quinta-feira, 30 de agosto de 2007

Jobim manda comandantes calarem a boca sobre livro oficial que pede punição para militares da dita-dura

Edição de Quinta-feira do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com/

Ouça agora o podcast Alerta Total no seu computador.
http://podcast.br.inter.net/podcast/alertatotal

Adicione nosso blog e podcast a seus favoritos do Internet Explorer.

Por Jorge Serrão

Manda quem pode. Obedece quem não tem juízo histórico. O “general” Nelson Jobim desferiu ontem mais um ataque à honra militar. O ministro da Defesa impôs o “silêncio obsequioso” aos comandantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica. Os militares estão proibidos de se pronunciar sobre o livro-relatório "Direito à Memória e à Verdade". Lançada ontem pelo presidente e comandante-em-chefe Lula da Silva, a obra relata casos de 479 mortos e desaparecidos, entre os anos de 1961 e 1988, na repressão a adversários políticos da dita-dura militar. A Comissão Especial de Mortos e Desaparecidos do Ministério da Justiça recomenda punição aos “militares criminosos”.

Nelson Jobim vetou a presença dos chefes militares na cerimônia de ontem, no Palácio do Planalto. O ministro da Defesa ainda ordenou como os militares devem tratar o episódio. “Estamos num processo efetivo de conciliação e que as Forças Armadas Brasileiras recebem este ato como um ato absolutamente natural. Não haverá indivíduo que possa a isto reagir. Se houver, terá resposta”. Os militares da ativa devem obedecer às ordens dos chefes Lula e Jobim. Já os militares da reserva devem usar o teatro de operações livre da Internet para mais uma batalha de Itararé contra o governo.

Sem os militares na festinha, o presidente da República resolveu fazer média com os familiares de mortos e desaparecidos políticos. Lula prometeu criar uma comissão para obter dos atuais militares informações sobre os restos mortais de opositores mortos pela ditadura militar (1964-1985). Lula só pediu que sua decisão fosse mantida em reserva, para não atrapalhar as novas negociações sobre informações da repressão política que os ministros Nelson Jobim (Defesa) e Paulo Vannuchi (Direitos Humanos) estabelecerão com os comandantes militares.

Pela primeira vez, um documento oficial do governo denuncia que órgãos de repressão da ditadura militar torturaram e executaram opositores do regime. A obra acusa que, na medida em que determinado agente do Estado sabe para onde foram levados muitos desses corpos e nada revela, persiste, pelo silêncio, praticando o crime de ocultação de cadáver até os dias de hoje. O livro detalha as mortes de militantes políticos que atuaram contra o regime.

De modo maniqueísta, o livrinho oficial não relata a história do outro lado: dos agentes do governo que morreram na luta contra militantes de esquerda e terroristas que usavam o pretexto de “combater a ditadura”, quando, na verdade, empreendiam uma guerrilha revolucionária para a implantação de um regime socialista ou comunista no Brasil.

Não é revanche....

Lula garantiu em discurso que o relatório, produzido ao longo de 11 anos pela Comissão Especial de Mortos e Desaparecidos, não tem intenção "revanchista" em relação aos militares.

Os seus familiares e amigos, seguindo uma tradição milenar, reclamam o justo direito sagrado de sepultar seus entes queridos. É esse direito milenar e sagrado é de todos, independentemente de credo religioso ou político. É esse direito que queremos resgatar sem rancor, sem revanchismo de qualquer ordem. Uma das feridas que permanecem abertas é a localização (dos corpos). A gente deveria determinar um prazo e pensar que estratégia utilizar para que a gente pudesse saber onde está (cada corpo)".

O presidente da Comissão de Mortos e desaparecidos, Marco Antonio Barbosa, foi na mesma toada:

Este livro-relatório possibilita fazer justiça à memória e querer justiça não é querer revanche”.

Caso familiar

O ministro Paulo Vanuchi, chefe da Secretaria Especial de Direitos Humanos, também negou que a publicação tenha o objetivo de promover um acerto de contas com os militares.

Este não é um ato de alegria, um ato de festejar. O conteúdo do relatório trata de uma guerra em que não houve vencedor, uma guerra em que todo o Brasil perdeu”.

Um dos irmãos do ministro (Alexandre Vannuchi Leme, líder estudantil e militante do grupo ALN) foi preso no campus da USP em 1973 e dado pelos militares como "morto em atropelamento".

Boa desculpa

Em rápida entrevista após a solenidade, Lula não conseguiu explicar a ausência dos comandantes militares:

Não sei. Primeiro porque não conversei com os militares. Eu fui convidado pela Secretaria de Direitos Humanos. O Jobim foi convidado. Veio quem foi convidado”.

