quinta-feira, 25 de outubro de 2007

City de Londres monta esquema de “laranjas” para adquirir o controle da Bovespa e da BM&F

Edição de Quinta-feira do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com/

Breve, a Rádio Alerta Total no seu computador.

Adicione nosso blog e podcast a seus favoritos do Internet Explorer.

Por Jorge Serrão

Os juros não vão baixar tão cedo no Brasil. O volume médio diário de negócios na Bovespa passará dos atuais R$ 4 bilhões e 500 milhões de reais para R$ 9 bilhões, em 2010. O número de empresas listadas chegará a mil no mesmo ano. Hoje, é de 434. Eis os bons motivos por que a Oligarquia Financeira Transnacional - que controla a economia mundial a partir da City de Londres - entrou de cabeça na operação de abertura de capital da Bolsa de Valores de São Paulo. Até ontem, já foram vendidos 40% do capital da Bovespa, que teve lucro líquido de R$ 243,7 milhões no primeiro semestre deste ano.

O olho gordo da City londrina é a Bolsa de Mercadorias & Futuros. A BM&F foi redesenhada e preparada para abertura de capital pelo banco inglês Rothschild. Na terça-feira, um grupo norte-americano, o CME Group, adquiriu 10% de participação BM&F Brasil por R$ 1 bilhão e 300 milhões. No primeiro semestre, a BM&F teve lucro líquido de R$ 134,4 milhões. No primeiro semestre, os contratos negociados na BM&F cresceram 66%. A procura por proteção (hedge) e negócios com commodities são o mapa da mina do capitalismo atual.

A tendência é que a bolsa brasileira seja abocanhada por uma “laranja” da City de Londres: A chamada Bolsa Interatlântica é uma unificação do mercado que está em marcha no processo de globalização. Ela foi o resultado da fusão entre a bolsa de valores de Nova York e a operadora de bolsas européia Euronext. A nova empresa, avaliada em mais de US$ 20 bilhões, já é dona de bolsas de valores em seis países. A Bovespa e a BM& F são os próximos alvos.

A operação com as bolsas brasileiras indica que os juros no Brasil dificilmente vão baixar. O de US$ 20 bilhões Comitê de Política Monetária do Banco Central continuará com sua política de manter a taxa Selic em patamares elevados, para atrair ”investidores” que adoram investir aqui. Afinal, graças ao governo Lula, os estrangeiros que aqui especulam e ganham muito dinheiro não pagam CPMF, nem IOF e muito menos imposto de renda.

Agüentem o imposto

A carga tributária brasileira não deverá cair no curto prazo.

Essa foi a mensagem dada ontem pelo poderoso Lula da Silva em reunião com cerca de 100 grandes empresários do País.

Lula justificou a elevada arrecadação de impostos com a necessidade de manter os programas sociais.

Impostura oficial

O economista Ricardo Bergamini mostra como o brasileiro vem pagando cada vez mais impostos.

1 – Em 1990 o Governo Collor assumiu o governo com uma carga tributária de 30,50% do PIB, entregando o governo em 1992 com uma carga tributária de 25,85% do PIB. Redução de 15,24% em relação ao ano de 1990.

2 – Em 1992 o Governo Itamar Franco assumiu o governo com uma carga tributária de 25,85% do PIB, entregando o governo em 1994 com uma carga tributária de 28,61% do PIB. Aumento de 10,68% em relação ao ano de 1992.

3- Em 1995 o governo FHC assumiu o governo com uma carga tributária de 28.61% do PIB, entregando governo em 2002 com uma carga tributária de 31,86% do PIB. Aumento de 11,36% em relação ao ano de 1994.

4 – Em 2003 o governo Lula assumiu o governo com uma carga tributária de 31,86% do PIB, em 2006 a carga tributária migrou para 34,23% do PIB. Aumento de 7,43% em relação ao ano de 2002.

5 – Do ano de 1992 até o ano de 2006 a carga tributária brasileira teve um aumento de 32,42%.

Pobres sortudos isentos

As declarações de Isento entregues a Receita Federal do Brasil até ontem já somam 40.296.799.

