terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Militares em ritmo de “arakuru”?

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Jorge Serrão


O chefão-em-comando $talinácio Filho do Brazil sai de férias com uma profunda insatisfação, quase crise, no seio das Legiões. Os militares estão na bronca com o ministro da Justiça, o tenente R2 do EB Tarso Genro, que resolveu alimentar a polêmica sobre a Lei de Anistia, nas 54 páginas do recém-lançado livro “Teoria da Democracia e Justiça de Transição” (Editora UFMG).

Antes do Natal, Lula teve de conter uma briga séria sobre o mesmo tema “revanchismo x direito à memória”. Circula nos e-mails de oficiais-generais, via Internet, a informação de que no dia 21 de dezembro, pouco antes da Cerimônia de entrega de “prêmios” a quem se diz vítima de tortura nos tempos da dita-dura, o ministro da Defesa, o genérico Nelson Jobim e os três Comandantes Militares, pediram demissão ao Presidente. Será que tiveram mesmo tanta coragem? Ou ocorreu alguma Batalha de Itararé?

No e-mail, os militares contam que houve pressão do Ministro Paulo Vanuchi (dos Direitos Humanos) para a presença do Jobim no evento. O plano era que, nos discursos do evento oficial, os militares serem acusados de covardes por não estarem ali. Jobim teria dito a Lula que não compareceria para ser coerente com a opinião dele sobre o assunto. Jobim defende que a Lei da Anistia, de 1979, promoveu a reconciliação nacional ao perdoar os excessos cometidos pelos dois lados – o regime militar e seus opositores. Jobim já declarou publicamente: “Uma coisa é o direito à memória, outra é revanchismo e, para o revanchismo, não contem comigo”.

Tarso detona seu velho colega de faculdade de Direito, em pelo menos dois trechos do livro: “Quem estabelece um vínculo artificial entre ‘memória’ e ‘revanchismo’ quer, na verdade, dizer que é preciso sacrificar a memória no universo da impunidade(...)”. “O direito à memória, que desenterra o passado e o põe sob luzes públicas, não pode ser considerado como revanche (...)”. Tarso prega que a tese de Jobim – a mesma dos comandantes militares - impõe ao país “uma política de perdão ao inverso”.

Os militares não perdoam Tarso pelas atitudes revanchistas. O e-mail militar revela que, na hora do pedido coletivo de exoneração a Lula, o Brigadeiro Juniti Saito (da FAB) e o General Enzo Peri (do EB) prestaram solidariedade ao Ministro da Defesa, de imediato. O Almirante Moura Neto (da Marinha) estava no Rio de Janeiro. Mas foi convocado de emergência para uma reunião com Jobim. Os quatro (os três estrelas e o com nenhuma) combinaram como agiriam caso houvesse referencias negativas aos militares nos discursos do evento de Vanuchi – no qual a candidata Dilma Rouseff chorou...

Lula teria evitado a possível crise militar determinando que, na cerimônia, não houvesse referência aos militares. Lula foi coerente com seu discurso no dia 14 de dezembro, no tradicional almoço de fim de ano com oficiais-generais. Na festa, Lula atropelou o protocolo militar e chamou de “companheiros” os civis José Alencar, Nelson Jobim, Samuel Pinheiro Guimarães (ministro-chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos), além dos militares Jorge Armando Félix (ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional), e os comandantes quatro estrelas Saito, Moura Neto e Enzo.

Os “companheiros” militares agora esperam que Lula consiga conter o revanchismo de Tarso, Vanuchi, Dilma e outros que surfam na onda do passado, com evidentes intenções revolucionárias de desmoralizar as Forças Armadas. Pois os “companheiros” fardados devem esperar bem sentados. Lula é como um Boi, que ataca ou fica quieto, dependendo do sinal vermelho que lhe dão.

O processo revolucionário está em marcha. Mas a maioria dos militares parece não dar bola para isso. A maior parte das Legiões só pensa em tirar, no futuro, alguma vantagem do Exército de Libertação Nacional em franca formação. É a tragicomédia anunciada. Quem tem vocação para gueixa – não para samurai - só usa a espada para cometer “harakiri”. Ou seria “arakuru”?

