quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

Rapidinhas Econômicas

Edição Quarta-feira do Alerta Total http://www.alertatotal.blogspot.com

Adicione nosso blog e podcast aos seus favoritos.

Por Jorge Serrão

Tá explicado

Eis um possível motivo pelo qual os ingleses da Oligarquia Financeira Transnacional, que controlam a produção e comercialização de gás na Bolívia, mandaram seus jornais amigos soltarem os cachorros no chefão Lula, ultimamente.

O corte de 6 milhões de m³ por dia na importação de gás boliviano trará perda de arrecadação de US$ 120 milhões mensais à Bolívia (leia-se British Gás) nos três primeiros meses do ano.

O prejuízo foi levado em conta pelo governo brasileiro para moderar sua intenção inicial de reduzir o consumo em 11 milhões de m³.

No fim das contas, o consumidor brasileiro pagará R$ 26 milhões por semana para manter ligadas as três térmicas que consumirão o gás boliviano.

Releia: As Forças Ocultas derrubam Lula

Pé no freio

A indústria brasileira reduziu em pelo menos 20% o consumo de gás natural - 5 milhões de m³ - em dezembro.

A demanda de Gás Natural Veicular, que abastece o segmento automotivo, recuou em torno de 15%.

Os ingleses que faturavam alto com o gás do absurdo gasoduto Bolívia-Brasil ficaram fulos da vida.

Resistance is futile

O grupo britânico de gás e óleo BG planeja investir até 1,25 bilhão de dólares no Brasil nos próximos quatro anos, enquanto desenvolve sua participação na mais notável descoberta de reservas de petróleo na bacia do pré-sal.

A informação saiu publicada, com o maior alarde, no jornal britânico Financial Times, citando o CEO da companhia.

O presidente-executivo da BG, Frank Chapman, planeja investir de US$ 4 bilhões a 5 bilhões de dólares no Brasil, até 2012.

Estranho?

A British Gás, que é a maior parceira da Petrobrás na futura exploração do pré-sal, anunciou tais investimentos no Rio de Janeiro.

Foi depois de um almoço, segunda-feira, com o governador Sérgio Cabral – cotado, em 2010, para ser vice-presidente na chapa de José Serra ou do candidato oficial do Planalto, seja ele ou ela quem for – com o presidente do Conselho de Administração da BG, Robert Wilson e o presidente executivo da transnacional, Frank Chapman, além de outros executivos da BG.

Tudo bem que Serginho é parceirão de Lula, mas tal anúncio tinha de ser feito, no mínimo, no Palácio do Planalto.

Repetindo

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, confirmou ontem que a BG irá investir mais US$ 4 bilhões na exploração do poço de Tupi, na camada pré-sal, no qual a empresa é sócia da Petrobras.

Segundo Lobão, que se reuniu com executivos do grupo britânico, em Brasília, os recursos serão aportados rapidamente.

O porta-voz britânico Lobão afirmou ainda que o grupo BG deseja realizar outros investimentos no País.

Citi em promoção

O Citigroup e o Morgan Stanley confirmaram a criação de uma joint venture na área de gestão de fortunas, conforme vinha se especulando desde a última sexta-feira.

O negócio prevê a união da corretora de varejo Smith Barney, bem como a unidade do mesmo nome da Austrália e a gestora Quilter, do Reino Unido - todas controladas pelo Citi com 100% do capital -, com o Morgan Stanley's Global Wealth Management Group.

A nova empresa, que terá 20 mil consultores financeiros e recebeu o nome de Morgan Stanley Smith Barney, será controlada pelo Morgan Stanley, com 51% do capital.

Já o Citi ficará com 49% da empresa e receberá US$ 2,7 bilhão em dinheiro como parte da transação.

Grana bem vinda

A área de private banking do Citi não faz parte do negócio.

O Citi terá um reforço de US$ 6,5 bilhões, que poderá usar para expandir sustentar suas operações de crédito.

De acordo com os dois bancos, a joint venture deve gerar sinergias de US$ 1,1 bilhão com redução de despesas operacionais, de tecnologia, marketing e vendas, entre outras.

Façam o jogo...

O número de ganhadores em loterias federais cresceu 9,5% em 2008 em relação ao ano anterior.

Os prêmios das loterias somaram R$ 1,76 bilhão.

Foram mais de 160 milhões de apostas corretas.

Jogatina

Em 2007, o número de bilhetes premiados nas nove modalidades da loteria foi de mais de 148 milhões.

Só a Mega-Sena foi responsável pela premiação de mais de R$ 714 milhões.
Foram 659.761 apostas corretas, 59.431 a mais (9,9%) em relação a 2007.

A Caixa Econômica Federal divulgou ontem um balanço do número de premiações e da arrecadação no ano passado.

Os sortudos

No ano passado também foi sorteado o terceiro maior prêmio da história da Mega-Sena.

Em julho, a bolada de R$ 53.172.281,02, do concurso 990, foi para dois apostadores, um de Minas Gerais e outro de Roraima.

O maior prêmio da história da loteria foi pago em 1999: R$ 64,9 milhões.

Novidade

A Caixa anunciou ainda algumas mudanças nos prêmios das loterias.

A Mega-Sena, principal sorteio do país, deve ter um prêmio mínimo de R$ 60 milhões no sorteio especial de fim de ano.

Caso não haja vencedor, como aconteceu em 2008, a intenção da Caixa é dividir o prêmio entre os apostadores que acertarem a maior quantidade de números sorteados (a quina ou a quadra).

Marolinha

O nível de emprego na indústria brasileira caiu 0,6% entre outubro e novembro passados, segundo o IBGE, na série livre de influências sazonais.

Foi o pior desempenho do indicador deste outubro de 2003, quando o país estava em recessão.

De acordo com o IBGE, caiu também o número de horas pagas, reflexo de férias coletivas não-programadas.

Marketagem

Diante dos indicadores negativos, o Palácio do Planalto ordenou estudos para que sejam reduzidos ou eliminados impostos para setores com grande emprego de mão-de-obra.

A mágica é anunciada um dia depois de a General Motors anunciar a demissão de 744 funcionários.

As montadoras, que já pegaram recursos de BNDES e foram beneficiadas pela redução de impostos, como IPI e IOF, estão na mira das medidas do governo para tentar minimizar os efeitos da crise.

Bravataria

O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, se reuniu ontem com o presidente Lula e defendeu a proposta de que companhias ajudadas pelo governo assumam o compromisso de não cortar pessoal.

A empresa que descumprisse o acordo perderia o acesso a crédito nos bancos oficiais.

O mesmo desgoverno que ameaça punir alguma empresa pretende estimular estados e municípios a renovarem a frota de carros e caminhões oficiais, por meio de financiamento do BNDES.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 14 de Janeiro de 2009.

Nenhum comentário: