sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

Obrigado, papai: Lula autoriza mãe BNDES a emprestar dinheiro subsidiado para a Oi comprar a BrT

Edição de Sexta-feira do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com/

Adicione nosso blog e podcast a seus favoritos do Internet Explorer.

Por Jorge Serrão

O desgoverno petista dá mais uma prova objetiva de que seu verdadeiro projeto político-econômico consiste em usar a máquina do Estado para favorecer negócios entre amigos e aliados, fortalecendo o segmento sindicalista que mama nas tetas dos fundos de pensão das estatais. Além do escândalo dos cartões de crédito corporativo, que comprova a usurpação da coisa pública, o lula-petismo só age para formar parcerias e alianças com o grande capital privado monopolista. O caso da Oi, que ontem confirmou a intenção de comprar a Brasil Telecom, é mais um negócio que interessa diretamente à famiglia (já que todos têm dupla cidadania italiana) do poderoso Lula.

Foi mais um lance de cinismo o anúncio de que o BNDES vai emprestar R$ 2,5 bilhões (com subsídios) para que os empresários Carlos Jereissati, da La Fonte, e Sérgio Andrade, da Andrade Gutierrez, comprem ações de seus sócios na Telemar Participações, controlada da Oi. Assim será possível que a Oi possa “comprar” a Br T pela bagatela que vai variar entre R$ 4,5 bilhões e R$ 5,2 bilhões. A compra, que agora não é mais “fusão”, só dependia de uma autorização do pai do próspero empresário ítalo-brasileiro Lulinha (que é parceiro da Oi) alterando a legislação que impede a formação de mais um monopólio, na prática do mercado brasileiro de telefonia.

O cinismo oficial se ampliou com a informação de que na contrapartida do negócio, o BNDES terá direito a uma remuneração variável, baseada na valorização das ações da companhia que deverá surgir com a união de Oi e Brasil Telecom. Pelo acordo costurado, se as ações caírem, valerá a remuneração fixa. Se subirem, o retorno do BNDES acompanhará a valorização. Da união das duas operadoras surgirá o que a propaganda petista vem chamando de "supertele nacional". Toda a operação é pilotada pelo economista Luciano Coutinho, indicado pelo Palácio do Planalto.

Será bom para o BNDES e melhor ainda para os empresários, que fazem um mega-negócio sem afetar muito o próprio bolso. Tudo devidamente aprovado pelo desgoverno e pelos fundos de pensão (manipulados por petistas) que participam do capital das duas empresas de telefonia. A característica de tal financiamento é inédita nos financiamentos do BNDES. è mais uma inovação do capitalismo de Estado travestido de socialismo do século 21, promovido pelos hábeis negociantes do campo majoritário (os bolcheviques sindicais petistas).

Do total do empréstimo, R$ 1,25 bilhão irá para os grupos Andrade Gutierrez e La Fonte. Com esse dinheiro, mais R$ 400 milhões de recursos próprios, os dois comprarão as participações da GP Investimentos, da Lexpart (Citigroup e Opportunity) e das seguradoras do Banco do Brasil na Telemar Participações. Outro empréstimo, de cerca de R$ 1,3 bilhão, será feito à Telemar Participações. Ao fim do processo, Andrade, La Fonte e Fundação Atlântico (fundo de pensão da Oi) terão o controle da holding da Oi, com 51%. O BNDES reduzirá sua fatia de 25% para 16,5%, vendendo a diferença para Petros e Funcef. A Previ manterá sua fatia de 12,5%.

Leia também o artigo de Márcio Accioly: Em defesa do Impeachment

Arapongacard

A Agência Brasileira de Inteligência (Abin) gastou no ano passado R$ 11 milhões e 580 mil com cartões corporativos.

Desse total, R$ 10 milhões e 550 mil foram torrados como verba secreta.

Cerca de 50 arapongas movimentaram R$ 1 milhão e 10 deles sacaram quase R$ 500 mil.

Mas a Abin informa que há controle interno rigoroso das verbas, com exigência de notas fiscais e recibos.

Mas tudo permanece sob o maior segredo, em nome da segurança nacional...

Medida relevante

O senador Adelmir Santana (DEMDF) apresentou quatro projetos de lei ao Congresso para mudar as regras do setor de cartões de crédito.