A assessoria do Ministério da Defesa informou que foi Jobim quem decidiu pela ausência dos três comandantes, levando em conta que o comandante do Exército, general Enzo Peri, estaria em missão na Argentina.

Antecedente

Em 1996, quando era ministro da Justiça no governo Fernando Henrique Cardoso, Nelson Jobim iniciou o processo de reconhecimento da responsabilidade do Estado pelas mortes na repressão política.

Em seu discurso na festinha de ontem, o “general” da Defesa ressaltou o caráter de "conciliação" da anistia e do reconhecimento de indenização das chamadas "vítimas da ditadura".

Não haverá indivíduo que possa a isso reagir, e se houver terá resposta".

Escancarando geral

Lula repetiu que os arquivos da ditadura vão ser liberados.

Grande parte desses arquivos já foi pro Arquivo Nacional. O que falta vai ser mandado pro Arquivo Nacional e nós queremos contribuir, trabalhar para que a sociedade brasileira feche a página dessa história”.

Os principais cargos de direção no Arquivo Nacional estão nas mãos de dirigentes ou indicados pelo PC do B, principal interessado em revisar a história pós-64.

Dirceu ainda governa?

O delegado Luiz Fernando Corrêa, atual secretário nacional de Segurança Pública, que é ligadíssimo ao PT, foi indicado por José Dirceu para assumir, na próxima segunda-feira, a direção geral da Polícia Federal.

O presidente Lula oficializou uma troca de comando na Polícia Federal e na Agência Brasileira de Inteligência.

Na próxima segunda-feira, o atual diretor-geral da PF, Paulo Lacerda, assumirá a direção da Abin.

Tiro no Chefão

A oposição quer fazer a crise do mensalão respingar, enfim, na imagem presidencial.
Ontem, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o ex-governador Geraldo Alckmin cobraram a inclusão do presidente Lula entre os culpados pelo mensalão – que é como ficou popularmente conhecida a compra de apoio político no Congresso.

"Enquanto ele (Lula) não vier a público e não repudiar a ação dos mensaleiros, dá a sensação de que está conivente, ou leniente".

Foi assim que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso cobrou uma postura mais firme de Lula.

Pronta resposta

Lula e o PT responderam correndo ao ataque de FHC.

Alegaram que o julgamento do governo veio na reeleição.

Lula comentou que a oposição tentou atingi-lo com o episódio, mas lembrou:

"Eles tentaram me atingir e 61% do povo deu (sic) a resposta na eleição do ano passado. Eles sabem perfeitamente bem o que é um processo. Eu, ao mesmo tempo em que assisto às decisões do Supremo, sem poder dar palpite, sei que o que aconteceu é uma demonstração de que no Brasil as instituições estão funcionando. Quem tiver culpa pagará o preço e quem não tiver será inocentado”.

E o Ali Babá?

Em entrevista à Rádio CBN, o deputado cassado Roberto Jefferson (PTB-RJ), um dos 40 réus no processo do mensalão, reclamou que faltou coragem ao procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, para denunciar o presidente Lula.

Jefferson acusou Lula de ser "Ali Babá, chefe dos 40 ladrões".

Apenas um reparo histórico: na lenda árabe, Ali Babá não era bandido, nem chefe dos ladrões.

Vai sobrar pros tucanos

O procurador-geral da República, Antônio Fernando de Souza, avisou ontem que, em breve, denunciará o "mensalão mineiro".

Trata-se do suposto desvio de recursos para financiar campanhas de políticos de Minas, entre eles o senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG), também pilotado pelo carequinha Marcos Valério.

Lula comemora, pois isso vai obrigar o PSDB a afinar a encenação de oposição, e negociar com o governo o que interessa a eles.

Novas provas

O procurador-geral da República promete provas para reforçar as acusações contra os 40 réus no caso do mensalão.

Segundo Antônio Fernando de Souza, vários laudos, que estavam em fase final de elaboração quando a denúncia foi apresentada, estão prontos para ser incluídos no processo.

Entre eles há um que, de acordo com o procurador, atesta a presença de dinheiro público no esquema: os peritos teriam conseguido demonstrar a transferência de recursos do Banco do Brasil para a agência de publicidade DNA.

Piada de salão, não?

O procurador advertiu que, se depender dele, o caso não vai virar piada de salão, como chegou a antecipar um dos réus, Delúbio Soares.

O MP conseguiu ainda uma perícia que comprovaria o desvio de dinheiro público da empresa Visanet - que tem a participação do Banco do Brasil - para o esquema do mensalão.

