domingo, 18 de março de 2007

Brincando com o Terrorismo

Edição de Artigos de Domingo do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com

Por Jorge Serrão

Agentes de inteligência norte-americanos, oficiais e mercenários contratados, que vieram ao Brasil na comitiva do presidente George Walker Bush e ainda não foram embora, abasteceram a Polícia Federal de informações para a prisão de um dos mais procurados terroristas do grupo extremista italiano Brigadas Vermelhas. O escritor italiano Cesare Battisti, de 52 anos, foi apanhado neste domingo, sem documentos, em um hotel em Copacabana. Ficará detido no sistema penitenciário do Rio até que o Supremo Tribunal Federal decida sobre a sua extradição. O pedido será oficializado pela justiça italiana.

O terrorista fugiu da França para o Brasil em agosto de 2004, onde vivia na clandestinidade. Estava condenado à prisão perpétua por quatro assassinatos nos anos de 1978 e 79. A prisão de Battisti coincide com o momento em que o governo Lula finge que discute uma legislação capenga de combate ao terror (segundo a qual o terrorismo não seria praticado por motivação política ou religiosa). Ocorre ao mesmo tempo em que a Polícia do Rio de Janeiro se encontra de prontidão, já que a facção criminosa Comando Vermelho (em parceria com grupos narco-terroristas) ameaça matar 150 policiais.

Cesare Battisti foi condenado, em 1993, pela Justiça italiana à prisão perpétua por sua militância à frente do grupo extremista Proletários Armados pelo Comunismo (cuja sigla, por gaiatice do destino é PAC). Em 1990, Battisti se refugiou na França, onde se tornou autor de romances policiais enquanto era julgado e condenado à revelia na Itália. Battisti se beneficiou de medida estabelecida durante o Governo Socialista de François Mitterrand, que permitia que ativistas italianos de extrema-esquerda poderiam viver no país se renunciassem às ações violentas e não tivessem crimes violentos em seus antecedentes.

Embora os serviços de inteligência das polícias militares e das Forças Armadas tenham provas da presença de terroristas no Brasil, prestando “serviços de consultorias” a facções criminosas e a alguns ditos “movimentos sociais” fora da lei, o governo brasileiro finge que nada disso ocorre. Agora, Lula quer pressa na aprovação de uma legislação anti-terror, até o início dos Jogos Panamericanos, no Rio de Janeiro. O Ministério da Justiça, agora sob o comando de Tarso Genro (defensor da tese absurda de que o terrorismo não tem motivação política), analisa a proposta capenga elaborada pelo Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República. Mas o texto ainda deve passar pelo crivo da Casa Civil e do Ministério da Defesa.

Na proposta do governo Lula não há tipificação de terrorismo. Os crimes previstos na proposta serão punidos quando a motivação for “a promoção do pânico ou levar insegurança à sociedade”. As penas mais graves serão de 30 anos, podendo chegar a 45 anos, para o terrorista que detonar ou dispersar materiais radioativos ou ainda promover um ataque químico ou biológico. A pena mais branda seria de cinco anos. O governo também estuda uma lei para conter o financiamento do crime organizado e do terrorismo.

Os crimes na futura lei são: "atentados a bomba, com material nuclear ou radioativo, bioterrorismo, terrorismo químico, crimes contra a pessoa e o patrimônio, contra pessoas internacionalmente conhecidas, contra a segurança de aeronaves, embarcações e veículos de transporte coletivo, contra a segurança de portos, aeroportos e estações de transporte coletivo, contra a segurança de plataformas fixas, pela colaboração com o terror e pela apologia ao terrorismo".

De boas intenções, o governo Lula está cheio de ignorantes e de ex-terroristas derrotados pelas Forças Armadas, amadas ou não, na década de 60/70. Primeiro, os pensadores palacianos ignoram o verdadeiro conceito de governo do crime organizado. Trata-se da associação, para fins delitivos, entre a classe política, os criminosos de todos os status econômicos e sociais, e os membros dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, a fim de usurpar o poder do Estado e suas instituições.

Os gênios do governo cometem o maior dos pecados intelectuais em relação ao conceito de terrorismo. Conceitualmente, o terrorismo é o uso ilegal da força ou da violência contra pessoas ou propriedades, objetivando influenciar uma audiência e coagir um governo e a população de um Estado, em proveito de objetivos políticos, sociais, religiosos ou ideológicos.

“Terrorismo é a ação ou omissão, típica e antijurídica, levada a efeito com o fim precípuo de causar medo, terror ou intimidação na população, como forma de compelir a administração pública direta, indireta, as autarquias ou organismos internacionais a fazer ou deixar de fazer alguma ação ou atender reivindicação, ainda que justa” (ADESG-SP, 2006).

E também: “Terrorismo é o modo de coagir, ameaçar ou influenciar outras pessoas ou impor-lhes a vontade pelo uso sistemático do terror. Também é uma forma de ação política que combate o poder estabelecido mediante o emprego da violência”. (Dicionário Aurélio, 1999, p 1951).

Em resumo, o Terrorismo consiste na geração do medo, para produzir três tipos de vítimas. A Vítima Tática (o morto, o ferido ou o seqüestrado), a Vítima Estratégica (aquela que sobrevive ao atentado, e está sob risco) e a Vítima Política (que são o Estado e a Democracia, aqui entendida como a Segurança do Direito).

O atual governo não conseguirá disfarçar que é leniente com o terrorismo. No Oriente Médio, em 16 de novembro de 2006, foi reafirmada, objetivamente, a parceria entre a guerra ideológica e o terrorismo internacional para a tomada do poder revolucionário pelo mundo afora. A confirmação do “casamento” ocorreu em Beirute, durante o Encontro Internacional de Apoio à Resistência Libanesa, que acontece até este domingo.

