quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Nelson Jobim terá de explicar no Senado como a compra de caças foi armada antes para beneficiar os franceses

Edição do Alerta Total - www.alertatotal.net
Leia também o Fique Alerta – www.fiquealerta.net

Por Jorge Serrão


O genérico Nelson Jobim, ministro da defesa do governo Lula, participará de reunião extraordinária da Comissão de Relações Exteriores do Senado na próxima quarta-feira, às 10h. O encontro deve tratar exclusivamente da negociação sobre a compra de 36 caças franceses. Em tese, Nelson Jobim terá de explicar no Senado como a compra de caças foi armada antes para beneficiar os franceses no negócio que pode chegar a US$ 4 bilhões.

Jobim não deve ser molestado, porque o acerto para ir ao Senado foi fechado ontem de manhã com o presidente da comissão, o tucano Eduardo Azeredo (PSDB-MG), que é seu velho aliado, desde os tempos em que Jobim foi ministro da Justiça de FHC. Contrariando todas as evidências, Jobim voltou a teatralizar ontem que “o processo de compra está aberto” a todas as empresas credenciadas: a francesa Dassault, a sueca SAAB e a norte-americana Boeing.

Se o que Jobim falou é real, a “compra” dos caças foi mais uma peça de verossimilhanças fabricadas pela máquina de propaganda de Stalinácio. A própria empresa francesa Dassault, construtora dos aviões, advertiu ontem que a compra só deverá ser consumada daqui a 6 ou 9 meses. A fabricante dos caças avalia que este o tempo do acerto final de detalhes (do financiamento ao preço). A empresa admite que Brasil e França vão tentar ainda arrancar o máximo de vantagens. A visita do presidente francês Nicolas Sarkozy foi o primeiro ponto da barganha. E tudo foi armado com antecedência para os franceses serem beneficiados.

Mais patética que a negociata prévia foi a ironia do chefão Stalinácio ao rebater uma nota oficial da embaixada dos Estados Unidos em Brasília, informando que o governo Obama aprova a transferência de tecnologia do caça F/A-18 Super Hornet ao Brasil, assim como a montagem dos aviões no país, caso o governo brasileiro opte pelos caças da Boing. Lula fez gracinha: “Daqui a pouco vou receber (os caças) de graça”. A suposta transferência de tecnologia era o principal argumento do governo brasileiro para fechar com os franceses a compra de 36 caças Rafale.

Sem corrida

O chefe do Departamento de Ciência e Tecnologia do Exército, general Augusto Heleno, negou que o Brasil esteja envolvido em uma suposta corrida armamentista na América do Sul.

Não participamos de nenhuma corrida armamentista. O que se busca é uma expressão de poder militar compatível com a expressão estratégica do País”.

Heleno participou ontem de audiência pública promovida pela Comissão de Ciência e Tecnologia (CCT).

Aula do general

Heleno recordou aos senadores que a expressão do poder militar do País está ligada a seu poder tecnológico.

O general de quatro estrelar observou que, a partir da II Guerra Mundial, a capacidade científica e tecnológica de um país passou a ser determinante para seu poder político, econômico e militar.
Heleno explicou que, nos países mais desenvolvidos, o Estado "joga seu poder" na construção de um grande parque científico e tecnológico.

Só faltou o general lembrar que, infelizmente não é o que acontece no Brasil, onde não se investe em C&T e onde o Exército vive na pinimba, passando a pirão de areia, sem verba para comprar comida para a tropa.

Ideli estudiosa

A líder governista Ideli Salvati (PT-SC) teve de se contorcer ontem para justificar como o Senado torrou R$ 70 mil para ela e um assessor participarem, no exterior, do curso “The Art of Business Coaching”, promovido pela Newfield Consulting.

Ideli alegou ontem que o curso serviu para melhorar gestão de seu gabinete e o desempenho de sua equipe.

Curioso é que o fundador da Newfield no Brasil é Luiz Sérgio Gomes da Silva – filiado ao PT, ex-funcionário do Palácio do Planalto e ex-assessor da CUT.

Os Bem Financiados

A Folha de S. Paulo revela que dos oito deputados federais escolhidos para ocupar postos de comando nas comissões do pré-sal, sete receberam doações eleitorais de empresas diretamente interessadas no setor.

Arlindo Chimsaglia (PT-SP), Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), Arnaldo Jardim (PPS-SP), Antônio Palocci (PT-SP), Brizola Neto (PDT-RJ), Luiz Fernando Faria (PP-mG) e João Maia (PR-RN), em situações diversas, receberam doações das empresas OAS, Camargo Corrêa, Engevix, UTC, W Torre, Ipiranga, Norberto Odebrecht e Tora Transportes Industriais.

