quarta-feira, 5 de setembro de 2007

Impunidade programada: Jobim costurou com Lula para Renan perder hoje, mas depois ser absolvido no plenário

Edição de Quarta-feira do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com/

Breve, a Rádio Alerta Total no seu computador.

Adicione nosso blog e podcast a seus favoritos do Internet Explorer.

Por Jorge Serrão

Renan Calheiros planeja entregar o cargo de presidente do Senado. Basta ser declarado oficialmente inocente na votação secreta da próxima semana, em plenário. O Palácio do Planalto já costurou, junto com a maioria do PMDB e da base amestrada, o tão esperado plano de salvação para que Renan seja levemente ferido hoje no julgamento no Conselho de Ética (onde deve ser derrotado), mas saia completamente ileso do próximo julgamento em plenário, que será por voto secreto.

O Conselho de Ética do Senado vota hoje o relatório dos senadores Marisa Serrano (PSDB-MS) e Renato Casagrande (PSB-ES). O documento aponta oito motivos para o senador perder o mandato. A expectativa é de que se repita o placar de 10 a 5 da semana passada, contra Renan, quando o colegiado decidiu que o voto será aberto hoje. Se for aprovado, o processo será encaminhado ao plenário, onde o voto é secreto e Renan espera que a denúncia seja arquivada.

Renan é acusado de utilizar recursos da empreiteira Mendes Júnior para pagar pensão alimentícia à jornalista Mônica Veloso - com quem Renan tem uma filha fora do casamento. Mês que vem, Mônica posa nas capas da revista Playboy. Renan espera posar de inocente no Senado. Será a gostosa imagem da impunidade. O cidadão brasileiro escolhe aquela que preferir. Ambas são indecentes mesmo.

O presidente Lula sabe tudo na hora de proteger os aliados que lhe convêm. Tanto que escalou seu ministro da Defesa como o principal articulador do acordo pró-Renan. O “genérico” Nelson Jobim é “advogado” informal de Renan. Apenas por coincidência (que não existe), o ministro Nelson Jobim, quando era deputado federal constituinte, foi sócio da banca de Paulo Baeta e Eduardo Ferrão, que agora defende Renan Calheiros no caso do Conselho de Ética. Nelson Jobim se desligou do escritório de advocacia para atuar no STF (Supremo Tribunal Federal). O ministro também foi professor de Ferrão na Faculdade de Direito de Santa Maria, no Rio Grande do Sul. No sábado, Jobim se reuniu com Ferrão e Renan na residência oficial do presidente do Senado.

Defendendo Renan Calheiros, o “genérico” Nelson Jobim já joga, abertamente, para sentar na cadeira de Lula, a partir de 2011. O próprio presidente já vê tal estratégia com bons olhos. A redenção de Renan, agora, é um investimento para evitar problemas futuros para a quase certa candidatura Jobim. O acordo prevê que Renan deixa a presidência do Senado. Mas, absolvido, continua na casa como um “simples senador”. Alegando pressão e desgaste psicológico, Renan tiraria uns meses de licença, sumindo do cenário político por uns tempos.

Renan tem apego ao poder. Desde a década de 90, na Era Collor, quando fazia parte da tropa de choque do presidente, ele consegue tudo que quer na administração federal. Ao contrário do que possa parecer, sairá da presidência do Senado apenas desgastado. Renan não sofrerá a perda dos seus espaços de poder, já garantidos pelo presidente Lula ao sucessor presidencial preferencial Nelson Jobim.

Perde hoje, ganha amanhã...

O senador Renan Calheiros já armou o circo para sua derrota hoje no Conselho de Ética.

Por isso, com a ajudinha do Palácio do Planalto, já prepara a tática para salvar o mandato no plenário.

Tentará convencer os aliados a esvaziarem a votação no plenário, que deverá ser mesmo secreta.

Ataque inútil

O presidente do Senado em queda livre atacou a decisão de que a votação de hoje seja aberta.

Renan Calheiros reclamou que seu direito está sendo esmagado, "em nome da continuidade do linchamento".

Segundo ele, a Constituição assegura o voto secreto nesse tipo de procedimento.

Veja que interessante...

Renan Calheiros fez ontem no Senado um violento discurso de defesa, sem apartes.

O alvo de Renan foi a editora Abril, que a publica a Veja – cujas reportagens lhe custarão a presidência do Senado:

“A revista Veja que diz que “apura e denuncia tudo que prejudica o Brasil e os brasileiros”, precisa urgentemente publicar a venda das ações da Editora Abril para empresa sul-africana Nasper, conglomerado de comunicação racista que sustentou o “apartheid” na África do Sul e que cedeu três de seus diretores para dirigir a África do Sul segregacionista".

