sexta-feira, 4 de maio de 2007

Hiper Despesa Federal: Super Receita consome R$ 160 bilhões com a máquina que só arrecada R$ 525 bi

Edição de Sexta-feira do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com/

Ouça agora o novo podcast Alerta Total no seu computador.
http://podcast.br.inter.net/podcast/alertatotal
No ar às 12 horas

Adicione nosso blog e podcast a seus favoritos do Internet Explorer.

Por Jorge Serrão

Sonegadores, ungi-vos! Se não houver “rigor seletivo” (punindo adversários políticos do governo e livrando os amigos e aliados), as milhares de empresas que devem ao INSS – e nunca pagam - serão o alvo principal da Super Receita. A caríssima máquina burocrática responsável pelo terror fiscal fica ainda mais azeitada com a criação da Receita Federal do Brasil, pela Lei 11.457/07, em vigor desde 2 de maio. O novo órgão passa a contar com 30 mil servidores, sendo 20 mil originários da Secretaria da Receita Federal e 10 mil da Secretaria da Receita Previdenciária.

O principal problema da Super Receita é o hiper custo operacional da sua própria máquina arrecadadora. Ela gasta R$ 160 bilhões por ano para arrecadar os R$ 525 bilhões (número final de 2006). O cálculo denúncia é do economista Marcos Cintra, professor da Fundação Getúlio Vargas em São Paulo. A nova estrutura da Super Receita pode ficar ainda mais dispendiosa porque juntou num órgão só a administração de todos os impostos e contribuições federais

A legislação fiscal brasileira possui 55.767 artigos, 33.374 parágrafos, 23.497 incisos e 9.956 alíneas. As empresas convivem com 59 tributos (dentre taxas, contribuições e tarifas) e mais 93 obrigações acessórias “indispensáveis” para que sejam efetivados os pagamentos dos tributos. Já os cidadãos comuns pagam até 38 impostos, taxas ou contribuições. Os números são de um estudo do advogado Aldo Batista dos Santos Júnior, no ensaio “A Alta Carga Tributária no Brasil e a Reforma Tributária”, produzido em 2007 para a ESAMC (Escola Superior de Administração, Marketing e Comunicação, nas cidades de Campinas, Sorocaba e Santos, em São Paulo).

Além de reduzir o custo da máquina de arrecadação, é preciso diminuir a quantidade de impostos, taxas e contribuições, reduzindo, principalmente, a carga tributária que confisca quase a metade do que cada brasileiro produz na economia formal. O Brasil é campeão em outro quesito. Um recente estudo do Banco Mundial em 175 países mostra que o empresário brasileiro é o que mais gasta tempo pagando e cumprindo obrigações tributárias, com cerca de 2.600 horas por ano.

Para atender aos procedimentos burocráticos da Receita Federal, da Previdência e das Secretarias da Fazenda dos Estados e Municípios, as empresas gastam atualmente 5% de suas receitas brutas, chegando a consumir cerca de 108 dias por ano, com procedimentos tributários. O tempo gasto no Brasil é quase três vezes superior ao da China, onde se levam 872 horas por ano para atender a essas demandas. Na Rússia, o tempo é de 256 horas e na Índia de 264 horas.

O fato objetivo é o seguinte: os brasileiros não agüentam mais ter o Estado como o sócio indesejado de suas ações produtivas.

Fiscal não é juiz

A cruzada pela derrubada do veto do presidente Lula à Emenda 3, do projeto de lei que criou a Super-Receita, junto ao Congresso, ganhou mais força ontem.

O presidente da OAB-SP, Flávio D´Urso, lançou ontem o movimento "Fiscal não é Juiz".

Entidades empresariais querem impedir que auditores da Super Receita possam fiscalizar e punir empresas de prestadores de serviços que estariam driblando a legislação trabalhista.

A culpa é dos velhinhos?

A Previdência vai convocar 2 milhões e 200 mil aposentados por invalidez.

O objetivo é combater as fraudes e pôr fim à duplicidade de pagamentos.

O INSS quer economizar R$ 11 bilhões em quatro anos.

Ataque aos “inválidos”

Aposentados por invalidez que estiverem trabalhando serão chamados para o exame pericial no INSS e terão a aposentadoria suspensa.

Como a reavaliação vai revelar se eles têm condições de voltar ao mercado de trabalho — como já estão nele.

Por lei, quem tem aposentadoria por invalidez não pode se manter trabalhando.

Alvos iniciais

Os primeiros aposentados por invalidez a serem convocados para o censo dos benefícios por incapacidade serão 40 mil que permaneceram de forma irregular no mercado de trabalho.

Para chegar a esses registros, o Ministério da Previdência Social pediu à Dataprev que fizesse o cruzamento dos dados de aposentados por invalidez com os de contribuintes do INSS.

Os trabalhadores inválidos terão de se explicar aos peritos a partir de junho.

Boa para os velhinhos

Uma decisão do Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo garantiu a um aposentado que voltou a trabalhar direito de receber do INSS o auxílio-acidente.

Ao receber do médico diagnóstico de uma doença ocupacional e ser afastado por acidente de trabalho, entrou com ação judicial reivindicando o pagamento do benefício a que tinha direito.

A medida abre precedente importante para 5 milhões e 500 mil segurados que não puderam gozar a aposentadoria e precisaram voltar ao mercado.

Eles vivem uma situação absurda: são obrigados a descontar 11% para o INSS, mas não têm os mesmos direitos dos trabalhadores da ativa.

O aposentado que entrou na Justiça tinha registro em carteira.

Quem ganha com a operação?

O presidente Lula da Silva decidiu autorizar o licenciamento compulsório do remédio Efavirenz, do laboratório Merck Sharp&Dohme.

A decisão representa uma quebra da patente.

A medida inédita no Brasil permitirá a importação de genérico da droga ou a fabricação no País.

A idéia foi do Ministro da Saúde, José Gomes Temporão, o brilhante afilhado político do governador Sérgio Cabral Filho, que recusou a contraproposta de desconto de 30% no preço do remédio feita pela Merck.

Se beber, não governe

O governo deverá enviar ao Congresso projeto proibindo a venda de bebidas alcoólicas em estradas e perto de escolas.

Quem adverte é o ministro da Saúde, José Gomes Temporão.

O ministro, que já criou polêmica em defender a legalização do aborto, também reclama que o País tem farmácias demais.

Em tempo: Não seria bom estender a lei anti-manguaça aos Palácios governamentais?

Imagina se fosse aqui...

A socialite Paris Hilton, 26 anos, terá que suspender o consumo de álcool por 90 dias, período durante o qual deverá usar um dispositivo de segurança para evitar que encha aquela cara lindinha.

A herdeira milionária da rede internacional de hotéis Hilton tem que se apresentar hoje à corte de Los Angeles, quando deverá ser informada da condenação.

Paris Hilton poderá passar 45 dias atrás das grades por violação dos termos de sua liberdade condicional ao dirigir com carteira de motorista suspensa por ter guiado embriagada.

Em tempo: Já pensou se instalarem um aparelhinho medidor da manguaça lá em Brasília?

Cascata Jurídica

A presidenta do Supremo Tribunal Federal, ministra Ellen Gracie, recebeu ontem a versão final do texto das futuras súmulas vinculantes do STF.

Quando editadas, elas obrigarão todos os juízes do país - e o Poder Público em geral - a obedecer o disposto nos textos.

No primeiro pacote de súmulas aparecem: a ilegalidade de leis estaduais que permitem o funcionamento de bingos, a inconstitucionalidade da ampliação da base de cálculo da Cofins e a validade da majoração da alíquota do mesmo tributo.

Decisões finais

No caso dos bingos, a súmula impedirá a concessão de liminares que autorizem o funcionamento das casas de jogos.

Já a súmula que versa sobre a base de cálculo da Cofins permitirá a reversão de bilhões nos balanços das empresas.

As súmulas ainda precisam ser aprovadas pelo pleno do Supremo.

Máfia das empreiteiras

A Polícia Federal prendeu ontem, em Florianópolis e em Porto Alegre, 19 suspeitos de participação em esquema de venda de leis e atos administrativos em favor de grandes empreendimentos imobiliários na capital catarinense.

Foram expedidos mandados de prisão temporária para 22 pessoas, entre elas um vereador de Florianópolis, dois secretários municipais e o chefe do órgão ambiental da cidade, além de nove empresários.

E ainda tem gente que não acredita na existência do governo do crime organizado: a associação para fins delitivos entre os três poderes do Estado, criminosos de toda espécie e a classe política que se beneficia do esquemas.

Prazo para se explicar

Por unanimidade, os ministros do Superior Tribunal aceitaram o pedido de afastamento do colega Paulo Medina, acusado na Operação Hurricane, da Polícia Federal, de vender sentença para beneficiar a máfia dos jogos ilegais.

Medina está fora do cargo até o fim das investigações, mas continua recebendo seus R$ 23 mil de salário normalmente.

O STJ deu 15 dias de prazo para que apresente defesa prévia ao tribunal.

Em depoimento ontem, no Rio de Janeiro, um advogado preso pela Polícia Federal admitiu ter negociado R$ 600 mil de honorários com irmão de Medina.

CPI dá Samba

O delegado da Polícia Federal Emanuel Henrique de Oliveira, que afirmou ter havido indícios de manipulação do resultado do desfile das escolas de samba do grupo especial do Rio de Janeiro, será o primeiro a depor na CPI da Câmara de Vereadores do Rio que vai apurar a suposta fraude.

O Diário Oficial já publicou o nome dos parlamentares indicados pelos “blocos” partidários para compor a comissão.

Além de Teresa Bergher (DEM), que fez o requerimento, Liliam Sá (PR), Rogério Bittar (PMDB) e Nadinho de Rio das Pedras (DEM) participarão da CPI que tem tudo para dar samba.

Apagão da CPI

No dia da instalação da CPI do Apagão Aéreo, o deputado Carlos Wilson (PT-PE), que dirigiu a Infraero entre 2003 e 2006, rejeitou a comparação com o ex-deputado Roberto Jefferson, pivô do escândalo do mensalão que acabou sendo cassado, e soltou uma pérola que indica o tamanho de sua preocupação com as supostas investigações:

"Não vou aceitar isso de ser entregue. Não sou mercadoria barata".

Sorte do nervoso Carlos Wilson que o governo petista conseguiu emplacar aliados nos principais cargos da CPI: Marcelo Castro (PMDB-PI) será o presidente e Marco Maia (PT-RS), o relator.

Culpa de quem?

O primeiro passo da comissão será investigar as causas da colisão entre o jato Legacy e avião da Gol, em 29 de setembro passado.

O acidente, no qual morreram 154 pessoas, marcou o início da crise que levou o caos aos aeroportos do País.

Investigação do Conselho Nacional de Segurança dos Transportes dos EUA indica que a colisão entre Legacy e o Boeing da Gol, há sete meses, foi causada por falha técnica e humana.

O sistema anticolisão do jato não operava plenamente, mas não se sabe ainda se por problema no equipamento ou erro dos pilotos.

Bala perdida não existe

Em dois dias, 13 pessoas foram atingidas durante confronto entre polícia e traficantes, a maioria nos arredores da Vila Cruzeiro, na Penha.

O tiroteio sem previsão de final já dura mais de 48 horas.

Em tempo: O Rio está sob fogo cruzado. No entanto, é preciso deixar claro que não existem “balas perdidas”. Na maioria dos casos, os bandidos já utilizam a tática de atirar em inocentes, para facilitar a fuga, em confrontos com a polícia. Portanto, a bala é “achada”. Tem alvo certo. A imprensa deveria parar de usar o termo errado que gera sempre a dúvida psicológica de que os tiros que acertam inocentes vêm das armas da polícia - e não dos marginais.

Boi, Boi, Boi...

"Oposição é no Congresso, não é nos Executivos estaduais ou municipais".

A tese foi proclamada pelo governador de São Paulo, José Serra (PSDB).

O raciocínio de Serra foi em cima da frase em que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso critica a aproximação do PSDB com o presidente Lula da Silva.

Na semana passada, FHC reclamou ao Boris Casoy:

"O povo está olhando para nós e dizendo: o que vocês são, peixe ou carne de vaca?".

O Papa quer te laçar...

O presidente Lula da Silva vai se encontrar com o papa Bento XVI, na próxima quinta-feira, no pior momento de sua relação com a Igreja Católica.

