segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

O Juiz, a Polícia e o Malandro

Edição de Documentos do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com

Por Roberto Schuman

Segunda-feira de carnaval, saio de casa perto das 22:00 horas para encontrar a namorada na porta do Circo Voador, na Lapa. Lá chegando, saio do táxi falando ao celular para encontrá-la. Mas não é só. Além de tênis, bermuda e camisa, usava um chapéu, desses vendidos em todos os cantos da cidade a R$ 5,00. Presente da namorada. Coisa de mulher.

Então, atravesso a rua e quase sou atropelado por um camburão com luzes e lanternas apagadas com a inscrição CORE no carro. No mesmo momento o motorista grita " Ô malandro" e eu, assustado, dou um pulo para a calçada, peço desculpas e viro as costas, continuando ao celular e andando, já na calçada.

Ai, percebo que a viatura andava ao meu lado, com três policiais de preto, ao que escuto, em alto e bom som: "Saia da rua, seu malandro e bêbado". Nesse momento, pensei: Isto não é jeito de tratar as pessoas na rua e respondi: "Não sou bêbado nem malandro; se vocês não estiverem em operação, está errado andarem com essa viatura preta e apagada, pois quase me atropelaram e vão acabar atropelando alguém!"

Oportunidade em que os homens de preto descem da viatura dizendo: "Ô malandro, tu é abusado, tá preso". Ato contínuo, diante da voz de prisão, estendo os dois braços para ser algemado. Pergunto ao mais novo dos três, que estava completamente alterado: "Qual o motivo da prisão?" Resposta: "Desacato". Pergunto novamente: "O que os senhores entendem como desacato?"

Resposta: "Até a DP a gente inventa, se a gente te levar pra lá". Neste exato momento, percebendo a gravidade da situação, disse: Estou me identificando como juiz federal e minha identificação funcional está dentro da minha carteira, no bolso da bermuda. Imediatamente o policial novinho, que se identificou como André e na DP disse se chamar Cristiano meteu a mão no meu bolso, pegou a minha carteira e a colocou em um dos bolsos de sua farda preta. Então o impensável aconteceu! Disseram: "Juiz Federal é o c..., tu é malandro e vai para a caçapa do camburão.

Fui atirado na mala do camburão como bandido, algemado, porém, com o celular no bolso e os três policiais do CORE da Policia Civil do Estado do Rio de Janeiro, dizendo que no máximo eu deveria ser "juiz arbitral ou de futebol". Temendo pela vida, por incrível que pareça me veio aquela frase de Dante, da sua obra "Divina Comédia": "Abandonai toda a esperança, vóis que entrais aqui".

Então, sem perder as esperanças, peguei o celular do bolso mesmo algemado e liguei para a assessoria de segurança da Justiça Federal informando a situação, bem baixinho, e que não sabia se seria levado para DP, pedindo para acionar a PM e localizar a viatura do CORE que estava circulando pela Lapa comigo jogado algemado na mala.

Após a ligação, disse-lhes uma única coisa, ainda na viatura. "Vocês estão cometendo crime, ao que escutei dos três, aos risos: "juiz federal andando com esse chapéu igual a malandro. Até parece. Se você for mesmo juiz, a gente vai chamar a imprensa, pois juiz não pode andar como malandro."

Na delegacia, as gracinhas dos policiais continuaram: "Olha o chapéu do malandro". Então eu disse, já me sentindo em segurança: "Vocês querem que eu tire o chapéu e vista terno e gravata?"

O fato é que já na presença do delegado as algemas foram retiradas e, vinte minutos depois, um dos policiais de preto vem ao meu encontro e me pede: "Excelência, desculpas, nós agimos mal, podemos deixar por isso mesmo?"

Respondi: "Primeiro. Não me chame de Excelência, pois até há pouco vocês me chamavam de malandro. Segundo. Não, não pode ficar por isso mesmo. Como é que vocês tratam assim as pessoas na rua, como se fossem bandidos. Terceiro. Vocês três não honram a farda que estão vestindo. Quarto. Desde a abordagem policial agi apenas como cidadão, no que fui desrespeitado e, depois de ter me identificado como juiz federal, fui mais ainda, logo, um crime de abuso de autoridade seguido de outro de desacato.

Depois do circo montado pelo próprio agente do CORE Cristiano, que ligara do interior da DP para os repórteres, de forma incessante, talvez temendo que ele e seus dois colegas de farda preta fossem presos por mim no interior da DP, decidi não fazê-lo porque em nada prejudica a instauração de procedimento administrativo na Corregedoria da Policia Civil, bem como a ação penal por abuso de autoridade e desacato, sendo desnecessário mencionar o dano à minha pessoa, como cidadão e magistrado.

Pensei, por fim: "Se como juiz federal fui ameaçado por três homens de fardas pretas com pistolas automáticas, algemado e jogado como um bandido na mala de um camburão, simplesmente por tê-los repreendido, de forma educada, como convém a qualquer pessoa de bem, o que aconteceria a um cidadão desprovido de autoridade e de conhecimento dos seus direitos?"

Duas coisas são certas, de minha parte: Não permitirei nada "passar" em branco, pois são fatos sérios e graves que partiram daqueles que têm o dever de zelar pela segurança da sociedade e, no próximo carnaval, não usarei o presente da namorada, o tal "chapéu". É perigoso. Pode ser coisa de malandro.

Roberto Schuman é Cidadão e Juiz Federal no Estado do Rio de Janeiro.

5 comentários:

Saramar disse...

Jorge, dizer o quê diante dessa situação?
Minha percepção é muito contraditória em relação à políca porque imagino que ela só age assim com os cidadãos. Acredito que jamais abordaria um daqueles poderosos traficantes com essa arrogância criminosa.
E sempre fico imaginando: e se fosse eu, que só tenho minha carteira de identidade?

Anônimo disse...

Vou aproveitar a oportunidade para parabenizar Sua Excelência pela excelente atitude e também pela sua resolução de não deixar passar nada em branco. Se tivéssemos um Congresso assim, certamente não estaríamos nessa situação que vivemos no Brasil. Não entendo de processos judiciais nem políticos, mas penso que muitas coisas que estamos assistindo são mais alvo de Processos Juciciais do que de CPIZZA. Gostaria de, neste espaço, pedir a Sua Excelência que inaugure a tomda de medidas judiciais contra as inconstitucionalidades gerads pelo desmando dos abusos que estão lesando inexoravelmente nosso povo. Saudações

Criativo de Galochas disse...

Roberto,

Infelizmente é uma amostra dos "reais" malandros deste país que detêm o poder. Eu só discordo em uma coisa: eu, você ou qualquer outro cidadão não tem que se vestir de forma x, y ou z para ser respeitado.

Sds

Marcus, Criativo
http://criativodegalochas.blogpsot.com

Anônimo disse...

JÁ houve no RIO DE JANEIRO estória semelhante,envolvia uma juíza e policiais militares,será mesmo que os policiais agiram errado ou o juiz quiz dar uma carteirada e os policiais foram firmes?No episódio envolvendo pms o tribunal,como sempre,deu apoio à juíza........ SERÁ QUE SEMPRE A POLÍCIA ESTÁ ERRADA??????

José Geraldo Forte - Advogado disse...

Que situação é essa, meu Deus. de certo modo vivenciamos essa situação sempre em vários lugares do país. Ainda bem que não ocorreu uma tragédia maior.