quinta-feira, 22 de março de 2007

Perguntas que não querem calar

Edição de Artigos de Quinta-feira do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com

Por Sônia van Dijck

Pronto. Foi abortada a CPI do Apagão Aéreo. Os clientes/viajantes que se lasquem, pois jamais saberão notícia das irregularidades.

Como já disse: quem não gostar que se queixe ao bispo, pois o governo não está dando a mínima importância para os transtornos e prejuízos sofridos pelos candidatos a viajantes nos aeroportos brasileiros. Ou: quem não gostar que vá a pé ou de bicicleta (ou coma brioches, para passar o tempo de espera do vôo).

Os notáveis e os príncipes da República viajam em aviões da FAB (a viagem sai por conta do dinheiro público, é claro!!!!!!). No mais, o caos nos aeroportos brasileiros vai continuar - e é bom que os candidatos a viajantes se acostumem com a realidade: não compram apenas uma passagem aérea; compram também horas de espera do vôo (as horas de espera são um brinde do governo lulista-petista - afinal, quem manda ser classe média e querer viajar de avião????).

Mas, em meio ao caos e ao embate entre oposição e governistas, vivido no Congresso Nacional, há perguntas que não querem calar (e que gostariam de ter resposta honesta - sei que honestidade é objeto extinto no atual contexto brasileiro - é que o IBAMA não protege ainda valores morais - mas, desejar honestidade, por enquanto, não custa nada - fica na conta das utopias...): Por que tanto empenho do governo lulista-petista e de suas letrinhas de sustentação política em impedir a CPI do Apagão Aéreo?

O governo lulista-petista tem alguma coisa a esconder? Por que impedir que se apurem as irregularidades da INFRAERO? Quais as sujeiras que estão nos bastidores da crise nos aeroportos? Sabemos que o cidadão que pretende viajar tem saído perdendo (com vôos atrasados, com vôos cancelados, com compromissos prejudicados); e quem está ganhando com a crise nos aeroportos?

Aí Lula vai falar para os descamisados (já está aliado a Collor), para os sem-terra, os sem-sapatos-e-sem-meias, os sem-teto, os sem-pai e os sem-mãe, que quem está reclamando da crise nos aeroportos é a famigerada classe média e as tais elites (a turma de Lula usa os aviões da FAB e fica fora da jogada palanqueira do discurso messiânico, por isso não tem do que reclamar...).

E Lula vai seguindo em seu projeto socialista fajuto de alimentar o ódio de classes (já não se trata de "luta de classes", no conceito clássico e superado pela globalização do século XXI), alimentando a miséria e consolando os pobres que não viajam de avião; e Lula vai apreciando, lá do Planalto, o caos nos aeroportos, com a certeza de que as irregularidades da INFRAERO estão bem guardadas embaixo do tapete de seu gabinete, e de que o PT e as demais letrinhas (com seus militantes) estão sob a proteção da corrupção impune.

E eis a última pergunta que não quer calar: Por que o viajante/consumidor, que compra uma passagem aérea caríssima, tem que ser a vítima das falcatruas que devem ser escondidas embaixo do tapete?

Sônia van Dijck é professora universitária aposentada.

Um comentário:

Anônimo disse...

http://brasilacimadetudo.lpchat.com



CPI das ONGs apurará destino de milhões de reais
22 de março de 2007

Senador Heráclito Fortes, um dos
mais entusiasmados para apurar a
malversação.
Do Observatório de Inteligência


Com surpreendente apoio de 74 senadores da República foi aprovada a criação da CPI que investigará os vultuosos repasses de dinheiro às Organizações Não Governamentais, durante o último mandato do presidente Fernando Henrique Cardoso e o primeiro de Luiz Inácio da Silva.


Foi decidido que a apuração da enxurrada de recursos do erário público se concentrará no período de 1999 a 2006 e terá o prazo de 120 dias para as conclusões dos trabalhos. A expectativa entre os senadores é de que será uma CPI reveladora de intimidades de instituições e representantes do governo. Muitas ONGs desviaram-se dos objetivos que pretendiam atingir com as verbas recebidas do governo federal, beneficiando inúmeras pessoas, inclusive a filha do presidente Luiz Inácio da Silva.



A ONG das monarquias, com
carta branca de FHC para
operar em 10% da Amazônia.
Coleta informações sobre a
biodiversidade, auxiliando os
serviços secretos.


ONGs e Serviços Secretos


Se for para valer, e contando com subsídios da Agência Brasileira de Inteligência, os senadores poderão avaliar melhor a atividade de espionagem de ONGs internacionais que recebem recursos por intermédio de suas filiais no país. A WWF e o Greenpeace são entidades internacionais que atuam com liberdade, captam recursos oficiais e particulares, produzem dissimuladamente informações de interesse de serviços de inteligência de países estrangeiros.


