domingo, 2 de dezembro de 2007

Alzira do Planalto, gozai com nós!

Edição de Artigos de Domingo do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com/

Por Jorge Serrão

Está na moda fazer sacanagem, e promover a sacanagem, tendo-se a cara de pau de jurar que não se está praticando a sacanagem. O Chefão Lula da Silva e sua equipe de informação & propaganda são especialistas nisto. Assistimos ao desgoverno da “Pole Dance”. Aquela famosa dança do poste, que alguns juram ser uma “prática desportiva” – e não um mero espetáculo de sacanagem explícita do submundo das casas diurnas e noturnas de prostituição.

Não confundimos o atual governo com uma delas. Até porque se cometeria uma injustiça tremenda com as casas de tolerância e as profissionais que nela levam uma nada mole vida. Mas não há dúvidas de que o Brasil assiste ao desgoverno da “pole dance”. Cada um dança conforme a música. Ou de acordo com o calibre do cano diante de si. Cada caso é uma novela das oito na vida real. A Alzira dança e seduz. O lado carente do Brasil goza e se embebeda com ela. O prazer é politicamente mórbido.

Que o diga nosso grande líder que sonha com o tri. O poderoso é especialista no jogo de sedução. O chefão convence a grande massa de desinformados. Ou “compra” a maioria silenciosa de necessitados que recebem algum benefício direto do governo. Não fede e nem cheira para as classes economicamente mais favorecidas. Estas vivem bem e lucram cada vez mais na lógica do sistema especulativo. A performance da Alzira do Planalto só não seduz a classe média - que sobrevive pendurada no cadafalso do crédito pretensamente fácil ou de cabeça para baixo no poste das incertezas.

A máquina de propaganda funciona a dez mil quilômetros por segundo. Amplia seu poder de fogo com o lançamento, neste domingo, da TV Brasil. As boas intenções do desgoverno não resistem ao fogo bando do mais inocente dos inferninhos. O sistema montado a partir da tevê (pretensamente) pública é o mesmo criado pela máquina do Estado Novo na década de 30/40. O Velho Estado petista aplica alguns mecanismos para controlar, manipular e dominar a atividade informativa e cultural.

O objetivo é a montagem de uma Rede PT. O bolcheviquepropagandaminister petista apenas monta a cabeça de um sistema de informação com objetivos de poder. O esquema vai usar os recursos públicos para azeitar uma máquina centralizadora de conteúdo de informação e entretenimento. Qualquer semelhança mafiosa com uma rede de prostituição não é mera coincidência. O Ministério da Comunicação tem a cara do Estado brasileiro. Tal pai, tal filho da (...) Alzira. Viva a virtuosa enfermeira da nossa ficção televisiva "global" que nem sabe como se cola um esparadrapo em um paciente. Alzira é uma "incomptente"! E Plim-plim, saudações!

Aliás, a Globo que se cuide com a concorrência desleal. A rede comunicativa pública, a serviço do partido príncipe no poder, vai abastecer (de conteúdo e verbas) centenas de veículos de informação locais. Na Era Lula já foram criados vários jornaizinhos locais (de distribuição gratuita). Agorinha, abriram “licitações” para concessões de rádios comunitárias (aos movimentos sociais aliados, é claro!). Farão parte do sistema dezenas de emissoras de rádio e tevê adquiridas formalmente por aliados ou laranjas do poder político em vigor. O esquema se completa com aquelas quitandas e supermercados da comunicação “compradas” em seu conteúdo ou pelo ouro das empresas públicas.

Antes do nascimento da tevê (falsamente) pública, o desgoverno produz mais um escândalo digno dos piores bas fonds. O jornalista e professor (de Teoria do Jornalismo) da Universidade Federal Fluminense Felipe Pena foi detonado do programa Espaço Público, da TVE. Tudo porque criticou a chantagem do governo, que suspendeu o envio do Orçamento ao Congresso para pressionar os senadores a votar a CPMF. E porque reclamou que os jovens não poderiam se encantar com um governo que faz acordo para salvar Renan Calheiros e que cria coisas como a TV Pública.

Felipe Pena participava toda quinta-feira da equipe de debatedores do programa. Mas foi forçado a tirar seu time de campo depois que a apresentadora Lúcia Leme lhe fez um encarecido pedido, durante a gravação do mais recente programa: "Felipe, maneira nas críticas ao governo. A TV Pública tá vindo aí. Eu vou ser demitida". Na volta do intervalo, antes de tirar o microfone e sair, o professor deu sua lição:

"Você, Lúcia, não pode me pedir para moderar minhas críticas porque corre o risco de ser demitida. E não é só você. Nos corredores da TVE, todos estão com medo e evitam criticar o governo. O pior é que tudo que eu estou falando aqui será cortado na edição do programa, e o público não saberá de nada. E isso é uma TV pública". Claro, o que o professor reclamou foi devidamente cortado na edição, antes de o programa ir ao ar, 40 minutos depois.

É dessa maneira que, trepada em seu poste da dança do poder, a turma da Alzira do Planalto jura que está trabalhando pelo fim da sacanagem da mídia no Brasil. Tentam seduzir a opinião pública e a publicada com a falsa noção de que “democratizam” os meios de comunicação tupiniquins. A falecida Velhinha de Taubaté e suas primas–múmias acreditam nisto. Só elas gozam junto com a Alzira e seus aprendizes de Goebels. Duro é aturar a face cara de pau e barbuda do neonazismo stalinista em desenvolvimento no Brasil.

Gilbertinho, por gentileza, reabre a porta do grande Bahamas nacional, para todo mundo poder brincar de atirei o pau no sapo com a Alzira do Planalto e suas prostitutas amestradas. O remédio é gozar com a cara deles e delas, enquanto o palácio de tolerância não é inteiramente esvaziado e lacrado, por motivos de higiene política. Aí sim, o prazer será total.

Jorge Serrão, jornalista radialista e publicitário, é Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. http://alertatotal.blogspot.com/ e http://podcast.br.inter.net/podcast/alertatotal

3 comentários:

Anônimo disse...

Boa tarde Serrão.
Concordo plenamente com você. O pessoal que tem medo de ser demitido, devia ter medo é de perder a dignidade! Trabalho com honra existe. Preferível lavar privadas de botequim da praça Tiradentes do que ser lacaio do oberkommandereichführercamarada APEDEUTA-MOR e sua súcia que desgorvernam e pilham tudo que arrecadam (assaltam) dos que trabalham. Apoiam o companheiro Chavez, que democraticamente, ameaça a tudo e a todos se não “ganhar” o referendo. “Deu” no JN de ontem!
Certamente não gastarei eletricidade e aparelho vendo TV Brasil (versão 0.0 de “A voz do Brasil”, programa fascista que sobrevive até hoje). Os fucionários devem ter muito constrangimento em divulgar as notícias veiculadas.
Domingo de sol, com o Vasco jogando e, a turma do Corithians soltando fogos de artifício.
“A gente se vê por aí. Plim-plim!”
Como diz a letra de uma velha música: “ai,ai,ai, tá chegando a hora...”
Um grande abraço,
Braga

Anônimo disse...

Quando a imprensa não é comprada

Vejam vídeo proibido na Venezuela

http://www.tu.tv/tutvweb2.swf?kpt=aHR0cDovL3d3dy50dS50di92aWRlb3Njb2RpL2Uvcy9lc3RvLWVzLWdsb2JvdmlzaW9uLmZsdg==&xtp=115490&referer=

Anônimo disse...

Como a história se repete, estamos de volta aos tempos despóticos, com o agravante de que os atuais déspotas nem esclarecidos são, porém muito mais espertos.