Seu objetivo é reduzir os custos dos comerciantes e os preços cobrados por produtos e serviços dos consumidores finais.

Um dos projetos quer o compartilhamento das máquinas usadas pelos comerciantes.

Outro propõe a liberação da cobrança de preços menores para quem pagar com dinheiro ou cheque.

Primeiro a limpeza

O Senado, que fará a CPI do Lulacard, prometeu liberar apenas daqui a três semanas o acesso aos dados sobre os gastos mensais de R$ 15 mil de cada parlamentar com verba indenizatória.

Assim mesmo, a liberação dos dados acontecerá de forma limitada, em nome da “segurança nacional da Presidência”.

É um forte indicador de que, neste meio tempo, muita informação de gasto comprometedor corre o risco de desaparecer do sistema BB Visanet.

Mas cuidado...

Como bem lembra o Mário, atento leitor deste Alerta, o sistema VISAé internacional e TODAS as transações ficam registradas em diversos computadores em backup.

O banco de dados é acessá­vel por QUALQUER BANCO participante do sistema.

Daí­, podem até sumir do BB, porém, não há como esconder.Caso o desgoverno promova uma queima de arquivo, caberá mais um processo criminal contra seus integrantes.

Bobagem do Jucá

A pedido do presidente do Senado, Garibaldi Alves (PMDB-RN), o líder do governo na Casa, Romero jucá (PMDB-RR), terá de recolher novamente as assinaturas para a CPI amestrada que o Planalto pretende abrir para investigar o uso de cartões corporativos.

Indevidamente, Jucá fez alterações no texto do requerimento após ter as rubricas dos colegas.

O texto foi alterado a mão por Jucá, o que causou irritação na oposição.

Entre as mudanças feitas estão a determinação do prazo de 90 dias para o término dos trabalhos da comissão e a definição do número de membros (11).

Briga pela CPI Mista

O deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), autor do requerimento para a CPI mista, avalia que a oposição acredita na instalação da comissão e, por isso, se articula para colher as assinaturas e protocolar o pedido até quarta-feira que vem.

Encabeçam a coleta os deputados Chico Alencar (PSOL-RJ), Luiza Erundida (PSB-SP), Julio Delgado (PSB-MG), Raul Jungmann (PPS-PE) e Fernando Gabeira (PV-RJ).

No Senado, estão encarregados os líderes Arthur Virgílio (PSDB-AM) e José Agripino Maia (DEM-RN).

São necessárias no mínimo 171 assinaturas de deputados e 27 de senadores.

Bela mordomia

O Portal da Transparência registra que o então ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, pagou despesas com o cartão no Copacabana Palace por três vezes em 2006.

Além dele, integrantes do comando da Marinha fizeram o mesmo - R$ 2.998,50 no dia 5 de agosto.

Há ainda uma conta em nome do Ministério da Fazenda, no valor de R$ 552, no mesmo hotel cinco estrelas.

Aquisição “paraguaia”

Autoridades e servidores públicos estão utilizando os cartões corporativos do governo federal para compras até em camelô no mercado conhecido como Feira do Paraguai, em Brasília.

A funcionária, que comprou baterias para celular e CDs na Feira do Paraguai, é da Presidência da República.

Em nota, a Casa Civil afirmou que "as despesas mencionadas são de pequeno vulto e se destinam a atender às necessidades diárias das diretorias da Secretaria de Administração".

Naufrágio de gastos

O Comando da Marinha é o órgão das Forças Armadas que mais gastou com cartão corporativo: R$ 915,7 mil em 2007.

A Marinha usou o sistema de pagamento para comprar em joalherias presentes para visitantes estrangeiros e pagar diárias e despesas em sofisticados hotéis e restaurantes na Avenida Atlântica e na Lagoa, no Rio, e em Brasília e Recife.

Na lista de compras estão ainda chocolates, vinhos finos e artigos de pelúcia.

Um cartão foi usado para pagar a confecção de placas comemorativas.

Contradições

A assessoria de Comunicação da Marinha informou aos jornais que os gastos feitos com os cartões de crédito corporativo foram, principalmente, decorrentes de visitas oficiais, especialmente de dignitários de outras Marinhas.

Mas, pela relação de datas de visitantes em 2006 e 2007, não há coincidência com os pagamentos com cartão corporativo.

As visitas de autoridades militares francesas, portuguesas e inglesas ocorreram em maio de 2006, setembro e outubro de 2007.

