? Ou será que o controlador não usou a inteira capacidade dos meios a sua disposição? Afinal, são inúmeras as facilidades à disposição, tais como um radar tridimensional, que fornece informaçõse de rota, identificação, altitude da aeronave em tela; a essa imagem são adicionadas imformações do radar secundário, que visualiza aeronaves voando a p.ex. 10.000 M, e até a mais de 400 quilômetros de distância. Falta de informações do tráfego aéreo? Não é crível!

6 - A mais absurda acusação é a de que os militares deveriam ser substituidos por civís. Só mesmo de beócios esquerdistas brasileiros, a maioria constituida por analfabetos funcionais, é que uma proposta dessas podería prosperar. na verdade, nada opor quanto a operação do CTA por controladores civís; já existem dezenas de controladores civís, alguns com mutos anos de serviço na função.

Vamos fazer uma retrospectiva histórica do cta no brasíl: o serviço era conhecido por serviço de proteção ao vôo, desde a década de 1940. era operado mesmo antes da criação do ministério da aeronáutica em 1941 e sempre esteve nas mãos de militares. Funcionou como serviço até a década de 1960, quando, apreendidas as modernas técnicas de controle de tráfego aéreo, absorvidas da faa e da icao, foram introduzidas sob a forma adequada de sistema. Nunca, até hoje, houve contestação da forma e sob que administração funcionava. o sisceab (sistema de controle do espaço aéreo brasileiro) tem efetivos de milhares de militares e de centenas de civís; nada a opor, mas como transformar essa massa de recursos humanos, formados a alto custo financeiro e que demanda dois anos, pelo menos, para sua formação, como transformar essa massa de militares para civís? Em que prazo? A que custo? A quem subordiná-los? Nada que seja impossível! Todavia o governo federal estará disposto a encarar esse programa de transformação? Como? Transferindo recursos financeiros da assistência social para esse programa de transferência de responsabilidade? O partido governamental, como gosta de se intitular, tem quadros de pessoal qualificado para essa tarefa? Será que a anac, com sua prosopopéia, tem condições de absorver essa tarefa?

7 - Afastado da ativa da aeronáutica há treze anos, considero que a tarefa de administrar eficazmente um órgão governamental é das tarefas mais empolgantes de conduzir uma administração. Moldei-me como administrador moderno, sugando idéias do escritor e administrador de empresas, “Peter Drucker”, e de outros tantos luminares. Chegando a idade de estar preocupado em afagar netos, tenho a obrigação de colocar minhas concepções a público, mesmo estando triste e envergonhado por ver enxovalhadas as instituições castrenses, mormente a Aeronáutica, no presente.

Marcio N. A. Moreira, Tenente Brigadeiro do Ar, foi idealizador do CINDACTA I, de Brasília.

5 comentários:

Anônimo disse...

Todos os militares inativos são loucos desvairados. Estão senís. Tem idéias utópicas e falam da vida castrense como se fosse a coisa mais linda do mundo. Sou militar da ativa e sei que quartel é cárcere e local de fanáticos sem direção. Puxa-sacos de superiores. sejam lá quem forem.

Anônimo disse...

e digo mais. nós militares, estamos na situação de míngua, por causa desses idiotas que não falam o que sentem. preferem engolir o choro e se calarem a desagradarem os seus superiores hieráquicos. GRANDES BOSTAS!!! Desculpem. Tenho nojo disso tudo.

Anônimo disse...

e digo mais... meu e-mail é: ooteb@bol.com.br.
gostaria de formar um grupo para podermos reivindicar o que é de nosso direito.
mandem-me mensagens.

Anônimo disse...

Anônimo, você está certo. O que degrada o Brasil não são apenas os ladrões ou corruptos que infestam a Administração Pública, mas, sobretudo, essa verdadeira horda de puxa-sacos que faz qualquer coisa para ascender e depois permanecer em um "cargo de confiança". Fecham os olhos, engolem abacaxis e depois agem como se não tivessem a menor responsabilidade pela tragédia da desesperança a que submetem milhões de brasileiros.

Este seria um País decente se os generais, os delegados, os administradores de hospitais, tivessem caráter suficiente para devolver o seu cargo administrativo e dizer aos políticos: Toma aqui doutor! Este sucateamento do Estado Nacional é um crime contra o povo brasileiro. Não conte comigo para participar dessa patifaria!

Ao invés disso silenciam, posam de líderes e iluminados enquanto as pessoas perdem suas vidas. BANDO DE CRÁPULAS!

Anônimo disse...

Obrigado anônimo2.
Digo mais... as FFAA estão às moscas, pois só temos idiotas no comando, se não vejamos: quantos comandantes temos? só vejo o Bueno aparecer, aliás...como ele gosta de aparecer, não?
Urge a necessidade de revolta total nos quartéis. Temos muita força, mas temos que mostrá-la.