sexta-feira, 3 de julho de 2009

História que a mídia não conta

Artigo no Alerta Total - www.alertatotal.net

Por Arlindo Montenegro

Minha gente! Vou contar o que aconteceu pela segunda metade do século passado, do jeito que vi, vivi e senti. Naquele tempo eram os comunistas da União Soviética de um lado e os governantes norte americanos do outro lado do planeta, medindo forças, contando ogivas nucleares que somente as duas "potências mundiais" possuíam. O mundo vivia tenso enquanto eles ditavam as regras para os que estavam sob sua influência.

Por aqui, no hemisfério ocidental, os povos se reconheciam como integrantes da "civilização cristã". Na URSS e nos países onde os exércitos soviéticos impuseram sua forma de governo depois da Segunda Guerra Mundial, a prática de qualquer religião era proibida, como se a fé dos antepassados fosse um atentado contra o Estado, para quem toda religião era considerada como "ópio do povo". Por lá, os templos foram fechados e profanados e os religiosos enviados para os campos gelados da Sibéria e os judeus perseguidos como na Alemanha nazista.

Como Hitler, Lenin, Stalin e seus sucessores queriam dominar todo o planeta. E a URSS espalhava agentes em todos os países, para divulgar as “maravilhas de um mundo gentil, pacífico e grandioso proporcionado pelo estado comunista” que prometia o milagre da partilha: primeiro "a cada um segundo seu trabalho", e depois a igualdade total: "a cada um segundo sua necessidade". Com muita propaganda mentirosa.

Os ditadores das republiquetas caribenhas e sul americanas eram figuras grotescas, velhos oligarcas que se mantinham no poder apoiados em crendices, milícias e potentados oligarcas. Ao conhecer a História das Américas e do mundo, os estudantes de nível médio já eram informados sobre ditaduras e ditadores: Salazar em Portugal, Franco na Espanha, Duvalier no Haiti com seus tonton macute, Strossener no Paraguai, Getúlio que havia reinado no Brasil, Perón na Argentina... e ditadores, nos ensinavam: eram o atraso!

Cuba, uma ilha do Caribe que a gente conhecia mais pelas histórias de piratas, funcionava econômica e culturalmente como protetorado norte americano, também tinha seu ditador: Geraldo Machado. Em 1933, um sargento de nome Fulgêncio Batista promoveu um golpe militar e tomou o poder. Dizem que ele conseguiu reduzir a influência dos norte americanos e melhorar a economia. O fato é que promoveu eleições e foi eleito. Em 1952, contou com apoio de vários partidos, inclusive o Partido Comunista Cubano, para dar novo golpe, promulgar uma Constituição e continuar mandando no pedaço.

Cuba ocupava o oitavo lugar entre as 20 maiores economias latino americanas. A grana dos negócios mafiosos, jogatina, drogas, prostituição e corrupção corria solta. No cenário da guerra fria, todos queriam uma boquinha e alardeavam boas intenções para mobilizar a classe média, os pobres e os estudantes contra o sargento ditador. No 26 de Julho de 1953, o estudante de direito Fidel Castro, com um grupinho, assaltou um quartel (Moncada) em Santiago, maior cidade depois de Havana. No entrevero Castro foi preso. Julgado e condenado a 15 anos.

Mas uns padres amigos da família pediram e Batista deixou o moço, descendente de aristocratas espanhóis, partir para o exílio no México onde ficou até fins de 1958, juntando exilados compatriotas, treinando táticas e técnicas militares para voltar a Cuba e enfrentar Batista. Percebeu que, com grana podia comprar, corromper, prometer, mentir, enganar e obter os apoios necessários.

Nesse meio tempo, em 1954, depois de andar feito hippie (mochileiro) pela Bolívia, Peru, Panamá, Colômbia, Equador, Costa Rica, El Salvador e Guatemala, chegou ao México o argentino Ernesto Guevara, com intenção de seguir para os Estados Unidos e ganhar dinheiro. Conheceu Raul Castro e abraçou a aventura. Foi admitido por Fidel, para integrar o grupo, (na maioria cristãos e contrários ao marxismo), na qualidade de médico.

