domingo, 20 de junho de 2010

Quem não reage rasteja...


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Jorge Serrão


Existe, no momento, evento mais importante que a Copa do Mundo da FIFA? Claro que sim! No Brasil, sobretudo no Norte-Nordeste, temos as festas juninas e julinas. No centro do poder brazileiro, lá pros lado do Detrito Federal, tivemu onti à noiti o Arraia do Torto. Nhô $talinácio e nhá Marisa torrarum R$ 215 mil. Dani-si si o dinheru saiu dus cofri púbrico...


Na festança particulá deles, os jornalista ganharu uns pão de Santo Ontonho e umas muda de pau pombo.. Fartou a Dirma vistidadinoivia, pra casá com o tal de Palhaço do Planarto. Mas o casamento num daria certu perque num dá pra aturá o tarl de Michel Temer de amanti... Di resto, Anarriê, que as água rolaram por lá. $talinácio devi te cabado torto... Como sempri... Só pra vareiar...

Na África do Sul, quem segue rolando e fazendo a festa, até 11 de julho, é a Jabulani. É uma bola sobrenatural. Maldita para os goleiros. Tem 11 cores. Representa os 11 jogadores de cada seleção, os 11 idiomas oficiais da África do Sul e as 11 tribos que formam a população da ex-colônia britânica que ficou famosa pelo racismo do regime do Apartheid. Todos só pensam nesta redonda da Adidas. Jabulani é uma palavra da língua Bantu isiZulu. Significa "Celebrar". Na tradução livre de $talinácio quer dizer: “tomar todas e sair torto feito um chute forte”...

Nossa Pátria, de chuteiras, aposta na vitória dos comandados por Carlos Caetano Bledorn Verri. A não ser que os deuses do ludopédio não queiram, já nos achamos, intimamente, donos do hexa. Mas, enquanto nossa seleção privada (sem trocadilho ou com) não triunfa, vamos tomando novas bolas nas costas. Sobretudo em termos de perdas da liberdade. Será que contra o esquema globalitário não há quem possa? Tem certeza? Jura?

Na dúvida cruel, enquanto estivermos de olho na Copa, mais precisamente no dia 1º de julho passa a valer a resolução 245/2007 do Conselho Nacional de Trânsito. A norma determina que 20% do total de automóveis e veículos comerciais leves produzidos no Brasil saiam de fábrica com o rastreador – um dispositivo antifurto, para localização e bloqueio. Em resumo, é o tal “chip” – idêntico ao que pretendem implantar na nova carteira de identidade e no passaporte.

Por trás das boníssimas intenções de “segurança” está mais um instrumento tecnológico de controle social. Pouco em breve, os cidadãos serão monitorados eletronicamente. O Big Brother pode não te ver. Mas, certamente, vai te localizar, acompanhar seus passos, seja andando de carro, a pé, ou viajando. Não é paranóia conspiratória. Estamos diante do maior desafio de preservar nosso direito constitucional à privacidade e liberdade de ir e vir.

Teremos de enfrentar tal batalha pela cidadania. O triste é que a maioria obra e anda para tal questão. Há muito tempo assistimos – muitos atônitos e catatônicos – a uma passividade destrutiva de todos os valores humanos essenciais. Sentimos o caos. Mas não identificamos os responsáveis por gerar as situações caóticas.

Tamanha imbecilidade coletiva se transformou em um problema a ser enfrentado, em curto prazo, por aqueles que têm a missão de informar e educar. Para nosso azar, os processos educacionais e informativos caminham na mão inversa. Contribuem, cada vez mais, para a formação do midiota coletivo.

A lavagem cerebral acontece com a ajuda de ideologias, falsos conceitos, falsas crenças, mentiras, anti-valores, regras ou legislações. Tudo isto imposto sutil e gradualmente. O objetivo é confundir o indivíduo. Moldar seu comportamento na massa. Assim é possível influenciar e controlar a dinâmica social. A “ordem” é gerar a meros autômatos. Ou seja, seres incapazes de reflexão crítica – acerca de si e do mundo em que vivem ou sobrevivem.