O número corresponde a 63% dos documentos esperados até o dia 30 de novembro, quando termina o prazo de entrega.

O meio mais utilizado pelos contribuintes continua sendo a internet, com 27.137.971 declarações enviados, logo em seguida, com 10.536.350 documentos entregues, as casas lotéricas.

Grande aumento

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, avisou ontem que o governo poderá negociar o teto de reajuste para os funcionários públicos.

A proposta inicial de aumento real de 1,5% ao ano pode ser reavaliada para 2,5%.

Esse foi o patamar considerado razoável pelo ministro.

Jura que investiga?

O Ministério Público Federal de São Paulo jura que irá investigar a suposta "doação" de R$ 500 mil ao PT.

A “doação” foi relatada por executivos da Cisco em escutas telefônicas feitas pela Polícia Federal.

Os interlocutores sugerem que o dinheiro seria contrapartida para um benefício em licitação da Caixa Econômica Federal.

Quem vazou?

Um vazamento de informações quase pôs a perder a investigação da Polícia Federal na Operação Persona, sobre fraude e sonegação de R$ 1,5 bilhão no caso Cisco.

O esquema foi descoberto em documentos que ligam o advogado José Roberto Rodrigues, um ex-presidente da multinacional Cisco no Brasil e a um "representante do PT".

O Ministério Público Federal e a PF tentam descobrir se o vazamento que quase botou a operação a perder foi oriundo de algum “petista” no governo federal.

Guerra ao genérico

O blog do Josias de Sousa informa que o deputado Rodrigo Maia e o ministro da Defesa, Nelson Jobim, bateram boca, no quarto, na estranha festinha de confraternização promovida pelo senador Demóstenes Torres (DEM) com convidados do PMDB e PT, além dos ministros Jobim e Mares Guia.

Jobim reclamou com Rodrigo de uma foto publicada no blog do Dem com o título “o canastrão e a sucuri”.

Rodrigo alegou que a edição foi do jornalismo do partido, e que ele não censurava seus jornalistas, saindo fora do papo.

O troco

Na rodinha, segurando seu charutão, Jobim chamou Rodrigo de “babaca”.

O deputado do DEM deu o troco no dia seguinte:

"Canastrão significa ator medíocre. Não é nada de outro mundo. O Jobim precisa se convencer de que não é mais ministro do STF. Ele agora está na política. Entrou na chuva. Não resolveu nenhum dos problemas do ministério da Defesa. E, fantasiado de soldado, passeia pela Amazônia."

Maçonaria e Amazônia

A Loja Universitária Ordem, Luz e Amor e a Águia do Planalto apresentam dia 10 de novembro, às 16h no Grande Oriente do Brasil, em Brasília, a palestra da Campanha “Amazônia Soberania Nacional”.

O seminário traz o resumo de 780 trabalhos da Maçonaria Brasileira, que demonstram a preocupação da sociedade com as questões ambientais.

O Chefe de Gabinete do Comandante Geral do Exército, General-de-Brigada Nelson Santini Júnior, já confirmou presença no evento da Maçonaria.

Guerra à vista

A Associação Brasileira de TV por Assinatura (ABTA) criticou a aprovação da venda da distribuidora de TV por assinatura Way TV para a Oi (ex-Telemar).

A ABTA considerou que a decisão vai contra as regras do setor e que vai avaliar medidas judiciais contra a operação.

A decisão da Anatel abre precedente para que outras telefônicas possam adquirir TVs a cabo, e representa uma mudança na posição da agência, que tinha rejeitado a mesma operação em março.

Tem gente jurando que teve dedo do Planalto nessa operação, já que a Oi é parceira de um grande e jovem empresário da área de software para joguinhos eletrônicos, filho do cara mais poderoso do Brasil.

Grande negócio

A Oi venceu leilão com a oferta de R$ 132 milhões pela empresa, que opera em Minas Gerais.

Em março, a Anatel, que então tinha três conselheiros, vetou o negócio com o argumento que o contrato de concessão proíbe a empresa de telefonia fixa de ter TV a cabo dentro de sua área de atuação.

