sexta-feira, 16 de maio de 2008

10% mais pobres pagam 32% de sua renda em impostos e contribuições; 10% mais ricos pagam só 22%

Edição de Sexta-feira do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com

Adicione nosso blog e podcast aos seus favoritos.

Por Jorge Serrão

Os 10% mais pobres no Brasil pagam 32% de sua renda em impostos e contribuições, enquanto os 10% mais ricos pagam só 22%. Já os extremamente pobres entregam 44,5% do que ganham para o Estado. Enquanto isso, os 10% mais ricos concentram 75% da riqueza e da renda nacional. Embora sirva para acirrar discursos tipo “luta de classes”, tão ao gosto do patrulhamento ideológico imposto pelo atual desgoverno, os números divulgados ontem pelo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) confirmam que os brasileiros precisam dar um basta no atual sistema de imposto e imposturas.

O próprio presidente do Ipea aproveitou a divulgação dos números para criticar a proposta de reforma tributária proposta pelo desgoverno em que trabalha. Márcio Pochmann reclamou que tal proposta da equipe econômica de Lula não tem o objetivo de promover a igualdade. “Não percebo o princípio de que ela busque a eqüidade fiscal. Não acredito que ela terá impacto, para o bem ou para o mal, nas desigualdades sociais”. O projeto de reforma tributária é coordenado pelo ex-ministro da Fazenda, deputado federal Antônio Palocci Filho, homem cujos banqueiros querem trazer de volta para o desgoverno, no Ministério da Previdência.

Na dura constatação de Márcio Pochmann, “Quem é pobre no Brasil está condenado a pagar mais imposto”. O presidente do Ipea destacou que a maior incidência de carga tributária se dá entre os que ganham entre 5 e 30 salários mínimos (R$ 2.075 a R$ 12.450). Por isso, Pochmann defende a criação de novas faixas para a cobrança do Imposto de Renda – hoje restrito às alíquotas de 15% e 27,5%. A primeira muito elevada para quem ganha pouco. E a segunda muito baixa para quem ganha demais.

Almirante com Heleno

O militar que ocupa o cargo na hierarquia do Ministério da Defesa, o almirante Marcos Martins Torres endossou ontem as críticas à demarcação contínua da reserva indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima.

O Chefe do Estado-Maior de Defesa, Torres advertiu que o comandante Militar da Amazônia, general Augusto Heleno Pereira, "não está sozinho na sua preocupação de que a demarcação, em área de fronteira com a Venezuela, seja uma ameaça à soberania nacional".

A solidariedade do Almirante ao General foi prestada durante entrevista coletiva no encerramento da 4ª Conferência de Defesa do Cone Sul.

Cuidadoso

Apesar da defesa de Heleno, o Almirante Torres defendeu a demarcação das terras indígenas em área contínua.

Torres ressaltou que a que a questão está nas mãos do Supremo Tribunal Federal (STF):

"No que diz respeito à Raposa, ninguém pode falar hoje sobre isso porque a decisão está no STF e o que o Supremo decidir (será respeitado)".

O cauteloso Torres até repetiu o discurso do Chefão-em-comando Lula da Silva de que, na Amazônia, “ali, todo mundo é brasileiro”.

Será que o EB iria?

O líder dos arrozeiros da reserva indígena Raposa Serra do Sol, Paulo César Quartiero, que também é prefeito de Pacaraima pelo DEM, em Roraima, defendeu ontem a intervenção do Exército na região.

"Paz só vai haver com uma intervenção do Exército brasileiro por um período. Enquanto a Polícia Federal estiver lá, não haverá paz. Se persistirem, vai ser agravado o conflito".

Menos de 24 horas depois de ser solto pela Polícia Federal, Quartiero fez um périplo pelo Congresso para agradecer aos parlamentares de seu estado o apoio que vêm recebendo deles contra a demarcação contínua da reserva indígena.

Quartiero reclamou que a ocupação da fazenda Depósito, de sua propriedade, por índios "foi uma invasão chapa-branca armada" pelo Conselho Indigenista de Roraima (CIR).

