quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

Ainda tem o segundo turno

Edição de Artigos de Quinta-feira do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com

Por Sônia van Dijck

Todos somos cidadãos: votamos, pagamos altos impostos. Hoje, na quase madrugada, Lula e o PT tiveram uma primeira derrota no Senado: a prorrogação da CPMF foi recusada. Talvez o companheiro Chávez tenha telefonado para solidarizar-se, chorar sua dor de cotovelo e fazer novos planos bolivarianos para o socialismo esperto dos candidatos a futuros ditadores na América Latina. Foi só o primeiro turno no Senado. A batalha ainda não está ganha. Há muita luta pela frente e haverá muitos recursos pouco decentes a serem usados para que Lula e o PT (e seus aliados) saiam ganhando.

Nos últimos tempos, vimos todo tipo de argumento e promessa sem consistência, sem garantia e abertamente MENTIROSA. Lula fez todo tipo de chantagem. Aécio Neves e Serra resolveram tirar uma boquinha e ficaram do lado de Lula e contra o contribuinte extorquido pela alta carga de impostos que geram recursos para a corrupção em suas variadas formas. Estarrecedora foi a tranqüilidade do Senador Jefferson Peres (TV Senado) ao votar contra o contribuinte e dizer "SIM" à prorrogação da CPMF.

A análise de todos os argumentos cinicamente mentirosos, chantagistas e oportunistas a favor da prorrogação da CPMF ocuparia muitas páginas - os políticos brasileiros são pródigos em oferecer, a céu aberto, a estupidez de considerar que todos os brasileiros são imbecis e, por isso, eles mentem tanto, falsificam tanto, fazem tantas chantagens apelando para o apocalipse dos projetos sociais do governo Lula - projetos sociais esses que se resumem em manter os miseráveis sempre miseráveis e dependentes sempre e cada vez mais da esmola do Bolsa Família (a galinha dos ovos dos votos a favor de Lula-PT).

Os senhores 45 Senadores favoráveis à prorrogação da CPMF esqueceram-se de que o contribuinte não é estúpido - tanto não é estúpido que é quem paga o jogo de interesses (nem sempre confessáveis e quase nunca lícitos) desses mesmos nobres Senadores e de outros políticos (e até leigos, como a cafetina agenciadora das meninas da mansão de Ribeirão Preto - será que a ilustre senhora está viva e em plena atividade - nunca se sabe... depois de Celso Daniel, qualquer figura importante da República petista pode ser seqüestrada...).

Acompanhar pela TV Senado a sessão da PEC desta noite/madrugada deu-me a certeza de assistir a um espetáculo dantesco, tamanha é a cara-de-pau de tantos políticos tidos como respeitáveis para mentir, falsificar argumentos, lançar mão da comoção da opinião pública, para aprovar uma proposta que lesa descaradamente o cidadão eleitor e contribuinte. Mas, nem Dante teve tanta imaginação - os políticos brasileiros superam qualquer episódio dantesco. Jefferson Peres entre os notáveis de perfeita performance adesista a Lula-PT, pretendendo fazer a cena em alto estilo - lamentavelmente, só conseguiu mostrar sua participação nos bastidores das jogadas de Lula-PT - nunca saberemos seu preço - coisa de político velho e escolado... que sabe jogar na hora certa e sair ganhando...

E eu fiquei me perguntando: foi para trabalhar por quem e pelo quê que os 45 favoráveis à prorrogação da CPMF se candidataram?

Certamente, eles não quiseram ser Senadores para trabalhar pelo Brasil, em favor do cidadão contribuinte e eleitor e pelo progresso da sociedade brasileira.

Sabemos que Lula conseguiu votos pela prorrogação da CPMF graças a nomeações de parentes e aderentes e correligionários dos Senadores que se tornaram aliados de última hora - tudo esteve na imprensa AINDA livre. Lula conseguiu votos até sem nomear - apenas prometeu nomear o protegido do Senador para alguma boca-livre da República petista. O balcão de negócios de Lula esteve animado e freqüentado nos últimos tempos, e Lula, em performance de ambulante de qualquer esquina de cidade grande, fez as ofertas da promoção da ocasião (tipo: dê seu voto e leve vantagem; dê seu voto e saia ganhando a boa vida; dê seu voto e garanta a entrada de seu filho e/ou de seu afilhado ou companheiro de partido para o seleto grupo do poder, que vai lidar de perto com a bufunfa tirada do contribuinte via CPMF.).

