terça-feira, 2 de março de 2010

Cristãos contra o AI-51

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Arlindo Montenegro

A TV Canção Nova fez a diferença: mostrou o Programa Nacional dos Direitos Humanos, sem as máscaras do complicao juridiquês. O convidado foi um Padre lá dos confins do Mato Grosso. Ele é Professor de Teologia, Reitor do Seminário Cristo Rei e um apóstolo do cristianismo, que denuncia sem temor a catástrofe que ameaça a nação.

Ele sabe e repete com a tranquilidade de um "pastor de almas", que a imprensa e a livre expressão do pensamento, a propriedade privada, a cultura cristã, as mais caras instituições democráticas, estão desfiguradas e agora ameaçadas de arquivo perpétuo, dando lugar a uma ditadura socialista cujo objetivo é eliminar o cristianismo.

O notável jurista e professor Ives Gandra Martins, em entrevista à Rede Bandeirantes, já havia denunciado a inconstitucionalidade do Projeto, classificando-o como desumano. Padre Paulo, vai mais adiante: "É um golpe de Estado e não temos no Brasil represantantes políticos que falem o que o povo está passando". E vai mais fundo respondendo à própria pergunta: "De onde vêm estas idéias cavilosas?"

"Existe um forte lobby internacional, não é um lobby capitalista, é o anticristianismo de gente que quer fazer um governo controlador mundial. Estamos caminhando prá isso. Um governo mundial é primo irmão ou irmão siamês de uma ditadura marxista. E os governantes do mundo inteiro, como numa sinfonia estão voltados para construir uma sociedade ditatorial e anticristã."

O entrevistador lembrou que o presidente disse ter assinado o tal Projeto sem ler. O entrevistado respondeu na lata: "Tudo está no projeto do partido dele. Foi eleito para fazer estas coisas e está fazendo". O Padre Paulo Ricardo é um cristão convicto, diferente daqueles que trocaram o catecismo que libera o espirito e disciplina o corpo, pela Teologia da "libertação" do corpo e abandono do espírito, teologia do desespero e da ignorância.

Ouvindo-o lembrei de outro gigante cristão, Gustavo Corção, que vislumbrava a infiltração da igreja pelos comunistas, para "matar" Deus ou baní-lo da consciência humana. Em "O Século do Nada", editado pela Record, ele lembra a chegada do Padre Lebret, dominicano francês, trazendo ao Brasil "os primeiros germes do 'ativismo desesperado' ou os primeiros virus do esquerdismo católico que vinte anos depois produziria o escândalo dos dominicanos, que em São Paulo transformaram o Convento das Perdizes em reduto de guerrilheiros."

Quando o Padre Paulo Ricardo falou em "golpe de estado" associei com as lembranças dos idos de 1960, relatados na montanha de livros e documentos conhecidos: contra o"imperialismo americano", Luiz Carlos Prestes dizendo que "já estamos no poder", grupos dos onze de Brizola e contingentes armados das ligas camponesas, hoje se repetem nestas manifestações do governo e no MST e similares, mais os "Comandos" do tráfico de drogas que aterrorizam a nação e que nasceram do contato entre comunistas e bandidos em algumas prisões.

Gustavo Corção lembra as "Marchas da Família" que levaram milhões de pessoas às ruas das metrópoles em protesto contra o Governo Goulart que, dominado pelos comunistas, associava-se à China e União Soviética. Transcrevo um trecho d'O Século do Nada', que é muito atual e casa com o pensamento do Padre Paulo Ricardo:

"Romper com o passado é, numa linha horizontal e freudiana, desejar a morte do pai; e, numa linha vertical e teológica, desejar a morte de Deus. Numa outra perspectiva, que
inclui os dois vetores na mesma humana peregrinação, romper com o passado é romper com o humano.

Todos nós desejamos ardentemente um mundo melhor, libertado de certas taras, de tantos erros às vezes acumulados, renovado pelo aperfeiçoamento moral dos homens; todos nós
sabemos que o homem é essencialmente progressivo, e que quem não progride regride, já que a imobilização dos passos é impossível neste restless Universe; mas também sabemos que só progride o que permanece, só avança na direção de um real progresso quem tem o olhar volvido para os grandes feitos e os grandes compromissos da humanidade. E é com esta convicção que orientamos aqui o nosso retrovisor para um passado recente e especialmente para os dias de março de 64 em que se decidiu, milagrosamente a meu ver, a sorte do Brasil."

A sorte do Brasil está lançada neste momento. Eles querem romper com o passado. As mesmas forças que foram banidas em 64 atacam com maior vigor, agora secundados pelos controladores internacionais, depois de ter desfigurado com a cultura nacional. Os pais geram os filhos, almejando fazê-los pessoas livres, dignas seguidoras de suas crenças. Desde a escola básica e até a formação superior, crianças e jovens recebem há anos, uma dieta catequética coletivista, contraria à afirmação da responsabilidade individual, caractarística do cristianismo.

Só faltou, nem precisava mesmo, o Padre Paulo dizer que "estas coisas" passam por alinhar-se aos mais sanguinários ditadores, ao projeto bolivariano do Chavez, aos projetos de bomba atômica do Irã, à distribuição de rucursos públicos e perdão de dívidas, passa pelos impostos que inviabilizam o desenvolvimento da nação, passa pelos mensalões e desmoralização de todas as instituições, por eleições eletrônicas sem transparência e por uma máquina estatal monstruosa, super dimensionada e dispendiosa.

Ele disse: não temos políticos que pensem, sintam e falem o que o povo cala. Quem desejar conhecer o pensamento cristão atual o Padre Paulo destrincha o "marxismo cultural" na homilia documentada no vídeo em 3 partes. O quarto vídeo é parte da entrevista concedida ao programa Canção Nova.

http://www.youtube.com/watch?v=hA6h1dFgbc8&NR=1

http://www.youtube.com/watch?v=lpjYttjds6g&feature=related (2)

http://www.youtube.com/watch?v=JYNP8JrDepo&feature=related (3)

http://www.youtube.com/watch?v=LvRTPUz34_8&NR=1

O site do curso de teologia é www.padrepauloricardo.org/

Arlindo Montenegro é Apicultor.

3 comentários:

Humberto Pinto disse...

Com palavras. Sensacional!!!

léo guedes disse...

Prezado Sr.Arlindo. Fui me informar no site do professor Roberto Romano essa declaração do Sr.Lula:
"As investidas do atual chefe da Casa Civil, do ministro do Trabalho, do ministro encarregado pela Comunicação e, o mais espantoso, do próprio ministro da Justiça contra a imprensa ecoam perfeitamente as palavras emitidas em 1985 pelo então candidato à presidência da República, Luiz Inácio Lula da Silva, sobre as liberdades: “Acho que a liberdade individual está subordinada à liberdade coletiva. Na medida em que você cria parâmetros aceitos pela coletividade, o individualismo desaparece. Ou seja, não há razão para a defesa da liberdade individual. O que você precisa é criar mecanismos para que a grande maioria da comunidade possa participar das decisões” (Folha de São Paulo, 29/12/1985)". Isso explica muitas das posições tomadas pelos governos socialistas em releção à defesa do indivíduo. A morte daquele cubano que fez greve de fome protestando contra os maus tratos nas prisões cubanas e acusado de suicídio pelo nosso presidente, demonstra claramente que uma vida não tem valor algum diante do grande plano coletivo.

léo guedes disse...

Ah! Esqueci de completar. Desde que não seja a vida deles, obviamente.