Cerca de 400 representantes de partidos políticos, sindicatos, movimentos sociais e populares, associações culturais, intelectuais e artistas, religiosos e personalidades de diferentes áreas de todo o mundo se reúnem no Palácio da Unesco, na capital libanesa. Havia representantes brasileiros ao evento.O encontro sinalizou uma tendência para o comportamento mais radical e extremista dos movimentos antiimperialistas em todo o mundo. As deliberações vão valer para os fóruns antiglobalização e para a tomada de decisões de entidades como o Foro de São Paulo e seu recém instituído Bloco Regional de Poder Popular (BRPP).

O evento em Beirute foi aberto com o pronunciamento do segundo homem do Hezbolah, o vice-secretário-geral Naim Kassem, que falou em nome do partido e do seu secretário-geral, Hassan Nasrallah. A palavra de ordem de Kassem foi: ''Resistamos!''.Participam das discussões representantes de Cuba, México e Brasil. A delegação brasileira foi liderada por Jose Reinaldo Carvalho, secretário de Relações Internacionais do PC do B e diretor do Bebrapaz, Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz.

O encontro foi organizado e dirigido conjuntamente pelo Hezbolah, pelo Partido Comunista Libanês, pela Tribuna da Unidade Nacional (Terceira Via, do ex-primeiro-ministro Salim el-Hoss), e pelo Movimento do Povo e a Rede das Associações da Sociedade Civil. Contou ainda com o apoio da Corrente Patriótica Livre, do general Aoun, um líder nacionalista que se reintegra ao movimento de resistência islâmica.

Ignorando tais conceitos e a realidade objetiva dos fatos, o governo brasileiro brinca com o terrorismo. Até quando a brincadeira vai durar? Eis a pergunta para quem não compactua com o crime organizado e o terror.

Jorge Serrão, jornalista radialista e publicitário, é Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. http://alertatotal.blogspot.com/ e http://podcast.br.inter.net/podcast/alertatotal

4 comentários:

Bagli&Blog disse...

Prezado Jorge Serrão, boa noite.

Você acha que estes marginais quadrilheiros, de algum modo liderados pelo Anão sem Dedo, vão dificultar a vida de bandido? Afinal de contas, eles são o quê?

O que nós encontramos hoje no "eixo do mal" Palácio do Planalto e Congresso Nacional, o Cortelho de Luis II? Subversivos, sequestradores, terroristas, todos derrotados pelos militares e pela Contra-Revolução de 1964.

O Brasil ainda vai sofrer muito por causa dos ditames da "central do crime organizado, a saber, Congresso e Palácio do Planalto.

Marginais defendem marginais, seus iguais. Os marxistas que hoje lotam e aparelham estas casas do crime vão dar mole pra gente honesta, podendo dar vida boa para os seus iguais?

O governo que indica um ministro que mistura-se com farelos pode dar em quê?

A única diferença é que desta vez descobriram a folha corrida dele antes. Por mais uma vez, o Elo Perdido de Garanhuns disse que não sabia, e colocou a culpa na ABIN.

Puta-que-pariu!

Você já viu que tem gente se movendo para defender este terrorista, né? Estão querendo melar a extradição dele.

O brasileiro merece o governo de marginais que tem, Jorge.

Seria legal você dar mais informações como estas, viu? Tá ótimo!

E os "americanas", vão detonar os políticos bandidos que estão lavando dinheiro e desviando milhões?

Abração,


P.S.: Minhas mensagem enviadas para o seu e-mail, continuam voltando.

sisley disse...

e o canalha infanticida do achille lollo? niguem pega ele?

Stefano disse...

Prezado Jorge

Parabéns pela publicação do histórico desse terrorista fedorento...Esse episódio é uma dádiva: a melhor chance para as pessoas verem quem é o verdadeiro - e único - Fernando Gabeira, o "evolúido"...canalhas, mentirosos, hipócritas!

Anônimo disse...

O LULALÁ, acaba de receber de um colega sulamericano um conselho de conduta que este país deveria ter tomado há muito tempo. No combate ao tráfico de armas e drogas as ações devem ser coordenadas e não ser feita a culhão. Digo isto porque a PF faz o trabalho que der na telha, a PRF revista os veículos se o sol não estiver muito quente ou não estiver chovendo, a RF cerca apenas a Ponte da Amizade, A PM sem estrutura e coordenação estoura uma boca de fumo ali, quando é amnhã já apareceram outras duas concorrentes,As polícias em geral na faixa de fronteira com o PY estão corrompidas. Certo Delegado da PF no MS recebeu propina de contrabandistas durante 18 anos, foi embora, lambuzou-se em um episódio em SP, mas deixou herdeiro de suas pratica no MS. Policiais corretos ou entram no esquema ou são ameaçados até aderir. Presos pagam propina para diretores de presídios para se ausentar por longo período da cadeia e articular ou reearticular sua quadrilha de tráfico a partir do PY. Voltando, é caos geral, coitado do cidadão inocente que não tem idéia doque acontece, portando os nossos governantes estão e sempre estiveram nos últimos anos com o HD desconfigurado, nâo, espere aí, fazem somente aquilo que lhes interessa, pois não são homens o suficiente para dar rumo digno a uma nação,país ou seja lá do que dá ainda para chamar. UFA!! me dê licença vou tomar um gardenal, pois é já estão me convencendo que não bólo bem. Ah sim esqueci LULINHA deixa de ser inútil e faça com que as FA desmpenhem o papel de Segurança Nacional. Já é hora.