sábado, 30 de agosto de 2008

Um só Rebanho; um só Pastor

Edição de Artigos de Sábado do Alerta Total http://www.alertatotal.blogspot.com

Adicione nosso blog e podcast aos seus favoritos.

Por Arlindo Montenegro


Um só governo. Uma Nova Ordem Mundial, com um sistema monetário unificado, dirigido pelo “Comitê dos 300”, que junta pessoas escolhidas como numa sociedade secreta, como numa fé religiosa ou clube fechado, há quase um século (1920). As metas decididas, reuniam estratégias e técnicas para a conquista e o controle do planeta por uma fração minoritária e elitista que se autodenomina “os olímpicos”.

O tema é muito extenso e parece “teoria da conspiração!” Deixa de ser teoria, na medida em que os propósitos descritos, elaborados durante séculos, agora são vividos bem aqui, entre nós, sob o governo capimunista do Partido dos Trabalhadores, cujas imposições totalitárias, utilizando técnicas avançadas de engenharia social, azucrinam e desarrumam as convicções de vida de muita gente.

A "engenharia social" pesquisa e aplica técnicas de psicologia avançada, para moldar as crenças e padrões de comportamento de grupos sociais – igreja, sindicato, associação, partido, profissionais liberais, universidades – que agem como reguladores do modo de pensar e agir da sociedade. As pessoas, inconscientemente, adotam práticas e repetem conceitos sem censura.

O controle temático segue o interesse imediato de grupos detentores do poder político e econômico. A aplicação da “engenharia social” é feita, principalmente, por intermédio dos meios de comunicação de massa, - jornais, revistas, tv, literatura, manifestações culturais, em geral financiados e controlados pelos grupos dominantes.

O objetivo básico dessa “engenharia” é a neutralizar a razão que orienta atitudes individuais, gerando ansiedade e comportamentos irracionais. No livro "Battle for the Mind: A Physiology of Conversion and Brainwashing" o Dr. William Sargant, um especialista do Instituto Tavistock, estudioso do "otimismo tecnológico" da população dos EUA, descreve o conceito:

"Vários tipos de crenças podem ser implantadas em um grande número de pessoas, depois que as funções cerebrais tenham sido suficientemente perturbadas pelo medo, raiva ou excitação acidentais ou deliberadamente induzidas. Dos resultados causados por tais distúrbios, o mais comum é a capacidade de julgamento temporariamente prejudicada e a suscetibilidade elevada”.

Para exemplificar em nossos dias: o medo da violência corriqueira, as perturbações com a educação da juventude, a raiva da burocracia e dos impostos e taxas crescentes, a excitação com os acidentes de trânsito e notícias sobre tráfico de drogas, armas e escândalos protagonizados por membros e auxiliares do governo, em doses massivas, prejudicam o julgamento. Alguém induz, no instante, um tipo de julgamento e de comportamento que são aceitos sem censura, como taboa de salvação para um náufrago.

Será que isto está acontecendo aqui? Observem o que a propaganda e as novelas estão vendendo para as famílias desavisadas. Observem as notícias e percebam o que estão querendo que seja a crença. Tipo: “o Brasil nunca antes esteve tão melhor”. Os maiores de cinqüenta anos viveram, viram, orgulharam-se de um país verdadeiramente melhor.

Em 1928, a televisão ainda não existia, Edward Bernays, sobrinho de Sigmund Freud, nos Estados Unidos escreveu um livro intitulado “Propaganda”. Naquele tempo, Bernays constatou:

"Nós somos governados, nossas idéias são moldadas, nossos gostos são formados, nossos conceitos são sugeridos, principalmente por homens dos quais nunca ouvimos falar. Qualquer que seja a atitude que alguém decida tomar contra esta condição, mesmo assim é um fato que, em praticamente cada ação que tomamos na nossa vida cotidiana, quer seja no campo político ou dos negócios, na nossa conduta social ou na nossa ética, somos dominados por um número relativamente pequeno de pessoas, uma fração mínima dos nossos 120 milhões que entendem os processos mentais e os padrões sociais das massas. Essas pessoas que mexem os pauzinhos são as que controlam a mente do povo, as que controlam as velhas forças sociais e inventam novas maneiras de restringir e guiar o mundo."

Bernays não explicitou quem eram as pessoas que mexiam nos pauzinhos. Mas John Coleman, 62 anos depois, abriu o verbo. Era necessário dobrar os Estados Unidos da América, reduto da terra em que a liberdade e a democracia estavam mais fortemente desenvolvidas e fixadas. Aquele grupo de 300 conspiradores já estava maduro e já contava com a experiência de estados totalitários sob o modelo econômico marxista.

Já possuía as ferramentas mais avançadas e controlava conglomerados transnacionais, centros de pesquisa, escolas, formadores de opinião, multiplicadores que atuavam como ministros de estado, governantes, consultores e eclesiásticos que minavam os pilares da civilização cristã. As guerras sangrentas já podiam contar com um acessório poderoso: a guerra contra o espírito. E foi Coleman quem revelou alguns detalhes da “conspiração”.

Em Maio de 1967, os principais "engenheiros sociais" do mundo reuniram-se em Deauville, França, para atualizar as redes de atuação do Instituto Tavistock, ferramenta executiva dos “olímpicos”. A reunião anual discutia a situação das frentes de trabalho e traçava as novas diretrizes.

“Em cerca de 25 anos, a contracultura – rock, drogas e sexo – seria a cultura global dominante. Estaria encerrado o ciclo da civilização cristã ocidental”. O fim do que denominaram a “Era de Peixes” e início da “Era de Aquário”. Lembra “Hair”? Bela música, dança, maconha e nudismo num pacote que parecia protesto ingênuo e juvenil contra a guerra.

A família tradicional, ordeira, cristã, matriz da organização social começava a ruir. A liberdade responsável e o civismo passavam a ser ridicularizados. LSD, maconha, heroína, cocaína e outras drogas emergiam como mecanismos de fuga da realidade “indesejada”, principalmente entre os jovens, embalados pelo ‘som’ do protesto de Joplin, Hendrix e roqueiros “da pesada”.

Em 1968, os participantes da reunião avaliaram que a “New Age” (Nova Era), lançava as bases para uma ditadura benevolente exercida pelos “300”, fração menor da elite mundial. A sociedade, capturada pela "revolução da informação", seria orientada para substituir o impulso da “conquista passo a passo”, pelo “entretenimento imediato” – espetáculos gigantescos de rock, esportes e tv – que atuariam como um “narcótico para massas. O controle químico já poderia ser disseminado. Os cartéis e “empresas” já haviam construído os canais de atuação.

Foi dada “especial atenção ao trabalho de destruição da família e à psicologia infantil”, com enfoque na sexualidade “e seus efeitos sobre o desenvolvimento da personalidade”. O objetivo era “produzir uma população adulta com idade intelectual e mental de crianças neuróticas”.

Criou-se na ocasião, o Clube de Roma, super-organização para promover mais um medo confusivo sobre o mundo: ambientalismo! Era necessário um planejamento global que certamente seria antagonizado pelos governos nacionais. O Clube de Roma gerou o argumento que seria abraçado pelo príncipe Phillip, herdeiro do trono inglês, fundador e presidente mundial da WWF: “o homem é apenas um animal arrogante que coloca a natureza em perigo e, portanto, deve aceitar sua subserviência em relação à natureza.”

As diretrizes básicas do movimento ambientalista estão contidas em "A paz indesejável", (Editora Laudes, Brasil,1969.) Os "engenheiros sociais" buscavam "um substituto crível da guerra, capaz de orientar os padrões de conduta humana no interesse da organização social". O tema escolhido foi a poluição ambiental, perigo convincente que seria acrescido de uma estrutura mitológica sobre recursos escassos para consumo mundial, submetendo governos e nações.

Criava-se um elemento de ordem mundial fascista, com métodos e meios de comunicação de massa para desenvolver “um ambiente psicologicamente controlado. A ferramenta já fora testada durante a II Guerra Mundial pelos serviços de inteligência anglo-americanos.

As equipes do Instituto Tavistock desenvolveram métodos para a concretização da ordem mundial fascista, incluindo a comunicação de massa, para criar o que rotularam “ambiente psicologicamente controlado”. Estes métodos poderiam ser aplicados por um controlador ou “facilitador” treinado na “metodologia Tavistock”, mascarada sob técnicas diversas de treinamento de pessoal. Seminários e palestras sobre organização, comunicação e vendas espalharam-se pelo mundo.

Desde 1947, o Instituto Tavistock de Relações Humanas, estava pronto para ampliar suas vastíssimas operações. Capacitaram-se novos recrutas que possibilitaram a operação que resultou no “controle de grandes instituições governamentais, trabalhistas, educacionais, empresariais e religiosas, com aprovação de seus próprios dirigentes”.

O movimento ambientalista está cada vez mais ativo. O movimento de direitos humanos mais agressivo. O movimento educacional adota e forma cada vez um número maior de incompetentes. Os governantes se submetem cada vez mais aos controles de finanças, leis e ações de massa ditadas pela ONU – vacinas, tropas de ocupação, imposições legislativas - numa ingerência que descaracteriza a soberania das nações.

Os “300” do Clube Bilderberg, integrado pelas pessoas que detêm as maiores fortunas do planeta, continua ativo em suas reuniões anuais, bem longe dos olhos da multidão, determinando os grandes acontecimentos do planeta.

As portas para o poder ilimitado, para a bondosa ditadura total dos olímpicos estão escancaradas.

Já é possível reconhecer alguns nomes da coroa britânica, da coroa holandesa, Instituto Real para Assuntos Internacionais (RIA), OTAN, Fundação Germânica Marshall, Fundação Rockefeller, o Instituto Aspen, o Grupo Milner, ONU, FMI, BIS, Tribunal de Haia e mais a infinita rede de ONGs espalhada pelo mundo atuando como tropa de choque, como a WMF, Greenpeace, Fundações e institutos de estudo de alto nível e sociedades secretas como os Iluminatti.

Quais são as metas desta elite não tão secreta para atingir seus fins?

Em resumo: eliminar toda identidade e orgulho pátrio; destruir todo tipo de religião, infiltrando-se e desmoralizando por dentro; legalizar as drogas e pornografia para reduzir a capacidade de reação libertária do “zé povinho”; aplicar todas as técnicas avançadas de controle mental (lavagem cerebral) desenvolvendo e aplicando o que que Zbignew Brzezinski denominou "tecnotrônica", (a criação de autômatos e um sistema de terror); reprimir e descartar todo desenvolvimento científico contrário aos seus interesses; eliminar 3 bilhões de pessoas da população mundial, até o ano de 2050, através de inanição, enfermidades, esterelização e guerras localizadas – pessoas denominadas "bocas inúteis"; debilitar a moral das nações; criar o desemprego massivo; evitar que as nações assumam seus próprios destinos, gerando a apatia geral sobre os assuntos políticos.

Em suma, o declínio moral, cívico, nacional, político, espiritual e econômico. A submissão total aos controladores financeiros do planeta.

Como descrito em “A Conspiração Aquariana, de Willis Harmon. Como descrito em “1984” de George Orwell. Cyrus Vance também redigiu um texto sobre a melhor maneira de causar tal genocídio, sob o título “Relatório Global 2000”, aceito e aprovado no governo Carter. “Segundo as cláusulas do Relatório Global 2000, a população dos Estados Unidos deverá ter uma redução da ordem de 100 milhões até o ano 2050”.

Quando nos informamos sobre a "teologia da libertação", dos jesuítas, as guerrilhas, as decisões de governantes incultos e incompetentes dos países ‘pobres’ (melhor dizer corrompidos), quando nos informamos sobre a Amazônia, Roraima, quadrilhas de narcotraficantes controlando populações da periferia e assombrando os ricos, quando nos informamos sobre Ongs e emessitês, quando lemos as notícias sobre o caos educacional, mal nos passa pela cabeça que tudo já estava decidido, formatado e programado.

A próxima etapa será o colapso das economias do mundo e o caos político global. Como todos os governos já estão infiltrados, corrompidos e a soberania está comprometida, a integridade das nações ficará (já não está?) à mercê dos bandos terroristas da engenharia social mundial. Os choques deste futuro são muito atuais para nós. Vitimados, assistimos tudo pela televisão no aconchego dos nossos lares (?) não tão seguros. Você acredita nisso?

A gente pode alinhar as palavras e defender a divindade até do diabo! Mas o que vale mesmo é a organização, a disciplina, o conhecimento e a liberdade para a democracia. Que não temos. Que não sabemos como fazer. Os comunistas fazem suas células, onde ninguém conhece o líder. A crença das "catacumbas" em que atuam, a fé que os move, é dogmática e beira o fanatismo. Não podem declarar seus motivos mais secretos. Assim se infiltram e detonam qualquer organização aberta. Já estão treinados para agir como autômatos, obedientes às palavras de ordem e incapazes de censura. Submetem com facilidade incautos e ignorantes.