Pequeno desvio no cartão

O Ministério Público do Distrito Federal abriu, há duas semanas, um inquérito para apurar suspeita de irregularidades no uso de cartões de crédito da secretaria de Administração da Casa Civil da Presidência

Incluem as despesas de hospedagem de comitiva precursora de uma viagem de Lula, em 2 de maio de 2003.

Nesse dia, Lula visitou os municípios paulistas de Ribeirão Preto e Sertãozinho, inaugurou uma termelétrica e compareceu a uma feira agrícola.

Escalão avançadamente gastador

Para organizar a viagem, o Planalto enviara um "escalão avançado" - agentes de segurança e equipe de apoio técnico. Hospedaram-se em dois hotéis.

Descobriu-se que, com cartão de crédito do Planalto, um funcionário pagou R$ 3.030 por 22 diárias de pessoas que não constavam da lista de integrantes da comitiva oficial.

Pagou também R$ 1.475 em diárias que excederam ao período de permanência de alguns dos membros da comitiva. Constatou-se um indício de superfaturamento.

Hospedagem superfaturada?

Em 2003, o cartão de crédito do Planalto deixou no hotel de Sertãozinho R$ 23.830.
Mas uma checagem feita em 2006 constatou que o mesmo hotel cobrava preços bem menores: a mesma comitiva custaria R$ 10.208.

Foi uma diferença de R$ 13.622 em relação ao valor pago quatro anos antes.

Somando-se a estadia de pessoas estranhas à comitiva, as diárias excedentes e o valor que extrapolou os preços de mercado, chega-se a um gasto supostamente irregular de R$ 18.127.

Máquina petista de desviar a atenção

Além de inventar a CPI chapa branca em Brasília, que supostamente vai apurar o uso dos cartões desde a Era FHC, o PT de SP divulgou levantamento de gasto de R$ 108 milhões pelo governo José Serra com cartões de débito, sendo 44,5% em saques.

No ano passado, o governo paulista destinou R$ 108.384.268,26 a gastos efetuados por uma espécie de cartão de débito: o cartão de pagamento de despesas.

O governo tucano informa que todos os gastos são previamente autorizados.

Sistema paulista

O sistema de adiantamento atende a 47 diferentes classificações de despesas, da diária de pessoal a gêneros alimentícios.

Mas, diferentemente do governo federal - que lançou um portal para registro de alguns gastos, exceto alguns “secretos” - o Estado de São Paulo não oferece um sistema aberto com essa descrição.

Os dados são lançados no Sigeo (Sistema de Informações Gerenciais da Execução Orçamentária), a qual somente as bancadas de deputados na Assembléia Legislativa têm acesso.

Ainda assim, o Sigeo não descreve, necessariamente, o objeto da compra realizada com o cartão de débito.

Estranha despesa

No dia 28 de julho do ano passado, por exemplo, foram gastos R$ 597 na Spicy, uma loja de acessórios para casa.

No sistema, o ramo de atividade está classificado com "a definir".

O item: "despesas miúdas e de pronto pagamento".

Os R$ 977 gastos no dia 4 de abril na Presentes Mickey também recebem a mesma qualificação.

Churrascada

Ainda segundo o Sigeo, a Secretaria de Segurança gastou R$ 6.500,00 numa churrascaria no dia 11 de maio.

Mas, segundo o levantamento feito pela liderança do PT, o Sigeo não esclarece o motivo do gasto.

A exemplo do governo federal, o Sigeo também não apresenta descrição de grande volume dos gastos realizados através de saque.

Segundo os dados do Sigeo, 44,58% dos gastos - R$ 48,3 milhões - foram realizados graças a saques.

Luxo de Lixo

O reitor da UnB, Timothy Mulholland, será investigado pelo gasto de R$ 470 mil na compra de móveis e utensílios de luxo, inclusive lixeiras de R$ 990, para o apartamento funcional em que mora.

Em sua defesa, ele alegou que os bens são patrimônio da universidade.

Claro, com dinheiro público, até o lixo merece um tratamento de luxo.

Retorno das diárias

O desgoverno avalia a possibilidade de trocar o cartão de crédito corporativo pelo pagamento de diárias, quando os ministros estiverem em viagem pelo País.