Após pedido de reconsideração, a Anatel, agora com cinco conselheiros, mudou a posição por três votos a dois.

TV “Pública”

O ministro da Secretaria de Comunicação Social (Secom), Franklin Martins, avisa que a regulamentação da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) deve ser concluída até 10 de novembro.

Diretores e conselheiros devem tomar posse e já começar a operação conjunta entre Radiobrás e Acerp.

A medida provisória que cria a EBC foi assinada no dia 10 de outubro, tramita no Congresso.

O estatuto da empresa deve ser publicado em breve no Diário Oficial.

Fábrica de marginais

O governador do Rio, Sérgio Cabral, afirmou que as taxas de fertilidade de mães faveladas são uma “fábrica de produzir marginal”.

Segundo Cabral, parte dessas mulheres produz crianças sem estrutura, sem conforto familiar e material.

Defensor do aborto, Cabral lamenta o fato de essas mães não receberem orientação dos órgãos oficiais 'em questões de planejamento familiar'.

A Copa do Mundo é...

Terça-feira, em Zurique, na Suíça, a Fifa deve confirmar o Brasil como sede da Copa de 2014.

O evento magno contará com a presença do poderoso Lula, de governadores puxa-sacos e esportistas.

Mas a grande vitoriosa do esquema será a Rede Globo, que terá o monopólio da Copa, depois de ainda não se conformar com a perda das Olimpíadas de 2012, em Londres, para a Record.

Encargos impossíveis

Só que para realizar a Copa de 2014 o Brasil terá de cumprir um rigoroso caderno de encargos.

No transporte, é preciso melhorar o fluxo aéreo e a qualidade das estradas.

Os hospitais têm de estar preparados, inclusive, para atendimento de emergência em larga escala.

Também será preciso dar garantias quanto à segurança, rede hoteleira e até a qualidade do ar.

Vida que segue...

Fiquem com Deus!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Inteligente, inovador, fortemente analítico e propositivo, utilizando as mais modernas tecnologias para transmissão instantânea e eletrônica de informação privilegiada e análise estratégica, junto com a difusão de novos conhecimentos voltados para a construção e consolidação de novos valores humanos.

6 comentários:

Anônimo disse...

Parabéns ao RODRIGO MAIA!!!
Deu no Blog do Josias de Souza:


Jobim bate boca com Rodrigo Maia em festa do DEM
Antonio Cruz/ABr
Animado com o ambiente de pacificação do Senado, Demóstenes Torres (DEM-GO) promoveu, na noite de terça-feira, uma festa de confraternização. Misturaram-se no mesmo apartamento cerca de quatro dezenas de congressistas de todos os partidos e dois ministros de Lula: Walfrido dos Mares Guia (Coordenação Política) e Nelson Jobim (Defesa). Súbito, a atmosfera fraternal deslizou para o confronto verbal.



A altercação opôs o deputado Rodrigo Maia (RJ), presidente do DEM, aos dois ministros de Lula. Ao chegar à festa, Rodrigo foi conduzido pelo anfitrião Demóstenes a um cômodo em que estavam Walfrido, Jobim, Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) e Roseana Sarney (PMDB-MA). “Você está faltando com a verdade”, disse Walfrido a Rodrigo.



O ministro referia-se a uma queixa que o presidente do DEM fizera na véspera. Em telefonema a Roseana, líder de Lula no Congresso, Rodrigo reclamara da profusão de notícias dando conta da cooptação de congressistas do DEM pelo governo. A gota d’água fora uma nota que informava que a senadora Rosalba Ciarlini (DEM-RN) votaria a favor da CPMF. Rodrigo atribui a Walfrido a “plantação” desse tipo de notícia nas páginas dos jornais.



Aproveitando-se do acaso, que o pôs frente a frente com Rodrigo, Walfrido disse que fora procurado pela senadora Rosalba, não o contrário. Disse que ela lhe dissera que votaria a favor da CPMF. E repetiu, em timbre ameno, mas enfático, que a crítica de Rodrigo, além de injusta, era inverídica.