A pedido do banco estatal, pelo menos R$ 39,5 milhões foram pagos à DNA Propaganda, de Marcos Valério, por contratos de publicidade cujos serviços não foram totalmente comprovados.

O laudo comprovaria que parte destes recursos foram parar nas mãos dos "mensaleiros":

Distância do PT

Em um recado claro aos tucanos favoráveis a uma aproximação do PSDB com o Planalto, o ex-governador Geraldo Alckmin defende que o partido priorize a oposição ao governo do presidente Lula.

"Entendo que Aécio Neves coloque a questão da civilidade na política e o bom relacionamento entre os partidos em termos administrativos, mas na democracia quem ganha governa e quem perde fiscaliza".

A rusga entre Geraldo e Aécio já antecipa os bastidores da sucessão presidencial de 2010 no ninho tucano.

Pelo telefone...

Em conversa telefônica, o ministro Ricardo Lewandowski, do STF (Supremo Tribunal Federal), reclamou de interferência da imprensa na análise do mensalão.

A imprensa acuou o Supremo”.

Foi a reclamação de Lewandowski a um interlocutor, de nome Marcelo, em telefonema testemunhado pela Folha de S. Paulo, anteontem à noite.

Emprego em risco

O ex-presidente petista José Genoino (deputado federal por SP) e mais quatro parlamentares correm o risco de perder o mandato, caso o julgamento do mensalão seja concluído em dois anos e meio, como prevê o ministro Marco Aurélio Mello, do STF.

João Paulo Cunha (PT-SP), ex-presidente da Câmara, e Paulo Rocha (PT-PA), que teria recebido R$ 920 mil de Valério, também estão na mira para perder o empregão de político profissional.

Completam a lista da degola provável os deputados Valdemar Costa Neto (PR-SP), que confessou o recebimento de R$ 6,5 milhões do PT, e Pedro Henry (PP-MT), um dos supostos distribuidores do mensalão.

Alvo japonês

Antonio Fernando reconhece que mais provas precisam ser produzidas contra alguns réus.

O procurador-geral cita o caso do ex-secretário de Comunicação do governo Luiz Gushiken, acusado de peculato (desvio de dinheiro público).

A preocupação do Ministério Público é reforçar os dados probatórios que já constam dos autos relativamente a tudo que foi afirmado”.

O grito do inocente

Outro acusado, o ex-presidente do PT e deputado José Genoino (PT-SP) se defendeu ontem, no plenário da Câmara.

Genoino protestou que não pertenceu a nenhuma organização criminosa, como diz a denúncia, e que, após 24 anos de vida parlamentar, seu patrimônio se resume a uma casa numa área popular de São Paulo.

O petista também reagiu contra a acusação de corrupção ativa e formação de quadrilha:

Meu patrimônio é o mesmo há 24 anos. Minha família mora em situação de dificuldade. Não posso aceitar denúncia de corrupção ativa e muito menos denúncia de integrar quadrilha. Participei, sim, da direção do partido, mas ela não era quadrilha nem associação criminosa. Não estamos condenados, mas a cobertura do fato em determinados veículos apresenta-nos como tal. Foi recebida a denúncia e, na condição de réu, vou defender-me de cabeça erguida e com a consciência tranqüila”.

Comparação possível

O ministro Celso de Mello, do STF, comparou o julgamento do mensalão ao do caso Collor.

Para ele, "a grande diferença" está no fato de que, no escândalo do governo Lula, os envolvidos ainda estão no poder, enquanto no do governo Collor, já se encontravam afastados.

Os personagens envolvidos hoje estavam e ainda estão no exercício de atividades políticas. São nomes expressivos, isso faz a grande diferença”.

O bem indicado

O Plenário do Senado aprovou, por 61 votos, a indicação do ministro Carlos Alberto Menezes Direito para integrar o quadro de ministros do Supremo Tribunal Federal.

Direito entra na vaga aberta com a aposentadoria do ministro Sepúlveda Pertence.

O nome do ministro segue agora para sanção presidencial, com as bênçãos do PMDB.

Explicou direito?

O senador Jefferson Peres (PDT-AM) pediu que o ministro Direito se pronunciasse sobre voto em processo de US$ 3,4 bilhões envolvendo a Porto Seguros Imóveis.

Na época do julgamento a empresa era representada pelo escritório Lobo & Ibeas onde o filho do ministro, Carlos Gustavo Direito (atualmente juiz), assinou três petições como estagiário.
Direito explicou que, na ocasião não houve julgamento de mérito.

