sábado, 9 de janeiro de 2010

Não ao Terceiro Reich do $talinácio! - I

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Jorge Serrão


Impossível acreditar que Luiz Inácio Lula da Silva, o apedeuta mais sabido e Filho do Brazil, não soubesse do teor “revolucionário-golpista” do famigerado decreto que assinou, instituindo o pretenso Programa Nacional de Direitos Humanos. Os nazipetralhas ultrapassaram os limites da Democracia e comprovaram que, de fato, não existe segurança do Direito no Brasil.

Diante da repercussão do monstrengo autoritário – produzido pelos petralhas radicalóides -, a máquina do Bolcheviquepropagandaminister vai jurar que Lula e sua candidata Dilma Rousseff (da Casa Civil, por onde passam todos os decretos) ignoravam o pleno teor do “PNDH3” que desagradou a gregos e baianos, além dos militares, da Igreja Católica, do agronegócio e de parte da Imprensa que acordou para os perigos do ato institucional petista – que poderia ser apelidado de Ai-13.

Por sorte, o "decreto" que cria o plano é apenas um protocolo de intenções do governo. Não tem força de lei. Para tornar legais as principais sugestões do texto proposto, o Executivo terá que encaminhar ao Congresso projetos de lei para legalizar ações do plano. O monstrengo de 199 páginas está disponível em arquivo eletrônico no site: http://www.sedh.gov.br/.

Um dos pontos mais graves e demagógicos, para a implantação dos objetivos revolucionários dos radicais petralhas, é a adoção de “iniciativas legislativas diretas”. A proposta esconde a intenção do Executivo em, praticamente, tornar inútil o Legislativo. Na cartilha petralha, será o povo quem “vai decidir” através de “plebiscitos, referendos, leis de iniciativa popular e veto popular”.

Os militares estão, literalmente, “PTs” da vida com o chefão-em-comando $talinácio. As legiões desconfiam de tudo que está escrito nas páginas 169 a 173 do “PNDH3”. Principalmente do objetivo estratégico da Diretriz número 25: “Suprimir do ordenamento jurídico brasileiro eventuais normas remanescentes de períodos de exceção que afrontem os compromissos internacionais e os preceitos constitucionais sobre Direitos Humanos”.

Uma outro proposta que tira os militares do sério é estimular o debate nacional e no Judiciário sobre a “revisão da Lei de Anistia”. Trata-se de uma ideia absolutamente inconstitucional e inviável do ponto de vista prático. Nem Lula tem interesse pessoal em remexer no tal “passado da dita-dura”. Se a história for contada devidamente, Lula sabe que pode sobrar problemas até para ele.

O objetivo estratégico da Diretriz número 23 também irritou os militares: “Promover a apuração e o esclarecimento público das violações de Direitos Humanos praticadas no contexto da repressão política ocorrida no Brasil no período fixado pelo artigo 8º do ADCT da Constituição Federal, a fim de efetivar o direito à memória e à verdade histórica e promover a reconciliação nacional”. E a diretriz número 24 deixou claro o “revanchismo”: “Incentivar iniciativas de preservação da memória histórica e de construção pública da verdade sobre períodos autoritários”.

Curtindo férias nas mordomias especialmente criadas para ele no Forte dos Andradas (unidade do Exército, no Guarujá (SP) -, Lula se preocupa com as crises militares fabricadas por seus radicais – claro, com a anuência ou omissão do popular chefão. Lula ficou preocupado com o recado vindo diretamente de um dos “diários oficiais” da Oligarquia Financeira Transnacional que lhe dá sustentação.

A revista inglesa The Economist desta semana, na matéria intitulada "Não olhe para trás", advertiu que Lula deveria ficar atento à possibilidade de um confronto com as Forças Armadas. The Economist lembrou a Lula que o Exército brasileiro também "é popular e muito poderoso". Resta saber se Lula vai entender ou não o recadinho dos aliados ingleses.

The Economist não fala em ameaça militar ao quadro vigente – que já configura, há muito tempo, clima para uma quebra institucional. A sorte de Lula – embora os petralhas vivam mordendo e assoprando as Legiões – é que os militares não articulam golpes de Estado ou movimentos contra-revolucionários como o de 1964. Agora, são os nazipetralhas quem dão o golpe institucional – para garantir o Terceiro Reich de $talinácio.

Mas os militares mandam recados. Circulava ontem, em e-mails de Generais, a célebre frase de Benjamin Constant: “O militar não pode nunca ser instrumento servil e complacente, responsável por obediência passiva, inconsciente, que avilta seu caráter, destrói seu incentivo e degrada sua moral. Quem se omite, indiretamente se associa”.

A mensagem não serve apenas para os que vestem quepe. Mas é um recado aos segmentos esclarecidos da sociedade brasileira que ainda têm vergonha na cara e não aceitarão que o esquema revolucionário petralha nos imponha um “Terceiro Reich” tupiniquim, por decreto do popular chefão-em-comando.

Releia alguns artigos deste Alerta Total que anteciparam as manobras golpistas dos petralhas: A Merda na República de Mamar; Lula, o verdadeiro Nacional Socialista; O Triunfo da Vontade de Stalinácio e seus banqueiros; Tudo que eu queria era saber por quê... e Heil, Lula Vargas da Silva!

Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 9 de Janeiro de 2010.

6 comentários:

Anônimo disse...

ACORDA BRASIL!


ACORDEM, LEGIÕES!



ACORDEM, POUCOS HOMENS DE BEM!


ou em breve espaço de tempo seremos apenas o subúrbio de Havana

SAI DA FRENTE DA TV POVO BRASILEIRO!!!!


