quarta-feira, 12 de setembro de 2007

Especuladores vibram: Banco Central autoriza aplicações de maior risco com as reservas cambiais brasileiras

Edição de Quarta-feira do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com/

Breve, a Rádio Alerta Total no seu computador.

Adicione nosso blog e podcast a seus favoritos do Internet Explorer.

Por Jorge Serrão

Enquanto os olhos da opinião pública e os holofotes da opinião publicada são desviados para a quase certa e merecida degola política de Renan Calheiros, na sessão ultra-secretíssima de logo mais, no Senado, o Banco Central do Brasil cria mais uma facilidade para ampliar os lucros dos bancos e especuladores internacionais. Sob o comando do banqueiro aposentado Henrique Meirelles, a diretoria do BC acaba de autorizar aplicações de maior risco das nossas reservas cambiais – agora estimadas em US$ 162 bilhões e 700 milhões de dólares. O Senado de Renan fecha os olhos para tal assunto de extrema gravidade.

A Oligarquia Financeira Transnacional, que manda no mundo e manipula a vontade da autoridade monetária brasileira, sabe muito bem como ganhar ainda mais dinheiro e poder em tempos de crises pré-fabricadas do capitalismo, como a atual confusão com as aplicações e créditos das hipotecas imobiliárias nos Estados Unidos. As aplicações e especulações com as reservas internacionais de países de terceiro mundo, como o Brasil, geram grandes lucros aos bancos e corretores internacionais. O retorno de tais especulações costumam retornar ao Brasil, por debaixo dos panos, na forma de "generosas doações" a futuras campanhas eleitorais.

A aplicação financeira das nossas reservas cambiais é um negócio obscuro. Tudo é feito sem a menor transparência e com total ausência de fiscalização do Congresso Nacional Brasileiro – mais preocupado com o destino de seu presidente, cheio de problemas de complicadíssima solução. Quem recebe e embolsa as milionárias comissões pelas lucrativas aplicações? Quais são os grandes bancos beneficiados pelo esquema especulativo? São perguntas que ficam sem resposta na caixa-preta do Banco Central dependente dos banqueiros nacionais e internacionais.

O Banco Central informa, apenas, que, em agosto, 89% das reservas estavam aplicadas em títulos dos mais diversos emissores. Os depósitos em bancos sediados no exterior, envolvendo 7% das reservas, seriam a segunda aplicação mais importante. A partir de agora, as reservas tendem a oscilar um pouco mais, com a autorização para aplicações de maior risco. Só anteontem, o BC informa que as reservas internacionais brasileiras cresceram US$ 1 bilhão e 300 milhões de dólares. O crescimento foi motivado pela forte valorização dos títulos norte-americanos.

As reservas brasileiras só evoluíam tanto quando o Banco Central comprava dólares no mercado de câmbio. Mas os leilões de moeda estrangeira foram suspensos desde o começo de agosto. O freio foi puxado com o agravamento da crise internacional das hipotecas de alto risco. Mas o sistema capitalista pós-moderno - onde a moeda que circula, no formato de títulos cambiais, tem todo jeito de ser virtual - descobriu como se ganha ainda mais dinheiro manipulando as economias de países sem soberania, independência e autodeterminação – como o Brasil. Nossa autoridade monetária deixa de investir aqui dentro, no desenvolvimento do País, para “fabricar” dinheiro e manter nosso dinheiro reservado para garantir lucros e pagamentos de juros aos bancos eternamente credores.

Poderoso lobby europeu

A guerra pouco percebida pela hegemonia da economia mundial entre a City de Londres e os EUA chega ao polêmico e arrastado processo de implantação do rádio digital no Brasil.

O superintendente de Serviços de Comunicação de Massa da Agência Nacional de Telecomunicações, Ara Minassian, admitiu ontem que a adoção do sistema europeu DRM não está descartada e que pode haver sim um aprofundamento da análise do sistema.

De acordo com o dirigente da Anatel, apesar da preferência dos radiodifusores pelo sistema norte-americano Iboc, os bons resultados do DRM em ondas médias (AM) e ondas tropicais (OT) verificados em outros países podem fazer o Brasil pensar melhor sobre o uso deste sistema.