E o deputado: “Não estou errado, não, ministro. O que vocês fizeram na Câmara e estão fazendo no Senado eu nunca vi igual. Não é justo e não é certo. Se não fosse a decisão do Judiciário, favorável à fidelidade partidária, vocês teriam destruído o meu partido [...]. A fidelidade salvou o meu partido. Vocês iam tirar todo mundo. Me tenham como inimigo e vamos para a guerra. Não tem problema. Mas vocês estão jogando muito pesado, o que é um desrespeito às instituições”.



Nesse ponto, Jobim, que, charuto entre os dedos, apenas observava o diálogo, interveio: “Quem está jogando muito pesado é você”. Rodrigo Maia estranhou: “Eu? Por que?”. E Jobim: “Você outro dia botou no blog uma foto minha dizendo que era o canastrão e a sucuri.” Rodrigo deu corda: “A palavra é dura, mas foi o jornalista do blog que colocou”. Jobim, prosseguiu: “A responsabilidade é sua. O blog é do partido. E você é o presidente do partido”. Rodrigo arrematou: “A responsabilidade é minha. E saiba que não costuma censurar o meu jornalista”.



Em seguida, Jobim deu as costas para Rodrigo e puxou conversa com uma atônita Roseana Sarney. Entre dar continuidade ao bate-boca e retirar-se da sala, Rodrigo optou pela segunda alternativa. Depois, foi informado de que, na sua ausência, Jobim chamou-o de "babaca". Mais tarde, quando deixava a festa junto com Jobim, Walfrido dirigiu-se a Rodrigo: “Vou te telefonar, para acertarmos os ponteiros”. E o deputado: “Não precisa ligar. Não vou atender. Vocês lá e eu aqui.” Cumprimentaram-se protocolarmente. Jobim deu “boa noite” ao desafeto. Walfrido não ligou.



Noves fora o entrevero, a festa de Demóstenes foi um tributo à convivência pós-Renan Calheiros. Lá estavam senadores e deputados de todos os partidos. Do ‘demo’ José Agripino Maia (RN) aos petistas Eduardo Suplicy (SP) e Aloizio Mercadante (SP), passando pelos tucanos Marconi Perillo (GO), Lúcia Vânia (GO) e Marisa Serrano (MS). Antes de avistar-se com Rodrigo, Walfrido aproveitara a ocasião para cabalar votos em favor da CPMF. Foi de tucano em tucano para dizer que confia “no espírito público do PSDB”.



A festa foi embalada por um conjunto musical importado de Goiânia. Chama-se “PM Show”. É integrado por policiais goianos. Foi constituído à época em que Demóstenes era secretário de Segurança de Goiás. Acompanhado pelo “The Police”, como Demóstenes prefere chamar o grupo, Suplicy animou-se a entoar "Blowin’in the wing", de Bob Dylan. Roseana Sarney cantou "London, London", de Caetano Veloso. Demóstenes fez as vezes de backing vocal da filha de José Sarneu: “While my eyes go looking for flying saucers in the sky”, esmerava-se o senador. Até Kátia Abreu (DEM-TO), relatora da emenda da CPMF no Senado, brindou os presentes com "Como é grande o meu amor por você", de Roberto Carlos.



Para desassossego do presidente interino Tião Viana, vizinho de cima do apartamento de Demóstenes, a festa, que começara às 20h 30 de terça, só terminou pouco antes das cinco da madrugada de quarta-feira. Embora convidado, Tião não deu as caras, diferentemente de todos os outros vizinhos. Os últimos a deixar o apartamento de Demóstenes foram Kátia Abreu, Marcoini Perillo e Rodrigo Maia, a essa altura, mais calmo.



Já nesta quarta-feira (24), ainda remoendo a discussão com Jobim, Rodrigo Maia foi ao dicionário. "Canastrão significa ator medíocre", disse o deputado ao repórter. "Não é nada de outro mundo. O Jobim precisa se convencer de que não é mais ministro do STF. Ele agora está na política. Entrou na chuva. Não resolveu nenhum dos problemas do ministério da Defesa. E, fantasiado de soldado, passeia pela Amazônia."

