terça-feira, 22 de junho de 2010

Lula ironiza que não sabe como o processo do mensalão teve continuidade na Justiça, apesar da falta de provas

Edição do Alerta Total - www.alertatotal.net
Leia também o Fique Alerta – www.fiquealerta.net (atualizado nesta Terça)

Por Jorge Serrão

O chefão $talinácio da Silva voltou a decretar ontem a máxima de que o mensalão nunca existiu. Mas o Presidente foi contraditório, na enrevista dada ao programa Cidadania, da TV Senado, que vai ao ar na próxima sexta-feira, às 21h 30min. Pregou que os responsáveis pelo esquema de compra de votos de congressistas "paguem o que tiverem de pagar".

Lula agiu eleitoreiramente. Suas palavras foram uma tentativa de cutucada no ex-deputado Roberto Jefferson, presidente do PTB, que fechou apoio à candidatura presidencial de José Serra. Lula alegou, na enrevista, que não entende como o processo do mensalão do PT teve continuidade na Justiça. O chefão reclamou que o processo é baseado em acusação de um deputado (que ele não citou o nome) que foi cassado porque não apresentou provas das denúncias que fez.

O processo do mensalão segue em alta velocidade de tartaruga no Supremo Tribunal Federal, com 39 réus, entre eles o ex-ministro da Casa Civil e agora famoso consultor de empresas José Dirceu de Oliveira e Silva. $talinácio saiu ileso do caso que quase derrubou seu governo. Os ministros do STF rejeitaram pedidos para tornar Lula réu no caso.

Motivo da bronca

O hábil $talinácio aproveitou sua entrevista à TV Senado para dar um troco em Roberto Jefferson pela entrevista que o ex-deputado deu ao Valor Econômico de ontem.

Jefferson meteu o pau na candidata petista ao Planalto, avisando que o PTB vai à oposição se ela vencer:

O projeto político dela vai nos levar o cerceamento da liberdade democrática. Olha os alinhamentos internacionais do País, com bandido, protetor de traficante, produtor de cocaína, com homem que humilha a mulher, com homem como Ahmadinejad. E o governo do Brasil diz que esses caras são bons? Vamos enfrentar isso”.

Por fora continua

Na entrevista ao Valor, Roberto Jefferson declarou que a prática do financiamento de campanha eleitoral, por fora, continua vigorando:

Estou afastado das eleições, não vou receber financiamentos. Por ouvir dizer... Por ouvir dizer que está havendo também (doações por fora). Não sei a quantidade...

Jefferson também comentou que o esquema do mensalão, tal como denunciou cinco anos atrás, na forma do toma lá dá cá, não existe mais no Congresso.

Paga quando puder

Na entrevista à TV Senado, $talinácio prometeu que pagará as multas por propaganda eleitoral antecipada, se perder os recursos judiciais.

Ele já levou cinco multas, que somam R$ 37,5 mil, por ter agido, indevidamente, em favor de sua candidata Dilma Rouseff.

$talinácio reclamou que as multas foram resultantes de brechas na Lei Eleitoral – que não regulamenta a pré-campanha.

Impostura

$talinácio voltou a defender a alta carga tributária do Brasil.

Repetiu que não conhece nenhum país desenvolvido que arrecade pouco imposto.

Para aliviar, veio com a estorinha de que gostaria de governar com taxas mais baixas, mas alegou que precisa administrar com responsabilidade e que, no momento, essa é a fórmula para conter a inflação.

Almoços Discretos

Toda sexta-feira, um grupo de poderosos advogados se junta para almoçar, sempre em um restaurante diferente de São Paulo.

Entre eles, o ex-ministro Márcio Thomaz Bastos e Arnaldo Malheiros Filho - preferido para ocupar a vaga de Eros Grau no Supremo Tribunal Federal.

Também fazem parte da confraria os pesos pesados Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, Alceu Affonso Ferreira e Mário Sérgio Duarte Garcia.

Jura que foi balão?

Só um imbecil coletivo é capaz de acreditar, facilmente, na justificativa da Prefeitura do Rio de que o megaincêndio no matagal do Morro dos Cabritos foi provocado por balões.

A certeza é que o fogo começou pelas laterais do morro e se espalhou, com o vento forte.

Culpar o balão é fácil porque não há como provar que ele foi o causador do balão.

Mentirinha ecológica

Além de condenar o balão e chamar os baloeiros de criminosos, o prefeito Eduardo Paes fez a falsa promessa de que a área atingida no morro seria reflorestada imediatamente.

Ontem, a própria Secretaria de Meio Ambiente carioca desmentiu, oficialmente, o prefeito, com a informação de que a vegetação atingida foi pouca, composta de capim e pequena variedade e quantidade de plantas rasteiras.

A Secretaria informou que grande parte dos quatro hectares atingidos pelo incêndio no morro dos Cabritos é formada por um costão rochoso, o que dispensa um novo e caro reflorestamento, conforme anunciado pelo prefeito Paes, na véspera.

