domingo, 23 de dezembro de 2007

As Noivas do King Kong

Edição de Artigos de Domingo do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com

Por Jorge Serrão

O bicho é autoritário e absolutamente jurássico. Nos seus delírios animalescos de poder, sem noção de limites, acha que pode tudo. Gosta de ganhar no grito e massacrando os adversários impiedosamente. E comemora batendo no peito. Monstro, abusado, arrogante, truculento, carente, rebelde e cheio de vontade.

A maioria reclama que não o suporta. A “zelite” (principalmente a sua banda decadente) o detesta. Mas muita gente admira seu estilo ou, ao menos, o tolera. Só que tem gente que é apaixonada por ele. E adora viver sob sua pretensa proteção. Azar dessas pessoas dependentes!

Antes que os mais precipitados se manifestem (com prazer ou raiva), essa descrição não é de nosso poderoso chefão Presidente da República. Sorte nossa, o companheiro não tem este poderio todo. Além disso, King Kong só bebe água. Mas a longa lista de adjetivos bem se aplica ao Estado Brasileiro – que embriaga muita gente. Afinal, o leviatã tupiniquim age de forma monstruosa e mecânica, quase animalesca, porque não é fruto da sociedade.

Aliás, nosso Estado é uma “invenção” de outro Estado (o ibérico, cheio de vícios históricos que se reproduziram como praga). A sociedade brasileira paga um elevado custo histórico pelos vícios de origem do “nosso” Estado – que nunca foi “nosso”, de verdade. Temos de entregar o Brasil a si mesmo e aos brasileiros. Mas quando isto será feito?

Indo logo para os finalmentes, depois desses longos entretantos, nosso alvo não é o Estado Gorila – como o título lá em cima sugere. O fundamental é debater o comportamento das pessoas coniventes com a truculência (ou as macaquices) deste Estado pré-histórico – que finge pós-modernidade, tem feições globais, mas, no fundo, é vanguarda do atraso.

O importante é entender por que existem as noivas do King Kong. Quais os motivos que levam tanta gente a aceitar, passivamente, os abusos e a violência institucional do Estado? Por que a maior parte da nossa sociedade se encanta com o “King Kong”, a ponto de lutar para fazer parte de seu corpo funcional? King Kong é uma mãe? Ou um amante maravilhoso?

A “Síndrome da Noiva do King Kong” bem que deveria ser uma doença psiquiátrica cadastrada no Código Internacional de Doenças. Muita gente sofre desta patologia no Brasil. A noiva original do gorilão da ficção é a justa e perfeita loura burra. Não tem nada na cabeça. Só vive no mundo do glamour, tirando proveito de sua beleza física. Assim esconde bem sua feiúra interior.

Carente, a mocinha se deixa seduzir pelo poder do macaco gigante. Quase se apaixona por ele ou pelo poder dele. E a bela paga o mico de ser conivente com a fera. A ignorante aprova as atitudes do monstro, porque não toma consciência de que “a pior reprovação é aquela imposta pela própria consciência”. (Aliás, escrevi tal frase no quadro negro antes de uma última aula para universitários de jornalismo no semestre que acaba de ir para o espaço).

O recado é bem objetivo. A noiva do King Kong precisa tomar vergonha na cara. Deixar de ser otária ou fingir inocência para sobreviver pendurada nos galhos do Estado Gorila. Saiba, linda mocinha, que o macacão só quer se aproveitar de sua ignorância para mantê-la sob controle, como eterna bonequinha massa de manobra. Mas as beldades não aprendem com os erros. E repetem, historicamente, as mesmas besteiras. Vivem passivamente, à espera da salvação que jamais virá pelas mãos do “macaco”.

Triste é constatar como as noivas do King Kong se reproduzem no cotidiano brasileiro. No serviço público, nem se fala. Até nas Forças Armadas, elas agem como pragas. Acreditam até em promessa de Gorila Genérico! Nunca se viu tamanha passividade, conivência ou subserviência. O gorilão estatal faz a sacanagem que quer, na hora que deseja. Seu corpo funcional obedece mecanicamente à lógica do próprio monstro. Para piorar ainda mais o problema, ajuda o “animal” a inchar e se reproduzir. Azar de quem age assim. Mas o péssimo agouro de tamanha insensatez pesa, mesmo, é sobre o resto da sociedade.

A solução para neutralizar as amantes do macaco é politizar o debate. Sem política nada vai mudar para melhor. A política deve ser a arte de governar para o bem comum. Quem faz política nessa direção e sentido não pode se comportar como as noivinhas do King Kong. Acima de tudo, precisa ter o compromisso de fidelidade com a Democracia – aqui entendida como a prática da Segurança do Direito Natural, através do exercício da razão pública. Esta é a base para as transformações sociais.