Para cobrir os gastos dos ministros em Brasília, também planeja recriar a chamada verba de representação, extinta no governo Fernando Collor (1990-1992).

"O ministro viaja, recebe uma diária e pronto. Se faltar dinheiro ele põe".

Eis o argumento do pragmático ministro do Planejamento, Paulo Bernardo.

Motivos da suspensão

O pagamento de diárias era adotado até 1993, quando foi extinto em viagens nacionais sob o argumento de que o dinheiro depositado era corroído pela inflação.

Permanece o pagamento de diárias em visitas de ministros ao exterior e para funcionários públicos em qualquer tipo de viagem.

Quem recebe a diária não precisa apresentar notas fiscais para justificar as despesas nem devolver dinheiro que tenha sobrado.

Assim é bem melhor e fica dentro das normas e procedimentos (nada) éticos dos atuais ocupantes do poder no Brasil.

Guerra pelas jóias da coroa

Um encontro entre o ministro das Relações Institucionais, José Múcio, e o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, deverá bater, entre hoje e amanhã, o martelo no nome do novo presidente da Eletrobrás.

O nome mais cotado para ocupar o cargo considerado “jóia da coroa” é o de José Antônio Muniz Lopes, ex-presidente da Eletronorte.

Além de apadrinhado da Super poderosa Ministra-Chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, Lopes também conta com uma ficha limpa no Tribunal de Contas da União (TCU) como vantagem na corrida pela vaga.

Terrorismo do MST

O Movimento dos Sem Terra dá mais uma prova de que age, criminosamente, sob a pele de movimento social.

A Secretaria de Segurança do Rio Grande do Sul informa que ás dezessete horas do dia 26 de janeiro de 2008, no talhão 137 da Fazenda Coqueiros, em Coqueiros do Sul, durante a colheita do milho, um funcionário que operava a colhedora CM-30 (SLC-7200), ao se distanciar um pouco dos demais membros da equipe de colheita, para colher uma parte da lavoura próxima ao mato, viu-se subitamente cercado por seis homens armados.

O bando saiu do mato, subiu na máquina e obrigou o operador a descer sob a mira de revólveres e espingardas.

A seguir, o grupo de terroristas instalou junto ao motor da automotriz um artefato explosivo semelhante a duas bananas de dinamite e dois coquetéis molotov.

Depois de acionar o pavio do artefato explosivo, o grupo fugiu pelo mato do Rio Turvo em direção ao acampamento Jandir do MST.

Bomba falhou

A Brigada Militar foi acionada e ao chegar no local constatou que o artefato explosivo colocado pelos integrantes do MST na automotriz havia falhado.

Os policiais militares realizaram a apreensão do material e encaminharam à DP de Carazinho.

Os explosivos serão periciados.

Conto do Poço do Visconde?

A produção de petróleo do megacampo de Tupi, na bacia de Santos, pode ser muito maior do que a anunciada.

Sócia da Petrobras no projeto, a britânica BG informou ontem, em nota, que as reservas de petróleo e gás do campo, localizado na bacia de Santos, têm potencial para atingir de 12 bilhões a 30 bilhões de barris.

Antes, a BG estimava as reservas entre 1,7 bilhão e 10 bilhões.

O anuncio (que só o futuro indicará ser verdadeiro) faz aumentar a cotação das ações das petrolíferas nas voláteis bolsas de valores.

Jogada legal

A nova estimativa da BG, que tem 25% do campo, supera as projeções iniciais da Petrobras, que apontavam para um reservatório de 5 bilhões a 8 bilhões de barris.

As previsões da petroleira britânica foram confirmadas pela portuguesa Galp, também sócia do empreendimento em 10%.

Tudo foi relatado em comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários de Portugal.

A fuga das verdinhas

A crise nos mercados internacionais está provocando fuga de dólares do Brasil.

Em janeiro deste ano, saíram do País US$ 6,53 bilhões de capital aplicado em ações e operações financeiras.

Em janeiro de 2007, houve superávit de US$ 3,77 bilhões.

Tudo descompensado

A balança comercial do mês foi insuficiente para compensar esse movimento.

O valor total das exportações superou o das importações em US$ 4,17 bilhões.

Com isso, o fluxo cambial registrou déficit de US$ 2,36 bilhões, no pior resultado desde dezembro de 2006.