Revanchismo

O Ministério Público Federal em São Paulo (MPF-SP) entrou com uma ação civil pública contra a União e os dois ex-comandantes do Destacamento de Operações de Informações do Centro de Operações de Defesa Interna (Doi-Codi) do II Exército, em São Paulo, no período de 1970 e 1976.

Os alvos são os militares hoje reformados Carlos Alberto Brilhante Ustra e Audir Santos Maciel.
Na ação, o MP busca aplicar no Brasil conceitos que, segunda os procuradores, já são pacíficos no âmbito da Organização das Nações Unidas (ONU) e da Organização dos Estados Americanos (OEA) em relação a autores de crimes contra a humanidade.

Os revanchistas do MP alegam que a ação é cível e não implica condenação penal.

Vingança civel

Na ação distribuída à 8ª Vara Federal Cível de São Paulo, os seis procuradores e procuradoras da República que assinam a petição, requerem:

1) O reconhecimento do dever das Forças Armadas de revelar o nome de todas as vítimas do Doi/Codi de São Paulo (não apenas de homicídio e desaparecimento), circunstâncias de suas prisões e demais atos de violência que sofreram, bem como tornar públicos todos os documentos relacionados ao funcionamento do órgão;

2) A declaração de que Ustra e Maciel comandaram um centro de prisões ilegais, torturas, homicídios e desaparecimentos forçados no Doi-Codi de São Paulo;

3) Que Ustra e Maciel sejam obrigados a reembolsar à União os custos das indenizações às famílias das 64 vítimas daquele destacamento durante a gestão dos demandados;

4) Que ambos sejam condenados a não mais exercerem qualquer função pública.

Breve, outros alvos

O MP afirma que, por enquanto, as únicas pessoas físicas demandadas na ação são Ustra e Maciel, em virtude de ambos terem figurado no topo da cadeia hierárquica do órgão repressor, permitindo sua identificação imediata.

Os demais agentes envolvidos serão demandados em outras ações, esclarecem os autores, na medida em que forem identificadas suas condutas.

Além disso, o comandante do II Exército no período, Ednardo D´Avilla Mello, e o subcomandante do Doi, capitão Dalmo Cirillo, que poderiam figurar na ação de regresso, já morreram. A ação é cível e não implica condenação penal.

A publicação "Direito à Memória e à Verdade", editada pela Presidência da República e lançada ano passado, sustenta que houve 64 casos de mortes e desaparecimentos pelos agentes do Doi-Codi de São Paulo no período em que Ustra e Maciel o comandaram.

Tese revanchista de Tarso

O ministro da Justiça, Tarso Genro, defende que “os torturadores do regime militar sejam julgados pelos crimes que cometeram no período”.

"Alguns dizem que a anistia foi feita para todos, inclusive para os torturadores. Eu respondo que se ela foi feita para os torturadores, eles têm que ser julgados, eles têm que receber uma pena. Eles se escondem hoje em uma postura arrogante que não aceita a controvérsia política".

Tarso defendeu ainda tese de que a tortura não constitui um crime político:

"Se um agente público invade uma residência na ditadura cumprindo ordem legal, isso é um crime político de um estado de fato vigente naquele momento. Agora, se esse mesmo agente público prende uma pessoa e a leva para um porão e a tortura, esse crime não é um crime político, porque nem a legalidade da ditadura permitia tortura. Mas isso teria que ser uma interpretação do Poder Judiciário".

Anistia para o bolso

A Comissão de Anistia do Ministério da Justiça promoveu ontem seu showzinho em sessão feita na antiga sede da UNE (União Nacional dos Estudantes), na praia do Flamengo (zona sul do Rio), para conceder reparação financeira àqueles que se dizem vítimas da dita-dura.

O presidente da Comissão de Anistia, Paulo Abrão, festejou que a sessão foi histórica por ter sido realizada no terreno da antiga sede da UNE, que foi incendiada durante a dita-dura militar.

Abrão pediu desculpas oficiais aos seis julgados e reconheceu todos como anistiados políticos.

