quinta-feira, 20 de março de 2008

Crise aqui: Banqueiros brasileiros prevêem fuga de recursos da Bovespa e risco de aumento abrupto do dólar

Edição de Quinta-feira do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com/

Adicione nosso blog e podcast a seus favoritos do Internet Explorer.

Por Jorge Serrão

Os banqueiros brasileiros consideram inevitável que a Bolsa de Valores de São Paulo sofra, em breve, “fortes turbulências”. A Bovespa – que é controlada por corretoras ligadas a grandes bancos - será afetada com a fuga de recursos dos investidores externos para socorrer instituições financeiras com problemas de liquidez nos Estados Unidos. Só a injeção de dinheiro do mercado financeiro e os “petrodólares” árabes não serão suficientes para conter a quebradeira causada pela subprime norte-americana.

A Bovespa sofreu ontem a segunda pior queda no ano: 5,01%, para 58.827 pontos. A maior baixa, de 6,6%, ocorreu no dia 21 de janeiro. Se a Bovespa for abalada com a fuga do capital motel que investe nela, a conseqüência imediata será um aumento abrupto do dólar. Os cambistas especuladores já fazem movimentos para adquirir a moeda norte-americana nesta fase de “valorização” (artificial) do Real. Ontem, quem precisasse comprar dólar só adquiria pela cotação de mercado de R$ 1,87 – bem acima dos R$ 1,71 da cotação oficial.

Dirigentes do mercado financeiro interpretam que o ministro da Fazenda, Guido Mantega, está muito preocupado com a situação – ao contrário do que ele alega nos discursos e entrevistas amestradas. Todos sabem que as reservas cambiais brasileiras de US$ 195 bilhões viram poeira se a crise norte-americana se agravar. Primeiro, porque mais da metade desta reserva pertence a não-residentes no País. Se eles precisarem da grana pressionarão para tê-la de volta. Segundo, porque as reservas são lastreadas em títulos do Tesouro norte-americano que hoje são um grande mico no mercado.

Outro pepino para o desgoverno Lula, que passou uma gestão e meia, praticamente, sem problemas econômicos mundiais para afetar o Brasil, é a desvalorização das commodities, que representam 60% das exportações brasileiras. O petróleo e o minério de ferro, importantes matérias-primas para as exportações do País, estão em queda. O temor de uma recessão global derrubou ontem os preços dos produtos agrícolas e metais. O preço do petróleo teve a maior queda, em dólar, num dia, em 17 anos. O ouro sofreu a maior perda em 28 anos (US$ 58,50). Precavidos, investidores fogem das tradicionalmente lucrativas aplicações em petróleo e ouro. As bolhas especulativas das commodities e do petróleo podem estar com os dias contados.

Crise brasileira à vista

A equipe econômica e a autoridade monetária agem, preventivamente, para evitar uma quebradeira no sistema de crédito que hoje alimenta o consumo no Brasil.

O Banco Central aumentou em 41% o número de instituições que terão as contas examinadas criteriosamente.

No total, 113 grupos serão analisados este ano, para evitar uma quebradeira no sistema de crédito, principalmente no frágil sistema do financiamento para veículos em longuíssimo prazo.

Viva os banqueiros

Bradesco e Itaú só lucraram menos do que os bancos norte-americanos Goldman Sachs, JPMorgan e Wells Fargo, no quarto trimestre do ano passado.

Enquanto os brasileiros aumentam os ganhos com a expansão do crédito e a bancarização, os concorrentes externos tiveram de assumir perdas contábeis pesadas por conta da crise das hipotecas americanas de segunda linha ("subprime").

É o que mostra um levantamento da consultoria Economática.

Perdas nacionais

A valorização das cotações dos grãos impulsionou os preços das terras brasileiras.

No bimestre, a alta foi de 3,5% e, em 12 meses, de 17,5%.

Endividados, os fazendeiros brasileiros estão vendendo ou arrendando seus terrenos para “investidores estrangeiros” que cumprem a missão estratégica de controlar o agronegócio brasileiro.

Será que Vale?

A Vale obteve na Justiça uma liminar que proíbe o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) e seu principal dirigente, João Pedro Stedile, de incitarem ou fazerem manifestações violentas contra as instalações da empresa.

Se o MST interromper as atividades da Vale,terá de pagar multa de R$ 5.000.