A votação foi apoiada em jurisprudência da Corte quando seu filho já era juiz.

Lembrou que o julgamento, inclusive, foi depois anulado por um incidente processual.

Depois de esclarecer ao questionamento do senador, Direito chorou, se dizendo orgulhoso do filho.

Fugindo de polêmicas

Carlos Alberto Direito evitou em responder algumas perguntas.

Ele calou quando convidado a se manifestar sobre a divulgação pelo jornal O Globo da troca de mensagens entre os ministros do Supremo, Cármen Lúcia e Ricardo Lewandowski.

Também foi questionado sobre o conflito “direito à intimidade versus liberdade de expressão” e se mostrou evasivo:

"Quem lê os meus votos, sabe que sou defensor da liberdade de imprensa. Mas um dos eixos da sociedade é a dignidade da pessoa humana. É preciso levar em conta o princípio da ponderação".

Si Fux

O senador Delcídio Amaral (PT-MS), que presidiu a CPI dos Correios, aprovou a indicação de Carlos Alberto Direito.

Mas o petista considerou o que ministro Luiz Fux, do STJ, estaria também muito bem preparado para ocupar a vaga no STF.

A justificativa é de que Fux teria mais tempo de vida antes da aposentadoria compulsória.

Direito dos bandidos

Extraditando pode aguardar em liberdade o julgamento da Extradição.

O entendimento foi firmado ontem pelo Plenário do Supremo Tribunal Federal, no julgamento de uma questão de ordem do pedido de Extradição do governo dos Estados Unidos contra Miguel Felmanas.

Ele foi preso durante a Operação Oceanos Gêmeos, da Polícia Federal, em maio do ano passado, acusado de ser integrante de uma quadrilha internacional de tráfico de drogas.

O grupo é acusado de enviar cocaína estocada em depósitos da Colômbia e Venezuela para os mercados consumidores da América do Norte.

Deus já deve estar de saco cheio...

Ao chegar ao Senado ontem, Renan Calheiros voltou a repetir que não sabe de onde acompanhará a votação do relatório.

Cercado pelos jornalistas, indagado sobre se estaria irritado e se temia o julgamento, Renan detonou:

Só temo a Deus”.

Sem influência?

Mesmo sendo presidente do Senado, Renan não foi eleito pelo Diap (Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar) como um dos 10 parlamentares mais influentes do Congresso.

Já o presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP) ficou em primeiro lugar na preferência dos 88 parlamentares que integram a lista dos 100 que são considerados as principais cabeças do parlamento.

Os outros nove são: o líder do governo na Câmara, José Múcio (PTB-PE), o líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM), o ex-presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), o líder do DEM no Senado, José Agripino (RN), o líder do PSDB na Câmara, Antonio Carlos Pannunzio (SP), o deputado Ciro Gomes (PSB-CE), o presidente do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE), o líder do DEM na Câmara, Onyx Lorenzoni (RS), e o vice-líder do governo na Câmara, Henrique Fontana (PT-RS).

Salvem o Renan

O Conselho de Ética do Senado deve votar hoje os pareceres sobre o primeiro processo contra o presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL).

Aliados dele tentam fazer com que a votação seja secreta - nesse caso, os dois relatores da oposição, Marisa Serrano (PSDB-MS) e Renato Casagrande (PSB-ES), não deverão apresentar seu parecer.

O terceiro relator, Almeida Lima (PMDB-TO), já avisou que proporá a absolvição de Renan.
Assessor pressionado

O petróleo é deles

Dois grupos de mineração estudam ingressar no mercado de exploração de petróleo e gás.

O empresário Eike Batista, dono da mineradora MMX, saiu na frente e já criou uma companhia para participar do próximo leilão da Agência Nacional do Petróleo (ANP).

Já a gigante mundial de mineração Vale do Rio Doce, maior consumidora individual de eletricidade do País, também começa a estudar investimentos no setor, mais focada na busca de autonomia no suprimento de gás para suas térmicas.

Deu Zebra

A Polícia Federal e a Super Receita Federal calculam que a máfia do bicho eletrônico movimente R$ 100 milhões por ano, dos quais apenas 6% são legalmente declarados.

Os prejuízos aos cofres públicos são avaliados em R$ 180 milhões, contabilizadas inclusive as contribuições para a Previdência.

Ontem, a Operação Zebra começou a desarticular uma quadrilha formada por empresários, advogados, policiais civis e militares, que atuam na exploração de jogo do bicho eletrônico nos estados de Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte e São Paulo. Onze suspeitos já foram presos.