Como nada entendo de artes marciais, deixo a dor da dúvida para os especialistas no assunto, e faço que nem Lula: tiro o meu da reta...

Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 29 de Dezembro de 2009.

6 comentários:

Anônimo disse...

Caro jornalista.
Desculpe a minha ignorância. "Harakiri", eu sei o que é.
O que seria o "arakuru"?

Anônimo disse...

MASSACRES POLITICAMENTE CORRETOS

29 garimpeiros foram mortos e degolados pelos “índios” em Rondônia, em 2004. Será que algum dos assassinos foram julgados e condenados até agora??Parece que não. Será que alguma ONG foi criada para exigir a punição dos assassinos? Parece que não. Será que os Movimentos ditos Sociais não param de exigir a condenação dos assassinos, como fazem com os assassinos da freira americana Dorothy Stang? Será que o Príncipe Charles continua toda histérica, vestida de saiote escocês, ao lado da Bruxa de Eastwick, sapateando sobre as tamancas, e cobrando a falta de punição dos assassinos? Parece que não....
Agora, no Suriname, garimpeiros brasileiros foram mortos e suas esposas e filhas foram estupradas pelos quilombolas de lá. Será que os Movimentos ditos Sociais vão exigir a punição dos culpados? Será que alguma ONG vai ser criada, com esse fim? Será que o Príncipe Charles vai ameaçar mandar o seu batalhão de “soldadas”, todas vestidas de sainha escocesa, à região, para prender os criminosos?? Creio que não.......Afinal, massacrar garimpeiros é politicamente correto, pois eles são maus, perversos, egoístas, segundo a cartilha “Çoçialóide” vigente ....Agora, massacra os pobres, inocentes e puerís “índios” e quilombolas, procê só ver o que acontece..........

Fitzcarraldo Silva

Unknown disse...

Caro amigo anônimo seria pergar uma faca e ao invés de enfiá-la no próprio estômago, enfiá-la no seu ânus...
Bom depois de sanar a dúvida do nobre amigo anônimo, gostaria de deixar aqui a minha decepção com os militares. É triste ver como não honram a farda que vestem!!! Quanto essa estória de Ditadura....blábláblá...nada mais é do que uma desculpa pra alguns malditos terroristas ganharem uma indenização.
Nasci em 1979 e alguns petistas podem até dizer que eu não estava vivo naquela época..ok...mas meus pais estavam, meus tios e avós....e nenhum deles foi preso ou torturado porquê TODOS estavam trabalhando e não sequestrando pessoas e roubando bancos!!!! Pra ser bem sincero essa Ditadura não passou de DitaMole...me espanta ver a INCOMPETÊNCIA dos orgãos de repressão, uma vez que DILMA, JOSÉ DIRCEU, LULA e outros dessa corja que está no poder, foram presos e, NENHUM MALDITO oficial se lembrou de fazer o serviço direto!!! É graças à esse serviço mal feito que hoje eles estão aí, vivos e acabando com o Brasil!!!!!

Martim Berto Fuchs (64) disse...

É ... só podia partir dos comunas do meu estado. Em 1963 era o Brizola que queria impor uma "democracia" à la cubana. Agora é esse covardão do Tarso Genro. Quando o Deputado Jair Bolsonaro disse um monte de merda na cara dele, esse crápula ficou de boca fechada. Por que não aproveitou a deixa e calou-se de vez ?

Anônimo disse...

Hoje o PORCO-SEM DEDO, deitou e rolou festejando a revolução dos porcos.

EÇE PAÍS É UM CHIQUEIRO!!!

Partido Alfa disse...

Desde que somos uma Republica, de 30 em 30 anos, passamos por uma ditadura. Isso tem uma razão de ser. Mas é complicado de explicar assim. Mas uma das causas é a classe politica,sempre envolvida em escandalos. Isso vai aumentando até explodir numa outra Ditadura. Até quando vai? Não sei, é preciso mudar-se os Estamentos Portugueses, que são usados para se administrar essa joça, desde 1.500.