quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Hierarquia e disciplina

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Ary Avellar Diniz


A sólida base de qualquer tipo de organização, seja militar, seja civil, eclesiástica ou até mesmo governamental, deve estar alicerçada em dois pilares de sustentação rígidos e fortes: hierarquia e disciplina.

Nos idos da história pré-civilizatória, os homens se digladiavam em bandos animalescos; e, para atacar ou se defender, tiravam partido do uso da pedra e do tacape, exibindo dentes proeminentes e olhos esbugalhados: verdadeiras feras quase irracionais, desprovidas do mínimo sentido de interação entre as pessoas.

Milhares de anos se passaram, os seres humanos começaram a se organizar melhor na política, na economia, em sociedade e na arte da guerra. Há 2000 anos, a Igreja Católica Apostólica Romana, implantada no mundo muitos séculos antes das que contra ela protestaram, tem-se mantido e revigorado, estrategicamente, pelo rigor de uma exigente disciplina, coadjuvada pela rígida hierarquia que permeia as várias camadas administrativas, renováveis de tempos em tempos nas comunidades religiosas locais e internacionais. As gestões ilimitadas são sempre desgastantes.

Por sua vez, as organizações militares, tanto nos tempos antigos como nos dias atuais, principalmente nos países industrializados e emergentes, têm-se caracterizado e mantido em razão do acatamento e respeito às diretrizes da hierarquia e da disciplina. O exemplo no Brasil reflete-se nas pesquisas públicas, eventualmente realizadas, cujos resultados apontam uma admiração consensual pelas Forças Armadas.

Quando se avalia o sucesso de qualquer organização civil, percebe-se logo ser o êxito consequência direta e responsável do uso intransigente da disciplina entre as camadas hierárquicas, facilitadora do desempenho funcional.

É bom lembrar que a aplicação da aludida disciplina é facilitada pelo modus vivendi democrático, quando se objetiva interação de todos os envolvidos no projeto existente, sempre justo e humanitário.

Até os dias atuais, ainda não se criou uma fórmula geral uniforme de disciplina destinada a ser adotada por qualquer tipo de gestão. O que é compreensível, porque, evidentemente, há diferenciações entre a direção de uma instituição educacional, de outra qualquer organização civil, de um quartel ou, até mesmo, de um presídio. O ponto básico de sucesso dessas administrações é a manutenção, a todo custo, da hierarquia e da disciplina.

O brasileiro muito relaxa e se alegra ao assistir a partidas de futebol profissional. Nessa prática de esportes, os clubes do Brasil diferem dos europeus, considerados verdadeiras máquinas de fazer dinheiro. Aqui, há os rombos financeiros, alegando-se sempre manobras injustificadas. Lá, imperam a disciplina e a hierarquia, a ponto de o Real Madrid poder investir, recentemente, mais de meio bilhão de reais em jogadores profissionais.

A verdade é que as pessoas dirigentes, em qualquer situação organizacional de sucesso comprovado, são sempre bem lembradas — certamente pelo honesto e responsável uso quotidiano do binômio vencedor hierarquia e disciplina.

Ary Avellar Diniz é Diretor Geral do Colégio e da Faculdade Boa Viagem aryavellardiniz@yahoo.com.br

3 comentários:

Anônimo disse...

Veja só a lista interessantíssima de filidados:

http://g1.globo.com/Noticias/Politica/0,,MUL1324579-5601,00-MARINA+POTENCIALIZOU+PV+DIZ+PRESIDENTE+DO+PARTIDO+AO+FILIAR+EMPRESARIOS.html

Anônimo disse...

Estudantes na Venezuela
Um grupo de estudantes da Universidade do Oriente, acampou diante da sede da OEA em Caracas protestando contra as perseguições e prisões dos que são contrários à revolução de Hugo Chavéz. A iniciativa se espalhou por sete estados e agora, já são 149 estudantes em greve de fome, exigindo um posicionamento da OEA contra o governo bolivariano.

Razões ocultas
A Radio Globo - lá em Honduras, foi fechada pelo governo. Fazia intensa propaganda anti semita, reproduzindo o discurso de Cuba e da Venezuela em defesa de Zé-laia. Acusando Israel de defender o governo, o editorialista da Radio Globo, David Romero disse que: “Hitler tinha razão em perseguir esta raça... por que não deixamos que Hitler cumprisse sua vasta missão histórica?” É isso aí: diz-me com quem andas...

Hoje, a revolução comunista chinesa completa 60 anos. No desfile militar será apresentado o novo armamento com 100% de tecnologia chinesa. 90% dos helicópteros, carros de combate, radares, caças e mísseis vão ser apresentados pela primeira vez.

léo disse...

Há uma dialética que se insinua como motor do dinamismo das sociedades humanas. A busca de estabilidade em um meio móvel, continuamente instável. Modernamente as instituições procuram um modelo que lhes permita atender a essas duas condições. E toda vez que se ignora ou se minimiza a hierarquia e disciplina desses sistemas organizados, o resultado deixa de ser eficiente. Penso que todo modelo de organização procura se amoldar ao que há de mais eficiente na luta pela sobrevivência em um meio hostil e mutante. E não há dúvida que esse modelo vem do próprio homem. Toda sua estrutura física está coordenada pela energia que a move e obedece ao comando de uma inteligência. Esse processo é necessariamente desenvolvido através de uma hierarquia e de uma disciplina. Software e hardware que se relacionam através de energia. As duas instituições que conhecemos que mais duram são as forças armadas e a igreja católica. Toda e qualquer instituição que prescinde de hierarquia e disciplina - penso que há uma estreita relação existencial entre ambas - está fadada ao desaparecimento. Não nos é dificil observar a queda do rendimento escolar no Brasil onde a quebra de hierarquia e o desaparecimento da disciplna são visíveis. O crime e a violência consequente nada mais são do que a quebra ocorrida entre a lei e a execução das penas. Qualquer cidadão passa a fazer as próprias leis e as executa a seu bel prazer, pois percebe a inexistência de comando, de disciplina, exatamente de onde deveria vir o exemplo. E ausência de leis significa caos. É evidente que num pequeno comentário só cabem indícios de uma análise mais profunda, mas mesmo superficialmente é possível se determinar relações de causa e efeito.