Depois de frustrar as expectativas da militância católica de esquerda no primeiro mandato, o presidente conseguiu, com o novo ministro da Saúde, José Gomes Temporão, arregimentar a oposição de toda a Igreja.

Desde que assumiu, em 19 de março, o ministro colocou em debate temas como a liberação do aborto e as pesquisas com células tronco provenientes de embriões.

Estes assuntos se somam a outros com defensores dentro do governo, como a descriminalização de drogas leves e a união civil homossexual.

Chavez contra os Bancos

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, subiu o tom de sua retórica nacionalista, ameaçando encampar bancos privados.

"Os bancos privados têm de dar prioridade ao financiamento a baixo custo aos setores industriais. Se não quiserem cumprir com isso, é melhor que nos entreguem os bancos. Nós os nacionalizaremos e colocaremos para trabalhar pelo desenvolvimento".

Chavez, que é aliado dos banqueiros ingleses, certamente deve estar falando em nome da Oligarquia Financeira Transnacional que comanda a City de Londres.

Ferro neles?

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, ameaçou ontem nacionalizar a siderúrgica Sidor.

A empresa é uma unidade da Ternium que tem entre acionistas a brasileira Usiminas.

O controle total sobre o setor siderúrgico também interessa aos aliados ingleses de Chávez.

Batalha do dólar

O Banco Central tem atuado com força no câmbio na tentativa de retirar parte dos dólares que ingressam no Brasil.

Ontem, vendeu no mercado futuro US$ 4 bilhões de swap cambial reverso e impediu que o dólar batesse nos R$ 2,00.

No mercado à vista, já comprou em quatro meses US$ 33 bilhões, quase o mesmo que adquiriu em todo o ano passado.

Com isso, o dólar subiu 0,20%, fechando a R$ 2,028.

A tática

O Banco Central fez duas pesadas intervenções no mercado de câmbio.

Às 11h, quando a moeda estava cotada a R$ 2,008, vendeu 63,05 mil contratos de swaps reversos, o equivalente a compras de US$ 3,152 bilhões no mercado futuro de dólar.

Foi o maior leilão desta modalidade já feito pelo BC, elevando o estoque de swaps reversos em poder dos bancos a US$ 19,56 bilhões.

E às 15h30 adquiriu no mercado à vista US$ 850 milhões.

A Grande jogada dos especuladores

A megaoperação desfechada no mercado futuro teve como objetivo evitar a alta da taxa do cupom cambial e inibir as arbitragens financeiras que buscam a rentabilidade real paga pela Selic, a maior do mundo.

Grandes bancos estão ampliando suas captações externas para aplicação em cupom cambial.

A compra de dólar futuro também dissuade a ampliação das posições "vendidas" por parte dos investidores estrangeiros.

Todas as operações acontecem na Bolsa de Mercadorias & Futuros – a BM&F Brasil que está sendo toda reestruturada pelos banqueiros ingleses Rothschild, que no ano passado ganharam uma licitação para esta finalidade.

Lucro para a bolsa

O ingresso de dinheiro de fora não visa apenas aproveitar o juro real brasileiro.

Parte dos investimentos vai para o mercado de ações, onde os ingleses são os reis absolutos no controle dos negócios.

A Bovespa fechou em alta de 1,51%, a 50.218 pontos, o maior patamar da história.

Os juros caíram generalizadamente no mercado futuro da BM&F.

Protejam o Monstrinho

A Vara da Infância e Juventude de São Paulo entende que o doce Roberto Aparecido Alves Cardoso, o Champinha, de 20 anos, está sob tutela do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) até completar 21.

O governo estadual queria transferi-lo para a Casa de Custódia de Taubaté, mas pode ser impedido de tomar tal medida de segurança.

Champinha está na Unidade Experimental de Saúde da Fundação Casa (ex-Febem), inaugurada em dezembro, mas que estava inativa até hoje.

Safadeza com a Disney

As crianças que ligaram a televisão em algumas regiões dos Estados Unidos na última terça-feira para assistir ao desenho de animação Handy Manny, no Disney Channel, canal da Disney, encontraram, ao invés das trapalhadas dos personagens Manny e Mr. Lopart, cenas de sexo explícito.

O porta-voz da TV a cabo Comcast, Fred DeAndrea, confirmou que houve um erro no programa por volta das 9h30 de terça-feira, mas se negou a revelar por quanto tempo o vídeo pornô permaneceu no ar.

A Disney Chanell informou que situações similares não devem acontecer futuramente.

Vida que segue...

Fiquem com Deus!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Inteligente, inovador, fortemente analítico e propositivo, utilizando as mais modernas tecnologias para transmissão instantânea e eletrônica de informação privilegiada e análise estratégica, junto com a difusão de novos conhecimentos voltados para a construção e consolidação de novos valores humanos.

8 comentários:

Nélio Jair Schmidt - Ex Cabo da FAB. disse...

Paises que consideram democráticos, jamais um Presidente da República pode contrariar Leis pelo o juramento feito por ele, de defender os princípios Constitucionais da Nação, e sendo assim, queremos que o Presidente Lula cumpra a Lei de Anistia Política 10559/2002, que assegura os direitos dos Ex Cabos da FAB punidos pela Portaria 1.104/Gm3/1964, onde a aludida Lei foi contrariada por mais de 4 anos em sua administração.

Bagli&Blog disse...

Prezado Jorge Serrão,

Bom dia.

É simplesmente deplorável o que o PT, o PSDB do PT, PMDB do PT e todas as outras organizações criminosas - que teimam em se chamarem de partidos - estão fazendo com o Brasil, a começar por esta CPI do Apagão.

Na verdade, todos estão acomunados para ocultar as provas do crime, desviando, assim, as investigações do que realmente deveria ser mostrado ao Brasil e a sua gente: este complexo social de boçais, composto por letrados e incultos que não se propõe a verem o nosso pais de uma forma isenta e crua.

A finalidade desta CPI que o "gnomo do agreste" tanto teme, é simplesmente ocultar as provas dos vários crimes que se reportam não somente a este governo sujo e detestável dos bolcheviques fundamentalistas do PT: há uma conciliação de interesses que determinam um distanciamento cada vez maior entre o poder do Estado e a evolução social tão desejada de nossa nação.

Este estebelecimento comercial que já foi chamada de Congresso Nacional - agora um nítido e integrado braço da organização criminosa conhecida como PT - não passa de um bordel de prostitutas, abarrotado de rufiões que há muito mandaram o Brasil, a sociedade e todo e qualquer interesse progressista para a puta-que-pariu.

A minha repulsa ao "marquiçismo" cafuçu e gramisciano, é proporcional aos criminosos intreguistas do PMDB do PT e do PSDB do PT, mansamente mixados na orda da ilegalidade do fanatismo majoritário.

Somente um cretino, um fanático pode defender tudo isso!

Abração,

Anônimo disse...

A nossa policia é totalmente despreparada e com muitos corruptos dentro da incorporação tem que ser combatidos com coragem pelos policiais íntegros, normalmente os que pagam com a morte são policias simples honestos cumpridores dos seus deveres.

Anônimo disse...

A nossa policia é totalmente despreparada e com muitos corruptos dentro da incorporação tem que ser combatidos com coragem pelos policiais íntegros, normalmente os que pagam com a morte são policias simples honestos cumpridores dos seus deveres.
ricardo antonio filgueiras

PROSTÍBULO BRASIL disse...

O BRASIL É OU NÃO É UM PAÍS MUITO ORDINÁRIO, HABITADO POR UM POVO SEM E MENOR NOÇÃO DE MORAL?

BRASIL ACIMA DE TUDO disse...

Coluna de Carlos Chagas, em 04 Mai na Tribuna da Imprensa

Um processo perigoso
BRASÍLIA - Não adianta apelar para acusações de anacronismo ou de inviável volta ao passado. Algo de diferente está acontecendo na América Latina, a partir da atuação de Hugo Chávez, na Venezuela, Evo Morales, na Bolívia, e Rafael Correa, no Equador. Eles estão virando de cabeça para baixo conceitos e posturas que, faz pouco, levaram um energúmeno a escrever "O fim da História", livro editado e distribuído aos milhões sob o patrocínio da CIA.