Resistance is futile

A americana Monsanto comprou, por cerca de US$ 100 milhões, a produtora de sementes híbridas de milho Agroeste Sementes, de Santa Catarina.

É a quarta aquisição em milho feita pela Monsanto no País, que ampliará sua participação no mercado de 30% para 40%.

De acordo com a Monsanto, a empresa brasileira continuará operando de forma autônoma, sem mudanças de pessoal e de comando.

Retrocesso na Maçonaria

Um movimento de reação dentro da Maçonaria paulista contesta a intenção do Grão Mestre do Grande Oriente do Estado de São Paulo, Benedito Marques Ballouk Filho, de colocar as discussões políticas e o combate à corrupção na pauta da centenária irmandade secreta.

Enquanto se prepara para debelar a oposição de maçons mais conservadores – que querem a ordem funcionando como um clube se serviços e de caridade -, o Grão mestre Ballouk recebe logo mais à noite a Medalha José Bonifácio da Câmara Municipal de São Paulo.

A solenidade será no salão nobre do Palácio Anchieta, que estará cheio de homens vestidos de terno preto e gravata escura a partir das 19 horas.

Desgraça de Renan

A opinião pública, em todas as enquetes via Internet, manifesta a vontade de ver Renan Calheiros fora do Senado, devidamente cassado.

Uma enquete feita pelo jornal Folha de S. Paulo revela que 41 senadores devem votar pela degola de Renan.

O número de 41 votos (dos 81 senadores) é a conta do chá para detonar o alagoano.

Traições programadas

O destino de Renan será definido na sessão ultra secreta do Senado.

Apenas dez senadores se comprometem a votar pela absolvição de Renan.

Pelo menos 29 senadores se recusam a revelar como votarão.

A temporada de traições está mais que escancarada há muito tempo.

Tudo ultra-secreto

A votação será sem imprensa, com os microfones desligados no plenário e os senadores proibidos de usar laptops ou telefones celulares.

O PSDB, o DEM e o PSB fecharam questão a favor da cassação.

O DEM ainda tenta enquadrar alguns senadores que pretendem votar pró-Renan.

O PT e o PMDB liberaram as bancadas para as apostas no cassino do Al Calheiros.

Corpo mole de Lula

O presidente Lula avisou ontem, na Suécia, não ver problema na permanência de Renan Calheiros na presidência do Senado, caso ele escape da cassação.

O Planalto entrou de corpo e alma para salvar a pele de Renan Calheiros.

Mas Renan teria de anunciar o pedido de licença da presidência do Senado.

Cadáver insepulto

Renan perdeu apoio nos últimos dias, pois se consolidou a percepção de que sua eventual permanência vai comprometer de forma irremediável a imagem do Senado.

Se for absolvido hoje, ele ainda terá de enfrentar outras três representações contra ele.

Renan Calheiros é acusado de quebra de decoro por recorrer ao lobista de uma empreiteira para pagar despesas pessoais.

Mesmo que salve o mandato, Renan não terá mais condições de presidir o Senado.

Vão abrir geral?

Treze deputados (PSOL, PPS, PV, PMDB e PSB) entraram com um mandato de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) para que fosse aberta a sessão de hoje do Senado, mas perderam.

Eles argumentaram que, pela Constituição, não há obrigatoriedade de sessão secreta - só o voto deve ser secreto -, mas o STF só vota como lhe convém.

Os deputados ganharam permissão para acompanhar a votação.

Dá para acreditar?

O governador fluminense, que é vascaíno, Sérgio Cabral Filho ameaça renunciar ao cargo para disputar a prefeitura do Rio.

Cabral admite entregar o comando do estado ao seu vice, Luiz Fernando Pezão, só para melar o acordo eleitoral entre o DEM de Cesar Maia e a banda peemedebista do casal Antony e Rosinha Garotinho.

O factóide de Serginho foi lançado ontem, durante a inauguração da segunda pista da Ponte Rosinha Garotinho, em Campos dos Goytacazes – currar eleitorar dos Garotinho.

