terça-feira, 13 de março de 2007

Tarde Tensa no Palácio de Mentiras

Edição de Artigo de Terça-feira do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com

Por Márcio Accioly

O deputado federal Márcio Junqueira (PFL) compareceu ao Palácio do Planalto ontem, onde participou de reunião de trabalho com o chefe de gabinete da Casa Civil, Telton Melo e o sub-chefe de ação governamental, Johannes Eck, para discutir a questão fundiária de Roraima.
O encontro só foi possível porque o representante roraimense, desde que tomou posse, vem bombardeando a Casa Civil quase que diariamente com ofícios em que solicita audiência com a ministra Dilma Rousseff, sem sucesso.

Sem meios de se livrar da insistência do parlamentar, a ministra designou seu chefe de gabinete para contato inicial, classificado como “prévio”, a fim de tentar solucionar a questão ou verificar a possibilidade de agendar compromisso posterior com a própria titular da Casa Civil.
Busca-se empurrar o assunto para frente até cair no vazio.

Márcio Junqueira expôs, então, dificuldades enfrentadas pelo seu estado (em função de extensas áreas territoriais destinadas a enclaves indígenas), mostrando que a criação da Reserva Raposa/Serra do Sol causa graves danos à economia de Roraima. Ela elimina toda área de produção de arroz, um trabalho de 30 anos!

O deputado estava acompanhado dos rizicultores Valcir Centenário, Nelson Itikawa, Genor Faccio e Paulo César Quartieiro, este último prefeito do município de Pacaraima (fronteira com a Venezuela), cassado recentemente e que está recorrendo da decisão junto ao TSE – Tribunal Superior Eleitoral.

Além dos rizicultores, o ex-reitor da UFRR Hamilton Gondim integrou também a comitiva, tendo em vista o fato de ter atuado como relator do Grupo de Trabalho (GT) que examinou a polêmica demarcação da Raposa/Serra do Sol.

Os argumentos iam avançados quando Johannes Eck se juntou aos participantes, assumindo postura agressiva e enfatizando a irreversibilidade da situação. Quando Junqueira lembrou que o governo federal está entregando a Amazônia aos estrangeiros, inclusive com o “arrendamento de florestas”, Eck o chamou de “mentiroso”.

O tempo fechou: Márcio Junqueira exigiu “respeito”, disse que estava ali como representante parlamentar e defendendo o direito da população do estado. Acrescentou que quem mente é o governo federal, “ao prometer uma coisa e agir de forma inteiramente diferente”. Eck se viu obrigado a pedir desculpas.

Hamilton Gondim lembrou aos representantes do governo que a maioria dos integrantes do Grupo de Trabalho que analisou a demarcação das terras, “sequer tinha conhecimento de suas reais atribuições”. Telton Melo deixou claro que desconhecia a questão.

Márcio Junqueira se despediu do encontro avisando que irá colocar, dentro em breve, um plano “B” em ação: vai exibir um vídeo num telão, diante do Palácio do Planalto, mostrando a violência praticada no instante da demarcação e a mobilização policial para a remoção dos habitantes da área.

Ele acredita que dessa maneira o presidente ou a ministra Dilma Rousseff terminará por dispensar ao tema a importância devida, e um dos dois ou os dois irão se decidir, por fim, a recebê-lo.

Na opinião do parlamentar, não se tem como empurrar o drama de centenas de famílias para debaixo do tapete da omissão, especialmente agora que já se anuncia a criação de uma outra reserva. Pressionado, só resta ao governo procurar justificativas.

Márcio Accioly é Jornalista.

Um comentário:

Anônimo disse...

Muito bom! Pau nessa PUTADA de lesa-pátria! Está mais do que na hora de passar da palavra à ação, até porque essa PUTADA ENTREGUISTA não dá nenhum valor à palavra mesmo.