domingo, 24 de agosto de 2008

O dinheiro é meu Senhor, e o Boi não vai pro brejo?

Segunda Edição Revisada e Crítica de Artigos de Domingo do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com/

Adicione nosso blog e podcast aos seus favoritos.

Por Jorge Serrão


Surge um adversário geopolítico à altura e com poder de pressão econômica para defrontar a Oligarquia Financeira Transnacional formada pela banqueiragem internacional, seus ideólogos capimunistas de Estado travestidos de socialistas fabianos e seus especuladores amestrados. O governo alemão lançou um projeto de lei para proteger empresas germânicas de tentativas de aquisições e fusões promovidas por estrangeiros indesejados que manipulam os poderosos fundos soberanos chineses e russos – que hoje movimentam US$ 3 trilhões 850 bilhões em ativos.

A batalha geoeconômica promete. O parlamento alemão deve referendar a legislação que dotará a Alemanha de um instrumento protecionista que os EUA, a França e o Reino Unido (paraíso dos banqueiros) já têm há muito tempo. A chiadeira dos banqueiros e especuladores será enorme porque a demonstração de soberania alemã não é politicamente correta na visão da “comunidade” européia. Alem disso, a nova lei se choca com os interesses dos controladores da globalização.

Os banqueiros ingleses, através do seu porta-voz midiático Financial Times, já criticaram a nova legislação alemã prestes a ser ratificada pelo Parlamento. Os ingleses temem a eventual concorrência alemã na dura disputa pela hegemonia mundial contra os EUA. Até hoje os britânicos não engolem a independência, os valores democráticos, a soberania e o patriotismo de sua antiga colônia.

No meio desta briga diplomaticamente oculta entre ingleses e norte-americanos, os alemães têm poder. O Banco Central Europeu é sediado em Frankfurt. Economistas ironizam que o Euro nada mais é que um velho Marco alemão disfarçado. Não foi à toa que a Inglaterra não aderiu ao Euro. A City de Londres não abre mão da Libra. E seus banqueiros fazem de tudo para manipular o Euro, usando como “laranjas” os fundos soberanos pretensamente chineses, russos ou asiáticos. È briga de especulador grande...

Em princípio, a nova legislação da Alemanha não ameaça a União Européia de 27 países (nos quais 17 adotam o Euro como moeda oficial). Mas o protecionismo alemão corre o risco de ser derrubado pela Corte Européia de Justiça. A banqueiragem vai pressionar para que isto aconteça. Até porque a legislação da UE (feita sob encomenda para o interesse da Oligarquia Financeira Transnacional globalizante) garante a livre movimentação de capitais tanto para investidores europeus quanto não-europeus. “Investimentos Diretos Estrangeiros” já colocaram € 439 bilhões na Alemanha, gerando, mal ou bem, 2 milhões de empregos.

O governo Alemão da primeira ministra Ângela Merkel deu um recado direto aos especuladores disfarçados de investidores. Também serve de lição patriótica contra o movimento globalizante que seduz políticos, empresários e economistas “entreguistas”. Os alemães querem resguardar seus setores econômicos estratégicos ameaçados por tentativas de aquisições internacionais, principalmente nos setores portuário e de telecomunicações.

A Alemanha praticamente carrega a economia européia nas costas. No entanto, sua relação é de interdependência. A economia alemã depende muito das exportações. As vendas externas correspondem a 47% do Produto Interno Bruto germânico. No setor de energia, a Alemanha depende muito da Rússia (com quem anda se estranhando ultimamente). Nada menos que 37% do gás natural e 31% do petróleo consumido pelos alemães vêm dos russos.

A premiê alemã Ângela Merkel investe no protecionismo e na soberania da Alemanha, no delicado momento em que a economia norte-americana sente efeitos da crise das hipotecas, a Rússia ensaia um avanço econômico com jeitinho militar (vide o incidente com a Geórgia) e os ingleses sentem os efeitos de uma súbita estagnação econômica, com sinais claros de recessão à vista e a curto prazo.

A liderança de Merkel, atualmente, desagrada gregos e baianos. Ela incomoda, sobretudo, os banqueiros ingleses e seus parceiros-controladores ávidos por assumir a efetiva hegemonia econômica global. Merkel é encarada como uma dirigente muito próxima dos interesses norte-americanos. Isto até se explica porque ala é a primeira dirigente alemã crescida na extinta Alemanha Oriental (comunista). Por sua origem, Merkel tem instintos estatizantes combinados com broncas ideológicas ao dito socialismo (inclusive o Socialismo Fabiano da banqueiragem britânica).