"A Naspers tem aqui dentro, apenas no papel, uma empresa chamada MIH Brasil Participações, que funciona na Holanda. O CNPJ da MIH Brasil, vou ler devagar para aqueles que se interessam por “tudo que prejudica o Brasil e os Brasileiros”; o CNPJ da MIH é 72.091.963/0001-77. Só que a MIH é uma empresa fantasma, isso mesmo, fantasma. O endereço declarado é fictício e este CNPJ pertence à Curundéia Participações Limitada. A Curundéia também não tem sede, não tem funcionários e os endereços e telefones apresentados pela Curundéia são de outras pessoas ou estão em endereços inexistentes. A Curundéia é virtual, não existe, só existe no papel. Foi este laranjal de empresas inexistentes, com CNPJ duplicados, com endereços fictícios, sem sede, sem funcionários, que adquiriu 30% da Editora Abril. Um negócio que movimentou em torno de 900 milhões de reais. A MIH Brasil Participações não existe, o que existe, e só no papel é a Curundéia e esta desembolsou R$ 380 milhões de reais para comprar 30% da Editora Abril”.

“O capital social da Curundéia é de apenas 878 mil reais. Isso significa que para concretizar o malcheiroso negócio, a Curundéia gastou 430 vezes mais do que seu capital Social na compra sorrateira de 30% da patriótica editora Abril. Mas por qual motivo recorrer a tantos “laranjas”, tantos porões infectos, tantos negócios furtivos? Simples. Sendo a Curundéia uma empresa nacional, mesmo só no papel, pode comprar além dos 30% das ações permitidas pela Lei brasileira”.”Veja só, Veja quem planta laranjas, Veja quem lida com fantasmas, Veja quem convive com a clandestinidade!”

Leia a íntegra do discurso de Renan, ontem:
Renan chuta o balde, alega inocência e detona a Abril

Lula condenado?

Recém-nomeado pelo presidente da República para uma vaga no Supremo Tribunal Federal, Carlos Alberto Direito já impõe uma derrota pessoal a Lula da Silva.

Direito acaba de manter uma condenação.ao presidente Lula no Superior Tribunal de Justiça – de onde era ministro.

Com a decisão de Direito, o presidente teria que pagar R$ 90 mil por "danos morais" ao ex-prefeito de Campinas, Francisco Amaral.

“Teria”, porque o caso ainda deve parar no STF, onde Sua Majestade deve ser absolvida, como sempre acontece...

PT absolvido

O juiz substituto da 11ª Vara Cível de Brasília Paulo Cerqueira Campos negou ontem pedido de ação milionária contra o Partido dos Trabalhadores.

As empresas SMP&B (do publicitário Marcos Valério), Graffiti Participações e Rogério Lanza Tolentino & Associados entraram na Justiça para cobrar do PT uma dívida que ultrapassa o valor de R$ 100 milhões.

O valor é fruto de supostos empréstimos feitos entre fevereiro de 2003 e novembro de 2004 com recursos obtidos junto ao Banco Rural e ao Banco BMG.

Alegações

O magistrado julgou o pedido improcedente e ainda condenou as empresas ao pagamento das custas processuais no valor de R$ 5 milhões e 600 mil reais.

Mas o Carequinha e sua turma poderão recorrer da decisão.

Para Cerqueira Campos, o acordo entre as empresas e o PT não caracterizou um empréstimo:

"Contrato típico de empréstimo (mútuo feneratício) entre as partes, certamente não houve. Tal negócio jurídico deve guardar, no mínimo, os três elementos gerais essenciais, comuns a todos os atos jurídicos: agente capaz, livre consentimento dos celebrantes, objeto lícito e possível. Ora, sob a análise do objeto, vê-se, estreme de dúvidas, que os atos havidos entre o PT e as Autoras não podem ser considerados promanados de negócio jurídico lídimo".

Condenação moral ao PT

A decisão do magistrado livrou o caixa do PT de sofrer um rombo.

Mas não livrou o partido de uma condenação moral, nas alegações finais da sentença:

"No afã de galgar o Poder político, o PT traiu seus ideais e seus afiliados. Seria pueril afirmar-se que o PT foi o "inventor" da prática obscura e ilícita conhecida por "caixa dois". Não, tal originalidade não se lhe poderia imputar. Mas os fatos - públicos e notórios, como afirmei - nos mostram que o "eficiente esquema de repasse ilícito recursos" (vulgarmente apelidado de "Mensalão"), foi - e certamente ainda é - o mais repugnante de que nossa triste História política já ouviu falar..."

Desafiando Jobim

Não foram apenas os chefes militares que deram uma cutucada de ataque no Ministro da Defesa.

O presidente da Agência Nacional de Aviação Civil fez muito pior.

Milton Zuanazzi manda avisar que não teme a faxina promovida por Nelson Jobim.

Zuanazzi lançou um desafio a quem deseja tirá-lo do cargo:

"Ninguém vai me enxovalhar, ninguém vai dizer a hora em que eu tenho que sair, se eu tenho mandato".

Piada das legiões

Depois que Nelson Jobim foi fotografado oficialmente, pela segunda vez, com farda camuflada e posando de “general” verde oliva, a bem humorada turma da caserna resolveu lhe arranjar um posto oficial na carreira militar:

Jobim será tratado, nos bastidores legionários, pelo título distintivo de “Genérico”.

Assim fará jus a sua vaidade de vestir trajes militares, mesmo ao arrepio do artigo 172 do Código Penal Militar.

