segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Moral Individualista

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Arlindo Montenegro

Sorrir da desgraça alheia? É o prato que servem com naturalidade alguns programas de tv, com as tais pegadinhas, com a exposição dos desavisados ao ridículo. Com que intenção? Treinar “as massas” contra a aflição, que assalta os que ainda percebem as outras pessoas como semelhantes.

A aflição vem do sentimento inato de amor, amizade e cumplicidade contrária aos propósitos da sociedade coletivista, contrários ao papel ditatorial do estado, que define quem SERVE AOS SEUS PROPÓSITOS e quem deve ser descartado. O estado coletivista se entende como o bem maior. Seus chefes falam pelas “massas” que consideram estúpidas e privilegiam apenas um reduzido número da população que consideram ser digna de ter direitos.

Apenas uma reduzida parcela de líderes e militantes coletivistas, uns dois ou três por cento da população e alguns serviçais periféricos podem ter direitos. Os governantes coletivistas entendem que as atrocidades e injustiças são necessárias para o bem de toda a sociedade.

Daí o treinamento televisivo contra a aflição, que prepara o emocional das massas para adotar a crueldade como coisa natural e o amor como fraqueza. A força e o humanismo deles, coletivistas, está no ódio, no desprezo, no controle exercido pelo estado gigante. No medo induzido que aprisiona as mentes.

Veja a pauta imutável do noticiário: drogas, filhos matando pais, professores, colegas, estupros, roubos, furtos, acidentes, famílias ao abandono, suborno, corrupção, batalhas entre bandidos e policiais. Bandidos com todos os direitos e policiais quase sempre mostrados como suspeitos de crimes.

Aí, apresentam os números da economia, os números que podem vir a ser, os números do lucro dos bancos. É a moral da estatística, que não poupa a enumeração das vítimas indefesas e aconselha o cidadão a não se defender diante dos ataques dos bandidos. Nem dos ataques do estado contra as liberdades e o direito natural. Mantêm o medo e prometem a solução... pra quando e como... quem sabe? A humanidade coletivista se caracteriza assim.

O prodigioso desenvolvimento dos engenhos que minimizam as agruras da vida são, na sua totalidade, elaborados pelo pensamento individual. Mesmo num laboratório onde as pesquisas sejam desenvolvidas por um grupo, as tarefas estão divididas e especializadas e as provas finais específicas do axioma, dependem da aplicação individual. Individualidades somadas para o bem comum.

A disciplina da consciência individual concentra o poder de raciocínio e criatividade, afirmando a liberdade espiritual. A motivação do estudioso é fundamentada numa lei moral presente em toda a história da humanidade. Mas para os coletivistas marxistas, não há certo ou errado, tudo é relativo.

Por que será que deixam de considerar relativas suas certezas absolutas na condução dos negócios de estado, como nos relacionamentos sociais? Como podem sustentar sua correção, perfeição e certeza de todas as coisas?

As divergências presentes entre pessoas, na mesma família, relativas aos problemas materiais e espirituais, são permanentes, mas estão marcadas pela coerção de uma lei maior, intangível, eterna. Uma lei que os coletivistas não reconhecem. Para eles tudo é matéria.

Nas ciências sua produção sofre com as limitações da liberdade criativa e individual. Buscam direcionar e monopolizar a informação, distribuindo a contra informação que possa garantir a confusão e insegurança, o medo necessário ao controle intervencionista do estado em todas as esferas da vida.

O indivíduo é capaz de dirigir uma família ou um negócio. Mas é incapaz de decidir, direcionar, providenciar a logística de uma infindável cadeia de assuntos que exigem esforço concatenado, a direção de um estado. Para isto é preciso a forte presença da harmonia filosófica e a ética - que até o advento do comunismo era provida pelo humanismo cristão.

A partir da execução da satânica cruzada marxista, com a infiltração na igreja dos padres operários franceses, um dos quais, o dominicano padre Lebret, veio dar com os costados no Brasil a Teologia da Libertação coletivista. Ela gerou, no seio da igreja, padres, como os mesmos dominicanos que acobertavam o terrorista Marighella.

Muitos acreditavam que os EUA deveriam apoiar e pressionar a implantação dos estados democráticos de direito. Mas democracia e convivência democrática como a aceitação do estado democrático de direito, supõem respeito humano, tradição cultural, formação e informação continuada, objetivos claros, liberdades asseguradas, exercício que proporcione a credibilidade à justiça que observe a lei moral natural. A Ética dos melhores na condução dos negócios públicos.

Até agora no Brasil, fomos incapazes de sentir o coração vibrante em uníssono, para a construção de uma democracia. Falha a liderança de indivíduos imunes aos ressentimentos anarco revolucionários. Um pensamento e ação política em que cada um traga sua contribuição consciente e responsável. Consciência aprendida e treinada desde a família, desde os bancos escolares.

Isto um sonho possível. Em alguns pequenos grupos isto está sendo experimentado. É infinitamente complexo, mas praticamente natural e sem necessidade de leis escritas.

Arlindo Montenegro é Apicultor.

3 comentários:

André disse...

Acabo de ver você,por acaso, num programa da TV Aberta. Não conhecia você, parabéns por ter exata noção do estado de coisas que estamos vivendo.

A coisa ta tão feia, que é raro hoje ver um jornalista que saiba o que fala.

Parabéns

"Política sem medo" disse...

Excelente artigo Jorge nunca entendi porque existem esses programas que denigrem e humilham as pessoas. Tambem nunca entendi por que as pessoas aceitam. Certamente o autor tem razao em dizer que a forca daqueles que criam essas aberracoes esta no odio, no desprezo para com as pessoas que eles consideram inuteis.
Foi necessario que o governo autoritario do Brasil recolhesse as armas de fogo dos brasileiros para tirar toda a perspectiva de auto defesa de si proprios e de sua familia e o cidadao esta se transformando a cada dia que passa num robo que aceita tudo e age como se nao tivesse vontade propria, desejos ou sonhos. Estamos em perigo, meu amigo!

Anônimo disse...

http://www.youtube.com/watch?v=YninFRIujfo&feature=related


tema: como lutar contra a NWO