Felizmente, um atento e bem informado leitor deste Alerta Total me adverte que minha análise sobre a suposta "soberania" da Merkel pode estar completamente equivocada. E cita fatos bem objetivos para me sustentar sua opinião. "Este governo atende aos interesses sim da plutocracia mundial - o grande e único capital internacional que atua no eixo New York e Londres. Quem acredita que nestas duas cidades existam dois grupos rivais, não vê claramente por detrás dos bastidores. O Banco Central Europeu segue fielmente a política do FED (o banco cenral privado dos EUA). É claro que com algumas diferenças estratégicas, porém, a política de crédito é idêntica".

Nosso anônimo analista prossegue: "As principais indústrias alemãs já foram incorporadas pelo grande capital.A Telekom alemã já foi privatizada pelas mãos do testa de ferro da oligarquia financeira Ron Sommer. Hoje, após o desastre desta privatização, o contribuinte alemão ficou com as dívidas... O Deutsche Post também segue a mesma cartilha... As Treuhandel da antiga DDR também já passaram para as mãos de especuladores como George Soros... Angela Merkel não iria pensar duas vezes em enviar soldados alemães para o Iraque há alguns anos atrás... Nas relações intenrnacionais, ela segue a cartilha de Nova Iorque. Na última visita dela a Israel, ela revelou a todos quem paga de fato seu salário... Antigamente, era a Stasi. Hoje, os sionistas... Ela é a primeira a incentivar recentemente uma reunião dos G8 e OMC sem a participação da Rússia... A economia alemã sangra por causa da União Européia. Se a população alemã pudesse ser ouvida, ela também rejeitaria a UE, da mesma forma que os irlandeses o fizeram. Ou seja, a população é refém de uma pequena quadrilha sem raízes com a nação, que não quer que os povos se entendam e o mundo viva em paz".

A turma da City de Londres olha atravessada para a alemãzinha. Estará ela agindo como "quinta-coluna"? Ou apenas faz o tradicional jogo de dissimulação que interessa à plutocracia global? Dependendo da resposta, os ingleses devem colocar os cavanhaques de molho antes de comprar uma briga mais pesada contra os alemães. Isto porque a economia do Reino Unido estagnou no segundo trimestre deste ano. O Produto Interno Bruto (PIB) inglês teve variação nula no período no confronto com os três meses antecedentes. Foi o desempenho mais fraco desde 1992. A estagnação foi gerada pela queda no consumo, a crise no imobiliário e a pressão inflacionária.

A crise botou um ponto final no maior período de crescimento do Reino Unido em mais de um século. O risco de recessão aumenta a pressão sobre o Bank of England (o banco central privado inglês) para deixar de lado as preocupações com a inflação e baixar os juros de forma a impulsionar o crescimento econômico. A recessão pode atrasar o projeto inglês de desbaratar os EUA da liderança econômica mundial.

Enquanto isso, na velha colônia de exploração chamada Brazil, a Oligarquia Financeira Transnacional permanece mandando e desmandando. No entanto, já surgem sinais de desgaste na relação de entreguismo do desgoverno Lula com seus controladores externos. Os poderosos da globalização andam cabreiros com o chefão Lula, por causa de suas recentes idas e vindas sobre o destino da exploração petrolífera na camada pré-sal (que tornaria o Brasil uma potencial Arábia Saudita). Os problemas da nossa “Arábia Tupiniquim” seriam a mentalidade colonial-entreguista e os mais de 40 ladrões que atuam no Governo Ideológico do Crime Organizado. Reveja, se tiver saco: João não é João. Mas Mané é sempre Mané!

De olho na bandidagem, é preciso advertir que o chefão Lula só corre perigo se contrariar os interesses da Oligarquia Financeira Transnacional. A idéia de desapropriar os campos da área pré-sal, indenizando as transnacionais, soa como uma afronta para seus banqueiros controladores. Lula precisa tomar cuidado em sua estratégia de marketagem para imitar Getúlio Vargas. A banqueiragem foi implacável com Gegê. Montou a campanha que o derrubou em 1945. E, no começo da década de 50, patrocinou, na surdina, todo o esquema para eliminar do poder o presidente que queria um Brasil independente, soberano e desenvolvido. Getúlio Vargas acabou se matando com um tiro no coração em 24 de agosto de 1954. Exatos 54 anos atrás.