Pulando para outro galho, mas ainda falando do condenável comportamento namoradas e do problema da infidelidade na falta de política hoje praticada no mundo globalizado, vamos falar de uma beldade que daria uma perfeita noiva do King Kong. A ex-modelo e cantora Carla Bruni, namoradinha do presidente francês, Nicolas Sarkozy, revelou aos jornalistas que votou em Segolene Royal, adversária do homem por quem se diz “apaixonada”. Desculpa da mocinha: "Minha família sempre foi de esquerda". Como bem comentou Hélio Fernandes, na Tribuna da Imprensa: “Não faz mal, na cama ela dorme do lado direito”.

A modelinho brasileira Letícia Carlos é outra que daria uma linda namorada do Kong. Fica a sugestão para o filme que a mídia amestrada brasileira deveria produzir, com o patrocínio do Bolcheviquepropagandaminister, sobre os feitos do desgoverno Lula. A ex-namorada do jogador do São Paulo Richarlyson será capa da revista Playboy de janeiro. A linda estudante de educação física de 19 anos foi fotografada por JR Duran em um hotel desativado no centro de São Paulo. O romance de Letícia e Rycharlyson durou meteóricos três meses. O craque terminou o namoro (quase noivado) porque "não queria ver a futura mãe de seus filhos nua em uma revista". Nem o Kong faria melhor. Golaço!

Vida que segue, no mundo ainda existe gente mais crédula que a Velhinha de Taubaté ou que as noivas do king Kong. A União Postal Universal (UPU), que representa 191 países, informa que aumentaram este ano as cartas ao bom velhinho. "Papai Noel tem mais de 5 milhões de ajudantes em todo o mundo para responder às cartas que recebe e entregar os milhões de cartões de Natal, pacotes e cartas que circulam nessa época das festas de fim de ano". Nem a internet conseguiu tirar o glamour de escrever cartas tradicionais ao velho que tem barba branca, se veste de vermelho, mas não é meliante do partido que mama nas tetas do Estado King Kong, sob a alegação de que luta pelo socialismo. Sorte das criancinhas!

O problema é que ilusão pode ser bonitinha, mas, no final das contas, acaba sendo ordinária. Papai Noel se transforma na expressão do consumismo que violenta o espírito verdadeiro do Natal. Iludidos se esquecem que o único que merece um presente é o aniversariante. Foi o menino Jesus quem nasceu no dia 25 de dezembro, 2007 anos atrás. Ele merece parabéns. Mais ninguém.

Paremos, agora, para pensar em Jesus Cristo. Não só neste Natal! Mas em todos os dias, em cada atitude e pensamento, faça Jesus renascer no seu corpo, na sua mente e no seu espírito.Ame Jesus de coração. Torne-o vivo neste mundo dos cada vez mais vivos. Pratique a Verdade. Não deixe o sistema te transformar no king Kong e, muito menos, na noiva dele.

Feliz Natal, todo dia, e vida que segue.

Jorge Serrão, jornalista radialista e publicitário, é Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. http://alertatotal.blogspot.com/ e http://podcast.br.inter.net/podcast/alertatotal

5 comentários:

Anônimo disse...

BOAS FESTAS, grande Paladino da Verdade !!!

Anônimo disse...

Grande Serrão, parabéns pelo texto produzido oportunamente às vésperas do Natal. Realmente o objeto focado deverá ser o nascimento de Cristo e não o "consumimento nos shopings". Foi por isso que o Profeta Isaias escreveu em mais ou menos 750 a.C. "Um menino nos nasceu um filho se nos deu que deverá ser chamado de Maravilhoso, Conselheiro, pai da eternidade e PRINCIPE da PAZ".
Um forte abraço
Zaqeu

Anônimo disse...

Parabéns Serrão por “As noivas de King Kong”.
Você, como sempre, foi brilhante.
Feliz Natal todos os dias também, para você e os que você ama.
Braga

Anônimo disse...

Como leitora assídua de seus artigos, o parabenizo por este: 'As Noivas do King Kong'.
Me surpreendeu!
Seja sua motivação maior neste final de ano de 2007 e em 2008, o amor à VERDADE.
Shalom, Jorge Serrão,
shalom Brasil.

Anônimo disse...

Que oportunidade maravilhosa para desejar a você, ao Márcio, aos seus colaboradores e leitores um grande Natal cristão (de Cristo), com todos seus ensinamentos.
Aproveito para agradecer a luta fiel e cidadã do seu blog, para abrir os olhos das "noivas". Agradeço a oportunidade de ter participado algumas vezes e desabafar sobre os King Kongs da minha cidade.
Lá eles estão furiosos por estarem com os dias contados, por causa do nepotismo. Passam e carro e chamam os poucos da oposição de traidores, convocam reuniões no estilo "prendo e arrebento", nos xingam...é um horror. E se utilizam ainda da máquina e dos cargos para ameaçarem. Bem. Obrigada. Tenhamos fé: "Ele" sabe de tudo.