quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Psicopatas no Poder



Artigo no Alerta Total – http://www.alertatotal.net/ Por Arlindo Montenegro

Depois de expulsar os cristãos evangélicos, Chávez convidou “missionários” muçulmanos do Irã para converter os camponeses e os índios da Amazônia. Na tribo Wayuu as mulheres já usam o véu, os homens treinam com fuzis AK (russos) e se deixam fotografar usando o cinturão de bombas suicidas.

Enquanto nas cidades mais importantes da Venezuela multiplicam-se as passeatas que Chávez manda reprimir com violência policial extrema, enquanto os mortos são enterrados e os feridos são atendidos nos hospitais, ex ministros, parlamentares e militares manifestam-se pedindo a renuncia do ditador bolivariano. Mas o Brasil apóia a “democracia” do companheiro Chávez e vai ajudá-lo a superar as deficiências de abastecimento energético.

Estes governantes populistas, que acenam com o coletivismo comunista, que já matou milhões, não difere do populismo dos oligarcas tradicionais. Ambos temem o estado democrático de direito. Ambos descartam a máquina de estado reduzida, econômica, eficiente. O Estado de Direito respeitando as liberdades e a propriedade privada. O Estado de Direito sem privilégios, promovendo a criação de escolas e postos de trabalho, respeitando as leis e a livre iniciativa, em ambiente que favorece os mais pobres.

Na Argentina como na Bolívia, no Peru ou Nicarágua, como na Venezuela, os populistas coletivistas do dia espelham-se em Cuba e aprofundam a miséria moral e material. Tudo decorrente do mais abusivo desrespeito às Leis Naturais, neste cenário abusivo em que os políticos mentem e praticam a corrupção, fraudam eleições e na sequência confiscam propriedades, rompem tratados e pregam a violência.

Parecia que no final da II Guerra Mundial, em 1945, as idéias nazi fascistas estavam superadas. Parecia que o campo de concentração e extermínio de milhões de judeus Auschwitz, acabava com o massacre e perseguição daquele povo. Auschwitz documentava a barbárie nazista, superada apenas pelos comunistas, fato que parece tabu na discussão histórica.

Mas na Polônia e em todos os países limítrofes da URSS ocupados por tropas soviéticas, que impuseram a instalação de governos dos partidos comunistas sob estreita vigilância e obediência a Moscou, as perseguições a judeus e cristãos continuaram.

O alvo era Deus, “o ópio do povo”, presença ancestral escondida na mente e no coração das pessoas, um ser que atrapalhava a idolatria ao personalismo do governante, característica das práticas de estados totalitários coletivistas.

Os judeus foram autorizados pela ONU para restabelecer seu estado numa faixa de terra demarcada no Oriente Médio, parte do berço ancestral da civilização judaica, desde milênios antes de Cristo, antes mesmo do nascimento de Maomé ou existência do Alcorão. Que bom! Ganharam um pedaço de deserto, teriam para onde correr e ser acolhidos com segurança em caso de perseguições.

Estados Unidos da América e União Soviética (financiada por banqueiros capitalistas capitaneados pelos Rotschild), colecionavam ogivas nucleares aterrorizando o mundo com a possibilidade de uma guerra nuclear. Até que em 1989, caiu o Muro de Berlim. A União Soviética começava a dissolver-se. E a guerra fria parecia chegar ao fim. Acabado o comunismo, o mundo poderia construir a vida em paz e liberdade.

Sem um Estado de Direito garantindo o bem comum e as liberdades de iniciativa, opinião, crença e direitos naturais, as possibilidades de construção democrática são nulas, derivando, como temos visto e experimentado, para a imoralidade e o cinismo, para a decepção e anarquia, para o estado associado ao crime organizado.

Nos tempos da “ditadura”, principalmente no Governo Médici, vivemos o pleno emprego, o bem estar de um país em crescimento lançando os fundamentos de uma nação livre e soberana. Naqueles dias muitos dos que estão hoje no poder estavam de armas nas mãos contra a ampliação dos direitos democráticos. Os investimentos externos eram abundantes, tanto quanto hoje.