Quem não lembra, observa e pensa funciona sem equilíbrio. Confunde ação, emoção e razão, agindo feito uma besta-fera. Assim, o individuo transforma-se em presa fácil dos projetos e processos globalitários. Precisamente porque nem percebe que é “preso”. Não se considera confinado, coletivamente, a “ideias fora do lugar” em um sistema habilmente controlado por indivíduos e corporações operadas por uma Oligarquia Financeira Transnacional.

O totalitarismo já invadiu nossa morada. Se ninguém expulsá-lo, vai reinar absoluto. Precisamos de vontade política para escapar dessa armadilha globalitária, cada vez mais imbecilizante. A única saída é conjugar os verbos: Lembrar, observar e pensar. A começar por cada um de nós. Só assim podemos praticar soluções corretas, baseadas na verdade e com sabedoria, usando corretamente o conhecimento.

Agir é fundamental. Mas reagir também é urgente. Quem não reage rasteja... Ou toma muitas jabulanis nas costas... Até não agüentar mais...

Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.


© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 20 de Junho de 2010.

4 comentários:

Anônimo disse...

As últimas vozes que defendem os valores culturais da nação, concentram-se nas páginas da internet. Raramente os editores da mídia nacional destoam do discurso oficial e oferecem conteúdo analítico, para um público cada vez mais reduzido.O "cara" ignora as leis, comete crimes eleitorais, manda quebrar o sigilo bancário de militares oposicionistas e personalidades outras, faz lambança com o dinheiro dos impostos impostos, age formalmente de um jeito e factualmente do outro, diz-se democrata mas apoia ditadores e age ditatorialmente, compra consciências e quando (raras vezes) é cobrado, basta dizer que "não sabia". Agora mesmo a "prima dona candidata", diz a El País que ela fez e aconteceu TUDO quanto se atribui ao Presimente! Assume publicamente os fatos. Como ninguém faz nada sem retaguarda, revela mais ou menos assim: mandamos nele, botamos o discurso na boca dele, afastamos ele do centro de decisões. Enquanto viaja e enche a pança que é o que ele ama fazer, nós consolidamos e alinhavamos a República Socialista do Brasil.

Anônimo disse...

Muito bom o artigo. As perspectivas são sombrias, embora verdadeiras. Quisera, metade de população tivesse acesso a ele.
As coisas mudariam mais depressa.

Joao disse...

Vote na Dilma e ganhe, inteiramente grátis, um José Sarney de presente. Mas não é só isso, votando na Dilma você também leva, inteiramente grátis (grátis?????) um Fernando Collor de presente. Não pense que a promoção termina aqui, votando na Dilma você também ganha, inteiramente grátis, um Renan Calheiros e um Jader Barbalho. Mas atenção, para você votar na Dilma, você também ganha uma Roseana Sarney no Maranhão e uma Ideli Salvati em Santa Catarina. Ligue já para a Dirceu-shop, e ganhe esta maravilhosa oferta de presente. Dilma, Collor, Sarney pai, Sarney filha, Renan Calheiros, Jáder Barbalho, José Dirceu, e muito, muito mais, com um único voto; e tem mais, você também leva bonequinhos temáticos de presente: do Hugo Chavez prendendo o dono da Globovision, do Evo Morales com lindas fazendinhas de coca, do Fidel Castro com marionetes de torturados e famintos presos políticos, e do Mahmoud Ahmadinejad com lindas bombinhas atômicas que explodem de verdade!!! Tudo isto e muito mais... e você ainda concorre a um lindo esqueleto da BANCOOP de presente. Ligue já para a Dirceu-shop e não perca esta maravilhosa promoção!!!

(mande este texto, que achei em um site, para os seus contatos de e-mail, com humor vamos mostrando para todos quem quer continuar a mandar, e desmandar, no Brasil)

Esperança disse...

Um experimento de sala de aula sobre socialismo, versão em audio... muito bom!
Impossível multiplicar riqueza dividindo-a.
http://bandnewsfm.band.com.br/pop_audio.asp?MMS=http://www.bandnewsfm.com.br/audio/SALOMAO_1006.mp3&ID=313647#