sábado, 12 de maio de 2007

Vera Cruz, Santa Cruz, Brasil

Edição de Artigos de Sábado do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com

Por Maria Lucia Barbosa

A visita do Papa Bento XVI ao Brasil reveste-se de caráter pastoral e, sem dúvida, Sua Santidade teve como objetivo mais importante atenuar a evasão de católicos para as Igrejas protestantes ou históricas, ou reformadoras (batista, anglicana, presbiteriana, luterana, metodista) e, sobretudo, para as evangélicas (pentecostais e neopetencostais). Mencione-se ainda as seitas, que na visão das igrejas tradicionais são aquelas entidades que, além da Bíblia, têm outro livro.

Os pentecostais se multiplicaram no decorrer dos anos e seus templos se ergueram em todo país, sendo que a Assembléia de Deus, criada em 1911, expoente do pentecostalismo, se tornará a maior das Igrejas evangélicas brasileiras. Em 1980, começaram a aparecer as Igrejas denominadas neopetencostais. A mais expressiva em termos numéricos e força econômica e política é a Universal do Reino de Deus.

Quanto a influência da Igreja católica sobre a América Latina, desde o início da colonização foi tão grande, que teve toda razão Carlos Rangel ao afirmar em sua obra, “Do Bom Selvagem ao Bom Revolucionário”, que nos países latino-americanos “o catolicismo soberano determinava praticamente todos os aspectos da vida dos indivíduos e da sociedade”. Sem sombra de dúvida, a cruz da Igreja e a espada do Estado se entrelaçaram para fazer de nós o que somos.

Recorde-se que tanto a Espanha quanto Portugal tinham, além de objetivos econômicos e políticos sempre presentes em empreendimentos coloniais, a finalidade de propagar a religião católica. Esta meta conferiu ao Estado daqueles países caráter confessional, cristalizado no régio patronato. Através desta instituição os papas outorgavam aos reis: jurisdição disciplinar em matérias mistas, provisões de bispados, faculdade de reter e examinar bulas e breves pontifícios, direitos sobre rendas, cobranças de dízimos e missões como a obrigação de cristianizar os índios.

Através do régio patronato, Estado e Igreja entrosaram poderes e influenciaram-se mutuamente. O rei tornou-se uma espécie de suplente do Papa para assuntos, inclusive, litúrgicos e teológicos. E o Estado se viu obrigado a submeter suas atuações políticas aos princípios da moral cristã sob pena de pecar gravemente, o que possibilitava à Igreja influir sobre a política real.

Como os demais países latino-americanos, o Brasil receberá a influência da Igreja junto às famílias, na educação, nas Constituições e mesmo em campanhas políticas. Desse modo, além de deter a hegemonia espiritual por longo tempo não admitindo outra crença ou lealdade, a Igreja católica constituiu-se em um de nossos principais mecanismos de socialização, portanto, propiciador de cultura.

Diante de tanta força, quais seriam as causas da evasão de católicos para as Igrejas protestantes, evangélicas, e em menor proporção para outras religiões? Pode-se dizer que entre estas causas estão, principalmente:

1º) A aceleração da urbanização a partir de 1940.

O meio urbano possibilita ao indivíduo maior liberdade e opções variadas, entre as quais se incluem as religiosas. No contexto rural onde a vida se passava de forma restrita, o domínio da Igreja católica era total.

2º) A Teologia da Libertação, cujos métodos diferem da Teologia tradicional católica.

A Teologia da Libertação, incorporando a teoria marxista à religião, dispensa o sagrado em nome da utopia final do Reino de Deus aqui mesmo na Terra. Este reino deve ser alcançado não exclusivamente pela via sacramental ou espiritual, mas, se for preciso, e sempre o é, pela violência, pois se fundamenta na luta de classes.

