segunda-feira, 6 de agosto de 2007

Conde pode perder Furnas porque Dilma rejeita lobbies do deputado Eduardo Cunha para obras bilionárias

Edição de Segunda-feira do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com/

Ouça agora o podcast Alerta Total no seu computador.
http://podcast.br.inter.net/podcast/alertatotal

Adicione nosso blog e podcast a seus favoritos do Internet Explorer.

Por Jorge Serrão

Fica cada vez mais complicado para o presidente Lula da Silva sustentar a nomeação do ex-prefeito carioca Luiz Paulo Conde na presidência de Furnas Centrais Elétricas. Embora seu nome já esteja aprovado pelo Conselho de Administração da estatal, já existem pressões dentro do próprio governo e do PT para que Lula volte atrás. O presidente só resolve este pepino quando retornar de viagem. Mas já certo que não quer mais desgastes que já tem em seu governo.

Conde é citado na operação “Águas Profundas”, da Polícia Federal, como beneficiário de ajuda de campanha da empresa Angraporto – acusada de manipular licitações da Petrobrás. Seu coordenador de campanha, Ricardo Rotemberg, foi identificado fazendo à Angraporto o pedido de ajuda à campanha de Conde. O jornal O Globo também denunciou que Luiz Paulo Conde, recebeu R$ 50 mil de Renan Leite, condenado a seis anos de prisão por chefiar quadrilha que adulterava combustíveis no Rio.

Conde é indicação do deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) - parlamentar que já começa a atropelar os interesses da cúpula petista no governo. O grupo da super poderosa ministra Dilma Rousseff detestou descobrir que Eduardo Cunha já faz contatos com empreiteiras para a construção da usina do Complexo do Rio Madeira – um negócio que pode chegar a R$ 30 bilhões. Outro agravante contra Cunha é que ele é ponta de lança do ex-governador Antony Garotinho.

Cunha já provocou desgaste porque praticamente chantageou o governo para obter o cargo para seu grupo. Cunha usou como desculpa o fato de estar “atarefado” com a CPI do Apagão Aéreo, para atrasar o projeto de emenda constitucional que prorrogava a vigência da CPMF e da DRU (mecanismo que desvincula parte das receitas da União) e do qual era relator. A manobra foi para ter seu afilhado emplacado em Furnas. O eventual a Conde desconvite abrirá uma crise com uma facção governista do PMDB que sonhava com o controle sobre a estatal que tem previsão de realizar obras bilionárias.

Novo "pobrema"

A investigação da Polícia Federal flagrou e-mails trocados entre os sócios da empresa, falando de um esquema de contribuição para campanhas políticas.

O pedido de ajuda à campanha de Conde foi feito pelo ex-vice-presidente da Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente (Feema), Ricardo Rotemberg, coordenador da campanha de Conde.

Como agravante, entre os presos na Operação "Águas Profundas" está a funcionária da Feema, Ana Celeste Alves Bessa, acusada de intermediar licenças ambientais para a Angraporto.

Ana Celeste era da equipe de Rotemberg, encarregado na época de conceder as licenças ambientais para empresas do interior do estado.

Petistas também complicados

Nos e-mails, a Polícia Federal constatou que a Angraporto estava sendo cobrada por diretores da Companhia Docas do Rio de Janeiro - administradora do porto de Angra dos Reis, cuja exploração comercial estava entregue à Angraporto - para fazer doações às campanhas municipais do PT e do então PL, hoje PR.

Nos e-mails, há indícios do esquema de contribuição política e de acertos com a diretoria da Companhia Docas.

O presidente da empresa, Antônio Carlos Soares Lima, é indicação pessoal do deputado Carlos Santana (PT).

Mas o nome de Soares Lima não aparece diretamente nos esquemas, embora sejam citados encontros com ele para discutir as contribuições.

Outros envolvidos

Nominalmente foram citados os então diretores de Portos, Luiz Rafael de Oliveira Mussi, e da área financeira, Vilmar Valle.

Os dois, que não estão mais na companhia, tinham sido indicados pelo então líder do PL na Câmara, Bispo Rodrigues, que renunciou em 2005, durante o escândalo do mensalão.