O diretor de Meio Ambiente da Vale, Valter Cover, afirmou que a decisão é "emblemática" por ser a primeira ação da empresa contra o MST em que Stedile pode ser responsabilizado pelos atos do movimento.

O pequeno “pobrema”

Quem bateu o martelo contra o MST foi a juíza Patrícia Rodriguez, da 41ª Vara Cível da Capital, no Rio.

Todo mundo sabe muito bem que o MST é fora da lei: não existe como entidade jurídica, legalmente registrada em cartório.

Por isso, os advogados da Vale escolheram como alvo a pessoa física de João Pedro Stédile – que é o ideólogo do movimento.

A juíza entendeu que "o fato de o MST não possuir personalidade jurídica não impede sua participação em processo judicial, devendo seu dirigente nacional representá-lo".

Tá nem aí...

Stédile avisou, por sua vez, que ações do movimento não vão parar e ameaçou não cumprir a decisão judicial:

Isso não depende de ninguém. Em qualquer região do Brasil, quando tem uma parte da população que está enfrentando algum problema com algum latifundiário ou com qualquer empresa, as comunidades têm total autonomia para se organizarem, se manifestarem e tomarem as decisões que quiserem”.

Stédile afirmou não ter se surpreendido com a ação, que classificou de "medida desesperadora da direção, que está em dívida com o povo brasileiro":

O seu (Roger) Agnelli (presidente da Vale) é um preposto do Bradesco, mas a Vale pertence ao povo brasileiro. Então ele tem todo o direito de espernear. E nós temos o direito de continuar a luta para reestatizar a Vale. A Vale está em dívida com várias comunidades onde atua, não honra suas obrigações. Nós só fizemos essas ações para pressionar a Vale a cumprir suas obrigações e abandonar projetos prejudiciais ao meio ambiente”.

Stédile recomendou ainda que a Vale contrate um sociólogo para explicar a natureza das lutas e dos movimentos sociais, o que eles querem e por que se mobilizam.

Viva o Álcool

Os três maiores grupos brasileiros de açúcar e álcool - Cosan, Crystalsev e Copersucar - se uniram para construir um alcoolduto que ligará o interior de São Paulo ao litoral paulista, por onde a commodity será embarcada para o mercado externo.

Para tirar o projeto do papel, orçado em mais de R$ 1,5 bilhão, as usinas criaram a Uniduto Logística S.A.

Tudo indica que o BNDES vai colaborar financeiramente na empreitada lucrativa.

A culpa é do Juiz?

O presidente eleito do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes, reclamou ontem que existe um excesso de prisões provisórias, decretadas durante investigações ainda em curso.

Mendes responsabilizou os juízes por eventuais abusos e sugeriu que o CNJ (Conselho Nacional de Justiça), órgão que também presidirá, poderá atuar para limitá-las.

"Temos responsabilidade por prisões provisórias eventualmente abusivas. Quem prende é o juiz, quem solta é ele. Se há prisões mal feitas, a culpa é do juiz".

Vista do quê?

Mudando de assunto, o Gilmar Mendes detém o recorde de 51 processos em pedido de vista – o que atrasa o andamento das ações.

É seguido por Cezar Peluso (com 40) e Ricardo Lewiandowski (com 31 pedidos de vista).

Quando era do STF, Nelson Jobim era o campeão em retenção de processos, e chegou a ficar oito anos “vendo” um caso.

Não existe, em lei, qualquer punição estipulada para o ministro que descumprir os prazos.

Corrupção empresarial

A Polícia Civil fez uma operação ontem contra fraudes na Junta Comercial do Rio de Janeiro que movimentaram mais de R$ 20 milhões, nos últimos 10 anos.

Três quadrilhas envolvidas na falsificação de documentos e agilização de processos foram desarticuladas.

Entre os presos estão vários funcionários de cartórios da Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro.

O Golpe

Depois de várias denúncias, os investigadores usaram escutas telefônicas autorizadas pela Justiça para descobrir como o grupo agia.

A maior das três quadrilhas era formada por mais de 20 funcionários da Junta Comercial do estado.

Eles ofereciam serviços fraudulentos para empresas, escritórios de contabilidade e assessoria jurídica.

O outro grupo era especializado em falsificar certidões e escrituras, e o dinheiro arrecadado na venda de documentos falsos ia direto para o bolso dos envolvidos sem pagar qualquer taxa aos cofres públicos.