E se continuar assim, é sério candidato ao Grão Mestrado vitalício da “Ordem do Mérito Guerrilheiro General Carlos Lamarca” – comenda que será lançada, ironicamente, pelos galhofeiros de plantão no meio militar, porque cansaram de ver as Forças Armadas serem enxovalhadas.

Comprando aliados

O delegado Romeu Tuma Júnior será o novo secretário nacional de Justiça.

Tuminha terá sob seu comando o setor de classificação indicativa de programas de TV.

Romeu Tuma Jr foi indicado para o cargo porque é especializado no combate ao crime organizado e à lavagem de dinheiro.

E não porque é filho do senador do DEM, Romeu Tuma, que é velho amigo do presidente Lula e anda costeando o alambrado do partido para escapar para uma legenda mais próxima do Palácio do Planalto, como o PR ou o PMDB.

Punindo maus gestores

O Tribunal de Contas da União (TCU) aplicou punições a 620 gestores de recursos públicos só no segundo trimestre deste ano.

Todos foram condenados a pagar dívidas ou multas num total superior a R$ 140 milhões.

O “tribunal” também enviou ao Ministério Público cópia de 309 processos para a abertura de ações por dano ao erário e inabilitou 51 pessoas para o exercício de cargos de confiança na administração federal.

Bandidos com distintivo

O relatório enviado pelo ex-vice-diretor do Instituto Médico-Legal Daniel Ponte à Chefia de Polícia Civil do Rio de Janeiro tem uma frase de apavorar:

"Na Polícia Civil, os piores bandidos têm distintivos".

Daniel Ponte denuncia irregularidades no órgão, como desvio de verbas federais e falsificação de documentos.

O perito apresenta elos entre a morte de um legista há duas semanas e o atentado, domingo passado, ao delegado Alexandre Neto, adjunto da Divisão Anti-Seqüestro.

Bandidos concursados

Quatro homens, sendo três acusados de tráfico de drogas e homicídio e um funcionário do Ministério Público, foram presos pela polícia de Conceição do Araguaia, no sul do Pará, quando tentavam fraudar a prova do concurso para oficial e soldado da Polícia Militar.

Lucivaldo Brito, Cléuber Campos, Mário Brito e Jorge Filho confirmaram a fraude em depoimento e responderão na Justiça pelos crimes de falsificação de documento, falsidade ideológica, formação de quadrilha e estelionato.

O promotor Gilberto Martins Valente, que investiga o caso, disse que os traficantes estariam se mobilizando para ingressar na PM com o objetivo de se utilizar da estrutura do Estado como proteção e obter imunidade.

A armação

A principal prova contra os acusados é uma filmagem onde um suposto integrante da quadrilha aparece fazendo o teste.

Segundo Valente, o funcionário do Ministério Público Estadual (MPE) Cléuber Campos teria recebido R$ 5 mil para fazer a prova no lugar de Lucivaldo Brito, que responde a processo por tráfico de drogas, e repassar o gabarito de respostas para Mário Brito e Jorge Filho.

O plano dos acusados deu errado porque Campos apresentou a carteira de identidade falsa na hora da prova.

Ameaças infundadas

Em uma ação coordenada pelo Planalto, quatro ministros fizeram no Congresso uma veemente defesa da CPMF.

Pelo menos dois auxiliares de Lula fizeram ameaças explicitas:

O ministro Guido Mantega (Fazenda) ameaçou cortar verbas de programas sociais como o Bolsa Família e os repasses para a Saúde, caso o Congresso Nacional não aprove a prorrogação da CPMF até 2011.

Já o ministro abortista da Saúde, José Gomes Temporão, veio com o argumento de que "de 1997 a 2007, a CPMF representou 40% dos recursos do Ministério da Saúde e o fim dela será uma tragédia, pois teremos que cortar os recursos do Bolsa Família e reduzir as receitas para a Saúde"

Sexo e amor não combinam

Frase que um empresário carioca do setor de distribuição de combustíveis fixou em seus e-mails:

Sexo não tem nada a ver com amor. O governo me fode pra caramba, e eu não sou apaixonado por ele”.

A sentença é chula, mas rigorosamente verdadeira...

Vida que segue...

Fiquem com Deus!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Inteligente, inovador, fortemente analítico e propositivo, utilizando as mais modernas tecnologias para transmissão instantânea e eletrônica de informação privilegiada e análise estratégica, junto com a difusão de novos conhecimentos voltados para a construção e consolidação de novos valores humanos.

7 comentários:

Anônimo disse...

Jorge Serrão, boa tarde!

Gostaria que lhe pedir para divulgar nesse espaço a ação sugerida no site: www.estaeahora.cjb.net

abraços e obrigada!

Anônimo disse...

Rádio Zona
O Ministério da Cultura acaba de liderar R$ 180 mil para a Associação das Prostitutas da Bahia, que possibilitou a entrada no ar do site Rádio Zona ( www.radiozona.org.br ). Com programação diversificada, o site prioriza o universo das prostitutas e, de quebra, dos garotos de programa também. "Zona", como se sabe, é uma expressão usada, há muitos e muitos anos, para identificar as áreas (especialmente no interior dos Estados) onde se localizam casas de atuação de prostitutas.

Isso é Brasil...

Anônimo disse...