Azar do Oscar

O empresário Oscar Maroni Filho, dono da boate Bahamas, teve o seu pedido de Habeas Corpus arquivado pelo ministro Carlos Ayres Britto, do Supremo Tribunal Federal.

Maroni pedia a revogação de sua prisão preventiva.

Alegou que sua custódia teria sido motivada unicamente em função do “clamor público”, logo após o acidente com o avião da TAM, ocorrido em São Paulo no dia 17 de julho.

Tacou fogo no marido

O tribunal do Júri de Marilia, no interior de São Paulo, absolveu ontem a dona-de-casa Márcia Regina Trecente, de 36 anos, da acusação de tentativa de homicídio qualificado.

Ela foi presa em flagrante em abril do ano passado depois de jogar gasolina e atear fogo à cama onde dormia o seu companheiro, Marcelo Luiz de Souza, de 29 anos.

A defesa conseguiu convencer os jurados de que a mulher não tinha a intenção de matar o companheiro pois não jogou a gasolina diretamente em seu corpo e nem usou contra ele a faca com que cortou a mangueira da moto.

Resultado: desclassificada a tentativa de homicídio, Márcia acabou condenada a cumprir 2 anos e oito meses em regime aberto, por lesão corporal dolosa.

Ela saiu direto do fórum para sua casa.

Retratinho do Brasil

A má distribuição da riqueza no Brasil, uma das piores do mundo, é comprovada pelo IBGE.

Segundo estudo do instituto, os 10% mais ricos no País, com rendas a partir de R$ 3.875,78 gastam 10 vezes mais que os 40% mais pobres.

A pobrada por aqui é formada por famílias com rendimentos de até R$ 758,25.

Roubo da CPMF

Estudo divulgado ontem pelo IBPT mostra que, em média, o brasileiro trabalha sete dias do ano só para pagar a CPMF.

Para profissionais da saúde e liberais, serralheiros, mecânicos e artistas, são seis dias ao ano (R$ 161,10).

Um taxista trabalha nove dias para pagar a CPMF, o equivalente a um desembolso de R$ 241,65 ao ano.

Sexta 31, no Aeroporto, com direito a Charutão

A Confraria do Garoto irá nesta sexta, 31, ao Aeroporto Tom Jobim, recepcionar com pompas e circunstâncias os turistas e passageiros que nos visitam.

O encontro terá início às 10 h no Terminal 2 (desembarque) e termina as 13h 13min – horário sagrado para a Confraria, que venera o sortudo 13 – que é o número sagrado dos mestres.

Com direito a tapete vermelho, pétalas de rosas, toque de clarins, cartazes e colares de boas-vindas, muita irreverência e arruda, para afastar o azar e abrir os caminhos do turismo do Rio.

No programa, uma homenagem ao Superintendente da Infraero, Pedro Azambuja, por relevantes serviços prestados à Cidade.

Os confrades também reservam um belo charutão para a famosa Catifunda da ANAC, que para nosso gosto, pediu demissão neste mês de agosto.

Vida que segue...

Fiquem com Deus!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Inteligente, inovador, fortemente analítico e propositivo, utilizando as mais modernas tecnologias para transmissão instantânea e eletrônica de informação privilegiada e análise estratégica, junto com a difusão de novos conhecimentos voltados para a construção e consolidação de novos valores humanos.

10 comentários:

Major do Exército disse...

Lamentável que o Ministro tenha sido tão descortêz com a classe militar. Ele que está sendo tão bem tratado e que pensa alto em se eleger em 2010 está indo pela contra-mão. Nossos Generais deveriam reunir-se e pressioná-lo por uma neutralidade nesses pontos em que a ideologia fracassada desse governo de merda se choca com os valores do povo militar. Dormi ontem decepcionado pela maneira mal educada que o homem que deveria ser o aglutinador da tropa deu o tiro certeiro no pé da instituição. Abraço

Anônimo disse...