Anônimo disse...

Mares Guia é um indecoroso líder do Governo mais fisiológico da história. Jobim é uma figura lamentável, uma mistura de Sarney, Collor e Sargento Pincel. Rodrigo Maia pode não ter escolhido o momento certo para dizer algumas verdades, mas usou termos educados. Já Mares Guia e Jobim, rasteiros, só tiveram coragem de xingar o "guri"pelas costas. O Governo Lulla é uma coleção de líderes burlescos.

Anônimo disse...

É PRA ISSO QUE SERVE A CPMF?? – DO CLAUDIO HUMBERTO:
Dengue já assusta vizinhos paraguaios.
A epidemia de dengue em Ponta Porã (MS), com quase 1.800 casos, assusta os vizinhos paraguaios de Pedro Juan Caballero: vão atuar juntos no combate ao mosquito que invade a fronteira.
Saúde vai torrar R$ 120 milhões em eventos.
O ministro José Gomes Temporão diz que a falta de recursos para a Saúde é tão grave que, sem a CPMF, será o “caos”. Mas aprovou a licitação para a escolha, dia 31, de uma agência de “eventos” que vai gastar R$ 120 milhões em apenas um ano. É quase o dobro da verba para propaganda, de R$ 66 milhões, entregue a quatro agências. O nível de detalhamento do edital, lançado na última sexta-feira, mostra que a licitação parece dirigida.

Temporão já não manda
Algo estranho acontece no Ministério da Saúde: o ministro José Gomes Temporão admite internamente que "não consegue" cancelar a escandalosa licitação para torrar R$ 120 milhões em eventos, durante um ano. Há quem mande mais que o próprio Temporão: a licitação foi decidida pelo setor de Logística do ministério, onde nasceram todos os escândalos ocorridos no governo Lula, provocando inclusive a queda do ex-ministro Humberto Costa.

Anônimo disse...

Alguém deve questionar o Sr Ségio Cabral: ele defende a pena de morte de uma vida indefesa pq poderá se tornar um marginal. Então por que ele não defende a pena de morte para os marginais adultos???

Anônimo disse...

Caro Jorge. Gostaria de saber como obtivestes as informações constantes do primeiro parágrafo, pois elas são muito sérias e preocupantes. É interessante que quando se faz qualquer análise sobre os grandes negócios mundiais, invarialvelmente acaba-se neste nome: Rotschild. Porque será.

Anônimo disse...

TV DO FANATISMO
por Augusto de Franco

Qual o objetivo da TV governamental – falsamente chamada de TV Pública – que Lula, abusivamente, criou por Medida Provisória?

Antes de qualquer coisa é preciso ver que a TV de Lula não será pública, nem sequer estatal, e sim governamental mesmo, controlada pelo governo petista. E não será pública, inclusive, porque não terá público. Parece um jogo de palavras. Mas é mais do que isso!

O objetivo, imaginado pelos agentes petistas, para a TV governamental, é quebrar o monopólio dos grandes meios de comunicação que estão nas mãos dos conservadores, das elites, da direita, abrindo espaço para os que não têm voz nem vez nesses órgãos reacionários e anti-populares. Essa é a raiz, vamos dizer assim, chavista, do projeto.

Mas Lula, que não é burro como alguns de seus ideologizados seguidores, sabe que no Brasil isso não vai funcionar. Com 3% de audiência, essa nova TV não vai conseguir disputar com as grandes redes que não estão sob seu controle, nem mesmo com aquelas com as quais ele está fazendo alianças e negócios espúrios.

Lula é mais pragmático. Os objetivos realísticos da sua TV governamental são dois: neutralizar jornalistas e coagir meios de comunicação.

Neutralizar jornalistas como? É simples. Quem for pego fazendo muita matéria contra o governo vai para a lista dos que não serão contratados por Franklin e Cruvinel. Como os jornalistas nunca têm segurança de que não serão despedidos amanhã das grandes empresas em que estão trabalhando hoje, vão ficar quietinhos para não queimar essa alternativa de emprego, que pode ser providencial para pagar suas contas em futuro próximo. Não todos, por certo. Mas boa parte. Querem uma prova? Basta ver como vários jornalistas, sobretudo em Brasília, estão desconversando quando o assunto é a chamada "TV Pública".