Indústrias do setor químico e farmacêutico possuem ONGs que recebem incentivos oficiais e capturam "ingenuamente" materiais, espécies nativas da fauna e flora, essências da biodiversidade, de interesse industrial e estratégico para os seus países de origem.


A Agência Brasileira de Inteligência dispõe do Programa Nacional de Proteção ao Conhecimento, que deveria ser assimilado por empresas de pesquisa e desenvolvimento de ciência e tecnologia. Além disso, o país necessita dotar-se de legislação mais rigorosa para a criação e funcionamento de ONGs com responsabilidade social e que respeitem a soberania nacional. (OI/Brasil acima de tudo)

Perseguição e censura do governo do crime organizado
22 de março de 2007

Mídia vendida, implantação da TV
do governo, implementação das
cartilhas sexuais no ensino funda-
mental, "literatura vernelha" no
currículo das escolas e universidades,
perseguição à liberdade de expressão.
Da Redação


"Na primeira noite eles se aproximam e roubam uma flor do nosso jardim. E não dizemos nada. Na segunda noite, já não se escondem: pisam as flores, matam nosso cão, e não dizemos nada. Até que um dia, o mais frágil deles entra sozinho em nossa casa, rouba-nos a luz, e, conhecendo nosso medo, arranca-nos a voz da garganta. E já não podemos dizer nada." - Eduardo Alves da Costa


Para que fique registrado que a KGB petista existe e está funcionando a todo vapor e não paire nenhuma dúvida sobre o controle e policiamento do governo do crime organizado de Luiz Inácio da Silva, expressão máxima da ditadura e totalitarismo. Se nada for feito agora, não restará muito a se fazer depois.

Como se não bastasse a intenção de controle sobre a liberdade de expressão, o Ministro da Justiça Tarso Genro quer proteger o fluxo de capital de dirigentes petistas e igrejas para o exterior, através da COAF.

A Polícia Federal, sob o comando do PT, está em franco processo de censura contra comunidades tipo orkut, na internet, "que usem adjetivações fortes em relação a presidentes ou ministros". Leiam o depoimento a seguir:


"Meu nome é Arthur Rodrigues, sou morador do Rio, tenho 24 anos e mestrando em Direito Internacional na UERJ. Além disso, há muitos anos sou oposição ao governo do Lula. Hoje, no entanto, vivenciei umas das maiores barbaridades que poderia imaginar e por isso venho aqui enviar-lhe este e-mail. Em 2004 fiz minha conta no orkut e na mesma época criei as comunidades, PSDB e Morte ao Lula, além de outras. Ambas fizeram relativo sucesso, até o fim do ano passado quando foram excluídas por razões desconhecidas, mas que eu atribuí a hackers graças à proximidade das eleições.


Há três meses, porém, o porteiro do meu prédio indicou que supostos policiais vinham procurar-me na minha casa. Não estava em nenhum dos momentos, assim que sempre pedi ao zelador que solicitasse o telefone aos oficiais, sem sucesso. Procurei a polícia federal em dezembro, mas não souberam me informar. Há poucas semanas, na terceira "visita", resolveram deixar o telefone e marquei uma reunião hoje (19 de março) às 16:00 horas com o Sr. Arnaldo, da Equipe Bravo, do Núcleo de Operações da Delegacia Fazendária, 2º andar, sala 31, da PF da Praça Mauá.


Chegando lá fiquei sabendo que o tema era o orkut e a comunidade do Morte ao Lula. O policial me informou que a solicitação de identificação veio de Brasília, de alguma repartição ligada à Segurança Institucional, pediu que eu confirmasse a autoria do projeto, eu confirmei e afirmei contudo que se tratava de uma alegoria (inclusive havia um cartoon do Lula sendo guilhotinado). O policial continuou, vendo que eu era estudante de Direito (ao que corrigi dizendo que sou formado) disse que se tratava de assunto sério, que eu deveria ser mais cauteloso, etc. Eu respondi que estava no meu Direito Constitucional à oposição, que na própria comunidade diversas vezes foi dito que o objetivo não era a formação de qualquer projeto assassínio, que éramos pacíficos, etc.


Finalmente, no fim do dossier, havia uma notícia, não sei de qual jornal, que dizia do acordo entre a PF e o Google, de excluírem comunidades diretamente. O que me causou espanto foi a coincidência do período (que não sei dizer quando ao certo) entre a exclusão entre as comunidades do PSDB e esta contrária ao presidente. Não sou filiado a nenhum dos partidos e atualmente estou bastante distanciado de quaisquer atividades políticas.