domingo, 23 de setembro de 2007

O livro didático que a Globo quer proibir

Edição de Artigos de Domingo do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com

Por Mario Schmidt

Nova História Crítica da Editora Nova Geração não é o único nem o primeiro livro didático brasileiro que questiona a permanência de estruturas injustas e que enfoca os conflitos sociais em nossa história. Entretanto, é com orgulho que constatamos que nenhuma outra obra havia provocado reação tão direta e tão agressiva de uma das maiores empresas privadas de comunicação do país.

Compreendemos que o sr. Ali Kamel, que ocupa cargo executivo de destaque nas Organizações Globo, possa ter restrições às posturas críticas de nossa obra. Compreendemos até que ele possa querer os livros didáticos que façam crer "que socialismo é mau e a solução para tudo é o capitalismo". Certamente, nossas visões políticas diferem das visões do sr. Ali Kamel e dos proprietários da empresa que o contratou. O que não aceitamos é que, em nome da defesa da liberdade individual, ele aparentemente sugira a abolição dessas liberdades.

Não publicamos livros para fazer crer nisso ou naquilo, mas para despertar nos estudantes a capacidade crítica de ver além das aparências e de levar em conta múltiplos aspectos da realidade. Nosso grande ideal não é o de Stálin ou de Mao-Tsé Tung, mas o de Kant: que os indivíduos possam pensar por conta própria, sem serem guiados por outros.

Assim, em primeiro lugar exigimos respeito. Nós jamais acusaríamos o sr. Kamel de ser racista apenas porque tentou argumentar racionalmente contra o sistema de cotas nas universidades brasileiras. E por isso mesmo estranhamos que ele, no seu inegável direito de questionar obras didáticas que não façam elogios irrestritos à isenção do Jornal Nacional, tenha precisado editar passagens de modo a apresentar Nova História Crítica como ridículo manual de catecismo marxista.

Selecionar trechos e isolá-los do contexto talvez fosse técnica de manipulação ultrapassada, restrita aos tempos das edições dos debates presidenciais na tevê. Mas o artigo do sr. Ali Kamel parece reavivar esse procedimento. Ele escolheu os trechos que revelariam as supostas inclinações stalinistas ou maoístas do autor de Nova História Crítica.

Por exemplo, omitiu partes como estas: "A URSS era uma ditadura. O Partido Comunista tomava todas as decisões importantes. As eleições eram apenas uma encenação (...). Quem criticasse o governo ia para a prisão. (...) Em vez da eficácia econômica havia mesmo era uma administração confusa e lenta. (...) Milhares e milhares de indivíduos foram enviados a campos de trabalho forçado na Sibéria, os terríveis Gulags. Muita gente foi torturada até a morte pelos guardas stalinistas..." (pp. 63-65)

Ali Kamel perguntou por onde seria possível as crianças saberem das insanidades da Revolução chinesa. Ora, bastaria ter encontrado trechos como estes: "O Grande Salto para a Frente tinha fracassado. O resultado foi uma terrível epidemia de fome que dizimou milhares de pessoas. (...) Mao (...) agiu de forma parecida com Stálin, perseguindo os opositores e utilizando recursos de propaganda para criar a imagem oficial de que era infalível." (p. 191) "Ouvir uma fita com rock ocidental podia levar alguém a freqüentar um campo de reeducação política. (...) Nas universidades, as vagas eram reservadas para os que demonstravam maior desempenho nas lutas políticas. (...) Antigos dirigentes eram arrancados do poder e humilhados por multidões de adolescentes que consideravam o fato de a pessoa ter 60 ou 70 anos ser suficiente para ela não ter nada a acrescentar ao país..." (p. 247)

Os livros didáticos adquiridos pelo MEC são escolhidos apenas pelos professores das escolas públicas. Não há interferência alguma de funcionários do Ministério.

O sr. Ali Kamel tem o direito de não gostar de certos livros didáticos. Mas por que ele julga que sua capacidade de escolha deveria prevalecer sobre a de dezenas de milhares de professores? Seria ele mais capacitado para reconhecer obras didáticas de valor? E, se os milhares de professores que fazem a escolha, escolhem errado (conforme os critérios do sr. Ali Kamel), o que o MEC deveria fazer com esses professores? Demiti-los? Obrigá-los a adotar os livros preferidos pelas Organizações Globo? Internar os professores da rede pública em Gulags, campos de reeducação ideológica forçada para professores com simpatia pela esquerda política? Ou agir como em 1964?

Mario Schmidt e a Editora Nova Geração respondem ao artigo do jornalista Ali Kamel no jornal O Globo de 18 de setembro de 2007 sobre o volume de 8a série da obra Nova História Crítica.

12 comentários:

Arlindo Montenegro disse...

O tsunami de informações a que temos acesso exige um filtro seletivo disponível para poucos. Até agorinha acreditava mesmo que o livro didático de autoria do sr. Schimidt fosse mesmo uma aberração canhota. Até divulguei a mentira entre amigos, como verdade. Pelo que peço as mais envergonhadas desculpas ao autor do livro e aos meus amigos.
Resta o benefício de ter aprendido que o diabo não é tão feio.

Anônimo disse...

Impressionante como a GLOBO e VEJA querem ditar regras de condutas no país: a) Tentam a todo custo impor nas eleições presidenciais seus preferidos; b)Tentam impor uma agenda de pseumoralismo ao país; c) Tentam impor o modelo econômico conservador, importada dos EUA (Alan Greespan), para o país, com sua apologia ao mercado; d) Tentam através de suas novelas pornográficas impor costumes as famílias; e) e por última tentam impor até livros didáticos aos alunos, e o que esperar mais dessa gente? Está na hora de uma revisão da concessão da GLOBO, caso contrário ela vai fazer o que BELUSCONTE fez na Itália, que usar seu poder midiático (dono de vários canais de TV) chegar a eleger mandatário máximno daquela nação, e arrebentado a economia daquele país.

