domingo, 29 de abril de 2007

Toque de Avançar

Edição de Artigos de Domingo do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com

Por Marcos Coimbra

Poucas ocasiões, em nosso Brasil, vivenciamos situações tão esdrúxulas como nos dias de hoje. Em momento algum da nossa história escândalos foram de tamanha magnitude e em caráter sucessivo, quase diário. E o pior. Sem qualquer conseqüência. Caminhamos para alcançar a marca olímpica de 40 ministérios nesta malfadada administração petista, digna de figurar em livro de recordes mundiais. Tudo isto para acomodar interesses políticos-partidários menores e anseios pessoais, objetivando nomear apaniguados, obter verbas, aplicá-las em conluio com grupos empresariais ávidos por obras e os maiores contribuintes de campanhas eleitorais. Nunca neste país a nomeação de executivos dos diversos escalões foi vilipendiada desta forma.

Em tempos não muito remotos, o critério para estas nomeações era o do mérito, da competência, da honestidade, da atuação eficaz em suas respectivas áreas de atuação. Por exemplo, os ministros da Justiça eram eminentes juristas, de reputação inatacável, doutores na ciência jurídica, acima do bem e do mal, admirados até pelos adversários. Se analisarmos a lista dos titulares da pasta nos últimos treze anos, vamos constatar a mudança brutal dos critérios mencionados acima. E é o primeiro ministro a ser nomeado pelo presidente, devido ao critério da antiguidade existente desde a instalação da República.

E nas outras pastas também havia a preocupação de escolha de personalidades da área, mesmo respeitando a necessidade de composição política. Agora é um vale tudo. Figuras fantasmagóricas tomam posse, demonstrando sua ignorância não só para comandar os assuntos de sua respectiva pasta, como também uma pobreza intelectual de causar pena. Em seus pronunciamentos públicos chegam alguns a espancar o vernáculo, propiciando um péssimo exemplo à população, em especial à juventude. Exigem ainda o instituto da “porteira fechada”, ou seja, o direito de nomear seus protegidos para os demais cargos do órgão, até o menor escalão, ocasionando uma solução de continuidade insuportável.

E pensar que em países desenvolvidos como a França, quando uma eleição escolhe uma nova administração, de um modo geral, apenas os cargos de primeiro e segundo escalões são alterados. Existe uma burocracia sólida, bem preparada nas escolas de administração pública, que é mantida no exercício de suas respectivas funções a fim de que haja um bom resultado.

O novo ministro da Secretaria Especial de Ações de Longo Prazo, em 15.12.2005, em artigo publicado na imprensa paulista afirmou o seguinte: “Afirmo que o governo Lula é o mais corrupto de nossa história nacional. Corrupção tanto mais nefasta por servir à compara de congressistas, à politização da Polícia Federal e das agências reguladoras, ao achincalhamento dos partidos políticos e à tentativa de dobrar qualquer instituição do Estado capaz de se contrapor a seus desmandos. Afirmo ser obrigação do Congresso Nacional declarar prontamente o impedimento do presidente”. Mudou o pensamento do novo ministro ou ele teria sido cooptado?

A ministra da Secretaria Especial de Política da Igualdade Racial em entrevista à BBC Brasil disse o seguinte: “Não é racismo quando um negro se insurge contra um branco. A reação de um negro de não querer conviver com um branco, ou não gostar de um branco, eu acho uma ração natural, embora não esteja incitando isso. Não acho que seja uma coisa boa. Mas é natural que aconteça, porque quem foi açoitado a vida inteira não tem obrigação de gostar de quem o açoitou”.

É inacreditável. Começa pela titulação do ministério. A ciência afirma que somente existe uma raça. E que, na realidade, todos somos “afro-descendentes”. A ministra que deveria promover a integração entre as diversas etnias existentes está demonstrando uma posição sectária, que em nada contribui para a concretização do Objetivo Nacional Permanente Paz Social. Apenas procura importar para o país da miscigenação situações dramáticas provocadas por intolerâncias de parte a parte, comuns em outros países e civilizações, capazes de provocar a “balcanização” de países.

Enquanto isto, os problemas reais do Brasil não são enfrentados, nem resolvidos. Os “apagões” continuam. O aéreo, o educacional, o energético. Podem ser sintetizados em um só: o “apagão moral e ético”. Rouba-se muito e trabalha-se pouco. É só constatar a variação patrimonial positiva da “nova classe” no poder. E a triste situação da população de nosso País.

Apresentam-se como realizações da atual administração petista até o crédito consignado, na realidade um crédito irresponsável, que leva ao desespero milhões de aposentados e pensionistas, bem como a distribuição de renda, onde se transfere recursos da classe média para a classe mais pobre, enquanto os mais ricos ficam cada vez mais ricos, à moda Hood Robin.

Existe um nivelamento por baixo. O reajuste de 3,3% para os aposentados demonstra que cedo a maioria estará recebendo pouco mais do que um salário mínimo. A criminalidade toma conta do país, enquanto nossas Forças Armadas são deliberadamente sucateadas e desviadas para outras funções.

É chegada a hora de os homens de bem do Brasil, de todas as categorias, as chamadas forças vivas da Nação, unirem-se para combater o bom combate e, a um toque de avançar, reconstruir o país maravilhoso que nossos ascendentes deixaram para nós.

Marcos Coimbra é Membro do Centro Brasileiro de Estudos Estratégicos (CEBRES), Professor aposentado de Economia na UERJ e Conselheiro da ESG.

2 comentários:

marco disse...

Caro Sr.Marcos Coimbra,em tempos de cooptação política generalizada,com as oposições posando de sabujos do poder,como conseguir o que V.Sa.está a propor?Com a deterioração da classe política acho,fazendo a auto-crítica de minhas posições ideológicas do passado,que só a interferência das Forças Armadas poderá nos livrar do desastre que antevejo iminente.

Anônimo disse...

Sr. Marcos Coimbra,

Excelente artigo. Infelizmente a situacao vai ter de piorar muito para poder melhorar...nao vejo a curto ou medio prazo a luz no fim do tunel.Metade do pais votou na ignorancia e no atraso e a outra metade tenta sobreviver da melhor forma possivel.
So cego nao ve a degradacao moral e cultural do Brasil.