Prezado jornalista Jorge Serrão,
sou militar oficial da ativa da Marinha e gostaria de parabenizá-lo pelo seu trabalho, inteligente, e acima de tudo, compromissado com a verdade.
Gostaria de expressar um protesto, já que não posso falar aos meus chefes (pois estão preocupados com sua carreiras). Os militares, há anos, vem sendo massacrados, vilipendiados, pisados, sem nenhum direito a defesa. Somos conscientes dos erros e acertos que praticamos. Tenho certeza, como oficial, que o povo brasileiro tem orgulho de nós. Somos, possivelmente, a única instituição brasileira confiável. Porém, desde governos anteriores, estamos sofrendo uma espécie de revanchismo covarde, onde de todas as esferas do poder, sofremos um processo de afastamento, de forma que não temos mais o direito de participar das decisões relativas ao nosso país. Creio que as Forças Armadas são fundamentais na composição de um governo democrático e preocupado com seu povo. Seus componentes são elementos do povo, porém elementos um pouco diferentes. São indivíduos, em sua maioria, que amam seu país acima de tudo, e estão dispostos a tudo, repito, a tudo, por ele. Muito me revolta, e a vários militares que conheço, quando um Presidente da República, lança um livro, com caráter político, de forma a atacar instituições das quais ele é o chefe. Que moral tem ele com a tropa? Não podia esperar sua saída (se é que vai sair) para fazê-lo? Me revolta mais ainda, ver o ministro de Defesa, literalmente, ameaçar a nós militares, se expressarmos alguma insatisfação quanto ao livro de "nosso chefe". Por que não podemos expressar nossa insatisfação? Quem é o ministro da defesa para dedicir o que podemos pensar ou não? Não estamos num estado democrático? Isto não vale para as FFAA? Não aguentamos mais... Sou Capitão-Tenente, e como eu, existem milheres de oficiais insatisfeitos. Temo por uma reação em cadeia. A primeira já ocorreu com os sargentos na FAB, porém faltou comando. Quem nos ataca se esquece que somos homens, e acima de tudo, homens de valor (e armados!). Esperamos que o governo mude sua postura. Os oficiais da reversa já estão se mobilizando. Temo pelo pior...
Desculpe pelo desabafo. Obrigado.
Antonio
Capitão-Tenente

Anônimo disse...

Por Christina Fontenelle (*)

“O Comandante das FFAA sou eu”. Assim o ministro da defesa Nelson Jobim respondeu aos jornalistas que lhe perguntavam sobre a ausência dos comandantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica, à cerimônia oficial, no Palácio do Planalto, para o lançamento do livro/relatório “Direito à Memória e à Verdade", para qual eles também haviam sido convidados.

Em discurso, alto e bom tom, diante do microfone, Nelson Jobim disse que ninguém das FFAA se atreveria a reagir negativamente em relação ao “livro”, e avisou: “e se reagir, vai ter resposta”. Bem, não é sem razão que o ministro “se ache” – afinal, não foi o próprio que outro dia se fantasiou, com a conivência do comando militar, diga-se de passagem, de general, com direito a nome na farda e insígnias de general e tudo o mais?! Pois é...


O ministro ameaçou qualquer militar que se atreva a dizer que o livro do governo não fale a verdade. Democracia? Só para os terroristas. Os militares que busuntem a tal obra com azeite e a enfiem goela abaixo. Veja o vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=J7tt6cMD_PU.


Ao usar o uniforme de general, o ministro demonstrou não ter muita intimidade com as leis militares. Mas, em já tendo estado à frente da Justiça, era de se esperar que conhecesse a Constituição, afinal, ele mesmo confessou ter nela introduzido uma ou duas peças "não contablizadas" (para ficar moderno!). Segundo esta Constituição, o comandante em chefe das Forças Armadas é o Presidente da República. Ou será que já introduziram alguma peça que não tenha chegado ao conhecimento da população?


Além disso, a LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999, no seu capítulo I, atigo 2°, estabelece que:

O Presidente da República, na condição de Comandante Supremo das Forças Armadas, é assessorado:
I - no que concerne ao emprego de meios militares, pelo Conselho Militar de Defesa (composto pelos Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica e pelo Chefe do Estado-Maior de Defesa (#)) (§ 2º - o Ministro de Estado da Defesa integrará o Conselho Militar de Defesa na condição de seu Presidente); e
II - no que concerne aos demais assuntos pertinentes à área militar, pelo Ministro de Estado da Defesa.
(#) O Estado-Maior de Defesa terá como Chefe um oficial-general do último posto, da ativa, em sistema de rodízio entre as três Forças, nomeado pelo Presidente da República, ouvido o Ministro de Estado da Defesa.
Art 3º As Forças Armadas são subordinadas ao Ministro de Estado da Defesa, dispondo de estruturas próprias.
Art 9º O Ministro de Estado da Defesa exerce a direção superior das Forças Armadas, assessorado pelo Conselho Militar de Defesa, órgão permanente de assessoramento, pelo Estado-Maior de Defesa, pelas Secretarias e demais órgãos, conforme definido em lei

Major do Exército disse...