Logo surgiram animosidades entre os conspiradores e o argentino que manifestava desprezo aos índios e aos negros. Não aceitava a disciplina militar e destratava os mesmos cubanos, como o negro Juan Almeida, que mais tarde seria Ministro das Forças Armadas. Mas Fidel Castro percebeu a sede de sangue que estrangeiro tinha. Diferente dos seus homens, cujo patriotismo e religiosidade conservava alguns aspectos de respeito aos soldados do exército cubano que estavam prestes a combater.

Fidel Castro usou Guevara enquanto foi útil aos seus próprios intuitos ditatoriais. Fidel Castro comprou os comandantes do Exército Constitucional cujas unidades se entregavam, maioria das vezes, sem combate. Seu ponto forte foi a propaganda e a arrecadação de recursos financeiros da elite cubana e dos americanos cansados dos métodos de Batista, e de simpatias internacionais. A mídia norte americana “encarregou-se de forjar a imagem dos valorosos revolucionários” da Sierra Maestra.

“No dia 1 de janeiro de 1959, o regime de Batista caiu principalmente pela corrupção de suas forças, que aceitavam dinheiro de Fidel Castro para retirar-se sem luta...”

Logo após a fuga de Batista, os comunistas passaram a apoiar Fidel Castro e em pouco tempo a verdadeira face do regime revelou-se, na face de Guevara, o grande promotor da violência, assassinatos, tortura e prisões. Castro o senhor e Guevara o vassalo no reinado de terror imposto aos cubanos. Fidel Castro utilizou o instinto sanguinário do argentino como meio para alcançar seus fins, enquanto Guevara acreditava que a “violência revolucionária” era a melhor forma de manter o poder e “desde o começo, ligou-se ao aparato repressivo do bloco soviético, transportando a metodologia comunista para o cenário cubano.”

O homem que é cultuado por líderes de minorias raciais, hippies, alternativos e jovens, tinha,
na verdade, uma mentalidade racista, patriarcal, despótica e arrogante, desprezando negros, jovens, “cabeludos”, música – enfim, tudo aquilo que, dizem as esquerdas e desinformados em geral, Guevara simbolizaria.

Por hoje é só. Amanhã vamos continuar esta história que está escondida.

Arlindo Montenegro é Apicultor.

5 comentários:

Anônimo disse...

Regime militar e comunismo
PERGUNTA
Nome: Werner Ruiz
Enviada em: 23/06/2009
Local: São Paulo - SP, Brasil
Religião: Católica
Escolaridade: Superior em andamento
Profissão: Estudante


--------------------------------------------------------------------------------

Boa noite caríssimo Professor Orlando e membros da Montfort. Primeiramente gostaria de enaltecer a brilhante Cruzada realizada pela Associação em defesa da Fé Católica verdadeira, Acredito que o senhor nem imagine a base que o site me dá para defender a Igreja no mundo acadêmico que ultimamente se mostra cada vez mais ateu e anti-Católico. Muito obrigado aos Monfortianos!

Bem, vamos logo às dúvidas.

Professor, minha dúvida é referente à Revolução Democrática de 64 e ao Regime Militar brasileiro. Sabemos que os livros de História da atualidade são monopólios esquerdistas, muitos deles altamente tendensiosos, por esse motivo gostaria de perguntar ao senhor as seguintes indagações.

1) Muito se fala em tortura praticada pelo Governo Militar e todo o repúdio e essa prática, mas não fosse a tortura para obtenção de informações o que seria da vida de milhares de inocentes que morreriam nos atentados terroristas que eram planejados, estou correto? Parece-me o mesmo tipo de argumento utilizados por ignorantes (ou mal-intencionados) para falaram da Santa Inquisição, que realmente foi Santa. Qual a posição da Igreja e da Moral Católica nesse caso? A tortura é lícita quando última alternativa para salvar a vida de inocentes?

2) Vi recentemente documentários onde alguns Bispos (Dom Cláudio Hummes, Dom Hélder Câmara e Dom Evaristo Arns) participavam a favor dos terroristas e comunistas da época, inclusive participando de greves, protestos, escondendo procurandos pela polícia e doando Igrejas (A Catedral da Sé!) para que os "arruaceiros" fizessem seus encontros. Um destes Bispos se orgulhava na entrevista de tais atitudes, inclusive dizendo que o, na época, metalúrgico Luis Inácio Lula da Silva era um "Católico a sua maneira".
Estes sacerdotes citados estavam agindo de acordo com a Fé Católica?

3) Dom Hélder Câmara que diziam gozar de enorme apreço junto a Sua Santidade o Papa João Paulo II também levantava a bandeira vermelha. Sendo o Papa ferrenho opositor do comunismo, não sabia ele (o Papa) das atividades "ocultas" de Dom Hélder junto à esquerda brasileira? Ou essa história de apreço é outra mentira da esquerda?


Desculpe se fui muito extenso e muito obrigado pela atenção!
Que Deus nos Abençõe e Maria, nossa Mãe nos proteja!

Anônimo disse...

RESPOSTA


Muito prezado Werner,
Salve Maria.

A Revolução de 1964 foi causada pela reação do povo às tentativas de implantação de um regime socialista, e até comunista, no Brasil, inicialmente por Jânio, e depois por Jango Goulart.
Entretanto, os militares que tomaram o poder, fizeram imediatamente uma reforma agrária ainda mais radical do que a proposta por Jango. Com a desculpa de tirar dos comunistas a bandeira da reforma agrária, fizeram eles a lei do socialismo agrário com o Incra, lei que o Lula aplica agora. Com o apoio da CNBB.
Os Militares socializaram toda a economia, por meio de Delfim (hoje, amigo do Lula).
E Geisel fez o divórcio.
De modo que ninguém empurrou mais o Brasil para a esquerda do que os militares, que assumiram o poder em 1964, para combater o comunismo. Claro que falo dos generais. Nas bases do Exército havia anti comunismo.
Isso me faz lembrar o que dizia Lênin:

“O fruto natural do comunismo é o anti comunismo. Antes que os anti comunistas se organizem, organizemos nós o anti comunismo”.

Os militares impuseram como matéria nos colégios Estudos dos Problemas Brasileiros, que foi a matéria usada pelos professores marxistas para ensinar marxismo aos estudantes.
E nada há de mais estúpido do que o uso da força. E ainda pior quando é sem doutrina. Pura força bruta.
Lembro-me que muitos estudantes comunistas da Faculdade de Direito da USP, quando do golpe de 1964, passaram a fazer parte do CCC (Comando de Caça aos Comunistas).
Como todo regime de força, os militares usaram da força, -- e até da tortura--, contra os comunistas de base. Mas os peixes grossos – como Jango, Brizola e outros -- foram todos “sofrer” no exílio em Santiago. Uruguai e.. Paris. FHC foi para Paris...
Que tortura ser exilado em Paris!
A tortura – a força estúpida -- fez “mártires”.
Nada mais contraproducente do que a força estúpida. A força sem a verdade.
O comunismo é uma doutrina que tem que ser vencida doutrinariamente.
E a força do comunismo não era o PC ou o PC do B. A força do comunismo era sim o PC da Sacristia. Sem os Bispos e padres comunistas, como dom Hélder, os dominicanos e jesuítas comunistas, o PC nada teria conseguido. Hoje, os comunistas de 1964 estão no governo do PT, e os padres comunistas são hoje Bispos da ala esquerda da CNBB, dominando, por exmplo, a Pastoral da Terra, onde Stediles e outros são manipulados pelos “teólogos” da Teologia da Libertação.
É no clero modernista que está a força do PT e do Lula. Isto é a força do marxismo, hoje.
E o PT com mensalões e decretos secretos vai se estabelecendo lentamente no poder... Com Dilma ou com terceiro mandato.
Tudo na legalidade...
Democraticamente.

In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

http://www.montfort.org.br/index.php?secao=cartas&subsecao=historia&artigo=20090623211703&lang=bra

Anônimo disse...

Gostei muito desse seu artigo, Arlindo. Olhem outra coisa que a mídia não comenta, Serrão.

