domingo, 18 de outubro de 2009

Nacionalistas e entreguistas

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Marcos Coimbra

Ressurge agora, em função principalmente das eleições de 2010, o debate sobre estas duas visões doutrinárias. O grande patriota Barbosa Lima Sobrinho sempre afirmou que no Brasil somente existiam dois partidos políticos. O de Tiradentes, ou seja, dos patriotas, e o de Joaquim Silvério dos Reis, dos traidores da Pátria.

De uma forma simplista, resumiu magistralmente a situação vivenciada pelo nosso país. A administração petista pretende imprimir um caráter plebiscitário ao próximo pleito, procurando enquadrar seus principais adversários como entreguistas, tentando forçar uma confrontação impossível de ocorrer, no futuro, na prática, entre as administrações FHC e Lula.

De início, não há como negar que a administração FHC foi uma das mais entreguistas de todos os tempos, porém também não há como comparar o governador José Serra com o “príncipe da Sociologia”. São bem diferentes. Apesar de não termos simpatia pela candidatura Serra, o perfil dele é de caráter menos entreguista do que o do ex-presidente. Ele pode e deve ser criticado por outras atitudes, mas não por este ângulo.

Por outro lado, como considerar a administração Lula nacionalista? Ela emite sinais contraditórios, pois enquanto apregoa e imprime alguns passos no sentido de considerar as reservas do pré-sal fora dos absurdos leilões, que estupraram o monopólio estatal do petróleo, no período FHC, nada faz de concreto para revogar a alteração maléfica, restabelecendo assim o monopólio estatal.

Também agrava o processo de “balcanização” do Brasil, iniciado na administração Collor com a criminosa demarcação da área Ianomami, por portaria, continuando com FHC que iniciou o processo de demarcação da área Raposa/Serra do Sol, concretizada justamente por Lula. E pretendem prosseguir em seus nefastos propósitos, criando outras “reservas” indígenas, além da inovação da concessão de vastas áreas aos “quilombolas”, ameaçando perigosamente a consecução dos Objetivos Nacionais Permanentes: Integração Nacional, Paz Social e Integridade do Patrimônio Nacional.

Está sendo praticado um crime quanto à coesão territorial, pois estão acelerando o processo de demarcação de terras indígenas, para depois preparar o terreno para o “direito dos índios à autodeterminação” e para aplicar o “direito de ingerência dos mais fortes”. Isto possibilitaria a forças estrangeiras retalhar o território brasileiro, em especial a Região Amazônica, dividindo-a em quistos, protegidos por uma força internacional de paz. A pretexto de defender os direitos dos índios, vão explorar nossas riquezas e recursos naturais.

Em 13 de setembro de 2007, a Declaração Universal dos Direitos dos Indígenas foi aprovada pela ONU, com o voto favorável da representação brasileira, por 143 a 4 (EUA, Canadá, Austrália e Nova Zelândia) e 11 abstenções. A partir daí, a demarcação de terras indígenas assume o estágio de reservas indígenas (Ianomami e Raposa Serra do Sol), representando a última posição para transformação em nações indígenas.

Ainda mais considerando que existe, no caso dos Ianomamis, uma vasta região para eles, na faixa de fronteira contígua entre Venezuela e Brasil. Além disto, de acordo com a referida declaração, lá é vedada operações militares. Abriu-se o caminho para perdermos parte do nosso rico e desejado território.

Os movimentos separatistas em embrião no país (sul/nordeste) também estão sendo apoiados por via externa. Tentativas de guerrilha e de enquistamentos, como, por exemplo, a ação do MST, que já participou de reunião de cunho terrorista no México, com integrantes da chamada guerrilha zapatista, numa tentativa de coordenar o movimento subversivo no continente americano (México, Peru, Colômbia, Equador etc.) serão incrementadas, visando a obter a secessão.

No Brasil, interpretações absurdas e além da Constituição no relativo aos denominados “quilombolas”, subvertem o direito de propriedade, já ferido de morte pela ação de movimentos como via campesina, MLST e outros, que já começam a atacar, além do campo, a região urbana. O exemplo recente do vandalismo na Fazenda Santo Henrique, do grupo Cutrale, é uma demonstração de barbárie. E a invasão do Congresso feita sob o comando do Sr. Bruno Maranhão já foi esquecida, sem a devida punição dos (ir)responsáveis?

Como qualificar a administração Lula como nacionalista, diante destes fatos? E o pior é que de fato não encontramos sequer um candidato verdadeiramente nacionalista, dentre os mais citados pela imprensa. Isto porque Lula e Ciro Gomes já foram do Diálogo Interamericano (DI). Aliás, o PT forçou Ciro a transferir seu domicílio eleitoral para SP, objetivando afastá-lo da candidatura a presidente. Acontece que ele sabe possuir melhores chances como candidato à presidência do que a governador.

Henrique Meirelles é membro licenciado. A ministra Dilma recentemente foi a Washington para obter o aval do DI, sendo aprovada. Aécio Neves é o candidato preferido do Conselho de Relações Exteriores dos EUA e José Serra participou da reunião na capital norte-americana em que foi decidida a preferência pelo governador Aécio.

A senadora Marina foi nomeada por pressão externa (sua nomeação, bem como a de Meirelles, ocorreu na volta da viagem ao exterior do presidente eleito, “por coincidência”). Ainda mais com o perigo das urnas eletrônicas, como eleger um patriota?

Marcos Coimbra é Conselheiro Diretor do Centro Brasileiro de Estudos Estratégicos (CEBRES), Professor de Economia e Autor do livro Brasil Soberano www.brasilsoberano.com.br

Um comentário:

davi disse...

Falta para o Brasil candidatos a presidente com um discurso diferente do papo furado progressivista do duopólio PT-PSDB. Não existem nacionalistas e/ou conservadores honestos com vontade de concorrer a 2010? E o General Heleno, será que vai concorrer mesmo ou é só boato da internet? O Brasil precisa de opções decentes! Chega desses palhaços esquerdistóides-neoliberalóides! Precisamos de candidatos de direita, não da direita que entrega tudo para os banqueiros e para os EUA, mas sim da direita que defende a propriedade privada e a segurança do povo!