Na primeira mensagem, de 15 de março de 2004, o então sócio da Angraporto, Arnaldo Araújo de Matos Filho faz menção aos acertos com a Companhia Docas e relata a conversa com alguém, que chamou de "figurão", sobre uma fatura.

Matos Filho foi quem brigou com os sócios e denunciou o esquema de fraude nas licitações da Petrobras.

Perdido no espaço?

Sérgio Gaudenzi, que deve tomar posse hoje como novo presidente da Infraero, responde a processo no Tribunal de Contas da União (TCU) por seus atos à frente da Agência Espacial Brasileira (AEB).

O TCU examina a legalidade do pagamento de R$ 16 milhões à Agência Espacial Russa pela vaga na nave Soyúz, que levou o astronauta Marcos Pontes ao espaço em 2006.

O pagamento ocorreu sem prévia autorização do Congresso Nacional.

O procurador do Ministério Público junto ao TCU, Lucas Furtado, entende que houve pagamento sem a verba liberada ou sem empenho para ela ser efetuada, o que configura crime e irregularidade administrativa.

A situação só começou a ser regularizada quase um mês depois, por meio de uma Medida Provisória, quando o astronauta já estava de volta.

Protegido pelo Zé

A expectativa é que o novo presidente da Infraero, Sérgio Gaudenzi, já esteja nomeado antes do encontro do Conac.

A reunião do Conselho Nacional de Aviação Civil está marcada para hoje.

Apesar dos problemas na Agência Espacial, ele estaria garantido no cargo por um forte motivo, e não vai ser “mandado para o espaço” previamente.

Todas as negociações com a agência espacial russa para mandar nosso astronauta ao mundo estratosférico foram comandadas por José Dirceu de Oliveira e Silva.

Como o Diabo gosta...

O presidente da Infraero, brigadeiro José Carlos Pereira, avalia que o acidente com o vôo 3054 da TAM que matou 199 pessoas no dia 17 de março foi resultado de vários fatores encadeados, a começar por um erro de projeto do Airbus-A320.

"Quando você tem um erro de projeto que induz a um erro de piloto e soma a isso um problema de manutenção, tudo fica exatamente como o diabo gosta".

Foi o que declarou Pereira à Folha ontem, na véspera de transmitir seu cargo hoje, muito a contragosto, para o engenheiro Sérgio Gaudenzi.

Soltem a grana

Nelson Jobim exige indicar um novo nome para compor a área financeira do ministério da Defesa.

Jobim já avisou aos quatro ventos que espera a colaboração dos ministros Guido Mantega e Paulo Bernardo na liberação dos recursos necessários.

A disputa pela grana será o teste de fogo se Jobim manda mesmo, ou faz só figuração no desgoverno Lula.

Reforma prometida

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, confirmou neste domingo a reforma definitiva do Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo.

Durante visita ao Comando Militar da Amazônia, em Manaus, ele explicou que a reforma será feita em três etapas, começando pelas cabeceiras das pistas.

A reforma de Guarulhos é exatamente nosso objetivo. Nós vamos fazer uma reforma definitiva, ou seja, foi afastada a hipótese de reforma provisória. Uma etapa começa numa das cabeceiras da pista. Encerrada essa fase, serão utilizadas as outras duas partes e, quando tiver que fazer a reforma definitiva da parte central, paralisa-se a pista e aí Viracopos (Campinas) já estará pronto para receber os 21 vôos que precisam ser deslocados”.

Nelson Jobim afirmou que os recursos necessários para a obra já estão previstos pelo Ministério da Defesa.

ANAC questionada

Quanto à atuação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Jobim disse que será feita uma avaliação do trabalho realizado.

As discussões que tenho visto em relação a esse tema são teóricas, ou seja, alguns estão sustentando que por motivos econômicos nós teríamos um modelo de agência regulatória como modelo importante. A questão que temos que saber é se uma agência funciona em sua função específica. Não quero fazer uma discussão de natureza teórica. A questão é saber se funciona ou não”.