..Têm vocês todos lido sobre a Sra. Janet Burgermeister, uma repórter investigativa da Áustria, requerendo uma denúncia criminal com o FBI contra Obama, Napolitano, Sibelius, os Rockefeeler, a Organização Mundial de Saúde, a ONU, e etc, e responsabilizando-os com plano de assassinar milhões de Americanos com "vacina mortal de gripe suina"? Ela processou um dossier de 107 páginas denunciando que Baxter, uma companhia de drogas com um laboratório em Illinois e Áustria, enviou vacinas à República Tcheca. Por sorte alguém lá testou-a e encontrou que ela tinha vírus vivos dentro. Então uma outra carga de vacinas explodiu num trem na Suíça. Claro que há mais para isso que isto, mas ao menos com isso, nós sabemos a conspiração que ela denuncia que está ocorrendo é multinacional (o golpe da vacina é mundial). Milhões serão assassinados com vacinações forçadas. Tão bobo quanto isso soa, isso se amarra com todas as reportagens e rumores que têm sido propagados.

Aqui estão alguns dos exemplos de "idéias". 1. Que "eles" esperam uma outra epidemia de gripe suÍna no outono e estão preparando a vacina. 2. O governo pode ter que estabelecer lei marcial se isso acontecer. 3. Obama tem o que ele chama de uma "organização de força de lei civil" sendo treinada (para a lei marcial?). 4. As tropas das Nações Unidas foram reportadas sendo treinadas nos Estados Unidos para emergências tais como um outro Katrina (tropas da ONU para as nossas emergências?). 5. Os campos de concentração da FEMA têm supostamente sido preparados. 6. Larry Grathwohl , o informante FBI sobre o grupo terrorista simpatizante de Barack Obama testemunhou que quando ele perguntou a Ayers (terrorista assassino alocado como professor na Universidade de Chicago - USP americana - e responsável pelo lançamento de Obama à política) e seu co-terrorista o que eles estavam indo fazer com estes que não cooperariam quando a Revolução tornasse a ter sucesso, ele respondeu: "Nós teremos que simplesmente matar uns 25 MILHÕES de PESSOAS que não quiserem ser 'reeducadas'."

Pessoal, isso parece para mim como a Revolução tem tido sucesso. Nós melhor daríamos estas tentativas com a advogada Dra. Orly Taitz o melhor que nós pudéssemos!

Como antecipado na data de lançamento de Julho pelas aproximações da vacina pandêmica A/H1N1, uma jornalista investigativa Austríaca está alertando o mundo esse maior crime na história da humanidade está a caminho.

Jane (Janet) Burgermeister tem recentemente registrado culpas criminais com o FBI contra a Organização Mundial de Saúde, as Nações Unidas (ONU), e vários dos mais altos oficiais corporativos considerando bioterrorismo e tentativas de cometimento de assassinato em massa. Ela também tem preparado uma injunção contra a vacinação forçada cuja está sendo registrada na América. Estas ações seguem suas solicitações de culpa arquivadas em Abril contra a Baxter AG, e Avir Green Hills Biotechnology da Áustria por produzir vacina contaminada com virus da gripe do frango ou das aves, alegando que isto foi um ato deliberado para causar e lucrar sobre uma pandemia.

Nas resposabilidades alegadas por ela, Burgermeister apresenta evidências de atos de bioterrorismo que é em violação da lei dos Estados Unidos por um grupo operando de dentro dos Estados Unidos sob a direção de banqueiros internacionais que controlam o Federal Reserve, bem como a WHO (Organização Mundial de Saúde), a ONU, e a OTAN. Este bioterrorismo é para o propósito de levar ou conduzir um genocídio em massa contra a população dos Estadus Unidos pelo uso de uma vírus pandêmico de gripe geneticamente modificado com a intenção de causar morte. Este grupo tem anexado altos cargos governamentais nos Estados Unidos (A LÍNGUA!: pelas mãos de George Soros e Barack Obama, o terrorista Queniano - busque no buscador acima pelas matérias ilustradas entituladas de OBAMA CRIMES)........


Continua
http://alingua.blogspot.com/2009/07/extra-extra-os-dissiminadores-da-gripe.html

Anônimo disse...

Gostei muito desse seu artigo, Arlindo. Olhem outra coisa que a mídia não comenta, Serrão.