Ação Popular Socialista

por Carlos I.S. Azambuja em 23 de agosto de 2007

Resumo: Em 2004, em Brasília, foi fundada a Ação Popular Socialista (APS), uma nova tendência de extrema esquerda revolucionária abrigada sob o guarda-chuva do PT.

© 2007 MidiaSemMascara.org

A Ação Popular Socialista, constituída em junho de 2004, nada tem a ver com a Ação Popular, surgida em junho de 1962 com raízes no cristianismo e que passou, logo no seu início, pela influência da Revolução Cubana, aderiu ao marxismo-leninismo-pensamento de Mao-Tsetung em 1968, adotou a denominação de Ação Popular Marxista-Leninista e Ação Popular Marxista-Leninista do Brasil nos anos de 1972 e 1973, no auge da luta interna e, finalmente, sua maioria optou pela integração ao Partido Comunista do Brasil e feneceu de vez, segundo decisão do seu 2º Congresso, realizado em 1981, já após a Anistia e após a criação do Partido dos Trabalhadores. Ou seja, após 19 anos de atividades que não levaram a NADA, a não ser prisões, exílios e banimentos.

Nos dias 11, 12 e 13 de junho de 2004, em Brasília, foi realizado o I Encontro Nacional por uma nova organização de esquerda, que teve como principal resultado a fundação da Ação Popular Socialista (APS), uma nova tendência a funcionar sob o guarda-chuva do PT. A APS diz reivindicar a “atualidade do socialismo enquanto objetivo estratégico dos trabalhadores e trabalhadoras e demais excluídos de nossa sociedade. Um outro Brasil e um outro mundo são possíveis como frutos da (...) necessária construção da revolução social, em termos nacionais e internacionais”.

A Resolução Política então aprovada, assinala que “apesar de ter significado uma vitória importante para a esquerda, num momento muito difícil para nosso país e nosso povo e de agressividade do imperialismo, a instalação de um governo de coalizão de classes liderado pelo PT põe em questão de modo agudo todo o acúmulo estratégico da esquerda brasileira”.

“A hipótese de avanço da história, a partir da massificação e aprofundamento das lutas apoiadas em um governo de reformas radicais, é parte da via de acumulação para a ruptura revolucionária e o início da transição socialista em nosso país. Mas esta via precisa ser embasada na disputa de hegemonia na sociedade civil e no Estado, fundadas num caminho de independência e unidade políticas dos setores populares em torno da classe trabalhadora”.

Uma crítica demolidora ao PT e ao governo (isso em junho de 2004...): “São graves as conseqüências das mudanças que estão sendo operadas no PT, seja na sua linha política, na sua submissão às diretrizes de governo, ao crescimento do eleitoralismo, o abandono da coerência na política de alianças e o inchaço sem critérios no número de filiados. É necessário manter a autonomia do partido em relação ao governo e que o mesmo some-se na exigência de mudanças de rumos do governo Lula”.

Assim, em 2004 para a esquerda está colocada a necessidade de constituir uma série complexa de movimentos que criem e dêem visibilidade ao lema “mudanças já, antes que tarde”, começando pela luta por mudanças na política econômica do governo e pela completa realização da reforma agrária e de uma reforma urbana de caráter popular. É necessário continuar e intensificar a resistência contra os enunciados neoliberais e regressivos presentes nas prometidas reformas sindical, trabalhista, política e universitária, além de combater a proposta de autonomia do Banco Central e de implantação da ALCA, mesmo na sua versão light.

“Sem um horizonte de unificação e potencialização, as forças da fragmentação e dispersão tenderão a enfraquecer a esquerda socialista do PT. Sem a construção da unidade de ação, os laços de confiança necessários à construção da unidade orgânica não se fortalecerão. Este é o nosso grande desafio. Diante disso, a Ação Popular Socialista (APS) faz um chamado aos diversos agrupamentos da esquerda petista para uma ação conjunta. Considera que a sua criação é uma etapa deste esforço. A unificação continuará se dando de diversas formas, desde a unidade orgânica até a realização de ações conjuntas”.

Estiveram presentes militantes de 17 Estados ao Encontro Nacional da APS (RS, SC, PR, SP, RJ, ES, BA, PE, PB, PI, MA, PA, AP, AM, RR, GO e DF) e o evento representou um esforço de unificação de vários agrupamentos da esquerda petista, como a Força Socialista (tendência nacional), Coletivo Socialista do PT do Nordeste (Pernambuco, Alagoas e Paraíba), Os Sonhos não Envelhecem (Paraná), PT Jovem (Bahia) e Coletivo Socialista do Pará.

A APS nasceu, assim, com militância em 19 estados brasileiros (além dos citados, Minas Gerais e Alagoas), com representação parlamentar federal e estadual, vários vereadores, um prefeito e dirigentes de diretórios estaduais e municipais do PT. Nasceu também com significativa presença no movimento social, seja nos sindicatos urbanos e rurais, no movimento dos sem-terra, nas diversas instâncias da CUT, na juventude secundarista, universitária e popular, nos movimentos de moradia e sem-teto, nos movimentos dos negros, GLBTT, indígenas, mulheres, de rádios comunitárias, ambiental, dentre outros.