E quanto a coagir os meios de comunicação? Bem, aqui a TV governamental se insere numa estratégia mais ampla, aquela mesma estratégia chamada de "democratização dos meios de comunicação", verbete que defini assim no meu antigo Glossário da ‘Era Lula’: "Eufemismo utilizado pelo PT para tentar legitimar o controle partidário ou corporativo-estatal sobre os meios de comunicação e a atividade jornalística e áudio-visual em geral. A ‘democratização dos meios de comunicação’ está a serviço da estratégia do PT no governo de criar condições para a instalação de uma hegemonia de longa duração no país. Segundo essa visão, como os grandes meios de comunicação estariam, supostamente, a serviço das ‘elites’, eles não seriam democráticos (entendendo-se aqui por democrático aquilo que está a serviço da maioria do povo) e, assim, precisariam ser "democratizados" ou submetidos ao controle social, quer dizer, ao controle da maioria do povo. Tal controle, entretanto, só pode ser viabilizado por instituições que representem o povo, como um governo popular e as organizações corporativas e classistas a ele alinhadas: e. g. conselhos populares – como o Conselho Federal de Jornalismo, proposto pela Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) e endossado pelo governo Lula; e agências formalmente independentes, como a proposta Agência Nacional do Cinema e do Audiovisual (ANCINAV), porém, na prática, controladas igualmente pelo governo". Isso foi escrito há algum tempo. O CFJ e a ANCINAV goraram, diante da resistência democrática da opinião pública. Mas eles não desistiram.
TV DO FANATISMO
A associação de Lula com o Bispo Edir Macedo, com suas TVs e com seu partido (onde Lula não teve vergonha de alocar, inclusive, o vice-presidente da República) – processo que começou com a defenestração de Boris Casoy – faz parte dessa mesma estratégia, que compreende ainda ameaças veladas de não renovar concessões, pressão mafiosa sobre anunciantes, novos projetos de lei que coíbam ou constranjam de alguma forma a atividade jornalística independente et coetera.

O partido da Igreja Universal foi o que mais se beneficiou da infidelidade partidária, "roubando" parlamentares dos partidos de oposição. Analogamente, mais uma TV – e com bastante dinheiro – também será uma maneira de capturar quadros importantes dos grandes meios de comunicação.

São novas formas, indiretas e ampliadas, de mensalão. São maneiras criativas, urdidas pelo lulopetismo, para fazer alguém (segundo o Casseta & Planeta, agindo como prostituta, "sem intenção de ofender" essa importante categoria profissional), "aceitar dinheiro para mudar de posição".

Para o governo Lula, a liberdade dos meios de comunicação é o alvo principal. Toda a estratégia de conquista de hegemonia do lulopetismo está montada sobre uma "lógica" que pressupõe a não-divulgação dos crimes e outros atentados à democracia e ao Estado de direito cometidos pelo grupo privado ora no poder e que quer se eternizar no poder.

Como já diagnostiquei em artigo na Folha de São Paulo no final de setembro, "usar a alta popularidade de um líder populista para mudar "democraticamente" as regras do jogo seria exeqüível se não obrigasse, antes, a violar as regras do jogo (fazendo coisas como o mensalão ou caixa três). Ora, num país de imprensa livre, tal violação não pode passar despercebida. Logo, para isso dar certo, seria preciso restringir essa liberdade (como fez Chávez). Mas, se aqui não há condições de fazê-lo, então, mais cedo ou mais tarde, a operação toda desmorona".

Isso não significa que a operação lulista vai desmoronar. Há um "se" na última frase transcrita acima. Ou seja, a estratégia petista vai dar certo na medida em que o governo conseguir ganhar, neutralizar, coagir ou constranger os profissionais de imprensa e os órgãos de comunicação.

Se existisse oposição democrática no Brasil, essa deveria ser a sua principal preocupação. Pelo visto, infelizmente, não existe.