A diferença é que naquele tempo os direitos individuais eram respeitados e os que desrespeitavam a Lei eram duramente reprimidos. Hoje a Lei é tratada como anomalia e os dirigentes a violam impunemente, enfraquecendo o Estado Democrático de Direito, abrindo as portas aos potentados internacionais ocupados com a nova ordem de colonização mundial.

Enquanto este país conviver submisso a uma personalidade política populista ou oligarca endeusada pela mídia, a apatia política e os ressentimentos revanchistas estarão em pauta, barrando a oportunidade de construção do “celeiro do mundo”. As dificuldades interpostas no cenário mundial e nas Américas são muitas e de natureza variada.

O caminho é a defesa das liberdades, fundamentadas nos direitos naturais de vida e busca individual da felicidade sob o império da Lei. Honduras e o Chile estão dando o exemplo. O Brasil devia tomar um jeito e dar também.

Arlindo Montenegro é Apicultor.

20 comentários:

Francis disse...

Estamos na melhor hora para lembrar de fatos, arrasar em argumentos e desmoralizar PsicopaTas, ou seja, antes da eleição e da permanência dessa PeTralhada onipresente no poder.

Devemos lembrar, por exemplo, do vídeo do Lula em que ele cai em contradição em relação ao Bolsa Família.

http://www.youtube.com/watch?v=83WUqpvddq8

Para arrasar em argumentos, a frase de Voltaire: "O segredo de aborrecer é dizer tudo".

E para desmoralizar, indico um link do blog de uma empresa privada que está produzindo uma animação chamada "REPUBLIQUETA". O nome promete!

http://blog.aeonav.com

Abraços!

Anônimo disse...

O Arlindo deve entender de abelhas, porém, sobre holocausto ele ainda se encontra no primário.

Para não continuar a repetir as eternas mesmices, ele deve bebericar o outro lado da história escrita pelos vencedores e aprender mais com as

LIÇÕES SOBRE O HOLOCAUSTO

em

http://www.inacreditavel.com.br/novo/mostrar_artigo.asp?id=74

j.vital disse...

Quase que acertam a doença!!O lulla foi diagnosticado por um psicólogo de fama nacional com sendo um "SOCIOPATA"!Um cronista anotou que hoje em dia quem é comunista ou é IDIOTA ou TRAPACEIRO. junte os dois - O Lulla, sociopata com o Paulo - ministro do desenvolvimento humano e dá - MERDA NO VENTILADOR !!!!

léo guedes disse...

Por que, anônimo? Quem investe no que supõe ser uma verdade não mitiga de seu próprio nome. Ou sua verdade tem consistência ou seu defensor está em dúvida quanto o que a respalda. Fui até o endereço indicado pelo anônimo. E fiquei convencido de que o Holocausto, de acordo com o brilhante pesquisador e historiador, foi e continua sendo uma peça pregada a toda humanidade. Os judeus, ciganos, negros, cristãos, e outros, em realidade, somente existiram no diabólico uso da propaganda. O que se constituiu como "prova" da existência do extermínio foi tão somente uma quantidade de sapatos consertados por alguma ou algumas fábricas locais. Toda a literatura, todo o testemunho dado pelos sobreviventes não passam, de acordo com a verdade irretorquível do anônimo, de mentira, de sandice, de invenção para macular...macular quem? Os alemães? O que significa que estes além de reconhecerem oficialmente a farsa, ainda colaboram para a existência dela. Com tais argumentos, bem que o anônimo poderia sair do anonimato e revelar um nome de peso para todos quantos adotam a verdade como inspiração para sua conduta. Coragem, sr. Anônimo. Não acredito que haveria uma repetição histórica da injustiça praticada contra um outro judeu que também defendia a verdade e acabou sendo crucificado.

Anônimo disse...

Procurem na Internet(Google) pelo filme "The Soviet Story", que se encontra traduzido em português. Nele vocês encontrarão provas de que a União Soviética ajudou, e muito, ao nascimento do Nazismo.

Armando Coruja

Anônimo disse...

Arlindo, pelo que eu sei a maioria dos protestantes venezuelanos apoiam o Chapolim: se você está se referindo a esses ''cristãos evangélicos''.

É dificil falar o que realmente eles são: PROTESTANTES.

Moreira

Cavaleiro do Templo disse...

Ao primeiro Anônimo, pergunto: e você é "entendedor" do que? Você entende de sugerir links? É isto? Pelo menos de uma coisa eu tenho certeza que você entende. De nem mesmo citar seu e-mail, site, apelido ou nome.

Abraços a todos

Cavaleiro do Templo

Anônimo disse...

Só uma solução que é religiosa. vejam com atenção;

http://www.youtube.com/watch?v=h6tr6bO2_XI

Marcelo disse...

Parece que a mensagem do primeiro Anônimo incomodou!

Poucos foram os comentários sobre o assunto, mas dá-lhe ataque ad hominem!

davidbor disse...

Aos que acham que o Holocausto é mentira ou exagero eu respondo com uma simples pergunta: onde estão meus avós? tios? primos? e as histórias que meus pais contavam? Tudo mentira? Para quê? Ora, vão ler mais um pouco e se informar seus ignorantes nefelibatas...

davidbor disse...

Eu gostaria de saber a fonte da notícia sobre os índios, os missionários, os véus usados pelas índias e os muçulmanos. Me interessa muitíssimo!

Arlindo Montenegro disse...

Indios convertidos pelos muçulmanos na Venezuela. Fonte: Revista Catolicismo. Acesse o site
http://www.catolicismo.com.br/materia/materia.cfm/idmat/C2A76FEF-3048-313C-2E12335D1F842100/mes/Fevereiro2008.
A matéria está na 4ta. ou 5ta posição da página.

Anônimo disse...

Oras davidbor, como vamos saber onde estão teus parentes??!!

Passe aqui os nomes de seus parentes mortos, locais e datas de nascimento, e ai vamos fazer uma consulta nos arquivos da Cruz Vermelha.

Talvez eles tenham morrido de tifo, sido cremados (como na Vila Alpina aqui em São Paulo) e você ache que tenha sido nas lendas e mitos do holocausto judeu...

Não quero nem pensar, mas acho que aqui temos um clássico uso do porrete de Auschwitz...

Anônimo disse...

Vamos imaginar que você seja deportado com sua família. Ao chegar, os aptos ao trabalho são separados de seus familiares e enviados para outros campos de trabalho forçado. Mulheres e crianças são transferidas para alojamentos especiais, pessoas idosas são separadas segundo o sexo e alojadas da mesma forma, em separado. Segundo a demanda e necessidade, estas pessoas são agora transportadas para outros campos e, ao final da guerra, distribuídas no reduzido número de campos de concentração que ainda não tinham sido libertados pelos aliados. Todos aqueles que sobreviveram a este tratamento, terminaram finalmente em algum campo de concentração do pós-guerra e, a partir destes, foram espalhados por todo o mundo. Muitos conservaram seus nomes, porém, a maioria estava saturada de ser reconhecida prontamente como judeu e tomaram em suas novas pátrias, novos nomes: um nome espanhol na América do Sul; um inglês nos EUA; freqüentemente um hebraico em Israel.

Anônimo disse...

Agora a pergunta: como parentes destas pessoas podem encontrá-las nesta situação?

Como tal empreitada é quase impossível, podemos imaginar que com a ajuda da Internet algo possa ser feito. De fato, fica mais fácil do que nas décadas seguintes ao pós-guerra, porém, há uma dificuldade adicional: a geração do pós-guerra tem que primeiro descobrir que parentes eles tinham pelos quais eles possam procurar.

Anônimo disse...

Vejamos aqui uma das esporádicas notícias que apareceram em jornais regionais, onde é reportado como uma família desintegrada pelo Holocausto se encontrou de forma milagrosa: pessoas que acreditavam mutuamente que seus parentes tinham sido exterminados, se encontravam novamente através de uma assídua busca e muita sorte. Segue o exemplo de um jornal diário dos EUA:[1]

“Certa época os Steinbergs habitavam um pequeno povoado judeu na Polônia. Isso foi antes dos campos de extermínio de Hitler. Agora um impressionante grupo de 200 sobreviventes e seus descendentes se reúnem aqui para participar de uma festa de 4 dias, que se inicia apropriadamente no dia de Ação de Graças (‘Thanksgiving day’). Parentes vieram na quinta-feira do Canadá, França, Inglaterra, Argentina, Colômbia, Israel e pelo menos de 13 Estados dos EUA. ‘É fantástico’, disse Íris Krasnow, de Chicago. ‘Aqui estão reunidas 5 gerações, de um bebê de 3 meses até um idoso de 85 anos. As pessoas choram de felicidade e vivenciam um momento maravilhoso. É quase uma reunião de refugiados da Segunda Guerra Mundial’. Sam Klaparda, de Tel Aviv, perdeu a fala quando no saguão do hotel Mariot junto ao aeroporto internacional de Los Angeles, ele viu uma imponente árvore genealógica. É impressionante como eu tenho parentes, ele disse [...] Para a mãe de Íris Klasnow, Helene, a qual tinha emigrado da Polônia para a França e de lá para os EUA, a reunião era um acontecimento festivo. ‘Eu não posso acreditar que tantos sobreviveram o Holocausto. A gente encontra aqui tanta vida - uma nova geração. É maravilhoso. Se Hitler soubesse disso, ele iria se revirar na cova’".

Cavaleiro do Templo disse...

Anônimo, mesmo se "achássemos" vivos, digamos, 500 mil judeus que pensávamos mortos, ainda teríamos aí alguns milhões desaparecidos, correto? Ou não? Será que estão "perdidos" pelo mundo outros 4 milhões e meio de judeus? Ou será que TODOS estes morreram de doenças, como sugeriu? E muitos realmente não devem ter morrido nos campos de concentração. Talvez um terrível número tenha morrido de picaretada na cabeça, machadada, paulada, jogado vivo embaixo de construçõs ainda em execução (como em filme de gangster), etc, etc, etc.

Você acredita, então, no mais improvável: acharmos vivos 5 milhões de desaparecidos ou a sepultura deles com a data de falecimento posterior ao fim da guerra. Só isto poderia negar o holocausto.

Com isto, já vi que ao invés de contar com o testemunho histórico (a história dos vencedores) você prefere a história dos perdedores da guerra. Isto para mim mostra muito bem de que lado você está, no mínimo, nesta discussão.

Cavaleiro do Templo

Anônimo disse...

Quem disse que morreram 6 milhões de judeus?

Para podermos enterrá-los, não seria necessário saber sobre estas pessoas? Saber seus nomes, local e data de nascimento.

O Yad Vashem tentou ou ainda tenta desesperadamente fabricar essa lista e para isso aceita qualquer informação... qualquer mesmo ;-))

Aqueles que não tem argumento, que temem a verdade histórica, esses apelam para o emocional ou outras baboseiras:

"não é homem para dar seu nome"

"onde estão meus avós?"

"mostra muito bem de que lado você está"

Mas saber sobre o tema, nada.


Faltam 6 milhões?

http://www.inacreditavel.com.br/novo/mostrar_artigo.asp?id=88

"Primeiro Anônimo"

Cavaleiro do Templo disse...

MEU NOME É ALEX BRUM MACHADO, meu e-mail é cavaleirodotemplobrasileiro@gmail.com.

Não precisa dizer nada de ti, como afirmei no comentário passado sabemos de que lado você está.

Tenho um site para cuidar, adeus.

Cavaleiro do Templo

Marcelo disse...

Por que aqueles que defendem o nazismo, com aquele papinho de que quem escreve a história são os vencedores, negam o Holocausto? Não era isso que o nazismo queria? Então o nazismo nunca existiu? Esses loucos falam como se os nazistas não quisessem acabar de uma vez por todas com o tal "elemento judeu na Europa"...