Anônimo disse...

Não é com a lavagem cerebral de um povo, com ideologia que só prega a falta de liberdade de expressão.

BRAGA disse...

Boa noite Mario Schmidt.
Infelizmente, criticar por criticar é muito fácil. Não tive oportunidade de ler o seu livro. Deve ser bom, pois a Globo esperneou. O que oferece a rede Globo, de construtivo, para o nosso povo? Eles alimentam os maus costumes, prostituição, ridicularização da família, etc, etc.
Acho que o bom professor é aquele que dá ao seu aluno conhecimentos que somados a outros possa questioná-lo, mais adiante.
Ao “Sistema” (vide a Educação, Saúde e Segurança), interessa a pobreza, a ignorância e acessórios.
Filmes como a “Doce Vida”, “Tropa de Elite”, “o 5º Poder”, “Laranja Mecânica”, etc, tentam desnudar, timidamente, esse SISTEMA.
Por renunciarmos a SER em troca do TER, TÁ ESSA MERDA FEDERAL EM NOSSA PÁTRIA.
Ninguém tá nem aí. O negócio é “vapor” e fumacê”. Vale para muitos!
Quem pensa, nesse país, está se arriscando a sofrer um “acidente”!
Lutei e luto para que se dê as mesmas oportunidades para todas as crianças (a nossa geração “já era”)e, veremos muitos “pobres” mostrarem a sua capacidade!
Mas isso não interessa aos maiorais dos podres poderes.
Como imaginar Garotinhos, Lulas, FHC´s da vida se elegerem se não existir a massa ignara?
Quem desejar se distrair, acesse os links:

http://bibariqueveralui.sites.uol.com.br/revfrancesa.html.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Aldeia_global.

Saudações fraternas,
Braga

Anônimo disse...

Sou estudante de História e começando minha carreira professoral. Trabalho com o livro do sr. Schimidt, e assim digo que o livro é bom, capítulos grandes com muitas informações. Vejo o livro como o prórpio titulo diz "Nova História Crítica", ou seja, devemos analisar criticamente a história da sociedade, sendo assim não vejo defesa do comunismo presente no livro, percebo a tentativa de mostrar a discussão entre as diferentes correntes, um exemoplo está na p.174. as críticas que o livro sofreu foi encoerente, pois a postura adotada pelas críticas foi a da educação tradicional que ver na educação como poder de coerção e de determinação sobre as ações individuais, assim impossibilitando de se fazer escolhas, você não pode transformar tem que ser o que está, proibido de emitir opiniões.

Anônimo disse...

Ao Sr.Mario Schmidt

Poi bem, sou aluna, uso seu livro, por isso posso dizer que ele é tendencioso, e que não ajuda em nada na nossa educação. Não precisamos que o senhor forme a nossa opinão, precisamos é de um historiador competente que passe todas as infomações necessárias, de forma imparcial e formal.
O senhor parece ser anti a Globo, sei que ela manipula informação, pois o senhor faz exatamente a mesma coisa.

Anônimo disse...

vc que postou ANONIMA é uma burra e alienada pela Globo , sr. SCHIMIDT seu livro é muito completo , e com uma analise original e critica dos fatos ,adoro ler a URSS, leio e releio seu livro da 8ª série, e esse ano já estou no 1º ano , HJ QUANDO VEJO UMA PROPAGANDA POLITICA EU ANALISO CRITICAMENTE A PROPAGANDA , NÃO ME LEVO POR QUALQUER UM , PARABÉNS PELA EXCELENTÍSSIMA OBRA . NÃO SE IMPORTE COM COMENTARIOS IDIOTAS DE PESSOAS BURRAS

Anônimo disse...

O seu livro é bom,comecei a ler o livro do Schimidt da 8ªsérie mas liu só da história do Brasil. No fim do ano passado comecei a ler a Revolução Russa , Segunda guerra Mundial , Guerra Fria e revoluções socialistas. Fiquei impressionado como foi a URSS, ele fala claramente , os ladois positivos e os negativos dela. O que o povo do governo tá com medo é que no Brasil estoure uma revolução socialista , e que os estudantes fiquem alienados, e naum pensem em socialismo ,sou a favor de uma revolução socialista no Brasil , e que o capitalismo "vá pro espaço"

Leio outros livros de história que falam sobre a URSS e lá não falam o que Stálin fez para população , eles falam apenas que Stálin era um ditador .

JC disse...

Este SR ficou rico , vendendo um livro que é uma vergonha de tão terndencioso . E vem dar uma de coitadinho ??? e o pior, pelo que escreveram alguns, a lavagem cerebral ta fazendo efeito .

Anônimo disse...

Este SR ficou rico , vendendo livros
tendenciosos , e vem dar uma de coitadinho ???
E o pior ,pela maioria dos comentarios , a lavagem cerebral esta surtindo efeito .
Um livro que é um lixo didatico , devis ser o livro de cabeceira para os integrantes do PSTU ou PCO

JC disse...

Este SR ficou rico , vendendo um livro que é uma vergonha de tão terndencioso . E vem dar uma de coitadinho ??? e o pior, pelo que escreveram alguns, a lavagem cerebral ta fazendo efeito .

Anônimo disse...

esse cara é um terrorista, ainda bem que aprendi a pensar por mim mesmo e li outros livros, esse cara fez uma lavagem cerebral em vários professores e alunos.