Não passou despercebida ao autor deste texto a referência inusitada da APS – uma organização com ideologia trotskista, que se juntaria a outras na formação do PSOL, como se verá adiante – a duas organizações de luta armada dos anos 60/70: aos “35 anos do assassinato de Carlos Marighela”, misturado com o lema da Vanguarda Popular Revolucionária “Ousar Lutar, Ousar Vencer”.

Nesse I Encontro Nacional, a Coordenação Nacional da APS ficou assim composta: Afrânio Boppré (SC), Araceli Lemos (PA), Brice Bragato (ES), Edmilson Rodrigues (PA), Edson Miagusko (SP), Eno Filho (RS), Ewerson Cláudio (RJ), Fernando Maia (PA), Franklin Oliveira (BA), Gesa Corrêa (RJ), Ivan Valente (SP), Jorge Almeida (BA), Luiz César (RS), Luiz Araújo (PA), Lujan Bacelar Miranda (PI), Maninha (DF), Marcela Nogueira Ferrari (PR), Renato Carvalho (PE), Robson Brandão (PB), Toninho Andrade (DF), Waldemir Agostinho (AL). Suplentes: Alcir Matos (PA), Eliézer Tavares (ES), Luiz Arnaldo (PA), Miguel de Carvalho (SP).

Deputados Federais

Ivan Valente (SP)
Escritório Político: Rua Afonso Celso, 594 - Vila Mariana - SP
Tel: (11) 5539-6204 e (11) 5081-7563
E-mail: ivalente@uol.com.br
Site: www.ivanvalente.com.br

Maninha (DF)
Escritório Político: SCRLN 703 bloco G loja 9 - Brasília - DF
Tel: (61) 327-2260
E-mail: dep.maninha@camara.gov.br
Site: www.maninha.com.br

Deputados Estaduais

Afrânio Boppré
Tel: (48) 221-2705
E-mail: afranio@alesc.sc.gov.br
Site: www.afranio.org

Araceli Lemos
Escritório Político: Av. 16 de novembro 444, entre Rua de Óbidos e
Triunvirato.
Tel: (91) 3230-1883
E-mail: arapt@uol.com.br

Brice Bragato

Randolfe Rodrigues
Escritório Político: Centro de Formação Política Genildo Batista (Av. Presidente Vargas, 1547 - Centro - Macapá-AP)
Tel: (96)225-2296
E-mail: dep.randolfe@terra.com.br
Site: www.randolfe.com.br

Braço Estudantil: Grupo Contraponto

Em 27 de setembro de 2005, a APS divulgou um documento, aprovado em um Encontro Nacional Extraordinário realizado dias 23 e 24 de setembro de 2005 em Cajamar/SP, intitulado Mudança de Rumos, rompendo com o Partido dos Trabalhadores, alegando uma série de motivos, dentre os quais que a situação do Governo Lula e do PT, “evoluem para pior”. Segundo o documento “todos os fatos e ações do governo, tomadas depois dos Encontros Nacionais da Ação Popular Socialista, consolidam a política macro-econômica neoliberal confirmando que nos seus rumos gerais, não há mais como tirar o governo da hegemonia neoliberal e colocá-lo num rumo democrático e popular. Esta orientação estrategicamente negativa se aprofundou no período mais recente: nas reformas em curso; nas leis complementares; nas políticas agrícola e agrária; no meio ambiente; na política indígena; no discurso político-ideológico; na infra-estrutura, com as PPPs privatizantes; na concepção de governabilidade e na política de alianças; nas políticas sociais e na política internacional. A crise do mensalão, expondo os casos de tráfico de influência e corrupção envolvendo membros do partido do governo e da bancada, explicitam socialmente o grau de regressão a que chegaram o governo e o PT”.

E, “diante do quadro político existente em nosso país, decidimos indicar o PSOL como alternativa partidária da APS no próximo período conjuntural”.

“Consequentemente, ao sair do PT, a APS deixou de ser uma corrente interna desse partido e se constituiu em uma CORRENTE POLÍTICA AUTÔNOMA, ORGANIZADA NACIONALMENTE, mantendo em vigência seus documentos constitutivos anteriores, segundo afirmou. E buscará estreitar laços com os demais agrupamentos que optaram pelo mesmo caminho de se integrar ao PSOL”.

A Ação Popular Socialista sobrevive atualmente dentro do PSOL representada pelos deputados federais Ivan Valente (SP) e Maninha (DF). Outrossim, o Movimento de Esquerda Socialista migrou do PT junto com a deputada Luciana Genro (RS), enquanto a Corrente Socialista dos Trabalhadores acompanhou o deputado Babá (PA), também para o PSOL.

O difícil de entender, sem nem por isso causar estupor nas esquerdas, é o proselitismo da AP Socialista a duas organizações voltadas para a luta armada: dando vivas a Carlos Marighela e utilizando o bordão “Ousar Lutar, Ousar Vencer”, da VPR, considerando-se que o PSOL e todas as demais organizações e grupos que o compõem são partidários da ideologia trotskista, e que o PSOL não passa de uma extensão, no Brasil, do Comitê Internacional da Quarta Internacional, com sede em Paris (vide http://www.midiasemmascara.com.br/artigo.php?sid=4080 ).