Para conseguir os 45 votos que alcançou, Lula não teria tempo para nomear tanta gente - a coisa ficou mesmo apalavrada, em nome da extorsão do contribuinte assegurada. Felizmente, alguns Senadores não foram ao balcão de negócios de Lula, ou não tinham filho, nora, primo, companheiro de partido procurando emprego ou são mesmo contra a extorsão do eleitor e contra a grande farra dos petistas com o dinheiro dos impostos e taxas - veremos no segundo turno ou só a história política de cada um desses Senadores dirá.

O fato é que não podemos confiar em político locupletado em Brasília - de repente, alguém tem um filho ou uma norinha desejando uma oportunidade de boca-livre em algum cargo até de 5º escalão ou o cunhado se deu mal em alguma jogada e tá precisando de um aporte financeiro ... (tipo: qualquer coisa serve, desde que não tenha que ir todo dia para bater ponto... mas esteja garantido no fim do mês...). E tem ainda esses políticos espertos que argumentam votar a favor dos interesses escusos de Lula-PT em nome dos projetos sociais, só para comover a opinião pública, pois até a revista VEJA já levantou a "lebre" de que a dinheirama do dossíê fajuto contra os tucanos, apreendida no hotel de Sampa, no ano passado (vésperas da eleição) foi oriunda da CPMF - até agora, ninguém quis investigar, e os brasileiros não sabem claramente de onde veio aquela grana toda e aonde ela foi parar depois de tanto tempo de apreendida pela PF - e é o caso de se perguntar: aquela montanha de dinheiro foi parar na conta de quem? por que nunca mais se teve notícia daquele estupendo numerário? e se a prorrogação da CPMF fosse aprovada, quem iria sair ganhando com todo esse dindim disponìvel?

Se Lula, para garantir seus projetos sociais clientelistas, precisasse mesmo da CPMF, por que tão fácilmente resolveu prometer alocar toda arrecadação da CPMF para política de saúde? e não tinha, anteriormente, outros projetos na argumentação?

Bem. Serra, Aécio Neves, Jefferson Peres e outras figurinhas da República acreditam em Papai Noel (afinal, estamos no tempo do Natal) e querem pensar que os contribuintes brasileiros acreditam que é a cegonha que traz os bebês.

Bem... Vem aí o segundo turno no Senado. Fiquemos atentos para os novos argumentos que serão forjados e para posição de cada Senador. Ainda tem luta contra contra a extorsão da CPMF.

Sônia van Dijck é Professora Universitária Aposentada.

4 comentários:

Anônimo disse...

Quem sabe depois desse vexame o Serra comece a governar São Paulo e pare de falar em buracos (do metrô). A educação, no Estado está uma vergonha, depois do abandno das escolas e da parte pedagógica orquestrada pelo Senhor Chalita/Alckmin. Para Serra, tudo é culpa do professor, o que lhe dá argumento para contiuar o maior arrocho da Educação inaugurado pelo PSDB.
Tome vergonha, Serra, deixe de ser uma metamorfose ambulante e lembre-se de que você foi um dos fundadores do PSDB. PSDB é um partido de Ideologia e não de balcão de vendas, como o transformou FHC.

Anônimo disse...

Professora,

perdão mas a senhora esqueceu daquele que se dispôs a fazer o que fez: Pedro Simon.

Saudações

Anônimo disse...

A professora está errada. Só haveria segundo turno caso a proposta fosse aprovada no primeiro.

Erra, tembém, na lista dos tucanos-petralhas. Faltou incluir a gaúcha Yeda Crusius.

Anônimo disse...

Os dois maiores “porraloucas” do Senado são: Jefferson Peres e Pedro Simon. Todo mundo pensa que eles estão indo para um lado, enquanto surpreendem até eles mesmos e vão para um outro totalmente imprevisível. E, pior, muito pior: os dois gozam de conceitos de moralidade entre seus pares. Na verdade são dois inúteis, fúteis e inócuos, pois conseguem anular a si próprios.