quinta-feira, 9 de agosto de 2007

Solidariedade ao "caçado" e cassado pela atual ditadura

Edição de Artigos de Quinta-feira do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com

Por Arlindo Neto

Carta aberta ao Sr. Mario Accioly, Jornalista, cassado pela ditadura que é impiedosa e dura, dita democrática pela maioria esmagadora de jornalistas que repetem e aprovam os discursos de palco, onde as mentiras jamais permitem o comprometimento com o bem comum:

Sr. Accioly, sou um velho e fui cassado pela ditadura militar porque defendia o que pensava ser o bem comum. Naquele tempo as cassações foram para os políticos que, na confusão de um paradigma de força e violência, posicionaram-se contra os militares que defendiam os direitos à soberania, o direito constitucional de defesa das instituições apropriadas para a construção democrática.

Hojemdia, bem comum tornou-se uma ficção. O ambiente é orweliano, aquele Orwell que li pensando ser ficção. E que duvido muito qualquer destes políticos de fancaria tenha lido.

Sr. Accioly, para eles o bem comum é uma ficção. Vale mesmo é o benefício pessoal. O gozado é que vão afundar e vão ser colocados no paredão para o fuzilamento, no instante em que os defensores das idéias que o senhor combate aplicarem o conteúdo de suas estratégias macabras na direção do socialismo bolivariano que o Foro de São Paulo contém. Estratégias que os jornalistas vendidos, diferentes dos Mario Accioly, quixotes agoniados com a podridão das instituições, mantêm no arquivo, como ficção, alheios ao bem comum.

Sr. Accioly, quando os organismos internacionais propalam a necessidade da liberdade de imprensa, referem-se a seu estado natal? Ou Roraima está fora do mapa do Brasil? Roraima já é um estado indígena independente e comandado pelas ongs pagas pela coroa britânica? Será que as empresas Globo, Estadão, New York Times... já sabem? Será que vão defender a liberdade de imprensa? E a OEA? E os organismos internacionais já sabem?

Há quem acredite ainda que a imprensa é livre. Que a liberdade de opinião é garantida pela constituição brasileira e os juízes a executam religiosamente... Os criadores do Casseta e Planeta que o digam. E se continuarem na mesma linha, vão acabar atrás das grades também e duvido que a vênus platinada os defenda.

Sou velho sr. Accioly. Hoje, na marginalidade, contemplo com tristeza os eleitos que abraçaram a baderna, cães que seguem a matilha cheirando o rabo dos que lideram um grupo que tomou o poder, posicionando-se acima das leis.

E lembro de um trecho do livro do casal Toffler, editado no Brasil dos anos 90, referindo as mudanças necessárias na condução dos negócios empresariais:

“...Assim, poderemos combater os velhos paradigmas, assassinos de idéias que barram e matam no nascedouro qualquer sugestão diferenciada das práticas opressivas...
... este processo deve começar agora, antes que os sistemas políticos em vigor se desintegrem e despejem nas ruas as forças da tirania...
... começando já, nós e nossos filhos poderemos participar da emocionante reconstituição das estruturas políticas obsoletas e da própria civilização.
Temos um destino, temos um mundo novo a criar.”
(1994)

Pois o que temos em termos empresariais? Os paradigmas mais avançados encobrindo as práticas mais corruptas a serviço do poder.

Minha mente é solidária com a sua mente. Sou seu leitor.

Arlindo Neto, um cidadão brasileiro.

2 comentários:

Anônimo disse...

Parabéns pelo seu blog, pela sua coragem!
Nosso país precisa de pessoas como vc...
No portal ternuma:"NOS BASTIDORES DA MANIPULAÇÃO DE INFORMAÇÃO" já copiei e fico passando adiante.
Que Deus nos ajude e dê forças pra lutarmos contra o que estão fazendo com nosso lindo BRASIL!

Bastilha disse...

A FOTO DO MEGA FILHO


http://thumbsnap.com/v/UABIVwkK.jpg

Lulinha inflacionou o mercado do boi na Região de Araguaína, Gurupi, Nova Colina e Paraíso, em Tocantins. Mas Lulinha não compra em seu nome, tem um laranja, conhecido tanto no mercado agropecuário quanto no mercado financeiro. Esse fato já foi noticiado em alguns jornais no início da semana passada.

Além disso, a notícia que se tem é que Lulinha seria o verdadeiro dono da Fazenda Espírito Santo na cidade de Xinguara/PA e da Fazenda Cedro Maramba, ambas compradas do pecuarista Bené Mutran pelo tal laranja do mercado financeiro. Só na fazenda Espírito Santo ele teria 75 mil cabeças de gado.
Lulinha é conhecido na região de Xinguara no Pará, ele costuma ser visto transitando entre uma fazenda e outra a bordo de um helicóptero.
prosa&politica.blogspot.com