Por ironia, Rodrigo Rollenberg (PSB-DF), que é presidente da Frante Parlamentar em Defesa da Petrobrás, não recebeu doação de empresas relacionadas ao setor petróleo.

Lula pré-salgado

Ficou claro que era completamente inútil e injustificada a tal “urgência” nos quatro projetos de lei sobre o pré-sal.

Tanto que o chefão Lula recuou de sua intenção, depois que um acordo entre governistas e a oposição programou a votação dos projetos até, no máximo, 10 de novembro.

Pelo regime de urgência, os projetos do marco regulatório do pré-sal teriam de ser votados em 45 dias.

Perdeu, Eike

Não será agora que bilionário Eike Batista vai garantir sua “presença” no comando da Vale – empresa moldada por seu pai Eliezer Batista.

O Bradesco recusou sua proposta de compra da participação acionária da Bradespar na Vale.

O banco informou a Eike estar satisfeito com o retorno proporcionado pela Vale.

Gerando empregos

Os políticos deram ontem mais uma prova de que só pensam mesmo no próprio interessa da classe política – e não no do cidadão-eleitor-contribuinte.

Por 370 votos a 32, a Câmaa aprovou ontem, em primeiro turno, a proposta de emenda constitucional que cria mais 7.709 vagas de vereador.

Os grandes beneficiados - suplentes de vereadores, que podem assumir o mandato se a emenda for definitivamente aprovada e sancionada, lotaram ontem as galerias da câmara.

Aécio sem opção

O governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), admitiu ontem a possibilidade de escolha do candidato tucano à Presidência da República em 2010 por meio de análise de pesquisas com o eleitorado, em vez de prévias dentro do partido:

"Nós vamos até o fim do ano definir qual o instrumento utilizaremos para essa definição. Se as prévias, que ainda me parece o mais apropriado, ou um conjunto de análises que inclua também as pesquisas eleitorais, mas leve em consideração outros aspectos como o baixo nível de rejeição, a capacidade de aglutinação, o potencial de crescimento. Isso você faz cientificamente, através de pesquisas não apenas quantitativas, mas também qualitativas e observando o cenário político".

Aécio aparece com 16,8 por cento das intenções de voto em pesquisa para a corrida eleitoral feita pela CNT/Sensus, contra 39,5 por cento do governador de São Paulo, José Serra, com quem disputa a indicação do PSDB para o pleito.

O negócio é brigar

O chapolim colorado venezuelano, Hugo Chávez, acusou Israel de genocídio contra o povo palestino.

Chávez reclamou ao jornal francês Le Figaro que o bombardeio de Gaza no ano passado foi um ataque espontâneo:

A questão não é se os israelenses querem exterminar os palestinos. Eles o estão fazendo abertamente. O que foi aquilo se não genocídio? Os israelenses procuravam uma desculpa para exterminar os palestinos”.

Hugo Chavez agora defende sanções contra Israel.

Quase extraditado

Só falta o foto de Gilmar Mendes – que deve acompanhar o relator – para que seja sacramentada a extradição do terrorista Cesare Battisti para a Itália – onde ele é condenado a prisão perpétua, por quatro assassinatos.

Votaram pela extradição de Battisti os ministros Cezar Peluso (relator), Ricardo Lewandowski, Carlos Ayres Britto e Ellen Gracie.

Votaram contra a extradição Eros Grau, Carmem Lúcia e Joaquim Barbosa, além de Marco Aurélio – que pediu vistas, mas antecipou que era contra mandar Battisti para a Itália.

Se Battisti for extraditado, o grande derrotado será o ministro da Justiça, Tarso Genro, que o acolheu por aqui.

Museu da imprensa despejado

O presidente da Imprensa Oficial do Estado do Rio de Janeiro, Haroldo Zager, negou ontem o despejo do Museu da Imprensa do prédio do órgão, em Niterói, que será desativado.

O museu, que conta a história da imprensa brasileira, funciona desde 2002 no local através de um contato de comodato.

O presidente do museu, jornalista Jourdam Amora, sustenta que o despejo do museu foi determinado pelo presidente da Imprensa Oficial.

Morta pelo Imortal

O imortal Fernando Collor de Mello vai gostar nada desta obra.

O escritor José Louzeiro promete lançar um livro sobre os bastidores da proibição de sua novela “O marajá”, que seria exibida pela Manchete em 1993.

Em um caso raro de censura prévia, Collor conseguiu, na Justiça, impedir a exibição da novela que retrataria, humoristicamente, sua história.

As fitas com os primeiros capítulos gravados de O Marajá sumiram misteriosamente.