Triste coincidência histórica

No dia 19 de março de 1964, as ruas de Paulo foram tomadas pela Grande Marcha que antecedeu a queda de João Goulart.

No mesmo dia, meio século depois, duas celebrações distintas, na mesma data, em locais diferentes e com significado e emoções diferentes.

Na Igreja de Fátima, no Sumaré, familiares e amigos de João Parize Filho, assistiam à missa em memória do primeiro.ano de morte daquele que foi um dos seqüestrados pelo "comandante Daniel", mais conhecido hoje como o advogado, consultor de empresas e blogueiro José Dirceu de Oliveira e Silva.

Por ironia da história, no mesmo dia e hora da missa de Parize, José Dirceu comemorava junto com a alta cúpula palaciana, em Brasilia, mais um aninho de vida.

Perdeu, Paulinho...

Os terríveis Diogo Mainardi e Reinaldo Azevedo estão morrendo de tristeza...

O jornalista Paulo Henrique Amorim teve sua página Conversa Afiada detonada do iG.

O Portal rescindiu contrato com o jornalista, afirmando que vai respeitar todas as cláusulas contratuais, o que significa que ele será indenizado.

O iG alegou que a manutenção do Conversa Afiada era altamente desvantajosa para o modelo de negócios da empresa, porque a baixa audiência e receita não compensavam os gastos com a página de Amorim.

Crise na CPI

A tucana Marisa Serrano ameaça deixar a presidência da CPI dos Cartões Corporativos.

Marisa está PT da vida com alguns colegas “da oposição”, que teriam "fechado" acordo com governistas para abafar apuração dos gastos com cartões da Presidência da República.

Respondendo à ameaça da senadora, o ministro Paulo Bernardo avisa:

Quem quiser apurar as contas do Planalto terá que abrir as contas "tipo b" de Fernando Henrique Cardoso”.

Para rir e chorar

O ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Jorge Hage classificou de "escandalização do nada" a crise gerada com os gastos dos cartões chapa branca do desgoverno Lula.

Hage defendeu a compra da tapioca, por R$ 8, pelo ministro do Esporte, Orlando Silva, dizendo que houve preconceito:

Tudo isso (o barulho) porque foi uma tapioca. Se tivesse sido um sanduíche do McDonald's talvez não tivesse tido tanto apelo. O folclórico, o pitoresco sempre chama atenção. Se fala em uma farra, mas estão fazendo a escandalização do nada”.

Foi o que declarou o ministro, em depoimento ontem na CPI do Cartão Corporativo.

Hage defendeu também a reforma da mesa de sinuca, na garagem do Ministério das Comunicações, dizendo que "era para funcionários humildes poderem se divertir" no horário de folga.

Mosquito assustou Lula

Surpreso com os relatos de que a situação era mais grave do que parecia, o popular chefão Lula da Silva cobrou ontem explicações do ministro José Gomes Temporão (Saúde) sobre o grande aumento de casos no Rio de Janeiro.

De imediato, Temporão responsabilizou o Imperador do Rio, Cesar Maia (DEM), que, segundo ele, não teria adotado os procedimentos técnicos para combater o mosquito Aedes aegipty, transmissor da doença.

Apesar disso, Lula pediu que Temporão se colocasse à disposição de Maia para ajudar no que fosse possível.

Culpa transferida

Apesar do avanço da doença, o prefeito Cesar Maia voltou a negar que a cidade enfrente uma epidemia.

O prefeito carioca responsabilizou os hospitais da rede estadual pelo alto índice de mortes provocadas por dengue (29 na capital).

Cesar Maia afirmou que a maior parte dos óbitos (12, segundo ele) ocorreu em hospitais do estado.

Empreiteiros agradecem

O secretário municipal de Transportes de São Paulo, Alexandre de Moraes, promete um pretenso conjunto de obras e medidas operacionais para melhorar a fluidez do trânsito na capital paulista.

O aumento do número de veículos nas ruas tem provocado sucessivos recordes de congestionamento.

Entre as ações milagreiras, estão 19 obras viárias, a recuperação de sete corredores de ônibus, a proibição de estacionamento e carga e descarga de caminhões em 17 vias, além da criação de 175 rotas alternativas e a remoção de 167 lombadas.