Os teólogos da libertação, autodenominados de “progressistas”, se sentem imbuídos de nova missão evangelizadora da Igreja na qual a hierarquia se torna dispensável. No seu bizarro esforço para unir Jesus e Marx, eles proclamam sua opção preferencial pelos pobres. Entretanto, ao trocarem as pregações religiosas pelo discurso político, os “progressistas” afugentaram muitos fiéis que foram buscar em outras Igrejas ou religiões o elemento espiritual e mesmo emocional que lhes faltava nas pregações de esquerda dos clérigos da Teologia da Libertação.

Observe-se ainda, que diminuiu o número de sacerdotes enquanto aumentou a população, e nem a Renovação Carismática, que adota aspectos semelhantes aos dos petencostais, tentativa da Igreja para reverter a evasão de seus fiéis, tem impedido a diminuição de seu número enquanto aumenta o dos evangélicos.

Num Brasil onde campeiam de forma avassaladora o amoralismo político e social, a corrupção e a impunidade, e o “rei” pensa que o Papa é apenas um garoto propaganda mundial de seus “grandes feitos”, dificilmente seremos a Terra de Vera Cruz ou de Santa Cruz como inicialmente fomos denominados. Considerando-se o livre arbítrio nem milagre de frei Galvão dá jeito no país, em que pese os esforços de Sua Santidade.

Maria Lucia Victor Barbosa é socióloga.

3 comentários:

Eraldo Angelo disse...

Caríssima Maria Lúcia. A primeira causa da evasão de católicos da Igreja que voce cita é correta, embora absolutamente secundária. Já a segunda causa, o é indiretamente. A causa inicial e principal fou a infiltração de elementos estranhos à Igreja. A luta contra o cristianismo é tão antiga quanto o próprio cristianismo. Assim, desde os meados do segundo milênio a tática usada contra os cristãos foi de miná-lo por dentro, de tal forma que em seu próprio seio se formassem divergências, dúvidas, calúnias e divisões. Essa tática passou a ser usada com maestria, a partir da metade do século XIX, com o advento do marxismo. É esse o grande agente do anti-cristo. Daí vêm essas teologias modernas, comprometidas com ideologias, usando o nome de Cristo para esconder seus verdadeiros propósitos, que nada tem haver com o evangelho. Chegamos, assim, ao ponto que hoje estamos. Quantas pessoas, hoje, poderiam dizer que conhecem o evangelho de Jesus?

Evasão da Igreja Católica disse...

Na verdade todos nós dizemos que somos católicos. Macumbeiros, umbandistas, e até mesmo quem não tem religião, quando são perguntados sobre sua religião, se dizem católicos.

Mas na verdade, quando eu dizia que era católico, era muito bom, pois eu era católico por conveniência.

Eu não lia a bíblia, eu não conhecia verdadeiramente a palavra de DEUS. Quando ia para a igreja, lia prospectos já preparados, com o que à igreja queria que eu lesse e era só. A missa era sem vida, sem a verdadeira palavra, que vem de DEUS, não era preciso nem levar a Bíblia, pois ela não era lida.

Eu entrava vazio e saía sem nada, cadê a palavra? O quê DEUS queria falar a minha vida? Durante a missa, DEUS não dizia nada, parecia que não estava ali, e não estava mesmo. Não era possível que estivesse, pois o padre já entrava mal humorado, a minha frente pessoas reclamando que a missa estava muito demorada. Atrás de mim pessoas comentado que estavam preocupadas com o churrasco, se fulano já tinha colocado a cerveja para gelar, se cicrano já tinha acendido o fogo etc... Fora da igreja pessoas bebendo, fumando e fazendo tudo de errado, coisas que não devemos fazer com o nosso corpo.

Está na Bíblia, que leu, sabe, que “o corpo é o templo do espírito”.

Eu queria DEUS, queria sentir, queria ouvir a sua palavra, Eu queria mudar minha vida. Eu queria não errar mais, não beber para achar aquele conforto que eu tanto procurava. Não trair a minha mulher com outra para me sentir melhor, etc... Mas como disse anteriormente, para mim era muito confortável ser católico, pois se eu pecasse e confessasse para o padre, que é tão ou mais pecador que eu, rezasse alguns pai nosso, eu estaria perdoado.