..Têm vocês todos lido sobre a Sra. Janet Burgermeister, uma repórter investigativa da Áustria, requerendo uma denúncia criminal com o FBI contra Obama, Napolitano, Sibelius, os Rockefeeler, a Organização Mundial de Saúde, a ONU, e etc, e responsabilizando-os com plano de assassinar milhões de Americanos com "vacina mortal de gripe suina"? Ela processou um dossier de 107 páginas denunciando que Baxter, uma companhia de drogas com um laboratório em Illinois e Áustria, enviou vacinas à República Tcheca. Por sorte alguém lá testou-a e encontrou que ela tinha vírus vivos dentro. Então uma outra carga de vacinas explodiu num trem na Suíça. Claro que há mais para isso que isto, mas ao menos com isso, nós sabemos a conspiração que ela denuncia que está ocorrendo é multinacional (o golpe da vacina é mundial). Milhões serão assassinados com vacinações forçadas. Tão bobo quanto isso soa, isso se amarra com todas as reportagens e rumores que têm sido propagados.

Aqui estão alguns dos exemplos de "idéias". 1. Que "eles" esperam uma outra epidemia de gripe suÍna no outono e estão preparando a vacina. 2. O governo pode ter que estabelecer lei marcial se isso acontecer. 3. Obama tem o que ele chama de uma "organização de força de lei civil" sendo treinada (para a lei marcial?). 4. As tropas das Nações Unidas foram reportadas sendo treinadas nos Estados Unidos para emergências tais como um outro Katrina (tropas da ONU para as nossas emergências?). 5. Os campos de concentração da FEMA têm supostamente sido preparados. 6. Larry Grathwohl , o informante FBI sobre o grupo terrorista simpatizante de Barack Obama testemunhou que quando ele perguntou a Ayers (terrorista assassino alocado como professor na Universidade de Chicago - USP americana - e responsável pelo lançamento de Obama à política) e seu co-terrorista o que eles estavam indo fazer com estes que não cooperariam quando a Revolução tornasse a ter sucesso, ele respondeu: "Nós teremos que simplesmente matar uns 25 MILHÕES de PESSOAS que não quiserem ser 'reeducadas'."

Pessoal, isso parece para mim como a Revolução tem tido sucesso. Nós melhor daríamos estas tentativas com a advogada Dra. Orly Taitz o melhor que nós pudéssemos!

Como antecipado na data de lançamento de Julho pelas aproximações da vacina pandêmica A/H1N1, uma jornalista investigativa Austríaca está alertando o mundo esse maior crime na história da humanidade está a caminho.

Jane (Janet) Burgermeister tem recentemente registrado culpas criminais com o FBI contra a Organização Mundial de Saúde, as Nações Unidas (ONU), e vários dos mais altos oficiais corporativos considerando bioterrorismo e tentativas de cometimento de assassinato em massa. Ela também tem preparado uma injunção contra a vacinação forçada cuja está sendo registrada na América. Estas ações seguem suas solicitações de culpa arquivadas em Abril contra a Baxter AG, e Avir Green Hills Biotechnology da Áustria por produzir vacina contaminada com virus da gripe do frango ou das aves, alegando que isto foi um ato deliberado para causar e lucrar sobre uma pandemia.

Nas resposabilidades alegadas por ela, Burgermeister apresenta evidências de atos de bioterrorismo que é em violação da lei dos Estados Unidos por um grupo operando de dentro dos Estados Unidos sob a direção de banqueiros internacionais que controlam o Federal Reserve, bem como a WHO (Organização Mundial de Saúde), a ONU, e a OTAN. Este bioterrorismo é para o propósito de levar ou conduzir um genocídio em massa contra a população dos Estadus Unidos pelo uso de uma vírus pandêmico de gripe geneticamente modificado com a intenção de causar morte. Este grupo tem anexado altos cargos governamentais nos Estados Unidos (A LÍNGUA!: pelas mãos de George Soros e Barack Obama, o terrorista Queniano - busque no buscador acima pelas matérias ilustradas entituladas de OBAMA CRIMES)........


Continua
http://alingua.blogspot.com/2009/07/extra-extra-os-dissiminadores-da-gripe.html

Anônimo disse...

Como voces viajam na maionese!!!!!!
Cade os mortos pela vacina????
E, como podem falar assim de uma história que não viveram!!!!