Faço minhas as palavras do CT Antônio. A maneira vulgar que foi a tônica do Sr Jobim no dia de ontem refletiu o menosprezo que a canalha governamental tem pelas FA. Todos meus conhecidos e amigos sentiram-se ofendidos. Em que pese a tese regimental que estamos subordinados a esse cidadão, pelo cargo ora exercido e não por sua liderança que até hoje foi pintadas com cores despóticas, fica meu desagravo à sua postura incorreta e à sua participação equivocada naquela reuniãozinha desprezível onde pessoas desprezíveis lançaram aquele livro desprezível. Não me identifico pois tenho família e com certeza não terei defensores em meus superiores por ocasião de uma possível vingança ou retaliação.

Anônimo disse...

Serrão,
sou civil, mas antes de tudo,
patriota, reconheço nas FFAA o apreço pelo BRASIL, e admiro seu trabalho dedicado ao Bem Comum,e conto com elas para a manutenção dos nossos valores brasileiros:
democracia, paz social,progresso e desenvolvimento da Nação,
ontem senti uma pressão no peito ao ouvir as imerecidas palavras do Sr. Min. da Defesa dirigidas às únicas instituições do Brasil com credibilidade e confiabilidade demonstradas em seus serviços prestados à Nação.Dirijo meu recado de ânimo e insentivo às FFAA:
estamos nós brasileiros comuns ao seu lado em sua penúria e labuta diária, contem também conosco,

TFA
Domaneschi

Anônimo disse...

Alguém tem que avisar para esse vagabundo do Ministro da Defesa que nós temos 359 anos de história. Não é esse merda que vai falar o que a gente vai fazer ou não. Todos esses camaradas vão passar e a Instituição vai continuar.
Brasil Acima de Tudo!

Major de Engenharia disse...

Sou Oficial do EB há quase 20 anos e dediquei boa parte da minha mocidade e da juventude em prol do engrandecimento de meu país. Construi 3 estradas e trabalhei na recuperação de outras 5. O fiz por pioneirismo, sem visar a qualquer retorno financeiro, até mesmo porquê não fazemos o que tem que ser feito visando ao toma lá dá cá. Fui estudante no período militar, aluno militar na transição e oficial durante toda "redemocratização". Pelo muito que fiz pelo meu povo, me dói muito ver que somos considerados vilões, sendo que os verdadeiros vilões estão por ai a saquear os cofres públicos, reescrevendo descaradamente a história, sem escrúpulos e meus superiores nada fazem no sentido de exigir uma retratação. As palavras rudes do Ministro da Defesa são o que de mais leviano eu vi nesses últimos 20 anos e concordo com os outros militares que já se pronunciaram nesses tópicos de comentários. Estamos de saco cheio e já conspiramos abertamente pelos corredores dos quartéis. Não vai demorar muito para aparecerem lideranças que nos levarão a exigir um pedido de desculpas tardio, mas histórico dessa gentalha que hoje ainda nos "governa". Chega de sermos escorraçados e vermos que cada vez mais nossos filhos crescem sem um futuro promissor possível.

SARGENTO DA MARINHA disse...

Caro Serrão, em relação a falta de sabedoria do nosso presidente e do ministro da defesa, deixo o meu silêncio, a minha indignação e a esperança que essa situação um dia vai mudar e não tardará.

Deixo SUN TZU para eles, talvez aprendam alguma coisa sobre oque nós militares somos capazes de fazer quando acuados.

" No dia em que ao exército for ordenado para combater uma batalha decisiva, os soldados poderão sentar e poderão chorar com lágrimas que molham sua roupas, alguns poderão deitar e chorar com lágrimas que fluem pelas suas bochechas. Mas se você os lança em uma situação onde não há nenhum modo para eles se retirarem, eles se mostrarão destemidos e tão valentes quanto Zhuan Zhu ou Cao Gui."


Para o Presidente e Ministro da defesa:
" Portanto, um general tem conhecer a psicologia de soldados:
*
eles resistirão, enquanto estiverem cercados;
*
eles lutarão desesperadamente, enquanto estão sendo forçados;
*
eles seguirão o general quando entrando em situações perigosas."

"É só lançando um exército para uma posição perigosa, que seus soldados perceberão que podem sobreviver; só os colocando em um terreno desesperado, que eles perceberão, que podem continuar vivos. Apenas quando os soldados forem colocadas em perigo é que eles poderão transformar uma derrota em vitória."

Até quando vamos esperar a ordem??

Brasil acima de tudo!!!

SARGENTO disse...