Depois disso já poderia, sair pecando novamente, que o padre me perdoaria.

Mas e a verdadeira mudança, onde está? Será que DEUS aceitou todas as vezes que o padre me perdoou? Será que eu estava verdadeiramente perdoado? Onde está escrito isso na Bíblia? Em lugar nenhum, pois o padre (do latim) ou o pai, é um só, é DEUS. Só ELE e seu filho Jesus pode nos perdoar.

Hoje o que aconteceu comigo? Conheci a verdade e me libertei. Libertei-me da hipocrisia, me libertei, dos vícios, me libertei das mentiras, pois o padre não tinha poder para me perdoar. Hoje eu leio a bíblia, eu estudo a bíblia, e vivo o que DEUS quer para a minha vida. Hoje sim eu sinto a presença de DEUS, pois o que ele quer de mim é fidelidade e não martírio.

ELE quer que eu conheça verdadeiramente a sua palavra, ele quer que eu viva a minha vida e não peque mais. Sigo apenas e verdadeiramente a palavra de DEUS, pois ela é única e não muda, em sua palavra não há nada mais a ser acrescentado. Hoje só nos resta orar e vigiar, sem cessar, pois está próxima a sua volta. Todos sentem falta de DEUS, porém não o buscam, procuram apenas quem não pode fazer nada. Procuram algo que esteja por perto, que possam tocar, mas não procuram verdadeiramente a DEUS. Que DEUS abençoe a todos.

Alexandre Fraga disse...

Primeiramente, peço desculpas por fugir no assunto principal do tópico, mas essa não dá para deixar escapar

ESSA VAI PARA O CARA DO POST ACIME


Put´s cara ... acho que você é uma pessoa com um sério problema de entendimento do que fala... quem disse que o padre não pode lher perdoar!?Onde (senão pelo padre) você ouviu DEUS lhe perdoar de algum pecado que você cometeu !? JESUS disse: sobre essa pedra edificarás a minha igreja... ... tudo que ligares na terra serás ligado no céu e tudo que desligares na terra será desligado no céu... já que você disse que achou sua libertação apenas lendo a BIBLIA, presumo que você ainda não chegou nessa página né? Você comenta que tinha pessoas falando sobre churrasco do lado, sobre a demora na frente, pessoas fumando ao lado de fora, para mim a SANTA MISSA é cheia de BENÇÃO e cheia da palavra de DEUS, basta você estar para prestar atenção e estar de coração aberto para recebelas. Você não é nem um pouco diferente das pessoas que você cita. Ia para a missa apenas para prestar atenção nas pessoas ao seu redor e não ia para o motivo principal que era ouvir a palavra de DEUS e saír dali como um missionário de DELE pregando e praticando o que ouviu. Procure FAZER ALGO PARA MELHORAR e não fique apenas citando coisas sem sentido... PEÇO-LHE UM FAVOR( NÃO PARA MIM, MAS PARA VOCÊ). VÁ PARA UMA IGREJA CATÓLICA, ENTRE NO HORÁRIO DA MISSA (10HS, 19HS, 16HS, ENFIM, QUAL FOR MELHOR PARA VOCÊ)E ABRA SEU CORAÇÃO PARA DEUS E PRESTE ATENÇÃO EM TUDO O QUE ACONTECE NO ALTAR E NÃO NO QUE ACONTECE COM AS PESSOAS AO SEU REDOR. DEPOIS POSTE AQUI E DIGA SE NÃO FOI TOCADO POR DEUS E NÃO OUVIU A PALAVRA DELE NO DECORRER DA MISSA.

QUE A PAZ DE DEUS ESTEJA SEMPRE COM TODOS ...

Alexandre Fraga
Curitiba - Pr