Viva a dita-dura, porque hoje os terroristas, assaltantes de banco, torturadores e assassinos de militares em serviço, travestidos de “revolucionários” no passado, agora ocupam altos cargos na administração da República e alguns deles são até processados por crimes de alta corrupção, como o Mensalão, pelo Supremo Tribunal Federal. Viva a dita-dura da atual demo-cracia (desgoverno do “demo”).
Para ser investigada


A Polícia Federal vai convocar Elza de Fátima Costa Pereira, mulher do deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho (PDT-SP), para prestar depoimento na investigação que apura fraudes em empréstimos no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

A PF quer saber se Elza usou a ONG Meu Guri, da qual é presidente, para lavar dinheiro da quadrilha investigada na Operação Santa Teresa por cobrança de propinas para intermediar empréstimos junto ao BNDES.

A PF quer esclarecer também a compra de uma casa de praia por R$ 220 mil, à vista, sendo que pelo menos R$ 40 mil foram em dinheiro vivo, no luxuoso condomínio de Riviera de São Lourenço, em Bertioga, litoral paulista.

Fortes indícios

Documentos apreendidos pela PF revelam que a ONG comandada por Elza recebeu um depósito de R$ 87,5 mil do lobista João Pedro de Moura, consultor da Força Sindical preso desde o dia 24 sob a acusação de integrar a quadrilha que agia no BNDES.

O banco estatal repassou R$ 1,328 milhão à entidade, segundo o deputado.

Em conversas interceptadas pela PF, integrantes da quadrilha dizem que João Pedro de Moura, amigo de Paulinho há mais de uma década, pretendia cadastrar uma ONG junto ao Ministério do Trabalho para receber verbas federais.

Ficou querendo...

A ministra Ellen Gracie Northfleet, do Supremo Tribunal Federal, negou o pedido de foro especial feito pelo advogado Ricardo Tosto, investigado na Operação Santa Teresa.

Ex-integrante do Conselho de Administração do BNDES, Tosto queria ser julgado pelo Supremo.

Mas a ministra Helen esclareceu que ele não ocupava cargo que lhe desse tal direito.

Segundo a Constituição, só parlamentares, ministros de Estado e o presidente da República têm o privilégio de ser julgados pelo STF.

Olho na Alstom

Contratos do Metrô de São Paulo no valor de R$ 556 milhões com a fornecedora de trens Alstom são considerados irregulares pelo Tribunal de Contas do Estado.

O TCE paulista revela que o metrô levou um prejuízo de R$ 70 milhões na retomada de um contrato feito com a fabricante, em 1992, 11 trens foram adquiridos por R$ 500 milhões.

Pelo contrato de 1992, cabia à fornecedora o pagamento dos impostos – o que encareceu a operação.

Opção estranha?

De acordo com uma licitação feita no ano passado, se o governo importasse os trens diretamente, pagaria 14% a menos de impostos.

Bastava ter incluído a compra dos trens nessa licitação para economizar.

Estranhamente, o Metrô preferiu a prorrogação do contrato antigo que custava bem mais caro.

Petistas interessados

A bancada do PT na Assembléia Legislativa de São Paulo quer uma CPI para investigar o suposto pagamento de propina, por parte da empresa Alstom, a servidores paulistas.

O Ministério Público do Estado também já abriu inquérito para apurar o caso.

A suspeita é que estatais do governo de São Paulo tenham fechado contratos que somam pelo menos R$ 7,6 bilhões, nos últimos 19 anos, com o grupo Alstom - investigado na França e na Suíça por pagar propinas a servidores públicos para obter contratos no Brasil e em outros países em desenvolvimento.

PF sabe tudo

A Polícia Federal fechou a reconstituição do caminho percorrido pelo dossiê dos gastos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, desde o momento em que ele foi confeccionado, na Casa Civil da Presidência da República, até o seu vazamento.

Os nomes dos envolvidos não foram ainda revelados pelo delegado Sérgio Menezes, encarregado do inquérito, porque o caso corre em segredo de Justiça.

A PF se baseia na origem e destino da planilha contendo os gastos do ex-presidente Fernando Henrique, passada por e-mail pelo ex-secretário de Controle Interno da Casa Civil, José Aparecido Nunes Pires, ao assessor do senador Álvaro Dias (PSDB-PR), André Fernandes.

Houve crime?

O objetivo da PF é descobrir quem mandou fazer o dossiê e com que motivação, para estabelecer se houve crime.

Nessa hipótese, os autores do dossiê podem ser indiciados por prevaricação e violação de sigilo funcional.

Mas as investigações ainda não permitiram concluir que houve crime na manipulação dos dados, função - em princípio - corriqueira em órgãos públicos como a Casa Civil.

Dia de Aparecido

Nesta sexta-feira será a vez de Aparecido dar sua versão para os fatos à Polícia Federal.

Seu depoimento é considerado essencial para o esclarecimento total do caso.

Os dados apurados pela PF confirmam a tese, já levantada quando da divulgação do laudo do Instituto de Tecnologia da Informação (ITI), que apontam Aparecido como responsável pelo vazamento.

Poucas novidades

A Interpol anunciou ontem que os documentos encontrados nos computadores das Farc apreendidos pela Colômbia são autênticos.

No entanto, a Interpol garante que não verificou o conteúdo dos arquivos capturados em março, quando um líder das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia foi morto por forças colombianas em território equatoriano.

A Colômbia convidou a Interpol para fazer testes forenses para assegurar que os três laptops e outros hardware não foram manipulados depois que as tropas colombianas os apreenderam.

Ainda não foi dessa vez que os colombianos divulgaram os tão esperados dados que relacionam os guerrilheiros das Farc com traficantes ou aliados políticos de países vizinhos.

Fazendo docinho

Carlos Minc soltou ontem o factóide de que só assume oficialmente o cargo de Ministro do Meio Ambiente e tiver certeza que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva aceita realmente as condições que impôs.

O que eu disse para o Lula é que eu vou conversar com ele na segunda, pois eu quero saber exatamente os planos que ele tem, as idéias e as condições de trabalho. E eu disse para ele quais foram as condições de trabalho que o Sérgio Cabral me deu no Rio de Janeiro e eu aceitei depois da terceira tentativa dele”.

Minc tentou até passar a imagem de falsa humildade:

Eu tenho sérias dúvidas se estarei à altura deste desafio. Não me julgo plenamente preparado para isso. Fui impelido. Neguei quatro vezes, o governador me ligou, o presidente ligou. Não aceitar ia ficar como uma grande covardia política minha”.

Sem metidas

O novo ministro garantiu que ganhou carta verde de Lula, de quem se diz amigo, para montar a equipe do ministério:

O Lula topa tudo. Mas topa tudo porque é meu amigo, quer muito, eu estou longe e não começaram as pressões de gente querendo meter alguém aqui e ali no Ministério do Meio Ambiente. Não vai meter ninguém! O Lula me deu carta verde para montar a equipe”.

Sem saber se o futuro ministro se refere aos petistas ou aos peemedebistas com quem tem ligações íntimas, Minc fez até trocadilhos:

"Lula não vai fazer eu pagar Minc leão dourado no governo".

Gênio ambiental

Curtindo a boa vida de Secretário do Meio Ambiente do Rio de Janeiro, viajando pelo agradável meio ambiente de Paris, durante uma hora de entrevista, repleta de tiradas de humor, Carlos Minc admitiu que não conhece a Amazônia em detalhes, embora tenha sido tema de sua tese de doutorado.

Mesmo assim, o futuro titular da pasta do Meio Ambiente garante que não cederá para que a Amazônia vire o quintal do capital internacional:

Se alguém acha que com a minha história, eu vou para lá (Brasília) ser um anti-Marina, abrir a Amazônia para capital interno e internacional, abrir as pernas para a Amazônia virar um quintal, está absolutamente equivocado. O fator principal do desmatamento da Amazônia não é a soja, é o gado. Tem que ter mecanismos que estimulem e premiem a preservação, como o ICMS verde que adotamos no Rio, que faz com que os prefeitos que tomam série de atitudes ambientais recebam mais”.

Tô fora

Minc prometeu sugerir a Lula ao nome de Jorge Viana para ser o coordenador executivo do Programa Amazônia Ssustentável.

Mas o ex-governador do Acre, que fora cogitado para assumir o Ministério do Meio Ambiente e não aceitou, também recusou a coordenação do PAS.

Em entrevista à Rádio BandNews FM, Jorge Viana afirmou que não quer "de jeito nenhum" um cargo no governo federal.

O barbeiro do Planalto

Viana reclamou, recentemente, que foi barbeiragem de Lula pôr Mangabeira para coordenar plano da Amazônia.

O ministro de Assuntos Estratégicos, Roberto Mangabeira Unger, foi considerado estopim para o pedido de demissão de Marina Silva do ministério.

O problema é que o chefão Lula está encantado com o estilo trator de Mangabeira...

Padre denunciado

O padre Marcílio Amorim Mendes, de 37 anos, foi preso na cidade de Peçanha, no leste de Minas Gerais, suspeito de pedofilia.

O mandado foi expedido pelo Ministério Público após receber denúncias de mães de menores da cidade e de uma suposta testemunha.

O religioso, acusado de atentado violento ao pudor e pedofilia, era investigado há dois anos.

Mais rico para quê?

Até o milionário Ronaldo, o Fenômeno, quer ficar mais rico ainda.

O craque quer ganhar o prêmio acumulado de R$ 22 milhões na Mega-Sena.

Por isso, jogou R$ 600 esta semana em uma lotérica no shopping Città América, na Barra.

Travecagem publicitária

A Bombril aproveitou o episódio de Ronaldo com os travestis para dar uma estocada em sua principal concorrente no segmento de lãs de aço.

A ironia publicitária é baseada no fato de a Assolan oferecer seu produto em uma embalagem muito parecida com a da Bombril.

A campanha intitulada "Não leve gato por lebre" (em que o ator do comercial imita um jogador cercado por travecos) veiculará anúncio nas principais revistas semanais do País a partir de hoje.

Leilão da traição

Um marido, que descobriu, lendo e-mails, que a mulher estava tendo um caso com um colega de trabalho, decidiu se vingar da companheira de 24 anos de matrimônio colocando-a à venda no eBay.

Da cidade de Bletchley, na Grã-Bretanha, Paul Osborn, de 44 anos, ofereceu a mulher Sharon - descrita na oferta como "mentirosa" e "adúltera" - a quem pagasse o maior preço.

Osborn teria recebido ofertas de até 500 mil libras esterlinas (cerca de R$ 1,6 milhões).

Já pensou se alguém leiloasse no eBay os políticos que traem o Brasil? Será que o leilão renderia um bom dinheiro?

Vida que segue...

Ave atque vale!

Fiquem com Deus!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Inteligente, inovador, fortemente analítico e propositivo, utilizando as mais modernas tecnologias para transmissão instantânea e eletrônica de informação privilegiada e análise estratégica, junto com a difusão de novos conhecimentos voltados para a construção e consolidação de novos valores humanos.

Um comentário:

Anônimo disse...

Gov.lula CorruPTo e Dissimulado.

Lula advogado Virtual de Mensaleiro$$, Aloprado$$, $angue$$uga$$ Aliado$$, companheiro$$ e demai$$ Delinqüente$$, que integram a Cúpula do$$ Companheiro$$ ameaçou a Nação Brasileira com mais impostos. Mas usará sua base de políticos babaovo para aprovar nova versão do CPMF.

Que é i$$o?
. Lula teve a petulância de dizer que os brasileiros estão ganhando mais e podem pagar mais impostos, deve ser o efeito do Etanol em sua cuca.

O Filme os três PATETAS fizeram Sucesso na Tv.
Não vamos deixar Que um Pateta que vale pelos três consiga mais este tipo de roubo de todos os brasileiros Imposto que faz limpa em nossos bolsos, vamos protestar pois quem cala consente não nos deixemos ser Chantageados por esse Ator disfarçado de Pateta Em Metamorfose de Maluco, Repassem este e-mail escrevam para o senado, www.senado.gov.br, É preciso parar de reclamar e fazer sua parte não seja covarde através da telinha você pode ajudar a mudar o Brasil