O tal Fukuyama, japonês travestido de americano, sustentou que com o malogro da União Soviética e a queda do muro de Berlim o neoliberalismo prevaleceria no planeta até a eternidade. Quebrou a cara bem antes que os três presidentes acima citados imaginassem candidatar-se em seus países. Mas recebe, agora, a pá-de-cal definitiva para sepultar suas asneiras.

Não é o caso de exaltar as bravatas que Chávez, Morales e Correa produzem aos montes, em seus países, agredindo o resto do continente e fechando as portas para uma composição de interesses capaz de levar a História a bom termo e sem fraturas. Nacionalizações e estatizações muitas vezes desnecessárias, calotes na hora de indenizar os prejudicados, assembléias constituintes destinadas a atropelar instituições vigentes, ameaças virulentas à injusta ordem econômica, mobilizações demagógicas das respectivas populações e atentados contra a liberdade de imprensa têm caracterizado a ação dos três.

Ação ou reação? É esse o problema que nos leva a concluir estar alguma coisa nova acontecendo. Eleitos pelas massas, mesmo com a oposição das elites, eles dão seguimento à indignação popular expressa em urnas democráticas. Prometeram mudar e estão mudando.

Venezuela, Bolívia e Equador viviam, e ainda vivem, premidos pela miséria, por desemprego, além da exploração de suas riquezas por grupos econômicos e por potências de primeira grandeza. Sendo assim, os três presidentes estão reagindo, mais do que agindo, ao dar seguimento às promessas de campanha. E por isso são aplaudidos pela maioria, ainda que denegridos pelas elites.

Onde vai dar esse processo de ruptura com o modelo adotado pelo mundo desenvolvido, não sabemos. Fenômenos assim costumam pegar feito sarampo, ainda que logo depois se vejam de tal maneira combatidos a ponto de saírem pelo ralo. Guardadas as proporções, foi assim com Jacobo Arbens, na Guatemala, com Getúlio Vargas e João Goulart, no Brasil, com Juan Perón, na Argentina, Salvador Allende, no Chile, e quantos mais? Fidel Castro entra como exceção à regra.

E nós, como ficamos? No meio do tiroteio, de olhos vendados. Porque Lula também foi eleito para mudar. Exprimiu a mesma insatisfação partilhada pelos "hermanos", ainda que sem a agressividade deles. Só que Lula mudou pouco. Preferiu sedimentar-se junto às elites, mantendo a política econômica do antecessor neoliberal. Que o digam os bancos. No reverso da medalha, e por isso foi reeleito, o presidente brasileiro ampliou o leque de realizações sociais, bolsa-família à frente. Só que não orientou sua administração conforme a voz das ruas. O desemprego permanece, o trabalho informal aumentou, o salário mínimo continua uma porcaria. Diante das iniciativas e da pirotecnia de Chávez, Morales e Correa, como fica Lula? E até onde Venezuela, Bolívia e Equador chegarão?

Já adotaram a fórmula da perpetuação dos presidentes. Sabem dispor de uma só saída: tentar contaminar outras nações, como a Nicarágua, onde ressurgiu Daniel Ortega, sabe-se lá se o velho ou o novo. De olho no Peru e no Paraguai, pela semelhança de situações carentes. Mas não mexem com a Argentina e temem o Brasil. Consideram Chile caso perdido e Uruguai, desimportante.

Preparam-se para esmagar o adversário interno e não ser esmagados pelo externo, a potência hegemônica lá de cima. Chávez tem consciência de que, apesar de uma tentativa de golpe para afastá-lo, manterá certo equilíbrio enquanto exportar petróleo para os EUA, sem pensar em aumentar os preços.

Evo Morales treme diante do embrião da tentativa separatista das quatro províncias mais ricas de seu país. Se for estimulada por Washington, criará problemas. Correa venceu a primeira parada, pois ameaçou renunciar se não conquistasse maioria para a sua Assembléia Constituinte. Parece que conquistou. Encontra-se em marcha um processo no mínimo fascinante. E extremamente perigoso.

Anônimo disse...

Receio que essa máfia nos leve a um conflito civil.

SUJOS disse...

Texto com fotos abomináveis,

a quadrilha recebendo medalha

se tiverem estômago, olhem no link


http://bootlead.blogspot.com/


C'est fini!
por Bootlead

Prezados Camaradas! Desistam de clamar por socorro as FFAA, pois estarão clamando no deserto.