Símbolo nacional

Além de desfilar em carro aberto do Corpo de Bombeiros nas comemorações da vitória no carnaval, o presidente de honra da Escola de Samba Beija-Flor, Aniz Abrahão David, recebeu a proteção de outro órgão público: a Guarda Municipal de Nilópolis.

Quatro guardas fardados fizeram a escolta do bicheiro.

Apenas por coincidência, a prefeitura de Nilópolis, na Baixada Fluminense, é administrada por um irmão de Anísio.

É apenas mais uma alegoria do poder para mostrar quem realmente manda no Brasil.

Vida que segue...

Ave atque vale!

Fiquem com Deus!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Inteligente, inovador, fortemente analítico e propositivo, utilizando as mais modernas tecnologias para transmissão instantânea e eletrônica de informação privilegiada e análise estratégica, junto com a difusão de novos conhecimentos voltados para a construção e consolidação de novos valores humanos.

3 comentários:

Anônimo disse...

DO BLOG CLÁUDIO HUMBERTO. 08/02/2008:




Cartões: Lula esconde os titulares
Por ordem do presidente Lula, o Portal da Transparência do governo escondeu os titulares de cartões corporativos responsáveis pelos gastos com mordomia, instalações pessoais e assistência a seus filhos. Entre os titulares de cartões cujos nomes viraram "segurança de Estado" estão o tenente-coronel Rui Chagas Mesquita, chefe da Ajudância de Ordens de Lula, e Maria Emilia Évora, ecônoma ligada à primeira-dama, d. Marisa.


Novilíngua
Os intermediários da Presidência com cartões corporativos aparecem sempre como "ecônomos". Deveriam ser chamados de "gastônomos".


Escafederam
Luiz Alves Rabelo, que zela pelo conforto de Lula na Granja do Torto, e Luiz da Cruz Soares (Alvorada) sumiram do Portal da Transparência.


Clandestinidade
Agora também são secretos os gastos do cartão de Rosemary Noronha, assessora do escritório regional da Presidência em São Paulo. Humm...


Esconde-esconde
Até os gastos da ministra Nilcéa Freire (Políticas para Mulheres) foram curiosamente excluídas do Portal da Transparência. O que ela esconde?

Anônimo disse...

Dna Marisa está phuta da vida:

"Que gastos são esses, Luiz Inaçu???"

"Daonde vem esse dinheirão todo??""

"Vc andou dando presente de novo praquela piranha???"

"Quem anda comprando tanto Viagra com cartão de crédito?? Prá que??Comigo
que não é!!"

==============================

Andaram comprando Viagra com o Cartão Corporativo do Palácio do Planalto!!Dna.
Marisa quer saber quem comprou, quem usou e com quem foi usado....Te cuida,
Molusco Degenerado!!Aguenta a galega agora!!!

Anônimo disse...

ATENTAI SENHORES MILITARES para esse
comentário pertinente e muito lúcido no
www.coturnoturno.blogspot.com





Estando em decurso um processo de ruptura institucional sem qualquer abalo ou preocupação por parte de quem nos desgoverna, acho isso uma atitude por demais irresponsável.

Digo mais, a irresponsabilidade já ultrapassou a razoabilidade considerada minimamente necessária para que qualquer governo se mantenha em funções.

Qualquer brasileiro assiste incrédulo a esta falta de pudor e de vergonha colossais. A irresponsabilidade tem de ser contida. Tudo tem seus limites Éticos. Eles foram desprezados, apagados do vocabulário petralha.

Lula não é mais que um indigente para merecer continuar sendo mantido no cargo. Impedimento leva muito tempo. Caberá ás FFAA pôr cobro a esta vergonha ou serão coniventes com a destruição relapsa e contumaz que está sucedendo desde que este governo tomou posse.

São escândalos atrás de escândalos desde o inicio do primeiro mandato. Brasil, a Pátria, a Nação não estão preparados para esta barganha, esta falta de respeito para com o cidadão comum que estarrecido olha incrédulo para a inação das nossas FFAA.

Com a classe política não podemos contar. Existe um claro corporativismo entre o que deveria ser Oposição e desgoverno. Temos a DRU como prova. Por um lado tiraram a CPMF mas ofereceram R$ 90bilhões a Lula, importância essa da qual não é obrigado a prestar contas a ninguém. Digamos, um cartão SILVA de diamante. Assim não, meus senhores.