Mesmo eles, os comunistas, ignoram o real comando estratégico. Apenas caminham para "derrotar o imperialismo agonizante" do ponto de vista econômico - que comanda a política, quando devia ser o contrário. A China, que figura na Nova Ordem como parceiro dos EUA, da Europa e da Rússia é exemplar. Mantém 1 bilhão de seres em condições miseráveis e apresenta uma vitrine com ares capitalistas. Mantém a disciplina do medo, o total controle das massas e da informação, a estratégia marxista original. E a infiltração no ocidente, a “abertura democrática” com aplauso dos empresários ocidentais felizes está completa.

Os controladores mundiais atingem seus objetivos: um só rebanho, um só pastor.

Fontes:"Conspirators' Hierarchy: The Story of the Committee of 300", Dr. John Coleman (America West Publishers, Carson City, Nevada:1992 - trechos disponíveis na internet); “Propaganda”, Edward Bernays, Mareantes, Portugal, 2005; "Battle for the Mind: A Physiology of Conversion and Brainwashing". William Sargant.

Arlindo Montenegro é Apicultor.

4 comentários:

Anônimo disse...

Propaganda política para a hipnose coletiva. É apavorante, pior que é muito verdadeiro.

Anônimo disse...

Prezado Arlindo, magistral o seu artigo. Por ser eu um curioso sobre o assunto, os seus escritos confirmam as interpretações que eu já tinha à respeito. O meu despertar deu-se após leitura do texto: “Os Protocolos dos Sábios de Sião” e dos vários comentários (de diversos autores) sobre o mesmo, inclusive dos que defendem ser uma fraude. Mas não importa, sendo fraude, ou não, serve para fazer pensar e buscar novas fontes de informações. Depois li: “Sociedades Secretas” de Serge Hutin; “500 Anos de Periferia” de Samuel Pinheiro Guimarães; “A Verdadeira História do Clube Bilderberg” de Daniel Estulin; “A Comissão Trilateral” de Paul Singer e outros artigos correlatos. Mesmo não professando nenhuma religião, sou leitor contumaz da Bíblia Sagrada, onde, após leituras dos livros descritos, descortinaram-se muitas revelações. Tais como: No Livro de Isaías vê-se claramente a profecia da “Nova Era”; No Livro de Zacarias pode-se observar a profecia do desaparecimento de 2/3 da humanidade; e de uma enorme população de defuntos vivos resgatados, no Livro de Daniel; no Livro “Apocalipse” de João Evangelista, toda a narrativa do que já começa acontecer. O mesmo João, em seu Evangelho, alerta: “E conheceis a verdade e ela vos libertará”.

É muito difícil fazer uma população de alienados conceber tais idéias, mas se resgatarmos alguns já teremos feito bastante. Aliás, se resgatarmos a nós próprios já será um feito monumental.

Para se ter idéia do grau de alienação das pessoas, há gente que se diz esclarecida que até hoje não acredita na existência do “ECHELON”, como grande espião eletrônico.

Saudações.

Anônimo disse...

Conhecem o projeto da ONU
"Codex Alimentarius" a ser adotado a partir de 31/12/2009?

A previsão da própria ONU é que
causará a morte de 3 bilhões de pessoas nos primeiros 4 anos de vigência...

http://br.youtube.com/watch?v=VmrF9KjlGsc

ildo gaucho disse...

Caro Arlindo, muito instrutivo teu artigo; já tenho lido sobre essas coisas mas você juntou uma boa parte delas num só lugar. Sou cristão e creio na bíblia como palavra de Deus. Sei que tua hipótese está alinhada com a possibilidade profética das Sagradas Escrituras; sei que, por ser Palavra de Deus, isso irá se cumprir. O que podemos fazer? Acho que, em parte, isso que você está fazendo é bem importante, esclarecendo os leitores, trazendo ao conhecimento do público aquilo que está oculto, lutando para que a luz ilumine as trevas da ignorância geral; de minha parte, tenho buscado incessantemente o preparo espiritual para me manter fiel quando vier a tribulação, que há de vir sobre todo o mundo e sobretudo, firmar-me nas promessas de Deus e confiar somente na sabedoria de Deus, que vem do alto; os pensamentos de Deus são mais altos que os nossos,como diz a Escritura. Aconselho-te a aceitar Jesus como Senhor de tua vida, para teres o suporte espiritual, porque tua luta não é, e não será "contra carne e sangue mas contra os principados e potestades nas regiões celestes". Pelas entrelinhas do que escreves percebo que tens algum conhecimento bíblico e acho que conheces o texto que coloquei entre aspas. Caso não o saibas está em Efésios 6. Que Deus te abençoe. Ildo Gaúcho