VÁ PARA AS RUAS BRASILLLLLLLLLLLLLLLL!!!!!!!!!!!!!!!


BASTA DE BASTARDOS URDINHO NOSSOS DESTINOS!!!!!!!!!!!

Anônimo disse...

"Em Agosto, Getúlio ficou só". Em outros Agostos a vida nacional conheceu fatos relevantes. O Judiciário e o Executivo tem um prazo. Interessa ao Brasil, interessa às Américas. Este é o mais sutil dos golpes de estado, entre outros intentados pelos comunistas. E agora pior, com anuência dos companheiros da ONU, da OEA, dos melancias europeus e norte americanos ligados aos Bilderberger.
Seria na correlação de forças que se desenha, ótimo para a Russia e para a China. Seria péssimo para os EUA e Europa, como o limiar de uma 3ra. Guerra Mundial.

Anônimo disse...

Crise fardada
07 de janeiro de 2010
Autor desconhecido

A História do Brasil não começou em 1964. Que tal condenarmos os militares que implantaram a República e concedermos indenizações milionária aos herdeiros da Família Real? O Presidente Lula faz malabarismo ao acomodar a todos pelo que chama de governabilidade, contudo tão afeto a metáforas futebolísticas, agora leva bola nas costas de seus Ministros Vanucchi e Tarso Genro com o PNHD3, ao querer rever pela ótica dos derrotados apenas a meia História de 64 a 85. No regulamento Disciplinar Militar a pena de " faltar com a verdade" impede a promoção ao Generalato de seu transgressor, ou seja, é uma falta imprescritível. Para eles a verdade não aceita a meia verdade.

Queremos e não tememos a verdade em sua plenitude. Por que não se cogita também mudar o nome das "Av. Presidente Vargas" existente em dezenas de municípios já que a polícia de Vargas, em sua ditadura, perseguiu e executou, a esmo, comunistas e integralistas ? Por que atualmente não se abrir os arquivos de partidos políticos, que a pesar de serem pessoa jurídica de direito privado, também são de interesse público ? Os arquivos do PC do B interessam aos militares, a verdade e ao Brasil. Teriam eles sidos queimados ? Se assim o foram com que moral acusam aos militares de terem queimados os seus ?

Em 1966 Oswaldão, regressando do exterior onde fez curso de guerrilha, comprou posse de extensa área no pé de Serra das Andorinhas, rica em ouro. Este fato desmente que o PC do B foi para o Araguaia fugindo da repressão do AI-5 de 1968, colocando também por terra o declarado por Elza Monerat, em arquivos do STM, sobre a Guerrilha do Araguaia. A área escolhida pelo PC do B, ao contrário das FARC que subsistem graças ao tráfico de cocaína, seria bancada pela extração de ouro vendida a países comunistas que bancavam a luta armada no Brasil.

Se a verdade vier a prevalecer para os dois lados, para cada militar que sentar no banco dos réus sob a acusação de violar direitos humanos no período 64-85, teremos, no mínimo 10 civis, muitos hoje no Poder, para ocupar o mesmo espaço nos tribunais sob a acusação de crimes de lesa-pátria, sequestro, terrorismo, latrocínio, etc. Não é a toa que os mesmos autores do PNHD3 defendem o terrorista italiano Cesare Battisti, lutaram pela liberdade dos sequestradores de Abílio Diniz e tudo fazem para que o sequestro, tortura e execução do prefeito de Santo André, Celso Daniel, não seja esclarecido. A quem interessa esconder a verdade?

léo guedes disse...

Por trás do processo revolucionário que está em andamento em nosso país, os seus coordenadores e dirigentes fazem, ao longo do tempo, experiências sobre o momento correto de dar o golpe final. De há muito monitoram, através de propostas, de artigos jogados em jornais, revistas, rádio e televisão, o grau de rejeição, indiferença ou aceitação desses temas. Não há mais pressa em em tomar o leite ou muito quente, ou muito frio. Aprenderam o que Gramsci diabolicamente bolou em seus dias de cativeiro. É uma espécie de bate e beija, agride e pede desculpa. Mas não há - e isso é uma convicção pessoal - nenhum desvio de rota. O que se mede é a altura do obstáculo. Uma estratégia de guerra da qual jamais abandonaram e abandonarão. Pouquíssimos foram àqueles que abandonarm o comunismo por verem nele algo mais do que um amor à humanidade. O que fizeram,depois do embate perdido graças às forças armadas, foi se vestirem de cidadãos comuns, que amam a democracia, a liberdade, a imprensa livre. Mas tudo de acordo com os diretores do espetáculo. Jamais se esqueçam do que queremos. O poder. E como disse um de seus mais famosos diretores, "estamos no poder, mas ainda não temos o poder". E quanta gente importante, ou pela força política, ou pela força econômica, está auxiliando com extremado labor a construir o cadafalso que lhes excluíra da vida. "Brasil, um país de toloá".

Martim Berto Fuchs (64) disse...

Que falta nos fazem agora homens públicos como Carlos Lacerda. Este reizinho que nos desgoverna há 8 anus, já estaria com o rabo no meio das pernas. A corrupção que predomina na política brasileira é caso pensado. A maioria, quase a totalidade dos políticos brasileiros está se locupletando. Estão saciados demais para entender a gravidade da situação. O golpe está sendo preparado e o tiro de partida foi dado pelo Deputado Raul Jungman, sugerindo um plebiscito para a reforma política. Mesma técnica do sargentão da Venezuela. De plebiscito em plebiscito, não largam mais a chave do cofre. E morderão pior que cão raivoso a que ousar lhes tomar o osso, isto é, a chave.

Re disse...

Correção:

A estrovenga é AI-51