Avaliem friamente a situação. Analisem bem o campo de batalha.

Contabilizais vossas forças perante as forças do oponente.

Que chances possuem?

Praticamente nenhuma. Por quê?

Porque em primeiro lugar, esqueçais totalmente das FFAA de “ontem”, não se iludam com os velho lemas “Ontem, Hoje e Sempre”, “Pátria, Brasil Agora e Sempre”, isto não mais existe. A palavra “coesão” tornou-se piada de mau gosto.

A situação é de tal forma assustadora que não se pode confiar em mais da metade dos membros da FFAA de “hoje”, isso se referindo as patentes de General 4 estrelas (e seus análogos nas outras forças), até o nível de um 3o Sargento. Quanto à soldadesca (cabos e soldados) este percentual pode chegar simplesmente a níveis próximos dos 80% (oitenta por cento). Neste segmento das tropas indisciplina e insubordinação já é norma, abafadas, mas real (procurem conhecer até onde chegou o “levante” dos controladores perante aos seus oficiais-comandantes, assustador).

Pensem bem, foram 40 anos sendo massacrados, humilhados, postos de lado, considerados párias da sociedade, tratados como desnecessários, inúteis e muitos mais adjetivos rasteiros. Ou seja, as FFAA foram desconstruídas paulatinamente, sem nenhuma pressa, cirurgicamente, enfim uma obra de arte no que se refere à estratégia da guerra de longo prazo. Nesse ínterim, o que fizeram os nossos comandantes? Recolheram-se as casernas envergonhados, amedrontados, deixaram que os fizessem passar de “heróis” à “torturadores”, sem nenhuma reação. Acomodaram-se, não exigiram melhores soldos para a tropa, não arrancaram “na marra” melhores equipamentos para suas forças, não ameaçaram nem desmentiram os sabujos da imprensa mentirosa que reescreviam a história pelo lado dos vencidos (fato inédito nos anais das guerras). Enfim, acovardaram-se.

Estes mesmos “camaradas de hoje”, nada também irão fazer quando a “justiça” do inimigo condenar à prisão os “camaradas de ontem”, simplesmente porque serviram durante o Regime Militar, para eles “ditadura”, conforme o que já está ocorrendo na vizinha Argentina (o primeiro passo já foi dado, vide o caso do duplamente “brilhante”, Cel Ustra). A pergunta que não cala: Algum Comandante “de ontem”, prestaria continência a um analfabeto comunista, só por ter sido eleito por milhões de seres iguais a ele?

Com as forças de seu maior inimigo (FFAA), totalmente desmoralizadas e servis, só resta aos novos vencedores (bárbaros comunistas) apoderar-se do butim, dos bens e propriedades dos vencidos (conseguidas com o esforço, suor e trabalho), escravizar seus cidadãos, (estuprar, assassinar, martirizar) e finalmente agregar (cooptar) os comandantes das forças subjugadas para suas legiões (poderia aqui citar centenas de nomes, mas não é o caso).

Temos atualmente um país inteiramente prostrado, onde qualquer resistência parece inútil, dado ao conjunto de forças reunidas pelos inimigos nas últimas décadas, o clima é de derrota, muitos já deram de ombros, abatidos, conformados com o destino de viver doravante sob um regime comunista, regime este, que é possuidor de um rancor assassino e vingativo jamais visto.

Senhores, não se iludam, perdemos a honra, capitulamos e logo o pânico se alastrará, no início as fugas para outros países deverão ser de milhares, mas depois, que as forças alienígenas aqui estacionarem ( cubanos, venezuelanos, bolivianos, argentinos, equatorianos, chineses, etc), nem isso será mais possível. Será a servidão total. Seremos subjugados pelos deles e pelos “nossos” até morte!

Como única chance de sobrevivência digna, esperemos e rezemos para que os nossos sempre insultados irmãos do norte intercedam por nós com suas imensas forças e esmaguem o inimigo comunista como se fossem baratas. Porém como repetia Milton Friedman: “Não existe almoço grátis”. Alguma coisa vais nos custar, só Deus saberia o quanto ou o quê? Só nos restará o velho ditado “Foram-se os anéis, mas ficaram-nos os dedos!”. Dos males o menor.

NOJO!