Na famosa Carta Testamento, Gegê deixou vários recados ao povo brasileiro. Um deles: “Quando vos vilipendiarem, sentireis no meu pensamento a força para a reação. Meu sacrifício vos manterá unidos e meu nome será a vossa bandeira de luta. Cada gota de meu sangue será uma chama imortal na vossa consciência e manterá a vibração sagrada para a resistência”. Vale reler A Carta Testamento de Getúlio Vargas e se inspirar para o combate efetivo aos verdadeiros inimigos do Brasil e seu povo. Quem tiver saco também releia: Quem elegeu os banqueiros para nos governar?

Lembrai de Getúlio, Lula! Até porque o gaúcho tinha simpatia pelos alemães que sempre afrontaram os banqueiros internacionais. Escutai o provérbio caipial, “Boi que muge pra banqueiro vai pro brejo”. Sorte do Chefão que sua a política econômica de não chifra os banqueiros. Muito pelo contrário, os trata como bezerros de ouro. Nosso Boi mais parece uma vaca prostituída pelo entreguismo. Vamos sempre para o brejo no Brasil porque nossos colonizados bovinos e afins são sodomizados pelo capital transnacional, e ainda pedem desculpas por estarem de costas na hora do estupro.

É o que fará o Banco Central do Brasil a partir de amanhã. Vai sondar o mercado para verificar se existe demanda para a realização de leilão de swap cambial reverso na terça-feira, 26 de agosto. O objetivo é a rolagem dos contratos que vencem no dia 1º de setembro de 2008. A transação pode ser um arakiri econômico, no melhor estilo pornográfico.

O swap é um acordo para troca de rentabilidade dos ativos financeiros. Com o swap cambial reverso, a autoridade monetária dá às instituições financeiras a variação da taxa de juros (Selic) e recebe, em contrapartida, a variação do dólar. Ficando ativo no swap cambial, o BC assume para si o risco de variação do dólar e paga ao mercado a oscilação da Selic. Com o dólar variando para baixo, e os juros da Selic para cima, adivinha quem sairá ganhando no fim das contas? Elementary, my dear Watson...

Voltando ao belo exemplo de soberania alemão, vale lembrar que ele seria impraticável, atualmente, no Brasil. Aqui, os desgovernos de FHC e Lula cumpriram o dever colonizado de doar e ratificar a entrega das empresas brasileiras estratégicas. Agora, só nos resta a tentativa de proteger o petróleo da camada pré-sal. Também temos a opção de acreditar que a mentalidade dos brasileiros pode mudar, para que tenhamos independência, soberania e desenvolvimento a exemplo dos países do Primeiro Mundo. Ficar só reclamando não resolve. Temos de “Pensar Brasil”. Precisamos de um projeto de Nação urgente. Vamos encarar o desafio?

Os brasileiros deviam se inspirar na lição da nossa recente campeã olímpica Maurren Higa Maggi. A bela atleta de 32 anos conquistou muito mais que o primeiro ouro individual feminino da história das participações olímpicas brasileiras. Maurren teve amor, fé e esperança e superou uma longa suspensão aplicada pela Federação Internacional de Atletismo depois que o anabolizante Clostebol ter sido encontrado em seu corpo, quatro anos atrás. Impedida de competir na olimpíada passada, mas embalada pela vitória em Pequim, Maurren avisa: "Eu tenho o sonho de disputar mais uma Olimpíada. Vou batalhar muito para estar em Londres".

Maurren só depende de sua comprovada perseverança. A atleta de ouro tem mais sorte que a Rede Globo. Quem estará nos jogos olímpicos de Londres, em 2012, graças a alianças e parcerias com a Oligarquia Financeira Transnacional, é a Rede Record. Afinal, no mundo globalizado (sem trocadilho infame), “Money is the Lord”.

Já pensou se alguém tem a idéia de fundar uma igreja com este slogan: “O dinheiro é o senhor?”. Já pensou... O Papa Bento 16 e a Rede Globo que se cuidem... A concorrência financiada pela Oligarquia Financeira da City de Londres não está para brincadeira. Persegue, endinheirada, o caminho da liderança...

Sorte de quem tem banqueiros internacionais o “abençoando abundantemente”... Tem horas que, no jogo de xadrez da vida real, é melhor ser Bispo que Rei... Vida que segue, e Deus que me perdoe pelas blasfêmias econômicas, políticas ou religiosas...

Jorge Serrão, jornalista radialista e publicitário, é Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. http://www.alertatotal.blogspot.com e http://podcast.br.inter.net/podcast/alertatotal

7 comentários:

Anônimo disse...

Sr. Jorge, sua página é o pão de cada dia, com gosto de mel e fel. Só peço a Deus que os leitores não sigam a medalhista de ouro votando em candidadatos do PT.
Precisamos de um Projeto Brasil, mas e a organização prá isto, onde está?