Poços do Visconde?

Petrobras promete investir R$ 224 bilhões de 2010 a 2014, valor R$ 4 bilhões acima do teto estimado originalmente para o seu plano de negócio relativo ao período e 28% superior aos US$ 174 bilhões previstos no programa anterior, de 2009 a 2013.

O problema é convencer o mercado de que tal promessa tem fundos de verdade – o que gerou uma queda das ações da empresa na Bovespa.

Hoje, uma Assembléia Geral Extraordinária da empresa, devidamente manipulada pelo governo (sócio controlador) vai definir os parâmetros da polêmica captação de US$ 58 bilhões que a Petrobras pretende fazer ainda este ano.

Direiros humanos na tela

Estão abertas até 2 de agosto as inscrições para a 5ª Mostra Cinema e Direitos Humanos na América do Sul – realização da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, com produção da Cinemateca Brasileira e patrocínio da Petrobras.

Regulamentos e ficha de inscrição da mostra, que acontece de 8 de novembro a 15 de dezembro de 2010, podem ser acessados através do website http://www.cinedireitoshumanos.org.br/.

Cópias em DVD - acompanhadas de sinopse, foto, ficha técnica e contato - devem ser encaminhadas até 2 de agosto para o seguinte endereço:

5ª Mostra Cinema e Direitos Humanos na América do Sul
Cinemateca Brasileira - Largo Senador Raul Cardoso 207 / 04021-070 / São Paulo / SP

Festival de Paulínia

O filme "400contra1 - Uma história do crime organizado", de Caco Souza, com Daniel de Oliveira, sobre a origem do Comando Vermelho fechará a terceira edição do Paulínia Festival de Cinema - que acontece de 15 a 22 de julho.

Ao todo, o festival exibirá 27 filmes na Seleção Oficial, que concorrerão a R$ 650 mil em prêmios: 12 são longas-metragens (seis de ficção e seis documentários) e 13 curtas-metragens, sendo seis deles da região Metropolitana de Campinas.

Entre os destaques da seleção, estão os longas exibidos no Festival de Cannes deste ano "5XFavela, agora por nós mesmos", produzido por Cacá Diegues, e "Bróder", de Jeferson De, e o documentário "Lixo extraordinário", que participou dos festivais de Sundance e Berlim.

Para pensar na cama, com a Jabulani

Xingar técnico é ironia?

Xingar jornalista é crime contra a liberdade de imprensa?

Nunca os limites éticos da atividade jornalística estiveram tão em xeque quanto agora...

Vida que segue...

Ave atque Vale!

Fiquem com Deus.

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva.

A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 22 de Junho de 2010.

5 comentários:

Anônimo disse...

Muitas das técnicas que alguns grupos de “poderosos” criadores de mitos e falsas verdades usam nos dias de hoje, foram criados na época da 2a Guerra Mundial pelos alemães. A técnica mais usada nos dias de hoje, é a repetição de uma mentira por tantas vezes que a mesma soará como verdadeira e enganará a muitos.

Um caso em que este “artifício” está sendo usado a rodo, é a capitalização da Petrobras.
Muito tem se falado e escrito, mas a verdadeira causa da queda das ações da Petrobras, é que os principais acionistas (minoritários) não possuem “cacife” para subscreverem as suas cotas (direitos) das ações que possuem.
Então, estes “incacifados” falam em diluição do percentual de ações que os minoritários possuem, e fazem um contumaz terrorismo ao dizer que as ações da Petrobras poderão cair ainda mais.
Em termo de renda variável, qualquer ação pode cair ou subir ainda mais, mas existe um suporte e uma resistência, que “normalmente” rege as cotações de todas as ações da renda variável.

Se formos verificar quantas empresas estão na situação da Petrobras atualmente na Bovespa, veremos que praticamente a Petrobras é a única empresa em que o valor de mercado está abaixo do valor patrimonial. Isto sem contar com as novas descobertas do pré-sal.
Ou seja, o valor patrimonial atual da Petrobras ainda não está incorporado as novas descobertas feitas nos últimos anos.

Então, uma pergunta torna-se necessária ser perguntada e respondida agora: por que isto está acontecendo?

Bem, responder isto é mais fácil do que roubar doce de criança...
Porque os grandes investidores estrangeiros (muitos perderam fortunas nos EUA e se mantiveram aqui no Brasil ainda vivos) estão saindo (muitos não sairão jamais) da maior “trolha” tomada em todos os tempos. Isto devido aos precatórios americanos (créditos podres das hipotecas).

A perda para os grandes investidores (alguns ainda foram vítimas do mister Madoff) foi algo que até o dia de hoje ainda não foi totalmente mensurado.
Muitos destes grandes investidores ainda se sustentam na bolsa brasileira (Bovespa) usando o artifício de operarem vendidos. E têm sucesso na na bolsa brasileira, devido à baixa liquidez e baixos volumes financeiros de nossa bolsa. Caso contrário, estes mesmos investidores, já teriam sido varrido do mapa da renda variável...

Agora, como há muitos interesses envolvidos na maxi-emissão de novas ações da Petrobras (IPO), são feitas diversas “marolinhas”, fazendo com que as ações da Petrobras ainda permaneçam em valores sub-avaliados pelo mercado.

Mas, para aviso de todos os “fazedores” de marolas, a subscrição da Petrobras irá ser vitoriosa, e muitos destes que hoje são os detratores da verdade e fazem com que alguns inexperientes investidores acreditem nas bobagens ditas e escritas por estes pseudos fracassados, ficarão chupando os dedos (não pensem em besteiras, por favor). Pois os fundos de pensões, BNDES, e o próprio governo, está louquinhos para abocanharem os “nacos” dos titubeantes criadores de “fracassos” e de todos aqueles que ainda não entenderam que a Petrobras irá se tornar na maior empresa de energia do mundo.

Quem viver verá!!!...

Anônimo disse...

A gente sabe ou intui o tamanho do atoleiro. O que sinto falta é das indicações dos estudiosos pra orientar, dar as dicas do quê fazer para livrar a nação dos gafanhotos coletivistas.

Anônimo disse...

Outra mentira contata centenas de vezes:

Lula tem 80% de aprovação!!!

Esta é a mãe de todas as mentiras!

Coronel Humberto Pinto disse...

O sábio diz que a mentira tem pernas curtas.
 
terça-feira, 22 de junho de 2010
Edição do Alerta Total - www.alertatotal.net
Leia também o Fique Alerta – www.fiquealerta.net (atualizado nesta Terça)

Por Jorge Serrão
Jura que foi balão?

Só um imbecil coletivo é capaz de acreditar, facilmente, na justificativa da Prefeitura do Rio de que o megaincêndio no matagal do Morro dos Cabritos foi provocado por balões.

A certeza é que o fogo começou pelas laterais do morro e se espalhou, com o vento forte.

Culpar o balão é fácil porque não há como provar que ele foi o causador do balão.

Mentirinha ecológica

Além de condenar o balão e chamar os baloeiros de criminosos, o prefeito Eduardo Paes fez a falsa promessa de que a área atingida no morro seria reflorestada imediatamente.

Ontem, a própria Secretaria de Meio Ambiente carioca desmentiu, oficialmente, o prefeito, com a informação de que a vegetação atingida foi pouca, composta de capim e pequena variedade e quantidade de plantas rasteiras.

A Secretaria informou que grande parte dos quatro hectares atingidos pelo incêndio no morro dos Cabritos é formada por um costão rochoso, o que dispensa um novo e caro reflorestamento, conforme anunciado pelo prefeito Paes, na véspera.

É de justiça.

Visite: www.sab-rio.110mb.com

Humberto Pinto Cel

Coronel Humberto Pinto disse...

Ilustre Jornalista
Jorge Serrão

A Instituição do Embuste

No Brasil vivemos um pleno processo de anomia, ou Estado da sociedade no qual os padrões normativos de conduta e crença têm enfraquecido ou desaparecido.
O incêndio no Morro dos Cabritos na Zona Sul do Rio de Janeiro, abrangendo os bairros de Copacabana, Ipanema e Leblon, foi usado pelos meios de mídia e consentido pelo Prefeito da Cidade, na presunção de ter sido causado por balão.
Acusação leviana!
Na pressa de acusar, sequer foram ouvidos e respeitados os órgãos do Corpo de Bombeiros e Polícia Civil, competentes para elucidarem e determinarem a causa do sinistro.
Logo, botam mais lenha na fogueira e passam a fomentar mais a odiosa perseguição aos baloeiros, artífices do balão – balão junino.
Os agentes da repressão, por seu turno, na consecução das ações, realizam apreensão de balões e prisão de baloeiros de forma arbitrária, mas baseado no Art. 42 da Lei 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, falso e injusto.
Assim, se estabelece o conflito!
Essa metodologia de compulsão do comportamento das pessoas baseada em vontade unilateral, fatos e hipóteses enganosas, vicia a ação governamental, mas atende os propósitos dos agentes prontos para condenar a arte, o folclore e a cultura da nossa gente.
Para afirmar e manter um dispositivo de lei flagrantemente inconstitucional usa-se a política do pragmatismo e os artifícios jurídicos que são à base da democracia e que devem ser respeitados são postergados; estamos no curso da anarquia ¹.
E o Estado de Direito?
A quem apelar?
A denúncia é esta e aguardamos a palavra do Egrégio Ministério Público, a instituição democrática inserida na Constituição Brasileira de 1988, capaz de fazer cessar essa impostura.

Humberto Pinto Cel


1. Anarquia. Estado de um povo em que o poder público, ou de governo, tenha desaparecido. 2 Negação do princípio de autoridade. 3 Confusão, desordem. 4 Desmoralização