Vida que segue...

Ave atque Vale!

Fiquem com Deus.

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Inteligente (analítico e provocador de novos valores humanos) com análise estratégica, conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva.

A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 10 de Setembro de 2009.

4 comentários:

Anônimo disse...

CIRCO BRASIL

Presepadas e maracutaias do Sarney, tremendo barraco entre a dona Lina e a Bispa Dillma, ilusionismo do “pré-çal “, Lulla brincando de soldadinho... e, enquanto isso, a Caixa-Preta da Petrobrás segue firme, forte, intacta e cada vez maior.......

Fitzcarraldo Silva

Anônimo disse...

COMO OS ALEMÃES SÃO BURROS....

A Corte Constitucional da Alemanha, após acurada reflexão, proibiu as urnas eletrônicas, noticiou o diário argentino “Clarín”.

Os altos magistrados ficaram convencidos de que os argumentos apresentados não afastavam o perigo de fraude eleitoral por meio de softwares manipulados.

Para eles, o voto eletrônico enfraquece a essência da eleição e não há garantias de que o voto emitido seja o mesmo do registrado pelo computador.

Eles expressaram o temor de que as eleições tenham sua legitimidade sacrificada em função dos desejos apressados dos políticos.

Segundo Manfredo Koessl, politólogo da Universidade de Córdoba, Espanha, e doctorando pela Universidade de Hamburgo a sentença foi muito bem recebida pela opinião pública.

Os alemães conhecem bem o que computador pode e não pode fazer, escreveu Koessl. e alimentam sérias dúvidas sobre o uso das urnas eletrônicas em eleições.

Enquanto isso, por aqui ainda tem gente que acha e se vangloria que as urnas são o que há de mais moderno e avançado, mesmo que o eleitor não tenha o recibo do que votou, e o STF fica discutindo meses se um assassino covarde deve ou não ser extraditado...

Fitzcarraldo Silva

Anônimo disse...

Vejam o que Mestre Helio Fernandes escreveu sobre a comissão (ou começão??) num negócio de armas, como esse que agora é manchete:
“Especialistas me dizem: “Helio, normalmente, uma operação como essa de 60 bilhões, provocaria uma comissão de 1 bilhão e 800 milhões (Três por cento). Mas como é operação praticamente sigilosa, sem que ninguém fosse ouvido, a comissão pode (e deve) chegar a 6 bilhões. (10 por cento).”
R$6 bilhões??? É muita grana, nénão???
Delmiro Gouveia

Anônimo disse...

Caro jornalista,
permita algumas considerações

transferência tecnológica???

1- O Brasil hj não passa de uma grande economia de commodites voltada para o atendimento dos interesses da economia internacional e submissa totalmente aos interesses do grande capital internacional

potência industrial, econômica e militar???

2- Caracteriza-se essa economia por gerar a maior parte dos empregos nos últimos anos em setores que exigem baixa qualificação profissional (serviços, construção civil e comércio informal)

2- Em vista desse cenário é sabido que há evasão de sua pequena mão de obra qualificada (em especial a tecnológica) p/ exterior para trabalhar em empresas estrangeiras e p/ o restrito mercado de trabalho local,notadamente migrando para trabalhar no setor financeiro privado (leia-se cassino)- detalhe importante: essa mão de obra é formada nas melhores instituições do país (todas públicas , ou seja, forma-se essa gente com dinheiro da sociedade)

3- o restante da mão de obra qualificada do país( pessoas que concluíram cursos superiores - atualmente não passam de 2% da população do país, sendo que desse montante 80% foi formada em faculdades privadas(a grande maioria botecos de esquina subsidiadas por verbas estatais via Prouni)se encontra atualmente subempregada ou simplesmente desempregada. Imaginem os outros 98%.

Estratégia Nacional e soberania???

4- um piloto de caça da FAB ganha o equivalente a um soldado PM do distrito federal em início de carreira e é sabido que uma parte do oficialato (gente que curso AMAN,Escola Naval e AFA esta deixando a carreira para ingressar em orgão burocráticos, como escreventes judiciários, fiscais da receita ou policiais federais ganhando em geral o dobro que recebem como servidores militares.

5- Sintomático que os orgãos do estado que atualmente melhor remuneram seus quadros sejam orgãos não produtivos, ligados a tributação, repressão e processos burocráticos e formalísticos. Será esse um "novo design" de estado: monstrengo, improdutivo, parasita e repressor das liberdades civis, individuais e econômicas?

Em vista desses poucos elementos, parece que a questão da aquisição de equipamentos a,b ou c e as negociatas em questão são absolutamente irrelevantes,

o Brasil já era, sem nunca ter sido