Anônimo disse...

Prezado Jorge,

Vc é sempre bom, mas há dias em que vc é ótimo em seus comentários. Hoje foi um desses dias dessa sua excelência.
TEmos estado literalmente no brejo com esse desgoverno. E nesse reino do el rei lula, não há Bispo a quem recorrermos. Vamos ter fé e esperança de que o próximo seja um governo e não uma continuação de desgoverno. Tenho a impressão que depois dessa m..*&$%#, é impossível que haja outra m..$*&#@ igual.

Anônimo disse...

Caro Serrão, você sempre é afiado em suas análises, mas essa última foi um desastre!

Alegar que a Alemanha seja soberana em suas ações políticas é de um equívoco ímpar. Este governo atende aos interesses sim da plutocracia mundial - o grande e único capital internacional que atua no eixo New York e Londres. Quem acredita que nestas duas cidades existam dois grupos rivais, não vê claramente por detrás dos bastidores.

O Banco Central Europeu segue fielmente a política do FED. É claro que com algumas diferenças estratégicas, porém, a política de crédito é idêntica.

As principais indústrias alemãs já foram incorporadas pelo grande capital.

A Telekom alemã já foi privatizada pelas mãos do testa de ferro da oligarquia financeira Ron Sommer. Hoje, após o desastre desta privatização, o contribuinte alemão ficou com as dívidas...

O Deutsche Post também segue a mesma cartilha...

As Treuhandel da antiga DDR também já passaram para as mãos de especuladores como George Soros...

Angela Merkel não iria pensar duas vezes em enviar soldados alemães para o Iraque há alguns anos atrás... Nas relações intenrnacionais, ela segue a cartilha de Nova Iorque. Na última visita dela a Israel, ela revelou a todos quem paga de fato seu salário... Antigamente, era a Stasi. Hoje, os sionistas...

Ela é a primeira a incentivar recentemente uma reunião dos G8 e OMC sem a participação da Rússia...

A economia alemã sangra por causa da União Européia. Se a população alemã pudesse ser ouvida, ela também rejeitaria a UE, da mesma forma que os irlandeses o fizeram.

Ou seja, a população é refém de uma pequena quadrilha sem raízes com a nação, que não quer que os povos se entendam e o mundo viva em paz.

Anônimo disse...

Eu gostaria de saber por qual
motivo o Serrão chama os banqueiros internacionais apenas de "Oligarquia Financeira Transnacional".

Que tal começar dando nome aos bois: Rockefeller e principalmente a família mais criminosa do Planeta Terra, os Rothschild, só para começar?

Anônimo disse...

Acho tudo muito fantasioso, parece até que estou assistindo ao filme " A lenda do tesouro perdido" com Nicolas Cage, um filme cheio de charadas e dicas,que supostamente levaria ao tesouro, envolvendo chefes de governo, casa branca etc. No nosso caso,a história está cheia de charada tb, como esta da carta de Getúlio Vargas. Ora, o cara estava com a arma na cabeça, pq não revelou o "esquema" intenacional, bla,bla, bla de forma clara. Mas o mais fantasioso dessa história toda é saber que algumas pessoas comuns(mesmo jornalistas)tem acesso a informações tão top secret.

Alerta Total de Jorge Serrão disse...

Elementar, meu anônimo Watson... A oligarquia não é formada apenas pelos banqueiros. Eles são os protagonistas. Por isso, ficaria restrito designar apenas os banqueiros no pequeno grupo de poder que controla o mundo.

Ao outro anônimo do comentário anterior, apenas esclareço que informações que parecem ser secretas não podem e não devem ser privilégio dos Deuses do Olimpo. Às vezes elas caem no conhecimento dos pobres mortais e podem ser divulgadas, para uma análise crítica dos leitores. Ninguém é obrigado a acreditar naquilo que escrevo. Nem eu mesmo. Mas todos somos obrigados a duvidar, questionar, raciocinar, buscar a verdade. Apenas isso e nada mais.

RÔ-LITORAL disse...

Caro Serrão, sempre me esclareço muito com suas análises. Elas sempre me fazem tentar ver o que há por trás dos acontecimentos e é uma zona que cheira mal. Como a humanidade pode ser tão torpe? Gostaria de passar-lhe o que li no site A Verdade sufocada. No dia 13 de setembro, às 15 horas, haverá uma manifestação de pessoas de bem na Praça Ramos de Azevedo, em São Paulo. Quem sabe seja a primeira semente de uma organização do pensar Brasil que o anônimo das 6:34 está pedidndo; haverá manifestações em outras cidades também.