Anônimo disse...

TRABALHADORES NÃO ESTÃO NO PODER.
O QUE EXISTE SÃO LULISTAS E PETISTAS SE APROVEITANDO DE UMA SITUAÇÃO PRIVILEGIADA.

Lembre-se sempre que este presidente não foi eleito por maioria absoluta. O marketing dele é que passa uma hegemonia que não existe e essa impressão acaba acuando uma grande quantidade de pessoas intimidada pela agressividade de petistas e lulistas roxos.
Não se intimide, mas não se exponha. O "calcanhar de Aquiles" deles é exatamente sua grande frustração pela mentira que o Lula e o PT se tornaram, quando contrariaram toda a sua ideologia anterior ao quererem se perpetuar no poder.
A balela repetitiva de que "estou convencido de que nunca antes na história deste país..." já é inócua e só impressiona pela força da frase em si aos mais ignorantes e desinformados.
Esta frase hoje vale mais para se referir ao grande aumento de taxas e impostos para o pagamento do inchaço resultante do aparelhamento da máquina administrativa, para pagar a compra de votos através das bolsas-esmola e para comprar as alianças podres que o PT tem que sustentar para ninguém abrir a boca contra este governo.

"Eu estou convencido de que nunca antes na história deste país se mentiu tanto para um povo tão desiludido com os seus políticos"
"Eu estou convencido de que nunca antes na história deste país houve um sentimento tão grande de frustração generalizada"
"Eu estou convencido de que nunca antes na história deste país os políticos foram tão corruptos quanto os que participam da aliança com o PT e o governo federal".
"Eu estou convencido de que nunca antes na história deste país um governo federal foi tão incompetente e alheio aos verdadeiros anseios da nação quanto este liderado pelo Lula".

AT.: CUIDADO COM TODA PROPAGANDA SUBLIMINAR CITANDO O NUMERO 3 (TRÊS), QUE TEM COMO OBJETIVO O TERCEIRO MANDATO DO PETISMO!!

MOVIMENTO A GRANDE VAIA, PARTICIPE!: http://grandevaia.wordpress.com/ ANISTIA ZERO: http://ucho.info/ SOU CONTRA A CPMF, PARTICIPE!: http://www.contraacpmf.com.br/cpmf.asp
CANSEI: http://blog.cansei.com.br/
BRASIL ACIMA DE TUDO: http://brasilacimadetudo.lpchat.com/
ESCANDALOS: http://www.ucho.info/casos.htm

Anônimo disse...

A PSIQUIATRIA EXPLICA OS ESQUERDOPATAS:
http://virtualpsy.locaweb.com.br/?art=149&sec=91

Os traços da personalidade moral do psicopata (anti-social ou sociopática) seriam:

Amoralidade. São insensíveis moralmente, faltando-lhes o juízo e o sentimento morais e a mínima noção de ética.

O psicopata é, sobretudo, uma pessoa com aversão, descaso e oposição aos valores éticos e às normas de convívio gregário.

O psicopata, por sua vez, superdimensiona suas prerrogativas, possibilidades e imunidades; "esta vez não vão me pegar".

O psicopata não apenas transgride as normas mas as ignora, considera-as obstáculo que devem ser superados na conquista de suas ambições.

Para o psicopata, a mentira é uma ferramenta de trabalho. Ele desvirtua a verdade com objetivo de conseguir algo para si, para evitar um castigo, para conseguir uma recompensa, para enganar o outro.

A particular relação do psicopata com outros seres humanos se dá sempre dentro das alterações da ética. Para o psicopata, o outro é “uma coisa”, mais uma ferramenta de trabalho, um objeto de manipulação.

A personalidade psicopática faz com que os indivíduos atuem sociopaticamente para satisfazer suas necessidades. Para tal, eles podem se valer da extrema sedução, de especial sensibilidade para captar as necessidades e sensibilidades do outro e manipulá-los como melhor aprouver, de mentiras e todo tipo de recursos independentemente do aspecto ético.

As crises dos psicopatas são produzidos por frustrações e fracassos e eles colocam sempre a responsabilidade de seu fracasso no outro ou em elementos externos e alheios à sua responsabilidade.

Conduta normal. É sua parte teatralmente adaptada ao padrão de comportamento normal e desejável. Assim agindo o sistema não o percebe e pode até atribuir-lhe adjetivos elogiosos. Como diz o ditado, “o maior mérito do demônio é convencer a todos que ele não existe”.

Conduta psicopática. É a inevitável manifestação de suas condutas psicopáticas, as quais, mais cedo ou mais tarde, obrigatoriamente se farão sentir. Entretanto, como o psicopata costuma ser intelectualmente privilegiado, ele não exerce sua psicopatia indistintamente com todos e todo o tempo. Ele elege sabiamente determinadas pessoas, vítimas ou circunstâncias.

Personalidade Anti-Social
O quadro mais grave onde a mentira aparece com sintoma importante é o Transtorno Anti-Social da Personalidade, ou Personalidade Psicopática. O psicopata utiliza a mentira como sua ferramenta de trabalho. Normalmente está tão treinado e habilitado a mentir que é difícil captar quando mente. Ele mente olhando nos olhos e com atitude completamente neutra e relaxada.