Pelo que deixa entender o ministro, Milton Zuanazi está mais que ameaçado na presidência da ANAC.

Caso terminal?

Há quem jure no Senado que Renan Calheiros não passa desta semana no cargo, e no mandato.

A situação dele se agravou depois das denúncias da revista Veja. Confira em: A última do Renan, segundo a Veja

O corregedor do Senado, Romeu Tuma (DEM-SP), considerou graves as novas denúncias contra Renan e vai requisitar documentos e recibos à revista para iniciar investigação na Casa.

O vice-presidente do Senado, Tião Viana (PT-AC), jura que o presidente Lula não está preocupado com o caso...

Pressão aumenta...

Dirigentes do DEM, segundo maior partido do Senado, vão pedir ao Conselho de Ética que investigue a denúncia de que Renan Calheiros (PMDB-AL) teria usado laranjas na compra de duas emissoras de rádio.

Até agora, ele vinha sendo alvo só de representações do PSOL.

A oposição ameaça bloquear a pauta caso o senador não se afaste.

Inércia das ruas?

A oposição ficou perplexa com o fato de a popularidade do presidente Luiz Inácio Lula da Silva não ter caído, mesmo depois da crise no setor aéreo.

"Essa inércia do eleitorado em relação a crise não corresponde ao que eu vejo, ao que eu escuto nas ruas".

Quem reclama é o líder do DEM no Senado, José Agripino Maia (PT).

Números do vaia Lula

O Portal G1 e o Estadão falam que havia no protesto contra Lula, no último sábado, em São Paulo, entre 10 mil e 12 mil pessoas.

A Folha On Line fala em 2 mil.

O Terra falava em 200 pessoas.

O iG se limita a dizer: “O número de participantes é controverso”.

Tradução: os números variam de acordo com a simpatia do órgão de imprensa ao governo. Além disso, as televisões brigaram com a notícia, em São Paulo, dando pouco destaque à manifestação, que levou milhares de pessoas à Avenida Paulista, em pleno sábado à tarde.

Prédio abaixo

Exatamente às 15h30 de ontem, foi implodido que sobrou do prédio da TAM Express, onde funcionava o terminal de cargas da companhia aérea até o acidente com o Airbus A320 no dia 17 de julho.

Foram utilizados 75 quilos de dinamite para a demolição, que durou menos três segundos.

As ordens oficiais eram para que o prédio fosse posto abaixo o mais depressa possível, para que o local não se transformasse em um ponto de peregrinação para os parentes das 199 vítimas.

Força do negócio sexual em teste

Quem tem o prazo fatal hoje para pedir a demolição de seu hotel que atrapalha as rotas de pouso em Congonhas é o empresário do sexo Oscar Maroni Filho.

O ultimato foi dado pelo Prefeito Gilberto Kassab, que promete implodir o prédio construído ilegalmente.

Maroni, de 51 anos, é conhecido por ser metrossesual assumido, gastar R$ 40 mil por mês com ele mesmo e ser um sujeito para quem existem três instituições sagradas: o PT, o Corinthians e a Igreja Católica”.

Todas precisam ser revisadas, mas continuo fiel a elas”.

Maroni tem 51 anos, é pai de quatro filhos e foi casado por 24 anos. Se assume

Força sexual real

Um camponês da região de Rajastão, no oeste da Índia, foi pai pela nona vez aos 90 anos de idade.

A mulher de Nanu Ram Jogi, 60 anos mais jovem que ele, deu recentemente à luz uma menina em um hospital de Rajastão.

O nascimento transformou o camponês no pai mais velho que se conhece na Índia

O velho pai atribui sua energia ao consumo de "leite de camelo", segundo a edição de ontem do jornal The Times of Índia.

Vida que segue...

Fiquem com Deus!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Inteligente, inovador, fortemente analítico e propositivo, utilizando as mais modernas tecnologias para transmissão instantânea e eletrônica de informação privilegiada e análise estratégica, junto com a difusão de novos conhecimentos voltados para a construção e consolidação de novos valores humanos.

Um comentário:

Anônimo disse...

Parabens pelo seu blog. Enxuto, objetivo e com nexo