O plano prevê a recuperação de 97,5 quilômetros dos corredores Pirituba/Lapa/Centro, Santo Amaro/Nove de Julho/Centro, Jardim Ângela/Guarapiranga/Santo Amaro, Itapecerica/João Dias/Centro, Parelheiros/Rio Bonito/Santo Amaro, Capelinha/Ibirapuera/Santa Cruz e Paes de Barros.

Pequenas obras de emergência, em ano eleitoral, são sempre bem vindas para engordar os cofrinhos dos empreiteiros que colaboram com as caríssimas campanhas políticas para Prefeito e Vereador.

Amante Profissional

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul reconheceu como união estável um romance à distância vivido por um jovem brasileiro e um advogado norte-americano milionário, já aposentado.

Apesar de ser casado com uma mulher nos Estados Unidos, o americano manteve o relacionamento homossexual por quatro anos, entre vindas ao Brasil e viagens ao exterior.

Com o fim do namoro, o brasileiro ganhou o direito de receber metade de um robusto patrimônio de US$ 450 milhões, adquirido no Brasil, durante o romance, pelo norte-americano.

Bem Indenizado

O norte-americano terá que dar ao ex-namorado uma fazenda no Rio Grande do Sul, dois automóveis, dois apartamentos em Porto Alegre (um deles de cobertura), uma casa de mil metros quadrados na mesma cidade, metade das ações de uma fábrica de calçados e rendimentos de aplicações financeiras de mais de R$ 150 mil por mês.

O estrangeiro agora promete recorrer da decisão, pois considera que o patrimônio construído no Brasil também pertence à sua legítima mulher.

Em tempo: na época do relacionamento com o gringo milionário, o pobre brasileiro ganhava salário de R$ 1.800.

Os nomes dos amantes agora em conflito são mantidos em sigilo pela Justiça gaúcha.

Vida que segue...

Ave atque vale!

Fiquem com Deus!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Inteligente, inovador, fortemente analítico e propositivo, utilizando as mais modernas tecnologias para transmissão instantânea e eletrônica de informação privilegiada e análise estratégica, junto com a difusão de novos conhecimentos voltados para a construção e consolidação de novos valores humanos.

2 comentários:

Samuel Ramos disse...

Apenas uma correção, se me permite: os títulos do tesouro americano (treasuries) podem até ser considerados micos, haja visto que o rendimento está nesse momento abaixo da inflação oficiosa, servindo praticamente como um atestado de confisco.

Porém, eles ainda detêm o status de porto seguro, refletido na forte procura por treasuries em momentos de crise (esse inclusive). Os rendimentos diminuem se aumentar a procura, e ontem o treasury de 3 meses estava pagando 0,68 ao ano, a menor taxa em quase 50 anos!

Isso também pode ser explicado pela desconfiança quanto ao sistema financeiro, de modo que o mercado está achando mais seguro perder 3 ou 4% para a inflação em treasuries do que deixar no banco e poder perder tudo.

Sds.
Samuel

Anônimo disse...

LULA DEBOCHA DA CONSTITUIÇÃO , DAS INSTITUIÇÕES BASILARES DO ESTADO DEMOCRATICO DE DIREITO, LULA DESRESPEITA HOMENS PUBLICOS E ALTAS AUTORIDADES CONSTITUIDAS , LULA ADULA E BAJULA APENAS OS ALOPRADOS A EXEMPLO DA EX MIN. MATILDE RIBEIRO E DEMAIS CORJA ASSEMELHADA(GANG DOS CARTÕES CORPORATIVOS), LULA ESTA INCURSO EM INUMEROS TIPOS PENAIS COMO DELINQUENTE RÉU CONFESSO ,HÁ FARTO CORPO DE PROVAS E FATOS PUBLICOS NOTORIOS PARA ENQUADRAR ESTE PROTO-DITADOR A UM PROCESSO DE IMPEACHMENT SEM PREJUIZO DAS AÇÕES NO FORO CIVIL E CRIMINAL COMUM QUE LHE CABE E A SUA GANG . O MIN. MARCO AURELIO DE MELLO TEM AUTORIDADE SUFICIENTE PARA DEMANDAR VARIOS TIPOS DE PROCESSOS LEGAIS CONTRA LULACORLEONE EM SEU CONTINUADO CRIME DE RESPONSABILIDADE