O psicopata sabe que está mentindo, não se importa, não tem vergonha ou arrependimento.

Normalmente o psicopata diz o que convém e o que se espera para aquela circunstância. Ele pode mentir com a palavra ou com o corpo, quando simula e teatraliza situações vantajosas para ele, podendo fazer-se arrependido, ofendido, magoado.

Anônimo disse...

----- Original Message -----
From: leal.pcsl
To: undisclosed-recipients:
Sent: Thursday, August 30, 2007 9:06 AM
Subject: Conheça Nelson Jobim
..

CONHEÇAM O MINISTRO DA DEFESA DO RENAN.

Nelson Jobim, em quem os gaúchos não mais votam, tem por sócio o deputado federal do PMDB-RS, Eliseu Padilha, o principal lobista dos pedágios no Congresso, que quer também *privatizar os aeroportos*, "por mero acaso" dono de fato da maior pedagiadora do RS, a *CONCEPA*. CONCESSIONÁRIA

Eliseu Padilha.

Está fortemente envolvido, juntamente com seu sócio Jobim, na recente privatização das sete rodovias federais que interligam a região SUL à SUDESTE, cujo testa-de-ferro é o filho de FHC, caudatário dos capitais internacionais.

Para podermos viajar no Brasil, vamos ter que enriquecer esses corruptos e pagar royalties aos estrangeiros.

Existe alguém que seja moralmente mais desqualificado?

Conheça carreira de NELSON JOBIM*

*Folheando os arquivos do "HP", chamou-nos a atenção uma foto onde está retratada a intimidade de dois grandes aprochegados. A imagem mostra Fernando Henrique e Nelson Jobim em plena atividade de banhistas em São Pedro da Aldeia, Estado do Rio de Janeiro. A foto é algo esquisita, mas, dirá algum leitor de boa fé, qual o problema de Jobim ser "amigo" de Fernando Henrique se, afinal, algumas pessoas de bem já se enganaram com ele?*

*No entanto, este não é caso do senhor Nelson Jobim. Uma pequena pesquisa mostra que a sua carreira se assemelha a de Fernando Henrique, para quem prestou serviços durante anos, no que se refere à submissão aos monopólios estrangeiros, sobretudo, o financeiro, quanto nas tentativas de rasgar a Constituição de 1988, que ele (Jobim), confessou que fraudou, incluindo nela artigos que não foram aprovados pelos constituintes. *

**FERRÃO* *
*Durante anos, Jobim, como lembrou o jornalista Sebastião Nery, ao mesmo tempo em que era deputado federal, mantinha um famoso escritório de advocacia em Brasília, o " *Escritório Ferrão*", nome derivado de seu fundador.
Os sócios eram Jobim, Eliseu Padilha, futuro deputado e futuro ministro (também de Fernando Henrique), e o citado Ferrão. Os nomes dos três estavam numa placa de bronze no Edifício Belvedere, Asa Sul, onde ficava o escritório.

A fama do estabelecimento não era devida ao saber jurídico de seus integrantes, mas ao seu pioneirismo no *lobby em favor de multinacionais, bancos estrangeiros e outras instituições filantrópicas *, inclusive o maior banco dos EUA e maior credor da dívida pública brasileira, o Citibank.

Em suma, Jobim advogava a favor de seus clientes no Congresso.*

*Jobim foi eleito deputado pela primeira vez em 1986. Reeleito em 1990, em 1994 não se candidatou. Em vez disso, foi nomeado ministro da Justiça por Fernando Henrique. Sua vaga de deputado foi preenchida pelo sócio, Eliseu Padilha.

O "Escritório Ferrão" continuou a ter um representante no Congresso e outro no Ministério. E quando Jobim, em 1997, foi nomeado para o Supremo Tribunal Federal, adivinhe o leitor quem se tornou ministro de Fernando Henrique? Acertou: Eliseu Padilha.

Pelo jeito, o "Escritório Ferrão" foi uma verdadeira escola de homens
públicos com a ajuda do Citibank e outros co-irmãos, *produziu, em apenas 20 anos, dois ministros, dois deputados e um membro do STF*.

Considerando que esses cinco homens públicos eram apenas duas pessoas, o Ferrão, com uma pequena ajuda do Citibank, deve ser mais eficiente do que o maquiavélico cardeal Richelieu. *

*FRAUDE *
*Como deputado, Jobim virou líder do PMDB. Mas, liderou pouco ou nada o partido. Sua principal atividade na Constituinte, confessada 15 anos depois, foi fraudar a Constituição de 1988. Segundo suas próprias palavras, incluiu dois artigos que não tinham sido aprovados.

Um deles, revelou, foi o que falava da harmonia entre os poderes, harmonia muito desejável, mas que não pode ser determinada pela Constituição, pela simples razão de que os interesses do povo e do país estão acima de tal harmonia, coisa que o impeachment de Collor é suficiente para provar.*

*Jobim não revelou o outro artigo que fraudou, mas um estudo, realizado pelos professores Adriano Benayon e Pedro Dourado de Rezende, mostra que ele adicionou três incisos ao artigo 172 da Carta Magna, para proibir que os recursos destinados ao "serviço da dívida" (isto é, ao pagamento de juros aos bancos) *pudessem ser remanejados no Orçamento*.

Em suma, como constituinte ele não passou de um *advogado do Citibank*. Como o estudo ressalta, a falsificação de Jobim fez com que "o serviço da dívida fosse multiplicado", isto é, com que o país fosse obrigado, por uma norma ilegalmente enfiada na Constituição, a locupletar os cofres de Wall Street.*

*Quando sua confissão provocou um escândalo, Jobim, que antes relatou o fato como quem conta uma vantagem, atribuiu a falsificação ao presidente da Constituinte, Ulysses Guimarães, que, falecido 11 anos antes, não podia se defender. Porém, não precisava. Não há quem desconheça a integridade e a grandeza de Ulysses e sua repulsa visceral à trapaça, sobretudo quando contra o Brasil. *

*LOBISTA *
*O próximo passo de Jobim foi articular o posto de relator da Revisão Constitucional, determinada pela própria Constituição para cinco anos após a sua promulgação.

A maioria do leitores deve se lembrar da campanha das multinacionais e bancos estrangeiros, através de sua mídia, contra a Constituição de 1988.

A Revisão era exatamente a oportunidade que eles aguardavam para alterá-la, istso é, rasgá-la. Daí o empenho em colocar Jobim como relator. Na época, ainda não era conhecido como lobista do capital estrangeiro, o que facilitou o intento.*

*O que suas propostas tentavam modificar na Constituição?

Precisamente, os dispositivos que diferenciavam a empresa nacional da empresa estrangeira; que declaravam o petróleo um bem nacional a ser explorado pelo Estado; que impediam a doação das empresas públicas de telecomunicações aos monopólios privados estrangeiros; que limitavam os juros reais em 12% ao ano; que impediam a privatização da previdência; que consagravam os direitos trabalhistas como norma constitucional. Em suma, as alterações eram todas no sentido de permitir a privatização do patrimônio público, a desnacionalização da economia e das riquezas do país e atentar contra as conquistas dos trabalhadores.*

*Foi um fracasso. Dos 74 projetos de alteração da Constituição que Jobim apresentou, somente seis foram aprovados. Um deles, o Fundo Social de Emergência, em seguida usado por Fernando Henrique para desviar dinheiro da área social para os juros dos bancos. Os outros, insípidos, inodoros eincolores, com exceção do que reduziu o mandato do presidente de 5 para 4 anos, um caminho aberto para que Fernando Henrique, em seguida, pretextando o pouco tempo de mandato, tramasse, à custa de várias malas escuras, a reeleição.*

*Nessa época, em discurso na Câmara, o deputado Paulo Ramos denunciou que o relator Nelson Jobim se reunia três vezes por semana com um instituto, formado por multinacionais, o Instituto Atlântico, cujo objetivo era "influir" nas mudanças da Constituição.

Jobim prometeu processar o deputado, mas até hoje, 14 anos depois, não o fez. E Paulo Ramos continua mantendo a totalidade da denúncia. *

*Em 11 de junho de 2002, Jobim assume a presidência do Tribunal Superior Eleitoral, para organizar as eleições de outubro de 2002, quando José Serra, seu padrinho de casamento e ex-colega de moradia, disputou a eleição com o presidente Lula.

O primeiro golpe foi a mudança da legislação eleitoral pouco antes do pleito, instituindo a chamada verticalização, que só favorecia Serra.*

*Nesse mesmo ano, Jobim trabalhou até de madrugada (literalmente) para conceder liminares e para orientar os serristas do PMDB - seu sócio Eliseu Padilha e outros - a cancelar convenções com a intenção de impedir a candidatura própria do partido e jogar a legenda no colo de Serra, contra Lula.

Com o "trabalho" de Jobim, o PMDB lançou uma senhora como vice de Serra, fato que levou o setor mais progressista do PMDB a apoiar Lula já no primeiro turno.

E também cassou o mandato do então governador Mão Santa, na época alinhado com a candidatura de Lula, a dois meses de completar seu mandato no Piauí, empossando o aliado de Serra, Hugo Napoleão, em um processo que era, em si, uma chicana - e das mais cretinas.*

Nelson Jobim atuando nos subterrâneos dos 3 poderes nunca teve, nem agora preocupação em resguardar a sua figura de antigo sócio do escritório FERRÃO . Agora em companhia de Eduardo Ferrão, foi flagrado em renião com o advogado de Renan Calheiro. Também merecia um conselho de ética.
Tem um passado de jogadas politicas e de uso estranho dos 3 poderes por onde circulou.
Sua estatura física está em desacordo com a sua outra estatura, segundo os dados acima reunidos.

AS FFAA brasileiras estão em "''otimas mãos"

www.politicus.org.br – Voz do Povo

Anônimo disse...

Jorge,

Essa tua frase final, que começa com a expressão "Fiquem com Deus", nunca foi tão necessária e atual, pois vinvendo no nucaantesneztepaiz, só sob sua proteção.