Sr Nelson Jobim, o Sr está Ministro da Defesa, amanhã não o estará mais, e ninguem nem lembrará, eu e meus irmão de farda não, somos militares estamos sob um juramento e sempre o seremos, mesmo após a morte.
um bom texto do TERNUMA para V.Ex ler......Definitivamente, o dia de ontem, 29 de agosto de 2007, foi um marco histórico. A data encerrou a inversão de valores sagrados. Em primeiro lugar, a flagrante farra com o dinheiro público, por ser o governo, ao que tudo indica, o financiador e agenciador de um lixo literário que, aparentemente, só terá retorno financeiro a quem o produziu. Com a palavra o Tribunal de Contas da União. Mais ainda, no ato solene do lançamento do livro, o ministro da Defesa, de forma arrogante e autoritária e na ausência dos Comandantes das Forças Armadas, ameaçou os militares que manifestassem repúdio àquela pantomima. Nelson Jobim, não sei se escorado na sua admirável compleição física, bravateou “arrasar” com os militares que protestassem. Ele, que não é comandante de nada, não tem a mínima noção do que é chefia e liderança e pensa que pode sufocar as mentes e a consciência dos que juraram defender a Pátria e as Instituições, com o sacrifício das próprias vidas. Nem conhece ele o Regulamento Disciplinar do Exército (RDE), que não lhe dá atribuição para punir ninguém. Isso está prescrito no RDE, que prevê, na maior instância, a competência do Comandante da Força para aplicar punições. O Ministro da Defesa não comanda nem um cabo-de-esquadra. É meramente um político que leva e traz ao Presidente da República os problemas e aspirações das Forças Armadas, se é que leva, além das suas preocupações com o tamanhos dos assentos dos aviões da aviação comercial. Em síntese, ele tem direito à toda a pompa e circunstância, mas não pode punir nem o plantão da hora que dorme no posto.....

Natanael Filho disse...

O Jair Bolsonaro, o único parlamentar que tem a coragem de lutar conra a ditadura "gay" que está se instalando no Brasil, está sofrendo um forte ataque que visa desacreditá-lo...
Li a reportagem publicada no Globo e não vi nada que caracterizasse intolerancia contra a raça negra para classificá-lo de Racista, nem "homofóbico", esta palavra eufemistica para abrandar e glamourizar a perversão que é o homosexualismo que insistem em impor como "normalidade" à família brasileira. Eu mesmo na condição de negro brasileiro, sou contra a política de cotas para negros nas universidades que lança desconfiança sobre os profissionais negros já formados...Sou a favor, isto sim , do investimento na educação fundamental pública que dará condição de igualdade aos mais pobres e conseguente mente aos negros, maioria entre a pobreza na disputa por uma vaga nas universidades.
Será que a maioria heterosexual vai assistir calada esta tentativa de desmoralização e desautorização do único representante do povo que luta contra estas práticas subreptícias desta minoria ?
Afinal a Preta Gil não é nenhum modelo de moralidade....é lésbica e já declarou ser adepta do sexo grupal !!! - tem o comportamento prostituta portanto. e olhe que eu repeito as mulheres prostitutas que tem a coragem de assumir esta prática como profissão.. utilíssima para a sociedade...não tolero é a hipocrisia. E a atitude do Bolsonaro ( contra a tentativa da imposição por uma tal comisão de Direitos da Minoria de corromper as crianças brasileiras interferindo na educação fundamental das crianças a partir de 13 anos familiarizando-as com a falsa ideia da normalidade do comportamento homosexual), ...é em defesa da familia brasileira e eu aprovo...
De raspão os militares estão sendo mais uma vez ridicularizados...
Pergunto.....a maioria heterosexual, as instituições religiosas. as famílias decentes desta patria e finalmente os militares ficarão calados inertes e não farão nada em defesa do nosso bravo combatente ?
Somos maioria gente !!!!! Chega de frescura, chega de BBB's, chega de Brothers and Sister´s e outros programas televisivos que subrepticiamente defendem e introduzem no seio das familias brasileiras esta pornografia !!!
Em tempo....sabem todos que não sou moralista nem tenho nada contra os homosexuais, desde que se mantenham na discrição de seus ambientes privados. É facultado a qualquer um que deseje comprazer-se com qualquer tipo de pratica sexual adquirir um cd ou dvd pornográfico, protegido por seu ambiente privado !!! ao invés de ser surpreendido por cenas semelhantes que invadem a sua sala de visitas pela televisão aberta ou a cabo na frente de suas crianças em processo de formação moral.
Não sou nenhum santo, e os heterosexuais, reconheço, tem também suas praticas ´pervertidas, contudo não fazem apologia do que fazem entre quatro paredes. O que é absolutamente normal. Porque estes pervertidos de mesmo sexo não fazem o mesmo ? Mas tem que fazer propaganda das suas práticas anormais ?