Quer se livrar do desgaste

Cabral jogou para a platéia dos aliados do PT no Palácio do Planalto.

Mas Serginho pode levar a sério a idéia de suceder Cesar Maia na Prefeitura.

Ele teme seu desgaste de imagem no governo do Estado do Rio de Janeiro – sobretudo por causa do insolúvel problema da insegurança pública.

Na prefeitura carioca, Cabral poderia ser, novamente, o bom moço que prestigia a terceira idade e o mundo do samba, sem outros desgastes.

Velhinhos na pinimba

Por falar nos idosos, a armadilha do crédito consignado já pegou 8 milhões e 400 mil segurados do INSS.

Os aposentados e pensionistas pegaram emprestados nos bancos, a juros altos, R$ 27 bilhões e 300 milhões de reais.

Os números foram divulgados pelo Ministério da Previdência Social.

Força enfraquecida

Desde o fim dos Jogos Pan-Americanos, os soldados da Força Nacional no Rio não recebem pagamento.

Apesar da promessa do governo federal de manter os 1.200 homens no Estado por tempo indeterminado, depois que tiros foram disparados em um trem com dois ministros no Jacarezinho, os militares já falam em debandada geral.

Se não receberem, até segunda-feira, os R$ 6.120 em diárias que lhes são devidos prometem tirar o time do teatrinho de operações contra a bandidagem no RJ.

Guerra pelos Correios

Sete agências de publicidade entraram com recursos junto à comissão especial de licitação dos Correios.

A estatal escolhe as três empresas que irão dividir a conta publicitária estimada em R$ 90 milhões anuais.Nove recursos foram apresentados por Link/Bagg, DPZ (dois recursos), DeBrito, MPM (dois recursos), NovaS/B, Giovanni+DraftFCB e Agnelo Pacheco.

Os motivos

Link/Bagg, DeBrito, NovaS/B e Giovanni+DraftFCB contestam suas desclassificações.

Já a DPZ entrou com dois recursos contra as notas atribuídas a Propeg e a Giovanni+DraftFCB.

A MPM quer reverter sua desclassificação e também questionar o resultado da Propeg.

De todas as agências reclamantes, a única que ainda não foi retirada do páreo pela comissão de licitação é a Agnelo Pacheco, que reclama da nota atribuída a Artplan, que está à sua frente na disputa pela conta 1 (Sedex).

Perigoso recorde

A decisão da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) de aumentar a produção em 500 mil barris ao dia não impediu o petróleo de bater recorde, ontem, em Nova York.

O tipo WTI atingiu nível histórico de fechamento, atingindo US$ 78,23.

Em Londres, o Brent fechou a US$ 76,38.

Briga feia

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) decidiu que não vai voltar atrás nas pendências levantadas recentemente em relação à Petrobras.

O diretor-geral da agência, Haroldo Lima, avisou ontem que vai levar a leilão, na Nona Rodada de Licitações, o bloco CM-273, situado na Bacia de Campos.

Foi lá que a Petrobras fez descoberta de óleo nove dias depois do prazo final estipulado pela ANP.

Não é brinquedo, não

O governo suspendeu todas as importações de brinquedos Mattel.

O objetivo é impedir que os brinquedos que estão na lista de recall ingressem no País – segundo alega a nota oficial do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

A empresa corre o risco de enfrentar um processo na Justiça brasileira por dolo ou má-fé, caso o Ministério Público confirme as conclusões do Departamento de Defesa dos Direitos do Consumidor (DPDC).

Na Ilha da Fantasia, só se deseja saber qual será o preço desta “brincadeira” do governo com a Barbie – famosa boneca que é fabricada pela empresa atacada...

Vida que segue...

Fiquem com Deus!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Inteligente, inovador, fortemente analítico e propositivo, utilizando as mais modernas tecnologias para transmissão instantânea e eletrônica de informação privilegiada e análise estratégica, junto com a difusão de novos conhecimentos voltados para a construção e consolidação de novos valores humanos.

Nenhum comentário: