sábado, 16 de agosto de 2008

Bom dia, seu Pocotó

Edição de Artigos de Sábado do Alerta Total http://www.alertatotal.blogspot.com

Adicione nosso blog e podcast aos seus favoritos.

Por Adriana Vandoni


Os analistas políticos afirmam há anos, ao final de cada eleição, que a popularidade do presidente da república e do governador é distinta das eleições municipais, ou seja, que a imagem do presidente ou do governador pode até ser importante para o candidato, mas não é fundamental e decisiva para a escolha da maioria dos eleitores.

Eis que o atual prefeito de Cuiabá e candidato a reeleição, Wilson Santos (PSDB), em mais um dos seus "estratégicos" momentos de oratória, diz que o presidente Lula desejava tê-lo como o seu candidato, claro querendo pegar carona na popularidade do presidente. "O presidente Lula me convidou em três ocasiões para ser o candidato dele a prefeito de Cuiabá, mas preferi ficar no PSDB porque acredito nos princípios de social-democracia. Três interlocutores vieram falar comigo, para que mudasse de partido, mas preferi continuar no meu partido", disse Wilson Santos. Ah, contou o milagre e não contou o santo! Quem foram esses três que pediram?

Não tardou para levar um desmentido dos petistas, um passa fora, e o assunto virou o tema do último final de semana em todos os jornais do estado quando o secretário de Assuntos Federativos da Presidência da República, Alexandre Padilha, afirmou que o "O prefeito Wilson Santos nunca recebeu esse convite do presidente da República".

É como dizia vovó, quem fala muito dá bom dia a cavalos. Tudo poderia ser diferente se o candidato a reeleição usasse fatos acontecidos e não fatos criados.

Veja, se a intenção era atingir o candidato do PR, Mauro Mendes, uma espécie de candidato express do governador Blairo Maggi, que tem como vice o PT, que falasse do pouco auxílio que a cidade de Cuiabá recebe deste governo estadual, do descaso e até pouco caso com que esta turma da botina sempre teve com Cuiabá. Vale lembrar que enquanto arrumava a fachada de casarões antigos, o governador chegou a afirmar em roda de amigos que ainda iria tirar o menino Jesus dos braços de São Benedito e enfiar no lugar uma cuia de chimarrão. Nada contra a cuia, que, aliás, cada um revolve onde enfiar, mas é um desrespeito à cultura, à religiosidade e a fé do povo cuiabano.

O candidato a reeleição deveria relatar à população o esforço de Maggi para que empresas se instalassem apenas no município sede de seus interesses comerciais, gerando empregos e impostos lá, não na capital. Poderia também questionar o que afinal de contas, este candidato delivery do governador já fez para atrair investimentos na cidade como representante do setor.

Se a intenção era atingir o candidato cantor, ou vice-versa, Walter Rabello, do PP, bastaria dizer que ele além de despreparado para administrar, é o legítimo representante dos fichas-sujas, aliás, se somarmos todos os processos judiciais dos padrinhos do cantor/candidato ou candidato/cantor poderíamos dizer que ... é infinito, enquanto dure. Neste caso é melhor ser desafinado que fazer dupla com delinqüentes.

Mas o candidato a reeleição, Wilson Santos, focou a popularidade presidencial. Faltou a ele ter seguido o que disseram aqueles analistas que citei antes, faltou ouvir auxiliares, se é que os ouve, ou se eles existem.

O prefeito de Cuiabá está com a estratégia errada, que já vem errada há algum tempo. Ele precisa discutir os assuntos municipais, é isso que interessa agora à população de Cuiabá, e o que é pra supor que ele entenda.

Existem tantas verdades a serem ditas, que jamais valeria a pena usar mentiras.

Adriana Vandoni é Economista e Especialista em Administração Pública. Site: www.adrianavandoni.com.br

Nenhum comentário: