domingo, 11 de outubro de 2009

Muito Além do Chacrinha

Artigo no Alerta Total - www.alertatotal.net
Leia também o Fique Alerta – www.fiquealerta.net

Por Jorge Serrão

Esteja onde estiver, o imortal Chacrinha deve estar rindo à toa e ironizando sua própria eternidade etérea. O espírito do personagem vivificado por José Abelardo Barbosa de Medeiros é imprescindível para analisar, criticar, explicar e reinventar a realidade presente. Afinal, a humanidade vive momentos que precisam ser interpretados segundo a ótica chacriniana: uma “lógica” que combine, equilibradamente, ação, emoção e razão, abusando do o humor e empregando “o riso para fustigar os costumes”.

Chacrinha praticou, ao extremo, a máxima latina do “ridendo castigat mores”. A missão de seu personagem sempre foi fustigar os costumes, provocando o riso, de forma criativa, no rádio e na televisão. Agora, Chacrinha ganha nova vida em um longa-metragem com estreia nacional marcada para o dia 30 de outubro. O programa é imperdível.

O impressionante é que o jornalista e cineasta Nelson Hoineff teve a felicidade de produzir um documentário, de 90 minutos, que consegue a façanha de ir muito além do “Velho Guerreiro” – apelido inventado pelo Gilberto Gil, na letra da música “Aquele Abraço”, que define, com exatidão, a mistura genial do conservador Abelardo Barbosa com o vanguardista Chacrinha.

Alô, Alô, Terezinha” tem tudo para ser um grande sucesso do cinema nacional. Ao contrário do muita gente esperava, o ensaio do Hoineff não é uma biografia do Chacrinha. Mas sim um documentário de como vários personagens (famosos ou não) ainda vivem e sobrevivem em função do Chacrinha ou da própria herança eterna do Velho Guerreiro. Chacrinha aprovaria o roteiro. O filme abusa do humor mais contundente e corrosivo para retratar, na ótica chacriniana, chacretes, artistas e calouros.

O documentário prega uma peça na audiência – digna do Chacrinha. O Velho Guerreiro sequer pode ser considerado o personagem principal da estória. Nelson Hoineff o transformou em um coadjuvante de luxo. Este talvez seja o maior mérito do filme. Chacrinha foi ultrapassado por seu próprio espírito imortal. Chacretes, artistas e calouros – que incorporam o Chacrinha até hoje – são os personagens principais do filme.

Os produtores do filme foram chacrinianos. Conseguiram condensar, em apenas uma hora meia, mais de 300 horas de imagens muito bem pesquisadas e captadas pelos produtores Daniel Maia e Paloma Piragibe - eficientes caçadores de personagens, de quem colheram impressionantes, surpreendentes e emocionantes depoimentos. A edição de ambos, junto com Felipe Paes, Diana Gandra e Daniela Margutti, é digna de um “Troféu Abacaxi”. Só que de ouro puro. A fotografia do Guilherme Susseking também merece ir para o trono. O Nelson Hoineff, no mínimo, tem de ganhar – além de uma boa grana – “aquele abraço” pela direção da obra.

A ordem dos depoimentos consegue explicar – e não confundir – ao contrário do que pregava Chacrinha – um sujeito além do seu tempo e que nos consegue fazer pensar. A narrativa do documentário tem o mérito de buzinar a consciência de quem o assiste segundo a ótica do humor chacriniano. O filme nos passa uma obrigação fundamental. Todos devemos refletir, seriamente, sobre as asserções ou proposições em torno do mundo histórico do Chacrinha – que fingiu ter falecido em 30 de junho de 1988, mas que “continua balançando a pança, buzinando a moça e comandando a massa”.

Quem for ver o filme, por favor, faça uma breve reflexão, posterior, sobre a Vaidade - que dá as pessoas a falsa ilusão de que são poderosas e infalíveis. O “Alô, Alô, Terezinha” confirma que “vale o que está escrito” na Bíblia: “Vaidade das Vaidades, tudo é vaidade”. Tal ensinamento contido no Eclesiastes serve para todo mundo. Principalmente, para alguns políticos - que andam se achando por cima da carne seca, comendo sardinha e arrotando bacalhau... "Vocês querem bacalhau?" Eis a questão...

Malandro, quando exagera e pensa que está com tudo e não está prosa, também acaba buzinado pela História. Afinal, quem comunica (além da conta) também se trumbica. E acaba com o filme queimado, quando a massa, por milagre, recobra a consciência, com o passar do tempo, que é sempre o senhor da razão... Tal qual Chacrinha foi o senhor da irreverência.

O recado vale para um personagem de outro filme - que só estreia em janeiro... Uma obra ficcional que tenta propagandear uma “realidade”. O documentário do Chacrinha vai pra telona no dia 30 de outubro. Experimente o trailer: http://cinema.uol.com.br/ultnot/multi/2009/10/02/04023470CC994366.jhtm?trailer-do-filme-alo-alo-terezinha-04023470CC994366
Aliás, o Chacrinha adoraria ouvir a frase sincera do cineasta Luiz Carlos Barreto, produtor do filme “Lula, o Filho do Brasil”: “Estou fazendo este filme para ganhar dinheiro. Estou me lixando para a eleição, de dona Dilma ou de quem quer que seja”.
Com uma dessas, não merece ir para o trono? Vai ou não vai?

Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 11 de Outubro de 2009.

2 comentários:

Esperança disse...

Solicitação recebida por Graça Salgueiro do Notalatina:

http://notalatina.blogspot.com/2009/10/o-caso-das-vacinas-criminosas.html

Não se esqueçam que Honduras será o exemplo de luta pela democracia para os outros países da América Latina; por isso que esses presidentes comunistas estão fazendo tanta pressão para oprimir a manifestação contra Zelaya.



“Recebi uma solicitação do correspondente hondurenho, em que ele pede aos amigos de Honduras a fazer exatamente isto. Ele diz que Micheletti está sofrendo inúmeras pressões (sobretudo depois que Zelaya estabeleceu a data de 15 de outubro para sua volta ao poder) para descumprir o que reza a Constituição. Até agora Micheletti se manteve firme como uma rocha, mas ele é humano e precisa do apoio de todos os que respeitam as leis, a democracia e querem distância do maldito Socialismo do Século XXI, para não fraquejar”.



Enviem mensagens curtas mas fortes e encorajadoras para este e-mail, pois ele precisa do apoio de todos nós: michelettimipresidente@yahoo.com

Paloma Piragibe - PP; doisP; doisps disse...

MUITO OBRIGADA!!!
CHACRINHA MERECE TODO TIPO DE HOMENAGEM... AQUELE ABRAÇO E ÓTIMA SEMANA!

www.twitter.com/palomapiragibe
www.doisps.blogspot.com